MULHERES EM CENA: o feminino na contemporaneidade

  • Gilmar Antoniassi Junior
  • Rayane Stéfane Rocha
  • Regina Celia de Souza Beretta
  • Glória Lúcia Alves Figueiredo
Palavras-chave: -

Resumo

Introdução: O feminino é um conceito atribuído aos seres que nascem com o sexo e funções reprodutoras biológicas de fêmea. Dessa maneira, se diferencia do masculino, simplesmente por questões naturais. Considerando-se que a sociedade se articula ao longo de seu desenvolvimento para a instauração da necessidade em demarcar essas diferenças, é proposta uma lógica por intermédio da conformação do que é o corpo feminino e o que é ser mulher, atribuída a ideia de feminilidade. Entende-se que a feminilidade é uma construção social que perdura durante séculos, com o intuito de se estabelecer o que é ser mulher em diferentes contextos. Objetivo: Refletir acerca do feminino na contemporaneidade. Metodologia: Desse modo, o tratasse de um estudo qualitativo narrativo a partir da revisão de literatura acerca da temática do feminino na contempraneidade. Foram escolhidos estudos que públicados nos últimos 10 anos, bem como a leitura de Simone de Beauvoir. Considerações: É possível identificar que ocorreram diversas modulações, por meio de questionamentos e rompimentos com essas atribuições sociais. Entretanto, o discurso dominante que permeia disciplinando a mulher desde a mais tenra infância em práticas corporais de gênero, que são encaradas como natural ou própria à feminilidade, quando na verdade são frutos de uma construção social sustentada ao longo da história por discursos culturais. Na contemporaneidade, acredita-se que a mulher tem dado vasão a mais lugares, se empoderando e travando lutas sobre seus direitos, porem existe uma narrativa para a mulher sobre seus próprios desejos, agregando ainda sua aparência como marca determinante de feminilidade, o que gera um paradoxo entre o que é ser feminina e o que de fato é ser mulher. Sendo importante considerar que a mulher esta cada dia mais avançando, seja no mercado de trabalho, no enfrentamente diante de situações historicamente estabelecidas e sustentadas por nossa cultura. Mas a mulher feminina contemporânea ainda tem muito o que enfrentar, na perspectiva de demarcar o seu lugar e não em perpetuar um paradigma já estabelecido e repercuti-lo. Como Simone de Beauvoir afirma “não se nasce mulher: torna-se mulher” atenta ao fato de que as mulheres são ensinadas, desde a infância, a cumprir um papel puramente social de submissão, de feminilidade, autocuidado, preservação e doação.  Vivemos uma era em que acredita-se ter obtido muitas revoluções e conquistas, entretanto qual o lugar dessa mulher, ela tem que seguir um padrão de beleza preestabelecido, cuidar da casa, ser mãe, trabalhar e exercer tantos papeis a ela atribuído, ou ela pode modificar tudo e se reinventar não enquanto o gênero mas enquanto ser humano. Esse é o questionamento que motiva a seguir com a pesquisa a fim de construir caminhos e possibilidades para não determinar algo e sim amplia-lo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

-
Publicado
2019-07-29
Como Citar
Antoniassi Junior, G., Rocha, R., Beretta, R., & Figueiredo, G. (2019). MULHERES EM CENA: o feminino na contemporaneidade. Psicologia E Saúde Em Debate, 5(Suppl.1), 27-27. Recuperado de http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/503