AUTISMO: uma experiência de amor

  • Thais Braga da Silva
  • Luciana de Araújo Mendes Silva
  • Delza Ferreira Mendes
Palavras-chave: -

Resumo

Introdução: O autismo pode ser enfrentado por algumas famílias de uma maneira inadequada existindo assim uma convivência com a existência de sentimentos negativos. Diante disso, é preciso despertar tais atores sociais para mudança de hábitos familiares a partir da aceitação da realidade da criança autista e ter conhecimento das dificuldades que eles têm como mais com amor e paciência, pois dessa forma é possível vencer os obstáculos.   Objetivo: compreender a comunicação entre a família e a criança autista. Metodologia: O trabalho foi realizado em forma de resenha do livro “Mãe me ensina a conversar” de autoria de Dalva Tadachi. Considerações: A autora afirma positivamente que a família deve acreditar que uma criança autista é capaz de se desenvolver e ser independente, mas deixa claro que esse desenvolvimento depende da ajuda não só da família, mas também de profissionais capacitados. A obra possui uma linguagem clara, boa sequência de ideias, uma boa organização devido à divisão em capítulos, com uma argumentação sólida, relata as vivências familiares diante do diagnóstico de autismo de filhos, todos os obstáculos e conquistas alcançados durante os anos de tratamento.  A obra retrata as vivências e lutas de uma mãe com filho autista, por isso é uma leitura muito relevante e importante para os pais, especialmente, mães que tenham filhos autistas e que buscam melhorar a qualidade de vida deles. A obra é indicada também para profissionais tanto na área da educação como na área da saúde, a fim de que desempenhem seu trabalho proporcionando sensibilização quanto às angústias, medos e expectativas de muitas mães diante de um filho com diagnóstico autista.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

-
Publicado
2019-07-29
Como Citar
Silva, T., Silva, L., & Mendes, D. (2019). AUTISMO: uma experiência de amor. Psicologia E Saúde Em Debate, 5(Suppl.1), 32-32. Recuperado de http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/509