PREVENÇÃO E POSVENÇÃO DO SUICÍDIO: RELATOS DE PARENTES DE PESSOAS QUE MORRERAM POR SUICÍDIO

Autores

  • Rosario Sunde Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS
  • Doglas M. Alberto Paqueleque Hospital Central de Nampula-Mocambique

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A1

Palavras-chave:

Prevenção, Posvenção, Suicídio, Parentes, Estratégias

Resumo

O presente artigo com o tema prevenção e posvenção do suicídio é um estudo de caso que envolveu parentes de pessoas que morreram por suicídio. Este estudo objetivou avaliar as estratégias de prevenção e posvenção do suicídio. Foi usada uma abordagem qualitativa combinada por uma análise de conteúdo de entrevista aplicada a 2 pessoas (+18 anos). As entrevistas foram realizadas nas residências dos participantes depois de serem contactados e apresentados termo de consentimento livre e esclarecido. Os resultados desta pesquisa nos levam a concluir que após a morte de um parente por suicídio ficam muitas marcas entre indignações, cuplas, angústia e sofrimento pelo desaparecimento do ente querido. Percebemos ainda que, por falta de condições financeiros, os problemas relacionados com luto são geridos entre os familiares por meio de roda de conversas e autoajuda, o que pode levar aos sobreviventes a vivenciar experiências de dor e o luto por muito tempo. Sugere-se para tal a promoção de serviços de atendimento psicológico aos parentes enlutados para prevenir casos de luto complicado e suicídio por contágio. Para tal, os centros de saúde devem criar laços de cooperação com as entidades jurídicas rastreando casos de morte por suicídio para o devido acompanhamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Doglas M. Alberto Paqueleque , Hospital Central de Nampula-Mocambique

Graduação de Psicologia Social e das Organizações – Universidade Pedagogica de Mocambique

Profissional de Saúde afecto no Sector de Urgência de Traumatologia do Departamento de Ortopedia do Hospital Central de Nampula- Mocambique

Referências

Autarca, Jornal Independente (2018). Responsabilidades individual, social e do Estado na prevenção de suicídios, 1º Jornal Eletrônico, Beira, Edição nº 3548 – Página 02/06, https://macua.blogs.com/files/10-09-2018.pdf

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Botega, N.J., Werlang, B.S.G., Cais, C.F.S & Macedo, M.M.K. (2006). Prevenção do comportamento suicida. Revista Psico. 37(3), pp. 213-220.

Blog Vita Alere, Moçambique, (2016). Moçambique é o país africano com maior taxa de suicídio – OMS. Blog: Vita Alere. https://vitaalere.com.br/mocambique-e-o-pais-africano-com-maior-taxa-de-suicidio-oms/

Brasil, Ministério da Saúde (2017). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico: Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Vol. 48-nr 30, 2017. http://portalms.saude.gov.br/boletins-epidemiologicos

Duarte, R. (2002). Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, (115), 139–154. doi:10.1590/s0100-15742002000100005

Fukumitsu, K.O., Abílio, C.C.C., Lima, C.F.S., Gennari, D.M., Pellegrino, J.P. & Pereira, T.L. (2015). Posvenção: uma nova perspectiva para o suicídio. Revista Brasileira de Psicologia, 02(02), Salvador, Bahia, 2015

Klonsky, E. D. & May, A. M. (2015). The three step theory (3ST): a new theory of suicide rooted in the “ideation to action” framework. in International Journal of Cognitive Therapy, 8 (2), 114-129.

Klonsky, E. D., Saffer, B. Y. & Bryan, C. J. (2017). Ideation to action theories of suicide: a conceptual and empirical update. ELSEVIER: Current Opinion in Psychology, 22:38-43.

Luís, M. M. C. G. (2016). Dor psicológica e risco suicidário: Um estudo longitudinal com indivíduos da comunidade. Universidade de Évora, https://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/19910/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O_final_pos_juri.pdf, 10 de junho de 2020.

Muller, S.A., Pereira, G. & Zanon, R.B. (2018). Estratégias de prevenção e posvenção do suicídio: Estudo com profissionais de um Centro de Atenção Psicossocial. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo, vol. 9, n. 2, p. 6-23, Jul.-Dez., 2017 - ISSN 2175-5027 DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2017.v9i2.1686

Saldaña, J. (2013). The Coding Manual of Qualitative Researchers. London, SAGE Publishing, Publications Ltd. 2ed. London EC1Y 1SP, 2013.

Shneidman, E. S. (1999). Conceptual Contribution The Psychological Pain Assessment Scale. Suicide and Life-Threatening Behavior, Vol. 29(4), Winter 1999, The American Association of Suicidology. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1943-278X.1999.tb00524.x

Sunde, R.M. & Sunde, L.M.C. (2020). Luto familiar em tempos da pandemia da COVID-19: dor e sofrimento psicológico. Rev.Interfaces, v.8.N.3 (2020), ISSN 2317-434X (NÚMERO ESPECIAL – COVID-19). DOI: http://dx.doi.org/10.16891/2317-434X.v8.e3.a2020.pp703-710

Valentin, F., Araújo, K., Lopes-Lyra, R. & Maposse, A. J. (2019). Grupo de prevenção ao suicídio no contexto universitário: uma experiência em Moçambique. Rev. Nufen: Phenom. Interd. | Belém, 11(2), 180-195, mai. – ago., 2019. 180; DOI: 10.26823/RevistadoNUFEN.vol11.n02rex31

World Health Organization (2014). Preventing suicide: a global imperative. Geneva, Switzerland,https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/131056/9789241564779_eng.pdf?sequence=1

Downloads

Publicado

2021-01-18

Como Citar

Sunde, R., & Paqueleque , D. M. A. . (2021). PREVENÇÃO E POSVENÇÃO DO SUICÍDIO: RELATOS DE PARENTES DE PESSOAS QUE MORRERAM POR SUICÍDIO. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 1–14. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A1

Edição

Seção

Artigo original