SUPORTE ORGANIZACIONAL E ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: correlatos e diferenças entre funcionários da área de saúde e educação de um munícipio do Estado da Paraíba, Brasil.

Autores

  • Nilton Soares Formiga Universidade Potiguar - UNP https://orcid.org/0000-0003-4907-9736
  • Juliana Bianca Maia Franco Universidade Potiguar - UNP
  • Heitor César Costa Oliveira Universidade Potiguar - UNP
  • Lígia Anderson da Silva Costa Araújo Universidade Potiguar - UNP
  • Fernando Santos Nascimento Universidade Potiguar - UNP
  • Ennio Alves de Sousa Andrade Lima Universidade Potiguar - UNP

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A5

Palavras-chave:

Suporte organizacional, Assédio moral,, Funcionários municipais, correlação.

Resumo

Este artigo tem como objetivo verificar a relação entre o suporte organizacional e o assédio moral em funcionários nas distintas áreas do setor público municipal. Com as novas perspectivas econômicas e sociais, tem acompanhado, através dos relatos dos trabalhadores exigências funcionais que poderão causas danos psicológicos sérios, um deles, é o assédio moral, o qual, interferem no desenvolvimento e na produtividade na relação organização-trabalho-indivíduo-saúde. Trata-se de um estudo descritivo, exploratório e correlacional, de abordagem quantitativa com profissionais no munícipio de Conceição-PB /Brasil. Participaram 288 funcionários, na área da saúde e educação, 58% eram homens e 35% mulheres, com uma média de 41,56 anos, renda econômica entre 1 e 2 salários e o tempo de serviço, em média, 10,77 anos. Eles responderam a escala de Percepção de Suporte Organizacional, escala de percepção de assédio moral no mundo do trabalho, escala de Impacto Afetivo do Assédio Moral no Trabalho e dados sociodemográficos. Os resultados revelaram que os constructos utilizados foram confiáveis para o tipo de amostra avaliada; no que se refere a díade suporte organizacional-assédio moral, provavelmente, contribuirão para a inibição do fenômeno do assédio no ambiente de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Associação Nacional De Pesquisa E PósGraduação Em Psicologia - ANPEPP. (2000). Contribuições para a discussão das Resoluções CNS nº. 196/96 e CFP Nº 016/2000.

Barreto, M. M. S. (2003). Violência, saúde e trabalho: uma jornada de humilhações. São Paulo: EDUC.

Bertoncello, B., & Borges-Andrade, J. E. Relações entre Suporte Organizacional e Saúde Mental do Trabalhador. R. Laborativa, v. 4, n. 2, out. 2015, p. 85-102.

Brant, Luiz Carlos, & Minayo-Gomez, Carlos. (2004). A transformação do sofrimento em adoecimento: do nascimento da clínica à psicodinâmica do trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 9(1), 213-223.

Caesens, G., Stinglhamber, F., & Ohana, M. (2016). Perceived organizational support and well-being: A weekly study. Journal of Managerial Psychology, 31(7), 1214–1230. https://doi.org/10.1108/JMP-01-2016-0002.

Conselho Nacional De Saude – CNS. (2012). Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos.

Chong, H., White, R. E., & Prybutok, V. (2001). Relationship among organizational support, JIT implementation, and performance. Industrial Management e data systems, 101(6), 273-280.

Costa, P. F. (2015). Assédio Moral no ambiente do trabalho. Trabalho de conclusão de curso em Direito. Universidade Federal do Rio Grande.

Dasen, P. R. (2012). Emics and etics in cross-cultural psychology: towards a convergence in the study of cognitive styles. In T.M.S. Tchombe, A. B. Nsamenang, H. Keller and M. Fülöp (Eds.), Cross-cultural psychology: An Africentric perspective. (pp. 55-73).

Eisenberger, R., Huntington, R., Hutchison, S., & Sowa, D. (1986). Suporte organizacional percebido. Journal of Applied Psychology, 71 (3), 500–507. https://doi.org/10.1037/0021-9010.71.3.500

Fandiño, A. M., Formiga, N. S., & Menezes, R. M. (2018). Organizational social capital, resilience and innovation validation of a theoretical model for specialized workers. Journal of Strategy and Management.

Faul F., Erdfelder E., Lang, A., & Buchner, A. (2007). G*Power 3: A flexible statistical power analysis program for the social, behavioral, and biomedical sciences. Behavior Research Methods, 39, 175–191.

Fernandes, C. M., Siqueira, M. M. M., & Vieira, A. M. (2014). Impacto da percepção de suporte organizacional afetivo: o papel moderador da liderança. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(4), 140-162.

Formiga, N. S, Miranda, A. L. B. B., Araújo, I. T., Pastana, S. T. G., & Mafra, A. L. (2018). Evidência da invariância fatorial e validade convergente da escala de suporte organizacional: estudo com trabalhadores brasileiros. Boletim - Academia Paulista de Psicologia, 38(94), 27-35.

Formiga, N. S., Sousa, E. A. & Freire, B. G. O. (2018). Suporte organizacional e capital psicológico no trabalho: correlatos em trabalhadores brasileiros. Psicologia.pt, 1-15.

Formiga, N. S., Lima, E. A. de S. A., Franco, J. B. M., & Pereira, C. G. (2020). A measure of bullying at work: Factorial structure and invariance in different labor areas in Brazil. Research, Society and Development, 9(4).

Formiga, N. S., Sampaio, L. R., & Guimaraes, P. R. B. (2015). How many dimensions measure empathy? Empirical evidence multidimensional scale of interpersonal reactivity in brazilian. Eureka, 12 (1), 94 -105.

Formiga, N., Fleury, L. F. O., & Souza, M. A. (2014). Evidências de validade da escala de percepção de suporte organizacional em funcionários de empresa pública e privada. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 5(2), 60-76.

Formiga, N., Freire, B., & Fernandes, A. (2019). Evidência métrica de construto e invariância fatorial da escala de percepção de suporte organizacional em trabalhadores brasileiros. Revista de Gestão e Secretariado, 10(2), 194-221.

Hair, J. F., Anderson, R.E., & Tatham, R.L (1995). Análise multivariada de dados. 4ª ed. Prentice-Hall, Englewood Cliffs, NJ.

Hutz, C. S., Bandeira, D. R., & Trentini, C. M. (Ed.) (2015). Psicometria. Porto Alegre: Artmed.

Kalidass A., & Bahron, A. (2015). Relationship between Perceived Supervisor Support, Perceived Organizational Support, Organizational Commitment and Employee Turnover Intention. International Journal of Business Administration, 6(5), 82-89.

Kurtessis, J. N., Eisenberger, R., Ford, M. T., Buffardi, L. C., Stewart, K. A., & Adis, C. S. (2017). Perceived organizational support: A meta-analytic evaluation of organizational support theory. Journal of Management, 43(6), 1854–1884.

Lima, T. D. F., & Souza, M. A. (2015). O Impacto do Mobbing sobre o estresse no trabalho. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(2), 608-630.

Martins, M. C. F., & Ferraz, A. M. S. (2011). Propriedades psicométricas das escalas de assédio moral no trabalho - percepção e impacto. Psico-USF, 16 (2), 163-173.

Martins, M. C. F., & Ferraz, A. M. S. (2014). Assédio moral nas organizações. In: SIQUEIRA, M. M. M. (Org.). Novas Medidas do Comportamento Organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. (pp. 25-38). Porto Alegre: Artmed, 2014.

Mendes, L., Chaves, C. J. A., Santos, M. C., & Mello Neto, G. A. R. (2007). Da arte ao ofício: vivências de sofrimento e significado do trabalho de professor universitário. Revista Mal Estar e Subjetividade, 7(2), 527-556.

Mesquita, Alex A., Silva, Amanda S., Bezerra, Hamanda R., Fontinele, Thaís P., & Neiva, Yuri P. (2017). Assédio moral: impacto sobre a saúde mental e o envolvimento com trabalho em agentes comunitários de saúde. Revista Psicologia e Saúde, 9(1), 3-17.

Ministério do Trabalho e Emprego. (2010). Assédio Moral e Sexual no Trabalho. Cartilha elaborada pela Subcomissão de gênero com participação da Comissão de Ética do MTE. Brasília, DF.

Nascimento, S. A. C. M. (2014). Assédio moral no ambiente do trabalho. São Paulo: Revista Ltr, 68(8), 922-930.

Nunes, T. S., Tolfo, S. R., & Espinosa, L. M. C. (2018). Assédio moral no trabalho: a compreensão dos trabalhadores sobre a violência. R.G.Secr.,GESEC, 9(2).

Oliveira-Castro, G. A. D., Pilati, R., & Borges-Andrade, J. E. (1999). Percepção de suporte organizacional: desenvolvimento e validação de um questionário. Revista de Administração Contemporânea, 3 (2), 29-51.

Pai, D. D., Sturbelle, I. C. S., Santos, C., Tavares, J. P., & Lautert, L. (2018). Violência física e psicológica perpetrada no trabalho em saúde. Texto & Contexto - Enfermagem, 27(1), e2420016. Epub March 05, 2018.https://dx.doi.org/10.1590/0104-07072018002420016

Paschoal, T. (2008). Bem-estar no trabalho: relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Patriota, R. A. L. (2016). Assédio Moral em Instituições Bancárias da Capital Paraibana / Dissertação (Mestrado Profissional em Administração). Universidade Potiguar. Pró-Reitoria Acadêmica – Núcleo de Pós-Graduação.

Pereira, G, A. (2018). Correlatos entre suporte organizacional, capital psicológico e saúde geral de enfermeiros em um hospital público. Dissertação de Mestrado, Universidade Potiguar, UnP, Natal-Rio Grande do Norte., RN.

Podsakoff, P. M, MacKenzie, S. B., Lee, J.-Y., & Podsakoff, N. P. (2003). Vieses de método comuns em pesquisa comportamental: uma revisão crítica da literatura e remédios recomendados. Journal of Applied Psychology, 88 (5), 879–903.

Puente-Palacios, K., & Martins, M. C. F. (2015). Gestão do clima organizacional. In L. O. Borges & L. Mourão (Orgs.), O trabalho e a organização: Atuações a partir da psicologia (pp.253-278). Porto Alegre: Artmed.

Rhoades, L., & Eisenberger, R. (2002). Suporte organizacional percebido: uma revisão da literatura. Journal of Applied Psychology, 87 (4), 698–714.

Siqueira, M. M. M. (1995). Antecedentes de comportamentos de cidadania organizacional: análise de um modelo pós-cognitivo. Tese de doutorado não-publicada, Universidade de Brasília, Brasília.

¬¬ Siqueira, M. M. M. (2008). Medidas do comportamento organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed.

¬¬¬¬¬¬¬¬ Siqueira, M. M. M. (2014). Novas medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2014.

Siqueira, M. M. M., & Gomide Jr., S. (2004). Vínculos do indivíduo com o trabalho e com a organização. Em J. C. Zanelli, J. E. BorgesAndrade & A. V. B. Bastos (Orgs), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed.

Silva, R. D. S., Cappellozza, A., & Costa, L. V. (2014). O impacto do Suporte Organizacional e do Comprometimento Afetivo sobre a Rotatividade. Revista de Administração IMED, 4(3), 314-329.

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (2001). Usando estatísticas multivariadas. Needham Heights, MA: Allyn & Bacon.

Torres, A. C., Chagas, M. I. O., Moreira, A. C. A., Barreto, I. C. H. C., & Rodrigues, E. M. (2011). O adoecimento no trabalho: repercussões na vida do trabalhador e de sua família. SANARE – Revista de Políticas Públicas, 10(1), 42-48.

Tschiedel, R. M., & Monteiro, J. K. (2013). Prazer e sofrimento no trabalho das agentes de segurança penitenciária. Estudos de Psicologia (Natal), 18(3), 527 535.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Como Citar

Formiga, N. S., Franco , J. B. M., Oliveira, H. C. C. ., Araújo, L. A. da S. C. ., Nascimento, F. S. ., & Lima, E. A. de S. A. (2021). SUPORTE ORGANIZACIONAL E ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: correlatos e diferenças entre funcionários da área de saúde e educação de um munícipio do Estado da Paraíba, Brasil. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 54–76. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A5

Edição

Seção

Artigo original