ENCONTRO COM PAIS: “a importância do brincar para o desenvolvimento infantil”

I Mostra de Práticas Psicológicas – Estágio Básico

  • Gilfrank Nunes
  • Maria Veloso
  • Karla Lemgruber
Palavras-chave: brincar, pais e filhos, psicanálise, escola

Resumo

O brincar se manifesta sob várias formas: escorregar, escalar obstáculos, pular, chutar bola, manusear brinquedos, imitar adultos, manipular areia, modelar, etc. Cada detalhe do comportamento como mudanças na postura ou na expressão facial pode dar uma pista sobre o que está se passando na mente da criança. Segundo Winnicott (1975), a brincadeira é uma forma básica de viver, universal e própria da saúde, que facilita o crescimento e conduz aos relacionamentos grupais. Para Freud (1908), a criança brincando, cria um mundo próprio ou rearranja as coisas de seu mundo numa forma que lhe agrada. A criança leva seu jogo a sério e investe emoção nele. Melanie Klein (1931), foi pioneira na análise de crianças e utilizando do brincar, chegou ao cerne da fantasia inconsciente. As brincadeiras infantis poderiam nos levar a conhecer os significados latentes e estabelecer correlações com situações experimentadas ou imaginadas por elas, fornecendo a criança, possibilidade de elaborar tais situações. A escola é um ambiente privilegiado para a transmissão desse conhecimento uma vez que reúne no mesmo lugar pais filhos e professores. Aprendemos que é função do psicólogo levar o conhecimento psicológico até a comunidade escolar criando um ambiente de interação e aprendizagem para pais, profissionais e alunos.

Publicado
2016-11-01
Como Citar
Nunes, G., Veloso, M., & Lemgruber, K. (2016). ENCONTRO COM PAIS: “a importância do brincar para o desenvolvimento infantil”. Psicologia E Saúde Em Debate, 2(Supl. 1), 65. Recuperado de http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/82
Seção
Artigo original