INCIDÊNCIA DE ÓBITOS POR SEPSE EM NEONATOS

  • Larissa Mariana Silva FPM
  • Elizaine Aparecida Guimarães Bicalho
  • Ana Carolina Magalhães Caixeta
Palavras-chave: Enfermagem, Neonatos, Sepse

Resumo

A sepse é a principal causa de óbito em pacientes neonatos em todo o mundo. A sepse neonatal pode ser classificada como precoce, que procede da contaminação do recém-nascido por bactérias transmitidas no canal de parto, ou de uma contaminação secundária a bacteremias maternas. E sepse tardia que é responsável principal pela internação prolongada e pela mortalidade de recém-nascidos internados nas unidades de terapia intensiva. O objetivo deste estudo foi identificar a incidência e causas de óbitos por sepse precoce e tardia em neonatos. Trata-se de uma pesquisa de natureza Estatística, descritiva e analítica, de abordagem quantitativa, a ser realizada através da avaliação dos dados contidos no banco de dados da Secretaria Municipal de Saúde – DATASUS. O estudo estatístico, com revisão narrativa conceitual, de caráter descritivo, é de extrema importância para que os profissionais atuantes em UTIs Neonatais tenham condições de identificar de forma rápida e adequada se a sepse neonatal precoce e tardia, para que assim possam colaborar e garantir que os recém-nascidos recebam um tratamento adequado. Os resultados obtidos mostraram que a sepse neonatal tardia ainda é uma condição clinica responsável por um grande número de óbitos em neonatos prematuros e os neonatos do sexo masculino tem maior risco para o óbito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barbosa, N. G., Reis, H., Resende, D. S., Alvares, J. R., Abadallah, V. O. S., & Gontijo Filho, P. P. (2007). Sepse neonatal precoce em unidade de terapia intensiva neonatal de um hospital universitário terciário. Pediatria Moderna. 14(50), 186-192.

Benincá, V. M., Milioli, D. P., Madeira, K., Simon, C. S., Pires, M. M. S., Rosa, M. I., & Simões, P. W. T. A. (2013). Perfil epidemiológico dos óbitos por sepse neonatal na macrorregião Sul de saúde catarinense no período de 1996 a 2009. Arquivos Catarinenses de Medicina, 42(2), 20-26.

Campos, D. P., Silva, M. V., Machado, J. R., Rodrigues, V., & Barata, C. H. C. (2010). Sepse neonatal precoce: níveis de citocinas no sangue de cordão umbilical no diagnóstico e durante o tratamento. Jornal de Pediatria, 86(6), 509-514.

Canhas, I. (2009) Anticorpos. Portal Infoescola. Recuperado em 19 agosto, 2018, de https://www.infoescola.com/sistema-imunologico/anticorpos/.

Castro, R. S. A. P. (2017). Análise da sepse neonatal tardia em prematuros de muito baixo peso após a implantação do protocolo de sepse na unidade. Dissertação, Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista, Botucatu, São Paulo, Brasil.

Carvalho, P. R. A., & Trotta, E. A. (2003). Avanços no diagnóstico e tratamento da sepse. Jornal de Pediatria, 79(2), 195-204.

Carvalho, A. R. S., Pinho, M. C. V., Matsuda, L. M., & Scoch, M. J. (2005). Cuidado e humanização na enfermagem: reflexão necessária. Resumos Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais no Brasil. Recuperado em 08 agosto, 2018, de http://cac-php.unioeste.br/projetos/gpps/midia/seminario2/trabalhos/saude/msau16.pdf

Costa, S. C., Figueiredo, M. R., & Schaurich, D. (2009). Humanização em Unidade de Terapia Intensiva Adulto (UTI): compreensões da equipe de enfermagem. Interface,13(1), 571- 580.

Costa, M. C. G., Arantes, M. Q., & Brito, M. D. C. A. (2010). UTI Neonatal sob a ótica das mães. Revista Eletronica de Enfermagem, 12(4), 698-704.

Ceccon, M. E. J. R., Krebs, V. L. J., & Vaz, F. A. C. (2000). Sepse no período neonatal. Pediatria Moderna. 1(1), 1-5.

Freitas, C. B. S., Teixeira, G. M., Lana, P. P., Zopelaro, B. A., & Pinto, E. S. O. (2016). Sepse neonatal: fatores de risco associados. Revista Científica Univiçosa, 8(1), 883-889.

Goulart, A. P., Valle, C. F., Dal-Pizzol, F., & Cancelier A. C. L. (2006). Fatores de risco para o desenvolvimento de sepse neonatal precoce em hospital da rede pública do Brasil. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 18(2), 148-153.

Mattos, D. K., & Chiaradia, M. V. C. (2013). Sepse neonatal. Pediatria Moderna, 37(1), 1-14.

Morais, G. S. N., & Costa, S. F. G. (2009). Experiência existencial de mães de crianças hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 43(3), 639-646, 2009.

Nascimento, M. M. (2012). UTI Neonatal: Ambiente de Expectativas ou de Estresse? Recuperado em 13 agosto, 2018, de://artigos.psicologado.com/atuacao/psicologia-hospitalar/uti-neonatalambiente-deexpectativas-ou-de-estresse#ixzz2hQDBlHeX.

Pinheiro, R. S., Ferreira, L. C. L., Brum, I. R., Guilherme, J. P., & Monte, R. L. (2007). Estudo dos fatores de risco maternos associados à sepse neonatal precoce em hospital terciário da Amazônia brasileira. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetricia, 29(8), 387-95.

Reichert, A.P.S., Lins, R.N.P., & Collet, N. (2007). Humanização do Cuidado da UTI Neonatal. Revista Eletrônica de Enfermagem, 9(1), 200-213.

Sales Júnior, J. A. L., David, C. M., Hatum, R., Souza, P. C. S. P., Japiassú, A., Pinheiro, C. T. S., Friedman, G., Silva, O. B., Dias, M. D., Koterba, E., Dias, F. S., Piras, C., & Luiz, R. R. (2006). Sepse Brasil: Estudo Epidemiológico da Sepse em Unidades de Terapia Intensiva Brasileiras. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 18(1), 9-17.

Salicio, D. M. B., & Gaiva, M. A. M. (2006). O significado de humanização da assistência para enfermeiros que atuam em UTI. Revista Eletrônica de Enfermagem, 08(03),370 - 376.

Santana, J. C. B., Lima, J. E., Matos, T. G., & Dutra, B. S. (2009). Humanização do cuidar em uma unidade de terapia intensiva adulto: percepções da equipe de enfermagem. Revista Enfermagem UFPE, 3(1), 1-10.

Santos, A. O. (2017). IL-1β urinário como biomarcador preditivo de sepse neonatal em pré-termos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Silva, S. M. R., Cunha, M. L. C., Schardosim, J. M., Nunes, C. R., & Motta, G. C. P. (2015). Sepse neonatal tardia em recém-nascidos pré-termo com peso ao nascer inferior a 1.500g. Revista Gaúcha Enfermagem, 36(4), 84-9.

Silveira, R. C., & Procianoy, R. S. (2012). Uma revisão atual sobre sepse neonatal. Boletim Científico de Pediatria, 1(1), 29-35.

Souza, I. F.F.T. (2015). Sepse Neonatal: diagnóstico e tratamento. Monografia de Especialização, Faculdade São Lucas, Porto Velho, Rondonia, Brasil.

Villa, V. S. C., & Rossi, L. A. (2002). O significado cultural do cuidado humanizado em Unidade de Terapia Intensiva: “muito falado e pouco vivido”. Revista Latino–Americana de Enfermagem. 10(2), 137-144. Recuperado em 18 agostos, 2018, de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v10n2/10506.pdf. Acesso: ago. 2018.

Publicado
2018-12-07
Como Citar
Silva, L., Bicalho, E., & Caixeta, A. (2018). INCIDÊNCIA DE ÓBITOS POR SEPSE EM NEONATOS. Psicologia E Saúde Em Debate, 4(3), 20-31. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N3A3
Seção
Artigo original