CIRURGIA BARIÁTRICA: PROBLEMAS ADVINDOS DO USO ABUSIVO DO ÁLCOOL E O PAPEL DO PSICÓLOGO NO TRATAMENTO

  • Gabriela Gonçalves Silva Faculdade Patos de Minas
  • Juliana Amorim Pacheco de Oliveira
Palavras-chave: Obesidade, Cirurgia Bariátrica, Consumo de álcool, Psicólogos

Resumo

A maioria dos pacientes submetidos à CB não voltam aos níveis iniciais de morbidez. Porém, para atingir bons resultados é importante que o paciente siga as orientações médicas no pré e pós cirúrgico no que se refere ao consumo de alimentos bem como a ingestão de bebida alcóolica. Este estudo se justifica diante do elevado número de cirurgias bariátricas que vem sendo realizadas e da importância do controle pós-cirúrgico, tanto alimentar quanto relacionado ao uso de bebidas alcoólicas, para que se atinja bons resultados. O trabalho é de caráter qualitativo, partindo de uma revisão conceitual de literatura. O objetivo é alertar a respeito do uso do álcool após a realização da CB e discorrer sobre a importância do apoio do profissional psicólogo no tratamento pós-cirúrgico. Os profissionais psicólogos são instrumentos fundamentais para auxiliar os pacientes a estabelecerem metas razoáveis e realizar escolhas saudáveis de estilo de vida, com melhoras significativas tanto físicas quanto psicológicas. O acompanhamento psicológico do paciente aumenta as chances de sucesso da CB, considerando que este profissional pode ajudar a reconhecer e auxiliar as psicopatologias que geralmente contribuem para o ganho de peso, tais como os transtornos fóbico-ansiosos, depressão atípica, síndrome do comer noturno e/ou transtorno da compulsão alimentar periódica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amorim, A. C. R., Souza, A. F. O., Nascimento, A. L. V., Maio, R., & Burgos, M. G. P. A. (2015). Uso de bebida alcoólica em períodos pré e pós-operatório de cirurgia bariátrica. Rev. Col. Bras. Cir., 42(1), 03-08.

Araújo, A. A., Brito, A. M., Ferreira, M. N. L., Petribu, K. & Mariano, M. H. A. (2009). Modificações da qualidade de vida sexual de obesos submetidos à cirurgia de Fobi- Capella. Ver Col Bras Cir., 36(1), 42-48.

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) (2016). Diretrizes brasileiras de obesidade. São Paulo. Recuperado em 07 de junho, 2018, de http://www.abeso.org.br/uploads/downloads/92/57fccc403e5da.pdf.

Barros, L. M., Moreira, R. A. N., Frota, N. M., Araújo, T. M. & Caetano, J. A. (2015). Qualidade de vida entre obesos mórbidos e pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. Rev. Eletr. Enf., 17(2), 312-321.

Camargo, A. P. P. M., Barros, A. A., Antônio, M. A. R. G. M., & Giglio, J. S. (2013). A não percepção da obesidade pode ser um obstáculo no papel das mães de cuidar de seus filhos. Ciênc. Saúde Coletiva, 18(2), 323-333.

Carvalho, J. E. Q. (2005). Risco de doenças e custos da obesidade. In: R. S. Silva & N. T. Ka-wara. Cuidados pré e pós-operatórios na cirurgia da obesidade (pp. 34-45). Porto Alegre: AGE.

Carvalho, K. M. B. (2002). Obesidade. In: L. Cuppari, Nutrição clínica no adulto (pp. 131- 150). São Paulo: Manole.

Cintra, I. P. (2004). Obesidade: tratamento dietético. Revista Qualidade em Alimentação Nutrição, (17), 8-9.

Cruz, M. R. R., & Morimoto, I. M. I. (2004). Intervenção nutricional no tratamento cirúrgico da obesidade mórbida: resultados de um protocolo diferenciado. Rev. Nutr., 17(2), 263-272.

Dixon, J. B. (2010). The effect of obesity on health outcomes. Molecular and Cellular Endo-crinology, 316(2), 104-108. Dobrow, I. J., Kamenetz, C. & Devlin, M. J. (2002). Aspectos psiquiátricos da obesidade. Revista Brasileira de Psiquiatria, 24(3), 63-67.

Duchesne, M. (1998). Tratamento Cognitivo-Comportamental da Obesidade. In: A. Halpern, A. G. Mattos, H. L. Suplicy, M. C. Mancini & M. T. Zanella. Obesidade (pp. 261- 274). São Paulo: Lemos Editorial.

Fandiño, J., Benchimol, A. K. Coutinho, W. F., & Apolinário, J. C. (2004). Cirurgia bariátrica: aspectos clínicos-cirúrgicos e psiquiátricos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 26(1), 47-51.

Halpern, A. (1998). Obesidade, mitos e verdades. São Paulo: Contexto.

Hintze, L., J., Bevilaqua, C. A., Pimentel, E. B., & Nardo, N. Jr. (2011). Cirurgia Bariátrica no Brasil. Rev. Ciênc. Méd., Campinas, 20(3), 87-98.

Kovesdy, C. P., Furth, S. L. & Zoccali, C. (2016). Obesidade e doença renal: consequências ocultas da epidemia. J Bras Nefrol, 39(1), 01-10.

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura e Organização Pan- Americana da Saúde (2016). Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina e Caribe. Recuperado em 07 de junho, 2018, de http://www.fao.org/3/a-i6977o.pdf.

Pedroni, J. L., Rech, R. R., Halpern, R., Marin, S., Roth, L. R., & Sirtoli, M. et al. (2013). Prevalência de obesidade abdominal e excesso de gordura em escolares de uma cidade serrana no sul do Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva, 18(5), 1417-1425.

Pinho, C. P. S., Diniz, A. S., Arruda, I. K. G., Batista Filho, M., Coelho, P. C., & Sequeira, L. A. S. et al. (2013). Prevalência e fatores associados à obesidade abdominal em indivíduos na faixa etária de 25 a 59 anos do Estado de Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública, 29(2), 313-324.

Portal Hospital Oswaldo cruz. Recuperado em 07 de junho, 2018 de http://centrodeobesidadeediabetes.org.br/tudo-sobre-obesidade/tratamento-da-

obesidade/.

Portal Michel Menezes. Recuperado em 07 de junho, 2018 de https://aobesidade.com.br/historia-da-cirurgia-bariatrica/

Porto, D. L., & Antoniassi, G. Jr. (2017). A decorrência do uso do álcool em pacientes que submeteram à Cirurgia bariátrica. Rev Psicol Saúde em Debate, 3(1), 14-16.

Porto, M. C. V., Brito I. C. B., Calfa, A. D. F., Amoras, M., Villela, N. B., & Araújo, L. M. B. (2002). Perfil de obeso classe III do ambulatório de obesidade de um hospital universitário de Salvador, Bahia. Arq Bras Endocrinol Metab, 46(6), 668–673.

Quadros, M. R. R., Bruscato, G. T. & Branco, A. J. F. (2006). Compulsão alimentar em pacientes no pré-operatório de cirurgia bariátrica. Psicol. Argum, 24(45), 59-65.

Ramos, A. C. (2014). O Brasil procurando preencher o seu espaço na cirurgia bariátrica. ABCD Arq Bras Cir Dig., 27(1), 1.

Rosado, E. L., & Monteiro, J. B. R. (2001). Obesity and diet macronutrients substitution. Rev. . 14(2), 145–152.

Santos, J. G., & Cruz, M. S. (2016). Alcoolismo após cirurgia bariátrica: relato de caso. J. bras. Psiquiat., 65(4), 340-343.

Santo, M. A., & Cecconello, I. (2008). Obesidade mórbida: controle dos riscos. Arq. Gastroenterol., 45(1), 01-02.

Silva, S., Milheiro, A., Ferreira, L., Rosete, M., Campos, J. C., & Almeida, J., et al. (2017). Gastrectomia Vertical Calibrada no tratamento da obesidade mórbida. Resultados a longo prazo, comorbidades e qualidade de vida. Revista Portuguesa de Cirurgia, 40, 11-20.

Sousa, V. J. (2006). Hábito alimentar de pacientes obesos mórbidos. Dissertação de Mestrado em Qualidade em Alimentos, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Vasques, A. C. J., Priore, S. E., Rosado, L. E. F. P. L., & Franceschini, S. C. C. (2010). Utilização de medidas antropométricas para a avaliação do acúmulo de gordura visceral. Rev. Nutr., Campinas, 23(1), 107-118.

Vasques, F., Martins, F. C., & Azevedo, A. P. (2004). Aspectos psiquiátricos no tratamento da obesidade. Revista Brasileira de Psiquiatria Clínica, 31(4), 195-198.

Velásquez-Meléndez, G., Pimenta, A. M. & Kac, G. (2004). Epidemiologia do sobrepeso e da obesidade e seus fatores determinantes em Belo Horizonte (MG), Brasil: estudo transversal de base populacional. Rev Panam Salud Publica, 16(5), 308-314.

Zyger, L. T., Zanardo, V. P. S., & Tomicki, C. (2016). Perfil nutricional e estilo de vida de pacientes pré e pós-cirurgia bariátrica. Sci Med., 26(3), 1-8.

Vida, P., & Ferreira, L. (2017). Obesidade mórbida: a família como cúmplice. Rev Psicol Saúde em Debate, 3 (Supl. 1), 44-45.

Publicado
2018-12-07
Como Citar
Silva, G., & Oliveira, J. (2018). CIRURGIA BARIÁTRICA: PROBLEMAS ADVINDOS DO USO ABUSIVO DO ÁLCOOL E O PAPEL DO PSICÓLOGO NO TRATAMENTO. Psicologia E Saúde Em Debate, 4(3), 84-95. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N3A8
Seção
Estudo Teórico