OS OS TRANSTORNOS DEPRESSIVOS: um olhar sobre a reestruturação dos cuidados em saúde mental

  • Leidiane Aparecida Oliveira Faculdade Patos de Minas
  • Vania Cristine Oliveira
Palavras-chave: Depressão, Estrátegias, Psicologia, Promoção, Prevenção

Resumo

Os transtornos depressivos vêm acompanhando o ser humano ao longo da sua existência. São distúrbios afetivos responsáveis pela regulação do humor. Em razão da alta incidência em decorrência dos impactos causados na funcionalidade do portador, este estudo teve como objetivo verificar estratégias, que possam proporcionar ações diretivas vinculadas à promoção da saúde em função de promover e edificar novas ações que visam possibilitar uma melhor qualidade de vida, associando aos modelos de saúde metal. Foi realizada uma revisão conceitual da literatura, sendo desenvolvidos alguns critérios de busca nas bases de dados Scielo, Pepsic, Google Acadêmico. Na busca pelos artigos foram anexados os descritores como depressão; estratégias; psicologia; promoção; prevenção. Optou-se por textos nacionais e internacionais americanos e espanhóis publicados entre 2000 a 2017, visando estudos pertinentes que dialogassem com os conhecimentos brasileiros. Os estudos apontam à importância das criações de estratégias dentro do campo da saúde mental, salientando suas contribuições vinculadas a promoção de saúde na amenização dos sofrimentos mentais, transformando tanto a percepção do portador acometido pelo adoecimento como modificando o ambiente onde se encontra inserido dentro das redes de atenção Básica, através da humanização dos cuidados. A Promoção da Saúde renasce dos paradigmas não como teoria nova, mas como estratégias se apoiando em autonomia, responsabilidade e justiça desmistificando o saber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arantes, V. (2007). Depressão na atenção primária á saúde. Rev. Bras. Med. Fam. e Com., 2(8), 261-270.

Associação Americana de Psiquiatria (2004). Psychology: Promoting Health and Well-Being trough High Quality, Cost-Effective Treatment, Estados Unidos: Autor.

Bahls, S. C., & Bahls, C. R. (2002). Depressão na adolescência: características clínicas. Interação em Psicologia, 6(1), 49-57.

Baroni, M. P., Vargas, S. F., & Caponi, S. N. (2010). Diagnóstico como nome próprio. Psicologia & Sociedade, 22(1), 70-77.

Branco, A. B. A. C., & Bosi, M. L. M. (2014) Integralidade e humanização em saúde mental: experiências de usuários em dois centros de atenção psicossocial. Cad. Saúde Colet., 22 (2), 221-222.

Brasil (2008.). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral de Saúde Mental, Coordenação de Gestão da Atenção Básica. Saúde mental e atenção básica o vínculo e o diálogo necessários inclusão das ações de saúde mental na atenção básica. Brasília, DF: Autor.

Brixner, B., Muniz, C., Renner, J. D. P., Pohl, H. H., Garcia, E. L., & Krug, S. B. F. (2017). Ações de promoção da saúde nas estratégias saúde da família. Revista do Departamento de Educação Física e Saúde Cinergis, 18(1), 386-390.

Cordeiro, Q., Oliveira, A. M., Melzer, D., Ribeiro, R. B., & Rigonatti, S. P. (2010). Prevenção em saúde mental. Revista do Curso de Direito da Faculdade de Humanidades e Direito, 7(7), 39-53.

Cunha, A. (2003). Psicodiagnóstico V. (5a ed.). São Paulo: Artmed.

Daré, K., & Caponi, S. N. (2016). Cuidado ao indivíduo com depressão na atenção primária em saúde. ECOS: Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 7(1), 12-22.

Ely, P., Nunes, M. F. O., & Carvalho, L. F. (2014) Avaliação psicológica da depressão: levantamento de testes expressivos e autorrelato no Brasil. Avaliação Psicológica, 13(3), 419-426.

Ferreira, F. M. S. (2011). A criança com depressão. Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação-Educação Especial, Escola Superior de Educação Almeida Garrett, Departamento de Ciências da Educação, Lisboa, Portugal, 2011.

Grevet, E. H., Cordioli, V., & Fleck, A. (2005). Depressão maior e distimia: diretrizes e algoritmo para o tratamento farmacológico. Porto Alegre: Artmed.

Jardim, S. (2011). Depressão e trabalho: ruptura de laço social. Rev. bras. Saúde ocup, 36(123), 84-92.

Joca, S. R. L., Padovan, C. M., & Guimarães, F. S. (2003). Estresse, depressão e hipocampo. Rev. Bras. Psiquiatr., 25(Supl II), 46-51.

Jorge, M. S. B., Pinto, D. M., Quinderé, P. H. D., Pinto, A. G. A., Sousa, F. S. P., & Cavalcante, C. M. (2011). Promoção da saúde mental-tecnologias do cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização e autonomia. Ciência & Saúde Coletiva, 16(7), 3051-3060.

Ladeia, K. D., & Soares, M. L. B. A. (2013). Estudo analítico-comparativo: psicoterapia de grupo e psicoterapia individual a partir da perspectiva do sujeito. Trabalho de Conclusão de Curso Graduação em Psicologia, Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, Lins, SP.

Lemos, M. C. Jr., & Silva, F. (2009). Psicologia de orientação positiva: uma proposta de intervenção. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 233-242.

Molina, L. R., Wiener, D., Branco, J. C., Jansen, K., Souza, M. D., & Tomasi, E. et al. (2012). Prevalência de depressão em usuários de unidades de atenção primária. Rev. Psiq. Clín., 39(6),194-197.

Moliner, J., & Lopes, B. M. (2013). Saúde mental na atenção básica: possibilidades para uma prática voltada para a ampliação e integralidade da saúde mental. Saúde Soc., 22(4), 1072-1083.

Motta, L. C., Moré, O. L., & Nunes, S. H. (2017). O atendimento psicológico ao paciente com diagnóstico de depressão na Atenção Básica. Ciência & Saúde Coletiva, 22(3), 911-920.

Norman, A. H. (2013). Promoção da saúde: um desafio para a atenção primária. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade, 8(28), 153- 154.

Organização Mundial de Saúde (2010). Manual mhGAP de intervenções para transtornos mentais, neurológicos e por uso de álcool e outras drogas para a rede de atenção básica à saúde (J. M. Bertolote, Trad.). (p. 120). (S. l.): Autor.

Peron, A. P., Neves, G. Y. S., Brandão, M., & Vicentini. V. E. P. (2004). Aspectos biológicos e sociais da depressão. Arq. Ciênc. Saúde Unipar, 8(1), 45-48.

Perrusi, A. (2015). Sofrimento psíquico, individualismo e uso de psicotrópicos: saúde mental e individualidade contemporânea. Revista de Sociologia da USP, 27(1), 139-159.

Reinaldo, S. M. (2008). Saúde mental na atenção básica como processo histórico de evolução da psiquiatria comunitária. Rev. Enferm. Esc. Anna Nery, 12(1), 173-178.

Sampaio, J. J. C., Garcia, C. Filho. (2015). Saúde Mental: política, trabalho e cuidado (1a ed.). Fortaleza, CE: UECE.

Sousa, L. B., Pinho, B. S., & Garcia, R. F. (2016). Transtorno Depressivo. In M. S. Bessa, J. C. Filho Garcia, & D. Q. C. Rocha (Orgs.). Liga acadêmica de psiquiatria e saúde mental: concepções e marcos conceituais na produção do conhecimento. (1a ed., Cap. 4, pp. 75-95). Fortaleza, CE: EdUECE.

Teixeira, C. A. (2004). Psicologia da Saúde. Análise Psicológica, 22(3), 441-448.

Publicado
2018-12-07
Como Citar
Oliveira, L., & Oliveira, V. (2018). OS OS TRANSTORNOS DEPRESSIVOS: um olhar sobre a reestruturação dos cuidados em saúde mental. Psicologia E Saúde Em Debate, 4(3), 96-109. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N3A9
Seção
Estudo Teórico