NEOPLASIAS UTERINAS EM PATOS DE MINAS: dados epidemiológicos de 2013 a 2018 e a atuação do enfermeiro

  • Laila Cristina de Freitas André Ribeiro Faculdade Patos de Minas
  • Elizaine Aparecida Guimarães Bicalho Faculdade Patos de Minas
  • Renata Ferreira dos Santos Oliveira Faculdade Patos de Minas
  • Marthius Campos Oliveira Santos Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: Câncer de colo de útero, Mortalidade, Cuidados de enfermagem

Resumo

O presente estudo é uma análise sobre as neoplasias uterinas, seu conceito, índices de
mortalidade, formas de prevenção e tratamento. O objetivo geral da pesquisa é analisar dados
do DATASUS a respeito da incidência de câncer de colo de útero em residentes de Patos de
Minas, no período de 2013 a 2017. Para alcançar o objetivo geral, traçaram-se os seguintes
objetivos específicos: realizou-se um levantamento bibliográfico sobre o tema, com ênfase no
papel do enfermeiro na prevenção e tratamento da doença. Em seguida, foram analisados e
discutidos os dados do DATASUS. Este trabalho inscreve-se como uma narrativa conceitual, que
se desdobrou em uma pesquisa bibliográfica. Como resultados, a pesquisa evidenciou uma taxa
maior de mortalidade em mulheres de 70 a 75 anos e ainda relacionada esta taxa a baixa
escolaridade das pacientes. O trabalho também discute sobre a frequência das internações e os
anos com maior incidência de mortalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barbosa, I. R., Souza, D. L. B., Bernal, M. M., & Costa, I. C. C. (2016, jan.). Desigualdades regionais na mortalidade por câncer de colo de útero no Brasil: tendências e projeções até o ano 2030. Ciência & Saúde Coletiva, 21(1), 253-262. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015211.03662015.

Bezerra, F. C., Almeida, I. M., & Therrien S. M. N. (2012). Estudos sobre Envelhecimento no Brasil: Revisão Bibliográfica. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 15(1), 155-167. Recuperado em 16 abril, 2019, de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=403838795017.

Brito-Silva, K., Falangola, A., Bezerra, B., Chaves, L. D. P., & Tanaka, O. Y. (2014, abr.). Integralidade no cuidado ao câncer do colo do útero: avaliação do acesso. Revista de Saúde Pública, 48(2), 240-248. http://dx.doi.org/10.1590/s0034-8910.2014048004852.

Campos, R. R., Miranda, M. M. S., Britol, H. M., Aguiar, R. A. L. P., & Celini, M. (2016) Câncer de colo uterino: a doença como forma de violência. Recuperado em 12 abril, 2019, de http://rmmg.org/artigo/detalhes/2191.

Costa, J. H. G., Souza, I. R. A., Santos, J. A., Prezeres, B. A. P., Andrade. M. L., Melo, M. F. C., Tsutsumi, M. Y., & Sousa, M. S. (2011, dez.). Prevenção do câncer de colo do útero em comunidades ribeirinhas atendidas pelo Programa Luz na Amazônia, Estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 2(4), 17-22. Recuperado em 15 maio, 2019, de http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-62232011000400003&lng=pt&nrm=iso>.

Costa, C., & Cunha, T. M. (2016). Estadiamento do carcinoma do endométrio - O que há de novo? Acta Radiológica Portuguesa, 28(107), 13-20.

Costa, F. K. M., Weigert, S. P., Burci, L., & Nascimento, K. F. (2017, nov.). Os desafios do enfermeiro perante a prevenção do câncer do colo do útero. Revista Gestão & Saúde, 1(1), 55-62. Recuperado em 22 abril, 2019, de http://www.herrero.com.br/files/revista/filef125a619c4b18a99efe6fdf22874fdd6.pdf.

Damacena, A. M., Luz, L. L., & Mattos, I. E. (2017, mar.). Rastreamento do câncer do colo do útero em Teresina, Piauí: estudo avaliativo dos dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero, 2006-2013. Epidemiologia e Serviço de Saúde, 26(1), 71-80. Recuperado em 23 abril, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222017000100071&lng=en&nrm=iso

Dias, E. G., Santos, D. D. C., Dias, E. N. F., Alves, J. C. S., & Soares, L. R. (2016). Perfil socioeconômico e prática do exame de prevenção do câncer do colo do útero de mulheres de uma unidade de saúde. Revista Saúde e Desenvolvimento, 7(4), 135-146.

Feres, T. M., Rodrigues, S. L., Coser, E. X., Ferreira, G. J., Merghmurer, L. A., Campos, T. G., & Rocha, L. L. V. (2018, mar.). Prevalência de câncer no colo uterino: um estudo descritivo. Brazilian Journal Of Surgery And Clinical Research, 22(2), 54-58. Recuperado em 14 abril, 2019, de https://www.mastereditora.com.br/periodico/20180405_100803.pdf.

Frigato, S., & HOGA, L. A. K. (2003, jul.). Assistência à mulher com câncer de colo uterino: o papel da enfermagem. Revista Brasileira de Cancerologia, 48(4), 209-214. Recuperado em 15 maior, 2019, de http://www1.inca.gov.br/rbc/n_49/v04/pdf/ARTIGO1.pdf.

Governo do Estado do Paraná. (2018). Cenário epidemiológico da neoplasia maligna da mama e do colo do útero em mulheres residentes no Paraná. Paraná. CEPI. Recuperado em 12 abril, 2019, de http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/Cenariodepidemiologcandecerdemama.pdf.

Ibiapina, J. O. (2012). Câncer do Corpo Uterino. In: S. C. Vieira et al. (Org.). Oncologia Básica. (pp. 137-149). Teresinha: Fundação Dom Quixote.

Instituto Nacional do Câncer. (2018). Câncer do Colo de Útero. Brasília. INCA. Recuperado em 12 abril, 2019, de https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero.

Lima, C. A., Palmeira, J. A. V., & Cipolotti, R. (2006, out.). Fatores associados ao câncer do colo uterino em Propriá, Sergipe, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 22(10), 2151-2156. Recuperado em 15 maio, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006001000021&lng=en&nrm=iso

Maia, R. C. B., Silveira, B. L., & Carvalho, M. F. A. (2018, abr.). Câncer do colo do útero: papel do enfermeiro na estratégia e saúde da família. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, 9(1), 348-372.

Mascarello, K. C., Silva, M. F., Piske, M. T., Viana, K. C. G., Zandoneade, E., & Amorim, M. H. C. (2012, jun.). Perfil Sociodemográfico e Clínico de Mulheres com Câncer do Colo do Útero Associado ao Estadiamento Inicial. Revista Brasileira de Cancerologia, 3(58), 417-426. Recuperado em 16 abril, 2019, de http://www1.inca.gov.br/rbc/n_58/v03/pdf/11_artigo_perfil_sociodemografico_clinico_mulheres_cancer_colo_utero_associado_estadiamento_inicial.pdf

Melo, M. C. S. C., Vilela, F., Salimena, A. M. O., & Souza, I. E. O. (2012). O Enfermeiro na Prevenção do Câncer do Colo do Útero: o Cotidiano da Atenção Primária. Revista Brasileira de Cancerologia, 3(58), 389-398. Recuperado em 23 abril, 2019, de http://www1.inca.gov.br/rbc/n_58/v03/pdf/08_artigo_enfermeiro_prevencao_cancer_colo_utero_cotidiano_atencao_primaria.pdf

Melo, W. A., Pelloso, S. M., Alvarenga, A., & Carvalho, M. D. B. (2017). Fatores associados a alterações do exame citopatológico cérvico-uterino no Sul do Brasil. Revista Brasileira de Saude Maternal e Infantil, 17(4), 637-643. Recuperado em 17 abril, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292017000400637&lng=en&nrm=iso

Mistura, C., Mistura, C., Silva, R. C. C., Melo, M. C. P., & Sarmento, S. S. (2013, jul.). Papel do enfermeiro na prevenção do câncer de colo uterino na estratégia saúde da família. Revista Contexto & Saúde, 11(20), 1161-1164. Recuperado em 23 abril, 2019 de https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoesaude/article/view/1763

Moreira, L. S. (2016). Câncer de colo de útero: morbimortalidade e medidas para prevenção. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Minas Gerais, Teófilo Otoni, MG, Brasil.

Navarro, C., Sibajev, A., Souza, C. I. de A., Araujo, D. S., Teles, D. A. F., Carvalho, S. G. L., Cavalcante, K. W. M., & Rabelo, W. L. (2015). Cervical cancer screening coverage in a high-incidence region. Revista de Saúde Pública, 49, 1-8, 2015.

Oliveira, M. V., Guimarães, M. D. C., FRANÇA, E. B. (2014, nov.). Fatores associados a não realização de Papanicolau em mulheres quilombolas. Ciência & Saúde Coletiva, 19(11), 4535-4544. Recuperado em 17 abril, 2019, de https://www.scielosp.org/article/csc/2014.v19n11/4535-4544/

Oliveira, E. S., Silva, I. F., Araujo, A. J. de S., Santos, M. V. S., & Queiroz, P. E. S. (2017, out.). A consulta de enfermagem frente à detecção precoce de lesões no colo do útero. Revista Enfermagem Contemporânea, 6(2), 186-198.

Paula, S. H. B., Volchoko, A., & Figueiredo, R. (2017). Linha de cuidado de câncer de mama e de colo de útero: um estudo sobre referência e contrarreferência em cinco regiões de saúde de São Paulo, Brasil. BIS. Boletim do Instituto de Saúde, 17(2), 146-166. Recuperado em 17 abril, 2019, de https://www.researchgate.net/profile/Regina_Figueiredo2/publication/311921704_Linha_de_cuidado_de_cancer_de_mama_e_de_colo_de_utero_um_estudo_sobre_referencia_e_contrarreferencia_em_cinco_regioes_de_saude_de_Sao_Paulo_Brasil_The_Line_of_Care_for_breast_and_cervical_cancer_a_stu/links/58627e9208ae6eb871ab1977.pdf.

Resolução nº 385, de 2011. (2011). Altera o termo inicial de vigência da Resolução Cofen nº 381, de 18 de julho de 2011, que normatiza a execução, pelo Enfermeiro, da coleta de material para colpocitologia oncótica pelo método de Papanicolau. Brasília, DF. Recuperado em 17 maio, 2019, de http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-3852011_7934.html.

Ribeiro, L., Bastos, R. R., Vieira, M. T., Ribeiro, C. L., Teixeira, M. T. B., & Leite, I. C. G. (2016). Rastreamento oportunístico versus perdas de oportunidade: não realização do exame de Papanicolaou entre mulheres que frequentaram o pré-natal. Caderno de Saúde Pública, 32(6). Recuperado em 17 abril, 2019 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000605003&lng=pt&nrm=iso

Santos, A. L. A., Moura, J. F. P., Santos, C. A. A. L., Figueria, J. N., & Souza, A. I. (2012). Avaliação da Qualidade de Vida Relacionada à Saúde em Pacientes com Câncer do Colo do Útero em Tratamento Radioterápico. Revista Brasileira de Cancerologia, 58(3), 507-515.

Santos, M. O. (2018, jan.). Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia, 1(64), 119-120.

Silva, I. M. S. S., Monteiro, E. M., Silva, A. L., & Bicalho, E. A. G. (2018, dez.). Incidência de câncer de colo uterino na cidade de patos de minas no período de 2013 á 2016: através de dados obtidos na SMS. Psicologia e Saúde em debate, 4(1), 75-75.

Silveira, C. F., Regino, P. A., Soares, M. B. O., Mendes, L. C., Elias, T. C., & Silva, S. T. (2016). Qualidade de vida e toxicidade por radiação em pacientes com câncer ginecológico e mama. Escola Anna Nery - Revista de Enfermagem, 20(4), .1-20. Recuperado em 12 abril, 2019, de http://revistaenfermagem.eean.edu.br/detalhe_artigo.asp?id=1450#B1

Soares, M. C., Mishima, S. M., Meincke, S. M. K., & Simino, G. P. R. (2010, mar.). Câncer de colo uterino: caracterização das mulheres em um município do sul do Brasil. Escola Anna Nery – Revista de Enfermagem, 14(1), 90-96. Recuperado em 23 abril, 2019, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452010000100014&lng=en&nrm=iso

Tavares, J. A., Moreira, A. D. (2017, dez.). Neoplasias do colo do útero. Revista Brasileira de Ciências da Vida, 5(4), 18. Recuperado em 15 abril, 2019, de http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/454

Teixeira, R. A., Valente, J. G., Franca, E. B. (2012, dez). Mortalidade por câncer de colo do útero no Estado de Minas Gerais, Brasil, 2004-2006: análise da magnitude e diferenciais regionais de óbitos corrigidos. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(4), 549-559. Recuperado em 14 abril, 2019, de http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742012000400004&lng=pt&nrm=iso

Vilaça, M. N., Martins Junior, M. L., Scherrer, L. R., & Rodrigues, A. N. (2012, dez.). Diferença nos padrões de tratamento e nas características epidemiológicas entre pacientes Idosas e Adultas portadores de Câncer do Colo do útero. Revista Brasileira de Cancerologia, 3(58), 497-505. Recuperado em 16 abril, 2019, de http://www1.inca.gov.br/rbc/n_58/v03/pdf/20b_artigo_diferencas_padroes_tratamento_caracteristicas_epidemiologicas_pacientes_idosas_adultas_portadores_cancer_colo_utero.pdf

Publicado
2019-12-26
Como Citar
Ribeiro, L. C. de F. A., Bicalho, E. A. G., Oliveira, R. F. dos S., & Santos, M. C. O. (2019). NEOPLASIAS UTERINAS EM PATOS DE MINAS: dados epidemiológicos de 2013 a 2018 e a atuação do enfermeiro. Psicologia E Saúde Em Debate, 5(2), 1-23. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V5N2A1
Seção
Artigo original