PESQUISA DE Staphylococcus aureus RESISTENTE À METICILINA (MRSA) EM METRÔS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE-PE

  • Paulo Ricardo Anjos do Monte Centro Universitário Maurício de Nassau, Recife, Pernambuco - Brasil
  • Maria Amélia Vieira Maciel Departamento de Medicina Tropical, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco - Brasil
  • Laury Francis Costa Departamento de Tecnologias Energéticas e Nucleares, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco - Brasil
  • Jailton Lobo da Costa Lima Departamento de Medicina Tropical, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco - Brasil
Palavras-chave: Contaminação, Staphylococcus aureus resistente à meticilina, Metrôs

Resumo

A disseminação de micro-organismos multirresistentes tem se tornado um problema de saúde pública, e os meios de transporte são uma via de contaminação por estes micro-organismos. O objetivo deste trabalho foi identificar a ocorrência de Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA) contaminando vagões dos metrôs que circulam pela Região Metropolitana do Recife- PE. Realizou-se a coleta de 16 a 18 de abril de 2018 numa área de 24cm², com “swab”, de 45 amostras dos vagões. De cada vagão foram coletadas 5 amostras dos seguintes locais: janela, corrimão alto, assento, porta e corrimão baixo. Foram analisadas as três linhas: Jaboatão, Camaragibe, e Cajueiro seco (sul). Foi realizada a identificação dos micro-organismos através de testes bioquímicos manuais e a análise da susceptibilidade foi realizada pelo método de disco difusão comos antibióticos utilizados foram Clindamicina, Eritromicina, Cefoxitina, Sulfazotrim, Gentamicina, Clorafenicol, Tetraciclina e Ciprofloxacina. De quarenta e cinco amostras coletadas em nove metrôs, três de cada linha, vinte e nove (64,44%) foram positivas para S. aureus. Destas amostras positivas, 13 (44,82%) foram do metrô da linha Jaboatão, seguido da linha Camaragibe e linha Cajueiro Seco (Sul) com oito (27,59%) amostras cada. Todas as amostras foram sensíveis a cefoxitina. Este estudo não identificou a ocorrência de MRSA como contaminantes nos vagões do metrô que circulam pela Região Metropolitana do Recife- PE, mas identificou o crescente aumento da resistência de S. aureus a eritromicina e a clindamicina, sugerindo desta forma a necessidade de higienização dos metrôs visando a prevenção de contaminação dos usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Clinical and Laboratory Standards Institute (2018). Performance standards for antimicrobial susceptibility testing; twenty-eight informational supplement, M100-S27. Wayne, PA: CLSI.

Conceição, T., Diamantino, F., Coelho, C., Lencastre, H. & Aires-de-Sousa, M. (2013). Contamination of Public Buses with MRSA in Lisbon, Portugal: A Possible Transmission Route of Major MRSA Clones within the Community. PLoS ONE, 8(11). https://doi.org/10.1371/journal.pone.0077812

Evangelista, S. S., & Oliveira, A. C. (2015). Staphylococcus aureus meticilino resistente adquirido na comunidade: um problema mundial. Rev Bras Enferm, 68(1), 136-143. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680119p

Fernandes, A. A. L., Rangel, C. D., Sena, C. J. C., Rangel, C. V. & Moraes, R. (2012). Diversidade de bactérias, fungos e formas de resistência de parasitos em duas rotas de ônibus do transporte coletivo da Grande Vitória-ES. Revista Sapientia, 11, 39–45.

Fracarolli, I. F. L., Oliveira, S. A., & Marziale, M. H. P. (2017). Colonização bacteriana e resistência antimicrobiana em trabalhadores de saúde: revisão integrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 30(6), 651-657. https://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201700086

França, L.C. (2012). Principais antibióticos utilizados em hospitais brasileiros nos últimos 10 anos. Brasil: Monografia. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde Pública. XIV Curso de Especialização em Saúde Pública.

M. R. I. et al. (2014). Relação da idade na presença de bactérias resistentes a antimicrobianos em rebanhos leiteiros no Rio Grande do Sul. Pesq. Vet. Bras, Rio de Janeiro, 34(7), 613-620.

Mendonça, R. G. M., Olival, G. S., Mímica, L. M. J., Navarini, A., Paschoalotti, M. A., & Chieffi, P. P. (2008). Potencial infeccioso do transporte público de passageiros da cidade de São Paulo. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo, 53, 53-57.

Noel, C. C., Silvério, F. M., Francisco, N. L. S. G., Almeida, N. R. A. & Soares, L. C. (2017). Suscetibilidade antimicrobiana e fatores de virulência de Staphylococcus em fômites do hospital universitário sul fluminense. Rev. Bras. Cien. Saúde., Rio de Janeiro, 21(3), 245-254. https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n3.29619

Otter, J. A., & French, G. L. (2009). Bacterial contamination on touch surfaces in the public transport system and in public areas of a hospital in London. Lett Appl Microbiol, 49(0), 803–805.

Peng, Y., Qianting O., Dongxin, L., Ping, X., Ying, L., Xiaohua, Y. et al. (2015). Metro system in Guangzhou as a hazardous reservoir of methicillin-resistant Staphylococci: findings from a point-prevalence molecular epidemiologic study. Scientific Reports, 5, 16087. https://doi.org/10.1038/srep16087

Pereira, J. N. P., Rabelo, M. A., Lima, J. L. C., Neto, A. M. B., Lopes, A. C. S., & Maciel, M. A. V. (2016). Phenotypic and molecular characterization of resistance to macrolides, lincosamides and type B streptogramin of clinical isolates of Staphylococcus spp. of a university hospital in Recife, Pernambuco, Brazil. Brazilian Journal of Infectious Diseases, 20(3), 276-281. https://dx.doi.org/10.1016/j.bjid.2016.03.003

Pinheiro, T. R., & Stopiglia, C. D. O. (2015). Potencial infeccioso do transporte coletivo universitário da cidade de Uruguaiana-RS. Anais do VII Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão – Universidade Federal do Pampa, 7(2), 5621.

Santiago-Neto W., Machado G., Paim D. S., Campos T., Brito M. A. V. P., Cardoso

Santos, A. L., Santos, D. O., Freitas, C. C., Ferreira, B. L. A., Afonso, I. F. & Rodrigues, C. R. et al. (2007). Staphylococcus aureus: visitando uma cepa de importância hospitalar. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, 43(6), 413-423. https://dx.doi.org/10.1590/S1676-24442007000600005

Simões, R. R., Aires-de-Sousa, M., Conceição, T., Antunes, F., Costa, P. M., & Lencastre, H. (2011). High Prevalence of EMRSA-15 in Portuguese Public Buses: A Worrisome Finding. PLoS ONE, 6(3), 1-5.

Stuchi, A. G., Oliveira, C. H. A. S., Soares, B. M., & Arreguy-Sena, C. (2013). Contaminação bacteriana e fúngica dos telefones celulares da equipe de saúde em um hospital em Minas Gerais. Ciênc. Cuid. Saúde, 12(4), 760-767.

Tavares, W. (2000). Bactérias gram-positivas problemas: resistência do estafilococo, do enterococo e do pneumococo aos antimicrobianos. Rev Soc Bras Med Trop, 33(3), 281-301.

Winn, W.C., Allen, S.D., Janda, W.M., Koneman, E.W., Procop, G.W. et al. (2008). Koneman's color atlas and textbook of diagnostic microbiology (6th ed.). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 617-665.

Yeh, P. J., Simon, D. M., Millar, J. A., Alexander, H. F. & Franklin, D. (2011). A diversity of Antibiotic-resistant Staphylococcus spp. in a Public Transportation System. Osong Public Health and Research Perspectives. 2(3),202-209.

Publicado
2019-12-26
Como Citar
do Monte, P. R. A., Maciel, M. A. V., Costa, L. F., & Lima, J. L. da C. (2019). PESQUISA DE Staphylococcus aureus RESISTENTE À METICILINA (MRSA) EM METRÔS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE-PE. Psicologia E Saúde Em Debate, 5(2), 43-51. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V5N2A3
Seção
Artigo original