CAPACIDADE FUNCIONAL EM INDIVÍDUOS COM DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA EM UMA CIDADE DO ALTO PARANAÍBA-MG

Palavras-chave: Fisioterapia, Pneumopatias, Teste de Caminhada

Resumo

A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é uma doença de alta morbimortalidade mundial. È uma doença crônica, progressiva e irreversível caracterizada por limitações ao fluxo aéreo e tosses hipersecretoras. Todos os sinais e sintomas da DPOC acarretam diretamente na capacidade física e funcional dos indivíduos que tem por diagnostico a DPOC. É comum nos indivíduos acometidos pela doença apresentarem perdas e redução progressiva da capacidade física, bem como da capacidade funcional, interferindo diretamente na qualidade de vida dos mesmos. O objetivo deste estudo foi avaliar, por meio do teste de caminhada de seis minutos (TC6min), a capacidade funcional dos portadores da DPOC do Alto Paranaíba. Foram selecionados 08 indivíduos com diagnóstico de DPOC classe GOLD III e GOLDIV de ambos os sexos, com idade média de 67,75±10,02 anos, submetidos à avaliação inicial e convidados a participar do TC6min. Durante a realização do teste, foram analisados quanto as variáveis de Pressão Arterial Sistólica (PA), Pressão Arterial Diastólica (PAD), Saturação Periférica de Oxigênio (SpO²), Frequência Cardíaca (FC), Distância Percorrida durante o  TC6min, Escala Subjetiva de Sensação do Nível de Dispnéia BORG CR 10 modificada. Evidenciou-se correlações positivas estatisticamente significativas (p < 0,05) das variáveis SpO², FC, FR, PAS, BORG CR-10 e distância percorrida em metros em relação ao TC6min. Não havendo diferença estatística, apenas para a variável PAD. Conclui-se que, quanto maior a limitação ao fluxo aéreo, menor a tolerância ao esforço físico pelo paciente. Assim, o TC6min torna-se uma ferramenta importante para avaliar a capacidade funcional do DPOC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barbosa, A. T. F., Carneiro, J. A., Ramos, G. C. F., Leite, M. T., & Caldeira, A. P (2017). Fatores associados à doença pulmonar obstrutiva crônica em idosos. Ciência e Saúde Coletiva, 22(1), 63-73. doi: 10.1590/1413-81232017221.13042016.

Britto, R., & de Sousa, L (2017). TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS UMA NORMATIZAÇÃO BRASILEIRA. Fisioterapia em Movimento, 19(4). Retirado de https://periodicos.pucpr.br/index.php/fisio/article/view/18789

Camargo, L. A. C. R., & Pereira, C. A. C (2010). Dispneia em DPOC: além da escala modified Medical Research Council. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 36(5), 571-578. doi: 10.1590/S1806-37132010000500008.

Corrêa, K. S., Karloh, M., Martins, L. Q., Santos, K., & Mayer, A. F (2011). O teste de AVD-Glittre é capaz de diferenciar a capacidade funcional de indivíduos com DPOC da de saudáveis? Brazilian Journal of Physical Therapy, 15(6), 467-473. Epub 21 de novembro de 2011. doi: 10.1590/S1413-35552011005000034.

Cruz, T.F., & Costa, C. H (2017). Deficiência de alfa-1antitripsina: uma condição subdiagnosticada. Pulmão RJ, 26(1), 29-32. Retirado de http://www.sopterj.com.br/wp-content/themes/_sopterj_redesign_2017/_revista/2017/n_01/07-artigo.pdf.

Da Costa Teixeira, P., Pereira, L., & Vieira, K (2018). Teste de caminhada de seis minutos e suas aplicabilidades: uma revisão sistemática da literatura. Revista Valore, 3(2), 646-662. doi: 10.22408/reva32201887646-662.

Dave, S., Alvar, A., Antonio, A., Peter, J. B., Jean, B., Bartolome, R. C., Gerard, J. C., Peter, F., David, M. G., Halpin, M. H., Victorina, L. V., Fernando, M., Maria, M. O., Alberto Papi, I. D. P., Nicolas, R., Donald, D. S., Robert, S., Jorgen, V., Jadwiga, A. W, & ClausVogelmeier (2019). Global Strategy for the Diagnosis, Management, and Prevention of Chronic Obstructive Lung Disease: the GOLD science committee report 2019. European Respiratory Journal, 53: 1900164; doi: 10.1183/13993003.00164-2019.

Dourado, V. Z., Tanni, S. E., Vale, S. A., Faganello, M. M., Sanchez, F. F., & Godoy, I (2006). Manifestações sistêmicas na doença pulmonar obstrutiva crônica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 32(2), 161-171. doi: 10.1590/S1806-37132006000200012.

Fernandes, A. B. S (2009). Reabilitação respiratória em DPOC – a importância da abordagem fisioterapêutica. Pulmão RJ - Atualizações Temáticas, 1(1), 71-78. Retirado de http://www.sopterj.com.br/wpcontent/themes/_sopterj_redesign_2017/_revista/atualizacao_tematica/11.pdf.

Fernandes, F. L. A., Cukier, A., Camelier, A. A., Fritscher, C. C., Costa, C. H., Pereira, E. D. B., Cançado, J. E. D., Romaldini, J. G., Chatkin, J. M., Jardim, J. R., Rabahi, M. F., Nuci, M. C. N. M., Sales, M. P. U., Castellano, M. V. C. O., Aidé, M. A., Teixeira, P. J. z., Maciel, R., Correia, R. A., Stirbulov, R., Athanazio, R. A., Russo, R., Minamoto, S. T., Lundgren, F. L. C (2017). Recomendações para o tratamento farmacológico da DPOC: perguntas e respostas. J Bras Pneumol, 43(4), 290-301. doi: 10.1590/S1806-37562017000000153.

Ferreira, D., Schneiders, P., Mansour, K., Martins, D., Back, G., Martin, E., Goulart, C., Carvalho, L., Trimer, R., & Silva, A (2018). Efeitos da Pressão Positiva Expiratória sobre a capacidade de exercício em sujeitos acometidos por Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Revista Jovens Pesquisadores, 8(2), 20-30. doi: 10.17058/rjp.v8i2.11827.

Francisco, P. M. S. B., Donalisio, M. R., Barros, M. B. A., César, C. L. G., Carandina, L., & Goldbaum, M (2006). Fatores associados à doença pulmonar em idosos. Revista de Saúde Pública, 40(3), 428-435. doi: 10.1590/S0034-89102006000300010.

Freitas, A., Chaves, J., Krummenauer, M., Tomilin, B., Ourique, F., Fuhr, L., Porciúncula, A., Frey, A., Rodrigues, M., Pilletti, K., Fernandes, R., & Rodrigues, M (2017). Study COPD Diagnosis Prevalence in Patient Admitted with Ischemic Heart Disease in University, 7(1), 14-19. doi: 10.17058/reci.v7i1.7348.

Giacomelli, I. l., Steidle, L.J.M., Moreira, F.F., Meyer, I.V., Souza, R.G., & Pincelli, M.P (2014). Pacientes portadores de DPOC hospitalizados: análise do tratamento prévio. J. bras. pneumol, 40(3), 229-237. doi: 10.1590/S1806-37132014000300005.

II Consenso Brasileiro sobre Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) (2004). Caracterização da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) - Definição, Epidemiologia, Diagnóstico e Estadiamento. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. J Bras Pneumol.; 30(5). Disponível em: http://www.jornaldepneumologia.com.br/pdf/suple_124_40_dpoc_completo_finalimpresso.pdf.

Loivos, L. P (2009). DPOC: definições e conceitos – bases clínicas. Rev. Atualizações Temáticas. RJ, 1:34-37. Retirado de http://www.sopterj.com.br/wp-content/themes/_sopterj_redesign_2017/_revista/atualizacao_tematica/04.pdf.

Melo, T. G., Santoni, N. B., Finkelstein, B. J., Veiga, D. L. P., Nascimento, M. H. S. R., & Arruda, C. A (2018). Índice de hospitalização e custos associados à doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) entre estados que não padronizaram versus que não padronizaram o tiotrópio: Dados do Mundo Real. J Bras Econ Saúde, 10(1), 29-35. doi: 10.21115/JBES.v10.n1.p29-35.

Miranda, E. F., Malaguti, C., & Corso, S. D (2011). Disfunção muscular periférica em DPOC: membros inferiores versus membros superiores. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 37(3), 380-388. doi: 10.1590/S1806-37132011000300016.

Morales-Blanhir, J. E., Vidal, C. D. P., Romero, M. J. R., Castro, M. M. G., Villegas, A. L., & Zamboni, M (2011). Teste de caminhada de seis minutos: uma ferramenta valiosa na avaliação do comprometimento pulmonar. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 37(1), 110-117. doi: 10.1590/S1806-37132011000100016.

Queiroz, J. R., Sérvio, T. C., &Barbieri, L. G (2015). Relação entre o teste da caminhada de 6 minutos e a percepção subjetiva de esforço em indivíduos com DPOC: uma revisão de literatura. Revista Digital. Buenos Aires. [periódico na internet]. 2015 [acesso em 10 Nov 2019]; 20(206). Retirado de https://www.efdeportes.com/efd206 /percepcao-subjetiva-de-esforco-com-dpoc.htm.

Rezende, R. R., Nogueira, O. A., Dal Corso, S., & Malaguti, C (2017). Uma atualização e proposta de padronização do teste de caminhada dos seis minutos. Fisioterapia em Movimento, 22(2). Retirado de https://periodicos.pucpr.br/index.php/fisio/article/view/19427/18769.

Rodrigues, S. L., & ASSIS VIEGAS, C. A (2002). Estudo de correlação entre provas funcionais respiratórias e o teste de caminhada de seis minutos em pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. Jornal de Pneumologia, 28(6), 324-328. doi: 10.1590/S0102-35862002000600005.

Rodrigues, S. L., Mendes, H. F., & Viegas, C. A. A (2004). Teste de caminhada de seis minutos: estudo do efeito do aprendizado em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 30(2), 121-125. doi: 10.1590/S1806-37132004000200008.

Schettino, C. D. S., Deus, F. C., Gonçalves, A. A. V., &Wallace E (2013). Relação entre DPOC e doença cardiovascular. Rev. Pulmão RJ, 22(2):19-23. Retirado de http://www.sopterj.com.br/wpcontent/themes/_sopterj_redesign_2017/_revista/2013/n_02/05.pdf.

Silva, C.B., Gonçalves. K. D., Silveira, J. M., Reis, G. R., Ueda, T. K (2012). Comparação da distância percorrida em três modalidades do teste de caminhada de seis minutos com equações preditivas. ASSOBRAFIR. 3(3), 19-29. Retirado de http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/rebrafis/article/view/11744.

Silva, J. R. O., Santana, J. R., Silva, C. C., Simões, S., Camelier, A. A., &Camelier, F. W. R (2019). Cardiovascular adaptation in thesix-minute walktest in COPD patients: transversal study. Rev Pesqui Fisioter, Salvador, 9(1):56-66. doi: 10.17267/2238-2704rpf.v9i1.2224.

Sousa, C. A., César, C. L. G., Barros, M. B. A., Carandina, L., Goldbaum, M., & Pereira, J. C. R (2011). Doença pulmonar obstrutiva crônica e fatores associados em São Paulo, SP, 2008-2009. Revista de Saúde Pública, 45(5), 887-896. Epub July 29, 2011. doi: 10.1590/S0034-89102011005000051.

Souza, A. J. T., & Schneider, l. F (2019). A importância da atuação fisioterapêutica para manter a qualidade de vida dos pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica – DPOC. Revista Científica da faculdade de educação e meio ambiente, 10(1), 168-177. doi: 10.31072/rcf.v10iedesp.795.

Tan, W. C., Bourbeau, J., Aaron, S. D., Zhou, G., Maltais, F, &Hernandez, P. et al (2018). Classific ação global iniciativa para doença pulmonar obstrutiva crônica 2017 e declínio da função pulmonar na doença pulmonar obstrutiva crônica. Am J Respir Crit Care Med, 197:670-673. doi: 10.1164 / rccm.201706-1154LE.

Publicado
2019-12-26
Como Citar
Rodrigues, H. dos R., Silva, N. de F. A., Soares Melo, H. C., Ribeiro, M. F., & Andrade, C. C. F. de. (2019). CAPACIDADE FUNCIONAL EM INDIVÍDUOS COM DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA EM UMA CIDADE DO ALTO PARANAÍBA-MG. Psicologia E Saúde Em Debate, 5(2), 68-81. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V5N2A5
Seção
Artigo original