A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E O ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA E FATORES DE RISCO

  • Regina Celia de Souza Beretta Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Luciano Aparecido Pereira Junior Universidade de Franca - UNIFRAN
Palavras-chave: Sistema Único de Saúde, Estratégia de Saúde da Família, Promoção da Saúde

Resumo

O movimento sanitário brasileiro marcou os anos 80 e pautou-se no direito de todo cidadão, nos princípios de universalidade e integralidade, com ações de cunho preventivo e curativo integradas a um único sistema descentralizado de gestão: o Sistema Único de Saúde (SUS). Em 1999 foi criado a Estratégia de Saúde da Família diferenciando-se pela ampliação do conceito de promoção da saúde e pela organização, orientação, busca de respostas e contribuição para o sistema de saúde. Esta pesquisa é de natureza qualitativa e se realizou a partir do levantamento bibliográfico e documental, nas plataformas Google Acadêmico, Pepsic, Redalyc e Scielo, por meio de descritores: Estratégia de Saúde da Família, Sistema Único de Saúde, promoção da saúde, violência e fatores de risco. Observou-se, após leitura dos artigos, que as ações de programa da Estratégia de Saúde podem impactar de maneira efetiva nas condições de vida da população, quando atuam na dimensão da intersetorialidade com as políticas de educação e saúde, alcançando maior envolvimento e participação social da comunidade local. É possível dizer que o campo da saúde se faz viável numa relação entre o direito e a justiça social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Aparecido Pereira Junior, Universidade de Franca - UNIFRAN

Bacharel em psicologia, especialista em psicologia jurídica, avaliação e psicanálise. Mestrando do programa de pós-graduação em promoção da saúde UNIFRAN

Referências

Almeida, N. D. (2013). A saúde no Brasil, impasses e desafios enfrentados pelo Sistema Único de Saúde: SUS. Revista Psicologia e Saúde, 5(1), 01-09. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-093X2013000100002&lng=pt&tlng=pt.

Arantes, L. J., Shimizu, H. E., & Merchán-Hamann, E. (2016). Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 21(5), 1499-1510. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.19602015.

Bernardy, C. C. F., & Oliveira, M. L. F. de. (2010). O papel das relações familiares na iniciação ao uso de drogas de abuso por jovens institucionalizados. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 44(1), 11-17. https://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000100002.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal.

Brasil. (1990). Lei Nº 8.080 de 19 de Setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (1990). Lei Nº 8142 de Dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2002). As cartas de promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_ promocao.pdf.

Brasil. (2007). Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS. Brasília: CONASS. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/colec_progestores_livro9.pdf.

Brasil. (2009b). Redes de produção de saúde. Brasília: Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/redes_producao_saude.pdf.

Brasil. (2011). Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil (2012). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf.

Brasil. (2013). Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf.

Brasil. (2013). Rastreamento. Brasília: Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_primaria_29_rastreamento.pdf.

Brasil. (2014). Núcleo de Apoio à Saúde da Família: ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Brasília: Ministério da Saúde. http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca.php?conteudo=publicacoes/cab39.

Brasil. (2017) Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Brasília: Ministério da Saúde. http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/saude-da-familia/nucleo-de-apoio-a-saude-da-familia-nasf.

Brito, G. E. G. de, Mendes, A. da C. G., & Santos Neto, P. M. dos. (2018). O objeto de trabalho na Estratégia Saúde da Família. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 22(64), 77-86. https://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0672.

Carvalho, G. (2013). A saúde pública no Brasil. Estudos Avançados, 27(78), 7-26. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142013000200002.

Dias, A. C. G., Arpini, D. M., & Simon, B. R. (2011). Um olhar sobre a família de jovens que cumprem medidas socioeducativas. Psicologia & Sociedade, 23(3), 526-535. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822011000300010.

Durand, M. K., & Heidemann, I. T. S. B. (2013). Promoção da autonomia da mulher na consulta de enfermagem em saúde da família. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(2), 288-295. https://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000200003.

Escorel, S., Giovanella, L., Mendonça, M. H. de. M., & Senna, M. de. C. M. (2007). O Programa de Saúde da Família e a construção de um novo modelo para a atenção básica no Brasil. Revista Panamericana de Salud Publica, 21(2): 164-176. https://scielosp.org/pdf/rpsp/2007.v21n2-3/164-176/pt.

Fernandes, M. C. P., & Backes, V. M. S. (2010). Educação em saúde: perspectivas de uma equipe da Estratégia Saúde da Família sob a óptica de Paulo Freire. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(4), 567-573. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000400011.

Figueiredo, E. N. de. (s/d). A Estratégia Saúde da Família na Atenção Básica do SUS. UNA-SUS/UNIFESP, 1-12. http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/10234.

Fiocruz. (2014). A Reforma Sanitária Brasileira: introdução. Fiocruz, 1-11. http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/judicializacao/pdfs/introducao.pdf.

Gerhardt, T. E.; Silveira, D. T. (2009). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Heidemann, I. T. S. B., Wosny, A. de. M., & Boehs, A. E. (2014). Promoção da Saúde na Atenção Básica: estudo baseado no método de Paulo Freire. Ciência & Saúde Coletiva, 19(8), 3553-3559. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.11342013.

IBGE. (2015). Pesquisa nacional de saúde: 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94074.pdf.

IPEA. (2018). Atlas da Violência 2018. Rio de janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada/ Fórum Brasileiro de Segurança Pública. http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/180604_atlas_da_violencia_2018.pdf.

Kessler, M., Menegazzo, E., Berra, E., Trindade, L., Krauzer, I., & Vendrusculo, C. (2015). Coverage of strategies for strengthening the basic health care. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 7 (3), 3050-3062. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7I3.3050-3062.

Kessler, M., Thumé, E., Duro, S. M. S., Tomasi, E., Siqueira, F. C. V., Silveira, D. S., Nunes, B. P., Volz, P. M., Santos, A. A. dos, França, S. M., Bender, J. D., Piccinini, T., & Facchini, L. A. (2018). Ações educativas e de promoção da saúde em equipes do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica, Rio Grande do Sul, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 27(2), e2017389. https://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742018000200019.

Lakatos, E. M.; Marconi, M. A. (2003). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Levisky, D. L. (1997). Adolescência e violência: consequências da realidade brasileira. Porto Alegre: Artes Médicas.

Magnago, C., & Pierantoni, C. R. (2015). Dificuldades e estratégias de enfrentamento referentes à gestão do trabalho na Estratégia Saúde da Família, na perspectiva dos gestores locais: a experiência dos municípios do Rio de Janeiro (RJ) e Duque de Caxias (RJ). Saúde em Debate, 39(104), 9-17. https://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151040194.

Malta, D. C., Santos, M. A. S., Stopa, S. R., Vieira, J. E. B., Melo, E. A., & Reis, A. A. C. dos. (2016). A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciência & Saúde Coletiva, 21(2), 327-338. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015212.23602015.

Noronha, J. C; Pereira, T. R. (2013). Princípios do sistema de saúde brasileiro. In Fundação Oswaldo Cruz. A saúde no Brasil em 2030 - prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: organização e gestão do sistema de saúde. http://books.scielo.org/id/98kjw/pdf/noronha-9788581100173-03.pdf.

Oliveira, M. A. de C., & Pereira, I. C. (2013). Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(spe), 158-164. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020.

Opas. (2018). Ação global acelerada para a saúde de adolescentes: guia de orientação para apoiar a implementação pelos países. Organização Pan-Americana da Saúde. http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/49095/9789275719985-por.pdf.

Ottawa. (1986). Carta de Ottawa: Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/carta_ottawa.pdf.

Paim, J. S. (2018). Sistema Único de Saúde (SUS) aos 30 anos. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1723-1728. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.09172018.

Paiva, C. H. A., & Teixeira, L. A. (2014). Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 21(1), 15-36. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702014000100002.

Roque, Z. V. M. (2015). Promoção à Saúde na Atenção Básica: estratégias para melhorar a qualidade de vida. Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ/UNA-SUS. https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/8789.

Sánchez, P. V. (2012). La experiencia vinculante afectiva del sujeto adolescente infractor. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 10(1), 453-465. http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1692-715X2012000100029&lng=en&tlng=.

Santos, N. R. dos. (2013). SUS, política pública de Estado: seu desenvolvimento instituído e instituinte e a busca de saídas. Ciência & Saúde Coletiva, 18(1), 273-280. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000100028.

Santos, R. F. dos. (2017). Vigilância em Saúde: direito social à promoção da saúde. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Ciência & Saúde Coletiva, 22(10) 1. https://doi.org/10.1590/1413-812320172210.21622017.

Sento-Sé, J. T., & Coelho, M. C. (2014). Sobre errâncias, imprecisões e ambivalências: notas sobre as trajetórias de jovens cariocas e sua relação com o mundo do crime. Horizontes Antropológicos, 20(42), 327-357. https://dx.doi.org/10.1590/s0104-71832014000200013.

Soratto, J., Pires, D. E. P. de, Dornelles, S., & Lorenzetti, J. (2015). Estratégia saúde da família: uma inovação tecnológica em saúde. Texto & Contexto - Enfermagem, 24(2), 584-592. https://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015001572014.

Vieira Netto, M. F., & Deslandes, S. F. (2016). As Estratégias da Saúde da Família no enfrentamento das violências envolvendo adolescentes. Ciência & Saúde Coletiva, 21(5), 1583-1596. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.145420.

Publicado
2019-12-26
Como Citar
Beretta, R. C. de S., & Pereira Junior, L. A. (2019). A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E O ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA E FATORES DE RISCO. Psicologia E Saúde Em Debate, 5(2), 82-95. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V5N2A6
Seção
Estudo Teórico