ANÁLISE DA PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM UNIVERSITÁRIOS

  • Paloma Rodrigues de Oliveira
  • Marcos Rafael de Souza Barbosa
  • Luciana Araujo Mendes Silva Faculdade Patos de Minas
  • Marcos Rafael de Souza Barbosa
  • Douglas Pereira Castro Faculdade Cidade de Coromandel
  • Juliana Gonçalves Silva Mattos
Palavras-chave: Fatores de Risco Cardiovascular, Universitários, Obesidade, Sedentarismo, Educação Física

Resumo

As doenças cardiovasculares representam um número alto e crescente de morbimortalidade mundial decorrente do estilo de vida.  Objetivou-se identificar a prevalência dos fatores de risco cardiovasculares entre os universitários de uma faculdade do interior de Minas Gerais. Trata-se de uma pesquisa descritiva, quantitativa, de delineamento transversal realizada com universitários da Faculdade Cidade de Coromandel (FCC), entre os meses de junho e julho de 2016. Utilizou-se um questionário sociodemográfico, as medidas antropométricas, o questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) na versão curta, seis questões relativas ao uso de bebidas alcoólicas e de tabaco e o questionário de avaliação dos Hábitos Alimentares.  Participaram do estudo 56 universitários de ambos os sexos (em partes iguais) que cursavam mais de 90 dias letivos de aula na faculdade, nos diversos cursos.  A faixa etária variou de 18 a 55 anos com uma prevalência maior entre 21 e 29 anos em ambos os sexos (21,5% do sexo masculino e 26,8% do sexo feminino). A maior parte cursa Educação Física (30,4%), possuía o financiamento estudantil da própria instituição (50,0%), eram solteiros (75,0%), com emprego fixo e remunerado (76,7%), com renda individual mensal de até um salário mínimo (44,6%) e renda familiar mensal entre dois e cinco salários mínimos (48,2%). Afirmaram morar com a família (96,4%), com média de quatro pessoas na residência (35,7%). Identificou-se que o índice de alterações das variáveis analisadas foi superior no sexo masculino (06), com alterações na hipertensão arterial, no sobrepeso/obesidade, no sedentarismo, no tabagismo, no etilismo e nos hábitos alimentares. As mulheres apresentaram maiores alterações na variável circunferência abdominal (30,3%). Grande parte dos universitários possui de dois a quatro fatores de risco cardiovascular (homens 37,5% e mulheres 32,1%).  Não houve diferença estatisticamente significante entre a estratificação do sedentarismo em relação à alimentação, concluindo que neste estudo o primeiro não interfere no segundo.  A prevalência encontrada foi de 1,0, considerando que todos os participantes possuem ao menos um fator de risco cardiovascular. Apesar dos homens apresentarem maiores alterações nas variáveis que compõem os fatores de risco cardiovasculares, as mulheres apresentaram alta prevalência nos fatores de risco, já que os resultados das variáveis não são mutuamente exclusivos. Verifica-se há necessidade de planejamento e implantação de propostas que visem modificar os hábitos de vida dos indivíduos, principalmente por parte do educador físico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, H. J., & Boog, M. A. F. (2007). Comportamento alimentar em moradia estudantil: um espaço para a promoção da saúde. Revista Saúde Pública, 41(2), 197-204.

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Guia Alimentar para População Brasileira promovendo a alimentação saudável. Normas e manuais técnicos. Brasília: Autor.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. (2008). Saúde do adolescente: competências e habilidades. Brasília: Autor.

Haun, D. R., Pitanga, F. J. G., Lessa I. (2009). Razão cintura/estatura comparado a outros indicadores antropométricos de obesidade como preditor de risco coronariano elevado. Rev Assoc Med Bras, 2009; 55(6), 705-711.

Desai, N., Miller, W. C., Staples, B., & Bravender, T. (2008). Risk Factors Associated With Overweight and Obesity in College Students. Journal of American College Health, 57, 109-114.

Dinger, J. C., Heinemann, L. A., & Kuhl-Habich, D. (2007). The safety of drospirenone-containing oral contraceptive: final results from European Active Surveillance Study on oral contraceptives based on 142,475 women-years of observation. Contraception, 2:2074-9

Filho, J. R. N., Debastiani, D., Nunes, A. D., & Peres, K. G. (2006). Prevalência de Fatores de Risco Cardiovascular em Adultos de Luzerna, Santa Catarina, 2006. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 89(5), 319-324.

Gasparotto, G. S., Legnani, E., Legnani, R. F. S., & Campos, W. (2015). Simultaneidade de fatores de risco cardiovascular em universitários: prevalência e comparação entre períodos de graduação. Revista Saúde, Santa Maria, 41(1), 185-194.

Gomes, E. B.; Moreira, T. M. M.; Pereira, H. C. V.; Sales, I. B. et al. (2012). Fatores de risco cardiovascular em adultos jovens de um município do Nordeste Brasileiro. Revista Brasileira de Enfermagem, 65(4), 594-600.

Han, J. L.; Dinger, M. K., Hull, H. R., Randal, N. B., Heesch, K. C., Fields, D. A. (2008). Changes in Women’s Physical Activity During the Transition to College. American Journal of Health Education, 39(4), 194-199.

Kemmeren, J. M., Tanis, B. C., Bosch, M. A. V. D., Cats, V. M., Helmerhorst, F. M., Bollen, E. L., Van Der Graaf, Y. et al. (2002). Risk of Arterial Thrombosis in Relation to Oral Contraceptives (RATIO): oral contraceptives and the risk of stroke. Stroke, 33, 1202-1208.

Krenz, M., & Korthuis, R. J. (2013). Moderate Ethanol Ingestion and Cardiovascular Protection: from epidemiologic associations to cellular mechanisms. J Mol Cell Cardiol. 52(1), 93-104, 2013.

Lessa, I. Epidemiologia Insuficiência Cardíaca e da Hipertensão Arterial Sistêmica no Brasil. Revista Brasileira de Hipertensão, 8(4), 383-392, 2001.

Lewington, S., Clarke, R., Qizilbash, N., Peto, R., & Collins, R. (2002). Age-specific relevance of usual blood pressure to vascular mortality: a meta-analysis of individual data for one million adults in 61 prospective studies. Lancet, 360, 1903-1913.

Mahan, L. K., & Escott-Stum, S. K. Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 12a. ed. São Paulo: Elsevier, 2010.

Matos, M. F. D., Silva, A. S. S., Pimenta, A. J. M., Cunha, A. J. L. A. (2004). Prevalência dos fatores de risco para doença cardiovascular em funcionários do Centro de Pesquisas da Petrobras. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 82, 1-4.

Mattos, L. L., & Martins, I. S. (2000). Consumo de fibras alimentares em população adulta. Revista Saúde Pública, 34, 50-55.

Matsudo, S., Araújo, T., Matsudo, V., Andrade., Andrade, E., Oliveira, L. C., et al. (2001). Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista brasileira atividade física e saúde, 6(2), 5-18, 2001.

Matsudo, S. M., & Matsudo, V. K. R. Atividade física e obesidade: prevenção e tratamento. São Paulo: Atheneu, 2007.

Morais, C. A. S., Oliveira, S. H. V., Brandão, F. C., Gomes, I. F., & Lima, L. M. (2011). Fatores de risco cardiovascular em estudantes de graduação da Universidade Federal de Viçosa-MG. Journal of Health Science Institute, 29(4), 261-264.

Organização Mundial de Saúde. Organização Pan-Americana de Saúde. Prevenção de doenças crônicas: um investimento vital. Geneva, 2005.

Papalia, D. E., Olds, S. W., & Feldman, R. D. Desenvolvimento humano. 7a. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Pomini, R. Z., San’Ana, D. M. G., & Souza, M. C. C. (2009). Avaliação dos hábitos alimentares dos adolescentes de uma escola da rede de ensino da cidade de Umuarama – PR. Arquivos do MUDI, 13(1/2/3), 25-33.

Sartorelli, D. S., & Franco, L. J. (2003). Tendências do diabetes mellitus no Brasil: o papel da transição nutricional. Caderno Saúde Pública. 2003; 19(1), S29-S36.

Senad. Secretaria Nacional Antidrogas. (2007). 1º Levantamento nacional sobre os padrões de consumo de álcool na população brasileira. SENAD, 2007.

Simone, G. D. E., Devereux, R. B., Cchinal, M., Roman, M. J., Best, L. G. et al. (2006). Strong Heart Study Investigators. Risk factors for arterial hypertension in adults with initial optimal blood pressure: the Strong Heart Study. Hypertension, 47(2), 162-167.

Vieira, C. S., Oliveira, L. C. O., & Sa, M. F. S. (2007). Hormônios femininos e hemostasia. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 29(10), 538-547.

World Health Organization. Cardiovascular diseases, (2007). Retirado em 30 de setembro de 2015 de: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/index.html.

Publicado
2020-07-06
Como Citar
de Oliveira, P. R., Barbosa, M. R. de S., Mendes Silva, L. A., Barbosa, M. R. de S., Castro, D. P., & Mattos, J. G. S. (2020). ANÁLISE DA PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM UNIVERSITÁRIOS. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 1-15. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A1
Seção
Artigo original