PRINCIPAIS CAUSAS DE FALHA NA EXTUBAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM UM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL DO INTERIOR DE MINAS GERAIS

  • Lisieux Fabricia da Fonseca Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais - Fhemig
  • Patricia Resende Nogueira Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais - Fhemig
  • Jacqueline de Souza Araújo Machado Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM
Palavras-chave: Desmame, Falha no Desmame, Paciente Crítico

Resumo

A ventilação mecânica (VM) ou suporte ventilatório é considerado um método de tratamento vital nas (UTIs). Ademais é tido como um valioso suporte no atendimento de paciente com insuficiência respiratória aguda e crônica agudizada. Há evidências de que, quanto antes seja estabelecida a condição clínica desse paciente, de acordo como protocolo mais breve será a sua extubação. O objetivo dessa pesquisa foi determinar as principais causas de falha na extubação em pacientes de um centro de terapia intensiva adulto (CTI). O estudo realizado foi do tipo descritivo, retrospectivo e longitudinal, foram analisados 58 prontuários de pacientes que estiveram internados no CTI de um hospital do interior de Minas Gerais. A amostra foi composta por 58 pacientes, sendo 32 homens e 26 mulheres, desses 23 foram a óbito. O principal diagnóstico clínico foi doenças neurológicas seguida de doenças respiratórias. A principal causa de falha da extubação no sexo feminino foi por laringoespasmo; aumento do trabalho respiratório; e rebaixamento do nível de consciência associado ao aumento do trabalho respiratório. No sexo masculino foi por insuficiência respiratória; rebaixamento do nível de consciência associado ao aumento do trabalho respiratório. O estudo, perfez-se que dos prontuários analisados 23 destes evoluíram para óbito. O tempo que o paciente permaneceu em ventilação mecânica corresponde a 5 dias. Nove pacientes do sexo feminino e seis do sexo masculino, foram considerados inaptos pelo protocolo e extubados, destes, 5 pacientes evoluíram para óbito, o que mostra a falta de adesão, e a resistência da equipe em seguir protocolos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Resende Nogueira, Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais - Fhemig

Graduada em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Goiás (2001); Especialista (lato sensu) em Fisioterapia Pneumofuncional pela Universidade de Brasília (2004); Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Goiás (2009); Especialista Profissional em Fisioterapia em Terapia Intensiva, com área de atuação em Neonatologia e Pediatria, pela Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva (2015) . Atualmente, ocupa o cargo de Fisioterapeuta Respiratório no Hospital Regional Antônio Dias da rede FHEMIG (Patos de Minas), e de Fisioterapeuta do NASF na Secretaria Municipal de Patos de Minas (MG). Tem experiência na área de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva (Adulto, neonatal e pediátrica). 

Jacqueline de Souza Araújo Machado, Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM

Carreira desenvolvida na área de Pedagogia, com habilitação em Supervisão Escolar, especialização em: Orientação, Inspeção e Supervisão Escolar (especialista de educação básica); Metodologia do Ensino Superior e Gestão de Pessoas e Marketing. Doutorado em Ciências da Educação. concluído em Janeiro/2017. Carreira desenvolvida na área de Fisioterapia, Mestrado em Saúde Pública curso concluído em Janeiro 2015, cursos na área de Auriculoterapia, Crochetagem Miofascial e pós-graduação na área de Fisioterapia Respiratória e UTI (concluída 2018). Foco no atendimento ao cliente com base na prática baseada em evidência. Atendimento domiciliar. Mestrado em Saúde Pública: concluído em Janeiro/2015. Professor Universitário na empresa Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM. Cidade Patos de Minas\MG nas áreas da Engenharia Civil, Elétrica, Mecânica, de Produção e Direito nas disciplinas de Probabilidade e Estatística, Hidrologia, Gestão de Pessoas, Gestão em Agroindústria, Engenharia Econômica, Metodologia do Trabalho Científico, Metodologia da Pesquisa Jurídica, TCC1 e TCC2. Professor de Pós-Graduação na empresa Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM Cidade de Patos de Minas/ nas áreas da Engenharia de Segurança do Trabalho disciplina de Ergonomia. (2019) Professor de Pós-Graduação na empresa Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM cidade de Paracatu/ na áreas da Engenharia de Segurança do Trabalho disciplina de Psicologia na Engenharia de Segurança, Comunicação e Treinamento (2019).

Referências

Barbas, C. S. V., et al. (2014). Recomendações brasileiras de ventilação mecânica. Parte 2. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 26(3), 215-239. https://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20140034.

Dehghani, A., Abdeyazdan, G., & Davaridolatabadi, E. (2016). An Overview of the Predictor Standard Tools for Patient Weaning from Mechanical Ventilation. Electronic Physician, 8(2), 1955-1963. https://dx.doi.org/10.19082/ 1955.

Dexheimer Neto, F. L., Vesz, P. S., Cremonese, R. V., Leães, C. G. S., Raupp, A. C. T., Rodrigues, C. S., Andrade, J. M. S., Townsend, R. S., Maccari, J. G., & Teixeira, C. (2014). Extubação fora do leito: um estudo de viabilidade. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 26(3), 263-268. https://doi.org/10.5935/0103-507X.20140037.

Jeganathan, N.; Kaplan, C. A.; & Balk, R. A. (2015). Ventilator Liberation for High-Risk-for-Failure Patients: Improving Value of the Spontaneous Breathing Trial. Respiratory Care, 60(2), 290-296. https://doi.org/10.4187/respcare.03111.

José, A., Pasquero, R. C., Timbó, S. R., Carvalhaes, S. R. F., Bien, U. S., & Corso, S. D. (2013). Efeitos da fisioterapia no desmame da ventilação mecânica. Fisioterapia Movimento, 26(2), 271-279. http://www.scielo.br/pdf/fm/v26n2/04.pdf.

Jung, B., Moury, P.H., Mahul, M., Jong, A., Galia, F., Prades, A., Albaladejo, P., Chanques, G., Molinari, N., & Jaber, S. (2016). Diaphragmatic dysfunction in patients with ICU-acquired weakness and its impact on extubation failure. Intensive Care Med. 42(5), 853-851. https://doi.org/10.1007/s00134-015-4125-2.

Kaur, R., Vines, D. L., Liu, L., & Balk, R. A. (2017). Role of Integrated Pulmonary Index in Identifying Extubation Failure. Respiratory Care. 62(12), 1550-1556. http://dx.doi.org/10.4187/respcare.05434.

Kutchak, F. M., Rieder, M. M., Victorino, J. A., Meneguzzi, C., Poersch, K., Forgiarini Junior, L. A., & Bianchin, M. M. (2017). Simple motor tasks independently predict extubation failure in critically ill neurological patients. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 43(3), 183-189. https://doi.org/10.1590/s1806-37562016000000155.

Lopes, J. S. C., Jesus, P. N. L. G., Machado, T. O., & Reis, H. F. C. (2016). Preditores de falha de extubação em unidade de terapia intensiva: uma revisão de literatura. Revista Pesquisa em Fisioterapia. 6(2), 180-188. Http://dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v6i2.889.

Muzaffar, S. N., Gurjar. M., Baronia A. K., Azim, A., Mishra, P., Poddar, B., & Singh, R. K. (2017). Preditores, padrão de desmame e desfecho em longo prazo de pacientes com ventilação mecânica prolongada em unidade de terapia intensiva no norte da Índia. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 29(1), 23-33.http://dx.doi.org/10.5935/0103-507x.20170005.

Perkins, G. D., Mistry, D., Gates, S., Gao, F., Snelson, C., et al. (2018). Effect of Protocolized Weaning With Early Extubation to Noninvasive Ventilation vs Invasive Weaning on Time to Liberation From Mechanical Ventilation Among Patients With Respiratory Failure. Jama. 320(18), 1881-1888. http://dx.doi.org/10.1001/jama.2018.13763.

Pinheiro, B. V. (2017). The difficult task of searching for tools that help predict mechanical ventilator weaning success. Jornal Brasileiro Pneumologia. 2017; 43(4), 249-250. https://doi.org/10.1590/s1806-37562017000400001.

Pluijms, W. A., Van Mook, W. N., Wittekamp, B. H., & Bergmans, D. C. (2015). Postextubation laryngeal edema and stridor resulting in respiratory failure in critically ill adult patients: updated. Critical Care. 19(295), 1-9. http://dx.doi.org/ 10.1186/s13054-015-1018-2.

Reis, H. F. C., Almeida, M. L. O., Silva, M. F., & Rocha, M. S. (2013). Extubation failure influences clinical and functional outcomes in patients with traumatic brain injury. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 39(3), 330-338. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132013000300010.

Reis, H. F. C., Almeida, M. L. O., Silva, M. F., Moreira, J. O., & Rocha, M. S. (2013). Association between the rapid shallow breathing index and extubation success in patients with traumatic brain injury. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 25(3), 212-217. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20130037.

Schmidt, G. A., Girard, T. D., Kress, J. P., Morris, P. E., Ouellette, D. R., Alhazzani, W., Burns, S. M., Epstein, S. K., Esteban, A., & Fan, E. (2017). Official Executive Summary of an American Thoracic Society/American College of Chest Physicians Clinical Practice Guideline: Liberation from Mechanical Ventilation in Critically Ill Adults. American Journal Of Respiratory And Critical Care Medicine. 195(1), 115–119. https:// x.doi.org/10.1164/rccm.201610-2076ST.

Thomrongpairoj, P., Tongyoo, S., Tragulmongkol, W., & Permpikul, C. (2017). Factors predicting failure of noninvasive ventilation assist for preventing reintubation among medical critically ill patients. Journal Of Critical Care. 38, 177-181. https://doi.org/10.1016/j.jcrc.2016.11.038.

Uy, A. B. C., Ramos, E. F. P., Rivera, A. S., Maghuyop, N. L., Suratos, C. T. R., Miguel, R. T. D., Gaddi, M. J. S., & Zaldivar, J. K. D. (2019). Incidence, risk factors, and outcomes of unplanned extubation in adult patients in a resource-limited teaching hospital in the Philippines: a cohort study. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 31(1), 179-188. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507x.20190012.

Publicado
2020-07-08
Como Citar
Fonseca, L. F. da, Nogueira, P. R., & Machado, J. de S. A. (2020). PRINCIPAIS CAUSAS DE FALHA NA EXTUBAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM UM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL DO INTERIOR DE MINAS GERAIS. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 136-150. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A10
Seção
Artigo original