O PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM RISCO SUICIDA ACOLHIDOS NO SERVIÇO DE SAÚDE SANTA MARIA ACOLHE

  • Jaqueline Migliorin Tadiello Universidade Luterana do Brasil - Campus Santa Maria
  • Carlos Eduardo Seixas Universidade Luterana do Brasil - Campus Santa Maria
Palavras-chave: Suicídio, Ideação Suicida, Tentativa de Suicídio, Epidemiologia

Resumo

O suicídio abrange um lugar de importância entre os danos que atingem as populações devido ao grande impacto familiar, psicossocial e econômico, sendo a atenção básica de saúde o primeiro local onde são atendidos esses indivíduos. Assim, uma análise do cenário atual e do perfil de pacientes com comportamento suicida atendidos no principal serviço de acolhimento do município de Santa Maria - RS, pode fornecer subsídios para o aperfeiçoamento das propostas de tratamento ou prevenção. Neste sentido, o objetivo do estudo foi conhecer o perfil epidemiológico dos pacientes com comportamento suicida que acessam o serviço de atenção psicossocial Santa Maria Acolhe e identificar os fatores desencadeantes de tal comportamento. Tratou-se de uma pesquisa de estudo de campo documental, de caráter exploratório e análise mista a partir de levantamento de dados. Para tal, foram coletados nos prontuários dos pacientes acolhidos no serviço durante o período de junho do ano de 2018 até o mês de junho do ano de 2019 dados referentes a sexo, idade, estado civil, escolaridade e fator desencadeante do comportamento suicida. Foram analisados 223 prontuários sendo a maioria dos pacientes com comportamento suicida do sexo feminino, com a faixa etária variando de 25 aos 59 anos, solteiros, com baixa escolaridade. Além disso os principais fatores desencadeantes do comportamento suicida foram os fatores familiar e transtornos diagnósticos. Ações de promoção em saúde mental, passam a ser fundamentais para a prevenção e controle de comportamentos suicidas, visando minimizar possíveis óbitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abreu, K. P. de, Lima, M. A. D. da S., Kohlrausch, E., & Soares, J. F. (2010). Comportamento suicida: fatores de risco e intervenções preventivas. Revista Eletrônica de Enfermagem, 12(1), 195–200. https://doi.org/10.5216/ree.v12i1.9537

American Association of Suicidology. (2006). Elderly suicide fact sheet. Retrieved October 27, 2019, from Suicide Prevention Resource Center website: http://www.suicidology.org/web/guest/stats-and-tools/fact-sheets

Angerami-Camon, V. (1999). Solidão: a ausência do outro. São Paulo: Pioneira.

Angerami-Camon, V. A. (2004). Tendências em psicologia hospitalar (1st ed.). São Paulo: Thonson Pioneira.

Araújo, L. da C., Vieira, K. F. L., & Coutinho, M. da P. de L. (2010). Ideação suicida na adolescência: um enfoque psicossociológico no contexto do ensino médio. Psico-USF, 15(1), 47–57. https://doi.org/10.1590/S1413-82712010000100006

Arias Gutiérrez, M., Fernández, S. G. M., Jiménez, M. M., Gutiérrez, J. M. A., & Tamayo, O. D. (2009). Modificación de conocimientos sobre conducta suicida en adolescentes y adultos jóvenes con riesgo Modification to knowledge of suicidal behavior in teenagers and young adults at risk. Medisan, 13(1).

Arnett, J. (2011). The cultural psychology of a new life stage. In Bridging Cultural and Developmental Approaches to Psychology: New Synthesis in Theory, Research, and Policy (pp. 255–275). New York: Oxford University Press.

Barbosa, F. de O., Macedo, P. C. M., & Silveira, R. M. C. da. (2011). Depressão e o suícido. Revista Da SBPH, 14(1), 233–243.

Beautrais, A. L. (2003). Subsequent mortality in medically serious suicide attempts: A 5 year follow-up. Australian and New Zealand Journal of Psychiatry, 37(5), 595–599. https://doi.org/10.1046/j.1440-1614.2003.01236.x

Borges, V. R., & Werlang, B. S. G. (2006). Estudo de ideação suicida em adolescentes de 15 a 19 anos. Estudos de Psicologia (Natal), 11(3), 345–351. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2006000300012

Câmara, M. C., & Pereira, M. A. O. (2010). Percepções de transtorno mental de usuários da estratégia saúde da família. Revista Gaúcha de Enfermagem / EENFUFRGS, 31(4), 730–737. https://doi.org/10.1590/s1983-14472010000400017

CEVS - Cento Estadual de Vigilância em Saúde do RS. (2018). Boletim de Vigilância Epidemiológica de Suicídio e Tentativa de Suicídio. Retrieved from https://www.cevs.rs.gov.br/upload/arquivos/201809/05162957-boletim-de-vigilancia-epidemiologica-de-suicidio-n1-2018.pdf

Conwell, Y., Duberstein, P. R., & Caine, E. D. (2002). Risk factors for suicide in later life. Biological Psychiatry, 52(3), 193–204. https://doi.org/10.1016/S0006-3223(02)01347-1

Correa, H., & Barrero, S. P. (2006). O suicídio: definições e classificações. In H. Correa & S. P. Barrero (Eds.), Suicídio uma morte evitável (pp. 29–36). São Paulo: Atheneu.

Costa, C. B. da, & Spies, P. (2014). Suicídio: a percepção familiar sobre aquele que deu fim à própria vida. Revista Psicologia Em Foco, 6(8), 78–95.

Desaulniers, J., & Daigle, M. S. (2008). Inter-regional variations in men’s attitudes, suicide rates and sociodemographics in Quebec (Canada). Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, 43(6), 445–453. https://doi.org/10.1007/s00127-008-0340-2

Dias, M. L. (1991). Suicídio, testemunhos de adeus. São Paulo: Editora Brasiliense.

Erikson, E. H. (1998). O ciclo de vida completo. Porto Alegre: Artmed.

Figueiró, J. A. B., & Fráguas Júnior, R. (2005). Depressões em medicina interna e em outras condições médicas (1st ed.). São Paulo: Atheneu.

Fontenelle, P. (2008). Suicídio - O Futuro Interrompido: Guia para Sobreviventes. São Paulo: Geração.

Heisel, M. J., & Flett, G. L. (2004). Purpose in Life, Satisfaction with Life, and Suicide Ideation in a Clinical Sample. Journal of Psychopathology and Behavioral Assessment, 26(2), 127–135. https://doi.org/10.1023/B:JOBA.0000013660.22413.e0

Iram Villa-Manzano, A., Robles-Romero, M. Á., Armida Gutiérrez-Román, E., Guadalupe Martínez-Arriaga, M., Javier Valadez-Toscano, F., Cabrera-Pivaral, C. E., & Guadalajara, C. V. (2009). Magnitud de la disfunción familiar y depresión como factores de riesgo para intento de suicidio. Rev Med Inst Mex Seguro Soc, 47(6), 643–646.

Lovisi, G. M., Santos, S. A., Legay, L., Abelha, L., & Valencia, E. (2009). Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Revista Brasileira de Psiquiatria, 31(SUPPL. 2). https://doi.org/10.1590/S1516-44462009000600007

Mann, M., Hosman, C. M. H., Schaalma, H. P., & De Vries, N. K. (2004, August). Self-esteem in a broad-spectrum approach for mental health promotion. Health Education Research, Vol. 19, pp. 357–372. https://doi.org/10.1093/her/cyg041

Minayo, M. C. de S., & Cavalcante, F. G. (2015). Tentativas de suicídio entre pessoas idosas: revisão de literatura (2002/2013). Ciência & Saúde Coletiva, 20(6), 1751–1762. https://doi.org/10.1590/1413-81232015206.10962014

Minayo, M., & Souza, E. (2005). Suicídio: violência autoinfligida. In Brasil. Ministério da Saúde. (Ed.), Impactos da violência na saúde dos brasileiros (pp. 311–331). Brasilia: MS.

Mitty, E., & Flores, S. (2008). Suicide in late life. Geriatric Nursing (New York, N.Y.), 29(3), 160–165. https://doi.org/10.1016/j.gerinurse.2008.02.009

OPAS/OMS Brasil. (2018). Folha informativa - Suicídio. Retrieved March 31, 2019, from https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5671:folha-informativa-suicidio&Itemid=839

Organização Mundial da Saúde. (2000). Prevenção do suicídio: Um manual para profissionais da saúde em atenção primária (p. 21). p. 21. Genebra.

Patton, G. C., Coffey, C., Sawyer, S. M., Viner, R. M., Haller, D. M., Bose, K., … Mathers, C. D. (2009). Global patterns of mortality in young people: a systematic analysis of population health data. The Lancet, 374(9693), 881–892. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(09)60741-8

Plunkett, A., O’Toole, B., Swanston, H., Oates, R. K., Shrimpton, S., & Parkinson, P. (2001). Suicide Risk Following Child Sexual Abuse. Ambulatory Pediatrics, 1(5), 262–266. https://doi.org/10.1367/1539-4409(2001)001<0262:SRFCSA>2.0.CO;2

Ribeiro, J. M., & Moreira, M. R. (2018). An approach to suicide among adolescents and youth in Brazil. Ciencia e Saude Coletiva, 23(9), 2821–2834. https://doi.org/10.1590/1413-81232018239.17192018

Vásquez-Rojas, R., & Quijano-Serrano, M. (2013). Cuando el intento de suicidio es cosa de ninos. Rev Colomb Psiquiat, 42(S1), 36–46. https://doi.org/10.1016/j.rcp.2013.11.004

Volpe, F., Corrêa, H., & Barrero, S. (2006). Epidemiologia do suicídio. In H. Correa & S. Perez (Eds.), Suicídio, uma morte evitável (pp. 11-27.). São Paulo: Editora Atheneu.

Werlang, B. S. G., Borges, V. R., & Fensterseifer, L. (2005). Fatores de risco ou proteção para a presença de ideação suicida na adolescência. Revista Interamericana de Psicologia, 39(2), 259–266.

Publicado
2020-07-08
Como Citar
Migliorin Tadiello, J., & Seixas, C. E. (2020). O PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM RISCO SUICIDA ACOLHIDOS NO SERVIÇO DE SAÚDE SANTA MARIA ACOLHE. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 151-164. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A11
Seção
Artigo original