O USO DE DROGAS DURANTE A GRAVIDEZ E A FORMAÇÃO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ

  • Maria Fernanda Louchard Joazeiro Cromack Universidade Federal Fluminense
  • Jairo Werner Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Gravidez na Adolescência, Dependência de Drogas, Assistência Materno-Infantil

Resumo

Esta pesquisa teve como escopo relacionar adolescência, gravidez e uso de drogas. O objetivo do estudo foi investigar o estabelecimento do vínculo entre a mãe adolescente em uso de drogas e seu futuro bebê, durante a gestação e puerpério. A metodologia utilizada foi de natureza qualitativa, se configurando comoestudo de casounitário com adolescente atendida em  Centro de Referência da Criança e do Adolescente (CRCA). A coleta dos dados teve como instrumento entrevista semi direcionada, sendo o procedimento de análise do material coletadoreunido porcategorias temáticas,à luz da teoria psicanalítica. O resultado desse estudo indicou apossibilidade de vinculação da mãe adolescente com seu bebê,mesmo no contexto de utilização de drogas. Neste sentido,outra explicaçãopoderia haver para os casos nos quais se observaa ausência davinculação da mãe usuária de droga com seu bebê, ou seja,a ausência ou dificuldade de vínculo materno nãoestariasempreligadoa embotamento afetivo ou a outra alteração psíquica da mãe causada/agravada pelo uso de drogas,mas,que,em alguns casos, resultaria decondições sociais adversase da consequentedeficiência naassistência materno-infantil. A conclusão desse caso apontou para a importância fundamental dos processos transferencial e da criação de vínculos, por meio do apoio multidisciplinar e do acompanhamento dessas jovens pelos serviços de atendimento ao adolescente, visando a proporcionar melhores condiçõespara aconstrução do vínculo mãe-bebê, em contexto social adverso e do consumo de drogas.

 

Palavras-chave: gravidez na adolescência, uso de drogas na gestação, assistência materno-infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barreto, M., & Gomes, A., & Oliveira, D., & Marques, S., & Peres, E. (2011).Representação social da gravidez na adolescência para adolescentes grávidas. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. https://www.researchgate.net/publication/277863691_Representacao_social_da_gravidez_na_adolescencia_para_adolescentes_gravidas

Benincá, C. R. S., & Gomes, W. B.(1998) Relatos de mães sobre transformações familiares em três gerações. Estudos de Psicologia. http://www.scielo.br/pdf/epsic/v3n2/a02v03n2.pdf

Chemama, R. & Vandermersch, B.(2007) Dicionário de Psicanálise. São Leopoldo: Editora Unisinos.

Eisenstein, E. (2005) Adolescência: definições, conceitos e critérios. Adolesc Saúde. http://www.adolescenciaesaude.com /detalhe_artigo.asp?id=167

Freud, S. (1996) Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. A dinâmica da transferência. Artigos sobre técnica. Rio de Janeiro: Imago,. Vol. XII.

Laranjeira, R; & Ribeiro, M.(2012) O tratamento do usuário de crack. 2ª. edição. Porto Alegre: Artmed.

Lebovici, S. (1987).O bebê, a mãe e o psicanalista. Porto Alegre: Artes médicas.

Levandowski, D., & Piccinini, C., & Lopes, R. (2008). Maternidade Adolescente. Estudos de Psicologia. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2008000200010

Maldonado, M. T. (2000)Psicologia da gravidez.São Paulo: Saraiva.

Maldonado, M. T. (1973)Psicologia da gravidez. São Paulo: Saraiva.

Minayo, M. C. S; & Schenker, M. (2004) A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas: uma revisão da literatura. Cad. Saúde Pública. http://www.scielosp.org/pdf/csp/v20n3/02.pdf

Ministério da Sáude.(2001)Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf

Ministério da Sáude.(2014) Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_psicossocial_criancas_adolescentes_sus.pdf

Maurano, D. (2006) Coleção Psicanálise Passo a Passo. A transferência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar

Quinet, A.(2005). 4 + 1 condições para análise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor LTDA.

Salles, A.C.T.C. A mãe e seu filho doente. Epistemossomática. Publicação do departamento de psicologia e psicanálise do Hospital Mater Dei. Belo Horizonte: abril, 1992.

Senad, Ministério da Justiça; Fiocruz, Ministério da Saúde: perfil de dos usuários de crack e / ou similares no Brasil (2013). Livreto Epidemiológico. Livreto domiciliar

Silva, T. P; & Tocci, H. A .Efeitos obstétricos, fetais e neonatais relacionados ao uso de drogas, álcool e tabaco durante a gestação (2002). http://www.unisa.br/graduacao/biologicas/enfer/revista/arquivos/2002-10.pdf

Souza,J. (2012) A construção Social da Subcidadania: para uma Sociologia Política da Modernidade Periférica. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Werner, J. A relação sujeito-drogas na perspectiva histórico-cultural: Abordagens preventivas e terapêuticas (2004). Revista de Educação do Cogeime. http://www.cogeime.org.br/revista/cap0625.pdf.

Werner, J. Análise Microgenética: Contribuição dos Trabalhos de Vygotsky para o Diagnóstico em Psiquiatria Infantil (1999) Int. J. Prenatal and Perinatal Psychology andMedicine http://www.mattes.de/buecher/praenatale_psychologie/PP_PDF/PP_11_2_Werner.pdf

Winnicott, D. (2000) Da Pediatria à Psicanálise. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. (1990) Natureza Humana. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. (2012) Privação e Delinquência. Rio de Janeiro: Imago.

Publicado
2020-07-08
Como Citar
Louchard Joazeiro Cromack, M. F., & Werner, J. (2020). O USO DE DROGAS DURANTE A GRAVIDEZ E A FORMAÇÃO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 196-212. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A14
Seção
Relato de Caso e/ou Experiência