ESTILOS DE LIDERANÇAS E SUA RELAÇÃO COM O ADOECIMENTO MENTAL

  • Vitória Aparecida Almeida Faculdade Patos de Minas
  • Ernane Júnior da Silva Reis Faculdade Patos de Minas
  • Constance Rezende Bonvicini Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: Saúde Mental, Líder, Gestão de Pessoas

Resumo

O estudo sobre liderança está se mostrando cada vez mais importante. O objetivo desta revisão é levantar conhecimentos sobre os estilos de lideranças apontados nos estudos científicos, enfatizam a sua influência na saúde mental do sujeito no ambiente organizacional. É de grande valia que os líderes saibam como manter a autoridade sobre os funcionários, sendo um líder bem-sucedido, o qual exerça influência positiva e motivação aos colaboradores, produzindo, juntos, um ambiente de trabalho saudável, a fim de cumprirem as metas e objetivos organizacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abbade, E. B., & Brenner, F. (2009). Perfil de liderança e tomada de decisão. Revista de Administração FACES, 8(1),107-127.

Araújo, M. R. M., Silva, L. C. O., Gois, C. C., Sousa. D. A., Mendonça, P. F., Lima, T. C., et al. (2013). Preferência por tipos de liderança: um estudo em empresa sergipana do sertor hoteleiro. Estudos de Psicologia, 18(2), 203-211.

Araújo, T. M., Palma, T. A., & Araújo, N. C. (2017). Vigilância em Saúde Mental e Trabalho no Brasil: características, dificuldades e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 22(10), 3235-3246.

Baesso, M. F., Lopes, G. S. C., Morais. D. P., & Rodrigues, A. (2017). A liderança carismática em organizações de saúde do sul de Santa Catarina. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 7(3), 19-33.

Balsanelli, A. P., Cunha, I. C. K., & Whitaker, I. Y. (2008). Estilos de liderança e perfil profissional de enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva. ACTA, 21(2), 300-304.

Barreto, L. M. T. S., Kishore. A., Reis, G. G., Lopes, L. B., & Freire., C. A. M. (2013). Cultura Organizacional e liderança: uma relação possível?. Revista de administração: RAUSP, 48(1), 34-52.

Batista, N. P. O., Killmnlk, Z. M., & Neto, M. T. R. (2016). Influência dos estilos de liderança na satisfação no trabalho: um estudo em uma entidade de fins não econômicos. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 6(3), 24-39.

Bemfica, J., de Moura, C., & Bonvicini, C. (2018). Lacombe, F. J. M (2011). Recursos Humanos: princípios e tendências (2a ed.). São Paulo: Saraiva. Psicologia E Saúde Em Debate, 4(2), 148-155.

Bendassolli, P. F. (2011). Mal estar no trabalho: do sofrimento ao poder de agir. Revista Mal estar e Subjetividade, 6(1), 65-98.

Bottega. C, G., & Merlo, A. C. (2017). Clínica do trabalho no SUS: possibilidade de escuta aos trabalhadores. Psicologia & Sociedade, 29, 1-11.

Braga, L. C., Carvalho, L. R., & Binder, M. C. P. (2010). Condições de trabalho e transtornos mentais comuns em trabalhadores da rede básica de saúde de Botucatu (SP). Ciência & Saúde Coletiva, 15(1), 1585-4596.

Brant, L. C., & Minayo-Gomez, C. (2008). Dá tristeza à depressão: a transformação de um mal-estar em adoecimento no trabalho. Interface: Comunicaçao, Saúde, Educação, 12(26), 667-676.

Brant, P. S. (2012). A relação entre líderes e membros (LMX), estilos de liderança e seus impactos na satisfação no trabalho. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Fumec, Belo Horizonte.

Brotto, T. C. A., & Dalbello-Araújo, M. (2012). É inerente ao trabalho em saúde o adoecimento de seu trabalhador?. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 37(126), 290-305.

Calaça, P. A., & Vizeu, F. (2015). Revisitando a perspectiva de James MacGregor Burns: qual é a ideia por trás do conceito de liderança transformacional?. Cadernos EBAPE.BR, 13(1), 121-135.

Castro, P. K. L. B., & Silva, F. M. V. (2017). Liderança organizacional em uma incubadora de empresas de base tecnológica. NAVUS: Revista de gestão e Tecnologia, 7(3), 71-85.

Chiavenato, I. (2006). Abordagem Humanística. In I. Chiaveto, Administração Geral e Pública. (pp. 325-390). Rio de Janeiro: Elsevier.

Cruz, A. P. C., Frezatti, F., & Bido, D. S. (2015). Estilo de liderança, controle gerencial e inovação: papel das alavancas de controle. RAC: Revista de Administração Contemporânea, 19(6), 772-794.

D’ Arrigo, F. P., Bertolini, A. V. A. G., Prantz, C., & Dorlon, E. C. (2016). Propriedade psicológica, poder e intenção de compartilhar conhecimento nas organizações. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração,10(4), 17-29.

Davel, E., & Machado, H. V. (2001). A dinâmica entre liderança e identificação: sobre a influência consentida nas organizações contemporâneas. RAC, 5(3), 107-126.

Davel, E., Rolland, D., & Tremblay, D. G. (2000). A nova distribuição de responsabilidades na organização do trabalho em equipe em Quebec. In E. Davel, & C. Oliveira (Orgs.), Gerência em ação: singularidades e dilemas do trabalho gerencial. (1a ed.) (pp. 95-101). Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Dias, M. A. M. J., & Borges, S. G. R. (2015). Estilo de liderança e desempenho no setor público. Revista Eletrônica de Administração, 21(1), 200-221.

Duarte, G. A., & Papa, A. C. (2011). A utilização da liderança situacional como diferencial estratégico para as organizações contemporâneas. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 4(3), 364-377.

Fonseca, A. M. O., & Porto, J. B. (2013). Validação fatorial de escala de atitudes frente a estilos de liderança. Avaliação Psicológica, 12(2), 157-166.

Fonseca, A. M. O., Porto, J. B., & Barroso. A. C. (2012). O efeito de valores pessoais nas atitudes perante estilos de liderança. RAM: Revista de Administração Mackenzie, 13(3), 122-149.

Fonseca, A. M. O., Porto, J. B., & Borges-Andrade, J. E. (2015). Liderança: um retrato da produção científica brasileira. RAC, 19(3), 290-310.

Freitas, M. E. (1997). Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma?. Tese de Doutorado em Pós-Graduação Área de Concentração: organizações, recursos humanos e planejamento, EAESP/FGV, São Paulo, SP.

Garcia, I. G., & Santa-Bárbara, E. S. (2009). Relação entre estilos de liderança e bases de poder das enfermeiras. Revista Latino-am Enfermagem, 17(3), 1-7.

Gomes, B., & Bonvicini, C. (2016). Saúde mental e o trabalho de caminhoneiros de cargas nas rodovias. Psicologia E Saúde Em Debate, 2(Supl. 1), 8-11.

Gomes, R, A., & Cruz, J. (2007). Abordagem carismática e transformacional: conceptuais e contributos para o exercício da liderança. Psicologia USP, 18(3), 143-161.

Hersey, P., & Blanchard, K. (1986). Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas da liderança situacional. (4a ed.) São Paulo: EPU.

Ivan, M. V., & Terra, L. A. A. (2017). A Influência da liderança na dinâmica organizacional. Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, 7(1), 137-159.

Kanan, L. A. (2010). Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Organizações & Sociedade, 17(53), 243-257.

Kanan, L. A., & Arruda, M. P. (2013). A organização do trabalho na era digital. Estudos de Psicologia, 30(4), 583-291.

Lobo, P. K. B. C., & Meneguete, F. V. S. (2017). Liderança organizacional em uma incubadora de empresas de base tecnológica. NAVUS: Revista de gestão e Tecnologia, 7(3), 71-85.

Maciel, C. O., & Nascimento, M. R. (2013). Em busca de uma abordagem não atomizada para o exame das relações entre liderança transformacional e comprometimento organizacional. Revista de Administração – RAUSP, 48(3), 544-559.

Merhi, D. Q., Vasconcelos, K. C. A., Lopes, V. M. G., & Silva, A. R. L. (2010). Cultura, poder e liderança nas organizações: um estudo de caso no setor de celulose. Read: Revista Eletrônica de Administração, 16(3), 737-765.

Neto, A. C., Tanure, B., Santos, C. M. M., & Lima, G. S. (2012). Executivos brasileiros: na contramão do perfil deificado da liderança transformacional. Revista de Ciências da Administração, 14(32), 35-49.

Oliveira, A. M. N., & Araújo, T. M. (2017). Situações de desiquilíbrio entre esforço-recompensa e transtornos mentais comuns em trabalhadores da atenção básica de saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 16(1), 243-262.

Pessoa, C. I. P., Dimas, I. D., Lourenço, P. R., & Rebelo. T. (2018). Liderança transformacional e a eficácia grupal: o papel mediador dos comportamentos de suporte. Estudo de Psicologia, 35(1), 15-28.

Pietrani, E. E. M. (2010). Saúde mental no trabalho: um convite ao dialógico. Revista da Abordagem Gestálica, XVI(1), 91-94.

Reis, M. C. (2017). Trabalho, alienação e sofrimento mental: as metamorfoses no mundo do trabalho e seus reflexos na saúde mental do trabalhador. Revista de Políticas Públicas, 21(2), 797-811.

Ribeiro, A. C. A., Mattos, B. M., Antonelli., C. S., Câneo, L. C., & Júnior, E. G. (2011). Resiliência no trabalho contemporâneo: promoção e/ou desgaste da saúde mental. Psicologia em Estudo, 16(4), 623-633.

Rosado, J. P. P. G. (2010). Liderança transformacional e carismática, personal branding e social média. Tese de Mestrado em Inovação e Empreendedorismo Tecnológico, Universidade do Porto, Porto.

Sant’anna, A. S., Campos, M. S., & Lótfi, S. (2012). Liderança: o que pensam executivos brasileiros sobre o tema?.RAM: Revista de Administração Mackenzie, 13(6), 48-76.

Schlindwein, V. L. D. C. (2013). Histórias de vida marcadas por humilhação, assédio, moral e adoecimento no trabalho. Psicologia & Sociedade, 25(2), 430-439.

Silva, A. S., & Neto, A. C. (2012). Uma contribuição ao estudo da liderança sob a ótica Weberiana de dominação carismática. RAM: Revista de Administração Mackenzie, 13(6), 20-47.

Sólis, M. B. (2008). Comunicação e poder nas organizações. Em Questão, 14(2), 207-222.

Strapasson, M, R., & Medeiros, C. R. G. (2009). Liderança transformacional na enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(2), 228-233.

Vasconcelos, A., & Faria, J. M. (2008). Saúde mental no trabalho: contradições e

limites. Psicologia & Sociedade, 20(3), 453-464.

Vasconcelos, K. C. A., Merhi, D. Q., Junior, A. S., & Silva, P. O. M. (2013). Cultura, liderança e compartilhamento do conhecimento organizacional. Revista de Administração FACES, 12(1), 13-31.

Vergara, S. C. (2009). Gestão de pessoas. (15a ed.) São Paulo: Atlas.

Vizeu, F. (2011). Uma aproximação entre liderança transformacional e teoria da ação comunicativa. RAM: Revista de Administração Mackenzie, 12(1), 53-81.

Yulk, G. (2002). Leadership in organizations. (5a ed.) New Jersy: Prentice Hall.

Zanelli, J. C. (2010). Estresse nas organizações de trabalho: compreensão e intervenção baseadas em evidências. Porto Alegre: Artmed.

Ziliotto, D. M & Oliveira, B. O (2014). A organização do trabalho em Call Centers: implicações na Saúde Mental dos Operadores. Revista Psicologia: Organizações e trabalho, 14(2).

Publicado
2020-07-09
Como Citar
Almeida, V. A., Reis , E. J. da S., & Bonvicini, C. R. (2020). ESTILOS DE LIDERANÇAS E SUA RELAÇÃO COM O ADOECIMENTO MENTAL. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 227-243. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A16
Seção
Estudo Teórico