SUBJETIVIDADE HUMANA REVELADA NAS TATUAGENS DE PESSOAS DELITIVAS EM CUMPRIMENTO DE PENA

  • Gema Galgani da Fonseca FPM - FACULDADE DE PATOS DE MINAS
  • Bruna Santos Gonçalves Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: Tatuagem, Emocionalidade, Condenados

Resumo

A tatuagem era associada à marginalidade e às classes socioeconômicas mais baixas, considerada inicialmente como sinais de contestação ou de comportamentos rebeldes. Lentamente a prática de se tatuar passou a estar presente em todos os níveis da sociedade, implicando mudanças de mentalidade e ressignificação de imaginários. O presente estudo utilizou como referencial teórico a perspectiva psicanalítica, tendo como objetivo refletir sobre a subjetividade humana revelada por meio das tatuagens em pessoas delitivas em cumprimento de pena numa Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC). O estudo foi submetido à apreciação ética pelo Comitê de Ética e Pesquisa com Seres Humanos da Faculdade Patos de Minas (FPM) CAEE: 81171717.8.0000.8078. A coleta de dados se deu por meio da aplicação de um questionário elaborado pelas pesquisadoras a partir de um estudo piloto. Além disso, foi utilizada entrevista semiestruturada. A amostra foi composta por 10 participantes. Dos resultados obtidos por este estudo destaca-se: carências, prejuízos em fases anteriores de desenvolvimento, vivências de conflitos e desamparos relacionados a figura paterna. Do total, seis dos entrevistados revelaram que o sentimento atual que possuem em relação as suas tatuagens é de arrependimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bastos, R. F. (2009). O corpo e a imagem: Escola Lacaniana de Vitória (Org.) As novas doenças da alma. (p.151) Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS. Manual do Multiplicador - Ambiente Prisional. Brasília: Programa Nacional de DST/AIDS, abril 1996.

Brousse, M. H. (2014). Corpos lacanianos: novidades contemporâneas sobre o estádio de espelho. Opção Lacaniana, 5(15), 1-17.

Carvajal, Guillermo. (2001). Tornar-se adolescente: a aventura de uma metamorfose: uma visão psicanalítica da adolescência; tradução de Cláudia Berliner. – 2 ed. – São Paulo: Cortez.

Couy, V. B. (2006). Do risco na parede ao traço no corpo. Revista Travessia, XI, 219- 225.

Eco, U. (2007). História da feiúra. (E. Aguiar Trad.). Rio de Janeiro: Record.

Erikson, E. H. (1976). Identidade, juventude e crise. (2a ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Ferreira, N. P. (2007). A Literatura como escrita e como fala. In: A. Costa, & D. Rinaldi, (Orgs). Escrita e psicanálise. (pp. 55-63). Rio de Janeiro: Cia de Freud.

Ferreira, V. S. (2006). Marcas que demarcam corpo, tatuagem e body piercing em contextos juvenis. Tese de Doutorado em Sociologia Especialidade em Sociologia da Cultura e da Comunicação, Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Departamento de Sociologia, Lisboa, Portugal.

Foucalt, M. (1987). Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (2013). O corpo utópico, as heterotopias: Posfácio de Daniel Defert. São Paulo: Edições n-1.

Freud, S. (1919a) Uma criança é espancada: uma contribuição ao estudo da origem das perversões sexuais. In: ____. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira, v. XVII. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

Freud, S. (1996). Uma criança é espancada: Uma contribuição ao estudo da origem das perversões sexuais. In J. Strachey (Ed. & Trans.), Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 17). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1919).

Freud, S. (1969). O mal estar na cultura. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de S. Freud (J. Salomão, trad., Vol. 21, pp. 65- 148). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1930[1929]).

Freud, S. (1980). "Três ensaios sobre a teoria da sexualidade". Texto: Bate-se numa Criança (Vol. 7, Obras psicológicas completas de Sigmund Freud). Rio de Janeiro: Imago.

Jacob, C. A., & Cohen, R. P. (2010). O Sujeito contemporâneo: um recorte psicanalítico. Revista Mal-estar e Subjetividade, X(2), 537-554.

Kehl, M. R. (2004). Ressentimento. Coleção Clínica Psicanalítica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lacan, J. (2008). O Seminário. Livro 11: os quatro conceitos fundamentais em psicanálise (1964). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lazzarini, E. R., & Viana, T. C. (2006). O Corpo em Psicanálise. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 241-250.

Le Breton, D. (2003). Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus.

Leopoldino, M. M. P., & Oliveira, C. (2006). Do social ao individual: a psicologia das massas de Sigmund Freud. Revista do Departamento de Psicologia - UFF, 18(1), 137-142.

Macedo, S., Paravidini, J. L. L., & Próchno, C. C. S. C. (2014). Corpo e marca: tatuagem como forma de subjetivação. Revista Subjetividades, Fortaleza, 14(1), 152-161.

Macedo, Sybele, & Paravidini, João Luiz Leitão. (2015). O ato de tatuar-se: gozo e identificação o ato de tatuar-se. Tempo psicanalitico, 47(2), 138-155. Recuperado em 17 de dezembro de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382015000200010&lng=pt&tlng=pt.

Magnani, Elisangela Furlan Mansano. (2010). As interferências que o corpo sofre na body art. II Seminário Nacional em Estudos da Linguagem: 06 a 08 de outubro de Diversidade, Ensino e Linguagem.UNIOESTE - Cascavel / PR.

Moreira, Jacqueline de Oliveira, Teixeira, Leônia Cavalcante, & Nicolau, Roseane de Freitas. (2010). Inscrições corporais: tatuagens, piercings e escarificações à luz da psicanálise. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 13(4), 585-598. https://dx.doi.org/10.1590/S1415-47142010000400004

Paraná. Secretaria de Estado da Educaçao. (2014). Arte contemporânea: reflexões sobre a Body Art. Curitiba: O Autor.

Pérez, A. L. (2006). A identidade à flor da pele: etnografia da prática da tatuagem na contemporaneidade. Mana, 12(1), 179-206.

Pimenta, B., & Fonseca, G. (2018). O MÉTODO APAC: o resgate da humanização no processo de cumprimento de pena de condenados. Psicologia E Saúde Em Debate, 4(2), 42-56. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N2A4

Pires, B. F. (2005). O corpo como suporte da arte: piercing, implante, escarificação, tatuagem. São Paulo: Senac.

Ribeiro, M. M. C. (2010). As marcas corporais: o corpo como depositário das fantasias inconscientes. Reverso, 32(60), 61-66.

Silva, G. F., & Porch. A. T. P. (2010). Tatuagem, Unheimliche e identificação: desvelamentos. A Peste, 2(2), 347-359.

Silva, Gilberto Lucio da, & Passos, Maria Consuêlo. (2016). Um lugar para chamar de seu: uso de tatuagens por adolescentes em programas socioeducativos. Estudos de Psicanálise, (46), 67-76. Recuperado em 17 de dezembro de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-34372016000200007&lng=pt&tlng=pt.

Silva, G. F. & Porch a t, P. (2010). Tatuagem, Unheimliche e identificação: desvelamentos. A Peste, 2 (2), 347-359.

Simões, R. (2011). A comunicação não verbal através da tatuagem. In Anais Conferência Brasileira de Folkcomunicação (p. 15), 14., Juiz de Fora, MG.

SOUSA, M. M. (2015). PRT - Programa de Remoção de Tatuagens Vinculadas ao Crime. Tribunal de Justiça do Estado de Goiás. 1.o Juizado Especial Criminal da Comarca de Anápolis, Goiás.

Smith, C. (2012). My tattoo may be permanent, but my memory of it isn’t. In A. R. P. Robert, (Ed.). Tattoos – philosophy for everyone: I ink, therefore I am. (pp. 109-120). Oxford: Wiley-Blackwell.

Publicado
2020-07-06
Como Citar
Fonseca, G. G. da, & Gonçalves, B. S. (2020). SUBJETIVIDADE HUMANA REVELADA NAS TATUAGENS DE PESSOAS DELITIVAS EM CUMPRIMENTO DE PENA. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 16-34. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A2
Seção
Artigo original