ANALOGIA DOS PERSONAGENS DA OBRA CRIME E CASTIGO DE DOSTOIEVSKI ENTRE OS ARQUÉTIPOS JUNGUIANOS

  • Keili Meira Souza FPM - FACULDADE DE PATOS DE MINAS
  • Gilmar Antoniassi júnior Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: Homicídio, Castigo, Desilusão

Resumo

Trata-se de um ensaio ante ao enredo de uma obra literária. Cujo objetivo é identificar os doze arquétipos junguianos presentes nas personagens da obra ‘Crime e Castigo’ do autor russo Fiodor Mikhailovitch Dostoievski, publicada no ano de 1866. A obra aborda em seu enredo a história de um jovem de família pobre que sai de sua cidade no interior da Rússia para estudar na cidade grande. Posteriormente, abandona os estudos e com o tempo ocioso, planeja matar uma velha agiota, roubar-lhe o dinheiro, para com ele se consagrar depois ao serviço de toda a humanidade e ao bem geral. Nota-se na obra de Dostoievski por meio do modo ao qual o autor narra o enredo de suas personagens a possibilidade de identificar as características personificas de cada uma delas, favorecendo a oportunidade de aprofundar a discussão no campo psicológico entre a teoria junguiana da personalidade e as personagens descritas na obra, o que, facilitou a analogia dos arquétipos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Borges, L. S., & Alencar, H. M. (2009). Moralidade e homicídio: um estudo sobre a ação do transgressor. Paidéia (Ribeirão Preto), 19(44), 293-302.

Dostoievski, F. M. (2004). Crime e Castigo. São Paulo: Sabotagem.

Ferreira, L., Antoniassi Júnior, G., Fonseca, G. G., Fonseca, R. G., & Ramos, F. V. C. (2015). Os modos de vida constituídos pelo homicida: um estudo de caso. Brazilian Journal of Forensic Sciences, Medical Law and Bioethics, 4(3), 316-331.

Jung, C. G. (2000). Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Tradução Maria Luíza Appy, Dora Mariana R. Ferreira da Silva. Petrópolis: Vozes.

Massola, G. M. (2007). Mimese e crime em Adorno e Horkheimer: comentário sobre o "Fragmento de uma teoria do criminoso". Estudos de Psicologia (Natal), 12(2), 133-139.

Piaget, J. (1994). O juízo moral na criança. São Paulo: Summus.

Pichatelli, M. (2016). Carl Gustav Jung: os doze arquétipos comuns. Psicologias do Brasil. Retirado em 20 de agosto de 2019https://www.psicologiasdobrasil.com.br/carl-gustav-jung-os-doze-arquetipos-comuns/

Resende, J. P., & Andrade, M. V. (2011). Crime social, castigo social: desigualdade de renda e taxas de criminalidade nos grandes municípios brasileiros. Estudos Econômicos (São Paulo), 41(1), 173-195.

Santos, R. C. dos, Santos, J. C. dos, & Silva, J. Aparecido da. (2018). Psicologia da literatura e psicologia na literatura. Temas em Psicologia, 26(2), 767-780.

Silva, O. R., Oliveira, S. M., & Dias, C. A. (2014). A pesquisa em Representações Sociais em torno do crime de homicídio: um diálogo entre a psicologia social e o direito. P@rtes, x(x), 1-10.

Souza, T. (2016). Os arquétipos, segundo Carl Gustav Jung. Psiconlinews. Retirado em 18 de agosto de 2019 de https://www.psiconlinews.com/2016/12/os-arquetipos-segundo-carl-gustav-jung.h

Publicado
2020-07-06
Como Citar
Souza, K. M., & júnior, G. A. (2020). ANALOGIA DOS PERSONAGENS DA OBRA CRIME E CASTIGO DE DOSTOIEVSKI ENTRE OS ARQUÉTIPOS JUNGUIANOS. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 36-48. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A3
Seção
Artigo original