CONTAMINAÇÃO PARASITOLÓGICA EM ALFACES (Lactuca sativa) COMERCIALIZADAS EM CAMPINA GRANDE-PB

  • Jailton Lobo da Costa Lima Departamento de Medicina Tropical, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco - Brasil
  • Allana Rayssa do Nascimento Silva Especialista em Microbiologia - Centro Universitário Maurício de Nassau – Campina Granda-PB;
  • Maria Amélia Vieira Maciel Departamento de Medicina Tropical, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco - Brasil
Palavras-chave: Infecções parasitárias, Enteroparasitas, Alface

Resumo

As infecções parasitárias têm se constituído um problema de saúde pública entre os países em desenvolvimento, incluindo o Brasil, em decorrência da falta de saneamento básico e pela ingestão de água e alimentos contaminados. Diante disto, o objetivo deste trabalho foi analisar a contaminação parasitária em alfaces comercializadas na feira central e nos supermercados de Campina Grande-PB. Foram coletadas 10 amostras, sendo cinco comercializadas na feira central e cinco comercializadas em supermercados da cidade. Essas amostras foram processadas no laboratório da Uninassau – CG, onde foram realizadas duas lavagens das folhas e a água utilizada nas lavagens fora submetida a técnica de sedimentação espontânea para pesquisa dos parasitos. Após análise microscópica foi detectada contaminação em todas as amostras, porém as amostras da feira central possuíram uma variedade maior de parasitos. As formas parasitárias mais prevalentes foram Endolimax nana (100%), Balantidium coli (90%) e Strongyloides stercoralis (70%). Através destes resultados pode-se concluir que há uma elevada contaminação das hortaliças comercializadas na cidade, em decorrência do transporte, acondicionamento e manuseio destas hortaliças, oferecendo riscos para população que as consome. Demonstrando a necessidade da higienização destas hortaliças por seus consumidores, visando reduzir o número de infecções parasitárias e a melhoria na qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lima, S., Mendonça, R., Dantas, F., Brandão, J., & Medeiros, C. (2013). Parasitoses intestinais infantis no nordeste brasileiro: Uma revisão integrativa da literatura. Cadernos de Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde Facipe, 1(2), 71-80.

Cunha, L., & Amichi, K. (2014). Relação entre a ocorrência de enteroparasitoses e práticas de higiene de manipuladores de alimentos: Revisão de literatura. Revista Saúde e Pesquisa, 7(1), 147-157.

Neves, D., Melo, A., Linardi, P., & Vitor, R. (2005). Parasitologia Humana (11º edição). Editora Etheneu.

Oliveira Filho, J., Caixeta, B., Silva, A., & Monteiro, E. (2019) Avaliação da prevalência parasitológica de alfaces (Lactuca Sativa) comercializadas por feiras livres em um município do interior de Minas Gerais. Psicologia e Saúde em Debate, 5(1), 10-18.

Almeida, E., Rodrigues, K., Gonçalves, J., Ramos, G., & Morais, A. (2016). Análises parasitológicas de folhas de alface comercializadas em supermercados da cidade de Patos-PB. Revista Temas em saúde, 16(3), 287-301.

Guimarães, A., Alves, E., Figueiredo, H., Costa, G., & Rodrigues, L. (2003). Frequência de enteroparasitas em amostras de alface (Lactuca sativa) comercializadas em Lavras, Minas Gerais. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 36(5), 621-623.

Landivar, E., & Vidigal, T. (2015). Avaliação parasitológica de alfaces crespas comercializadas em feiras e supermercados no município de São Miguel do Oeste, SC. Unoesc & Ciência - ACBS Joaçaba, 6(1), 29-36.

Ricarte, F., Rocha, A., Sousa, J., Rosa, S., & Filho, A. (2014). Análise parasitologica das folhas de alface (Lactuta sativa) comercializadas em um município do nordeste brasileiro. Revista Conacis.

Mesquita, D., Silva, J., Monte, N., Sousa, R., Silva, R., Oliveira, S., Leal, A., &freire, S. (2015). Ocorrência de parasitos em alface-crespa (Lactuca sativa l.) em hortas comunitárias de Teresina, Piauí, Brasil. Revista de Patologia Tropical, 44(1), 67-76.

Pacifico, B., Bastos, O., & Uchôa, C. (2013). Contaminação parasitária em alfaces crespas (Lactuca sativa var. crispa), de cultivos tradicional e hidropônico, comercializadas em feiras livres do Rio de Janeiro (RJ). Revista do Instituto Adolfo Lutz, 72(3), 219-25.

Gontijo Silva, M., & Gontijo, E. (2012). Avalição parasitológica de alfaces (Lactuca sativa) comercializadas em supermercados e feiras livres do município de Gurupi, Tocantins. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, 5(4).

Gonçalves, R., Silva, S., & Stobbe, N. (2013). Frequência de parasitos em alfaces (Lactuca sativa) consumidas em restaurantes self-service de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista de Patologia Tropical, 42 (3), 323-330.

Maciel, D., Gonçalves, R., & Machado, E. (2014). Ocorrência de parasitos intestinais em hortaliças comercializadas em feiras no Distrito Federal, Brasil. Revista de Patologia Tropical, 43(3), 351-359.

Publicado
2020-07-07
Como Citar
Lima, J. L. da C., Silva, A. R. do N., & Maciel, M. A. V. (2020). CONTAMINAÇÃO PARASITOLÓGICA EM ALFACES (Lactuca sativa) COMERCIALIZADAS EM CAMPINA GRANDE-PB. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 60-69. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A5
Seção
Artigo original