DESENVOLVIMENTO DO PROTOCOLO DA AVALIAÇÃO DA VISÃO FUNCIONAL INFANTIL (AVFI) PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

  • Marcia Caires Bestilleiro Lopes Universidade Federal de São Paulo
  • Marcelo Fernandes da Costa Universidade de São Paulo
  • Marcela Aparecida dos Santos
  • Celia Regina Nakanami
Palavras-chave: Baixa Visão, Saúde Ocular, Testes Visuais, Serviço de Reabilitação

Resumo

A visão, como o sistema sensorial mais sofisticado, vem despertando interesse de pesquisadores em diversos países no estudo da visão funcional para crianças. No Brasil existem algumas avaliações, mas estas não são baseadas em estudos psicofísicos e psicosensoriais. Portanto, o presente estudo buscou desenvolver uma avaliação de visão funcional adequada à demanda utilizando de critérios científicos. A avaliação consiste de 12 procedimentos, sendo os instrumentos desenvolvidos: raquete quadriculada, raquete de face, cubos quadriculados e faixa listrada. A distância de aplicação varia de 30 a 50cm, o ambiente deve ser livre de aglomerados e distratores visuais, e o intervalo de apresentação entre os estímulos de aproximadamente 30 segundos. O posicionamento da criança varia conforme a idade, e o avaliador devem permanecer fora do campo visual funcional da criança. Este protocolo de avaliação visual funcional possui diferenciais significativos frente aos protocolos nacionais e internacionais disponíveis na literatura. A presença de estimulos baseados em evidências e um protocolo de apresentação e registro de resultados sistemáticos, se constitui como um método com menor influência subjetiva tanto na condução das avaliações como no registro das funcionalidades visuais presentes. Este protocolo de avaliação da visão funcional infantil abrange questões importantes do desenvolvimento visual correlacionadas com o desenvolvimento neuropsicomotor da criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Atkinson, J, Anker, S., Rae, S., Hugher, C., & Braddick, O. (2002). A test battery of child development for examining functional vision. Visual Development Unit, Departament of Psychology, University College London, U.K.. Strabismus, 10 (4), 245-269.

Barca, L., Cappelli, F.R., Di, Giulio P., Staccioli, S., Castelli, E. (2010). Outpatient assessment of neurovisual functions in children with Cerebral Palsy. Research and Developmental Disability, 31 (2), 488-495.

Blanksby, D.C. (1992). Evaluación visual y programación: manual VAP-CAP. Victoria, Australia: Royal Institute for the Blind.

Blanksby, D.C., & Langford, P.E. (1993). VAP-CAP: a procedure to assess the visual functioning of young visually impaired children. J Vis Impair Blind, 87 (2), 46-49.

Boshra, M.E.l., Byoumi & Mousa, A. Visual Function of Egyptian Children with Low Vision and the Demographic Determinants. March 2010 - Middle East African journal of ophthalmology, 17(1), 78-82.

Büttner-Ennever, J.A. (2007). Anatomy of the oculomotor system. Dev Ophthalmol, (40), 1-14.

Costa, M. F. (2007). Movimentos Oculares no Bebê: o que eles nos indicam sobre o status oftalmológico e neurológico. Psicologia USP, 18 (2), 47-61.

Costa, M. F., França, V. de C.R.M., Barboni, M. T. S., & Ventura, D. F. (2017). Maturation of Binocular, Monocular Grating Acuity and of the Visual Interocular Difference in the First 2 Years of Life. Clinical EEG and Neuroscience, 49 (3), 159-170.

Cunha, A.C.B., Enumo, S.R.F.E., & Canal, C.P.P. (2011). Avaliação cognitiva psicométrica e assistida de crianças com baixa visão moderada. Paidéia, 21(48), 29-39.

Fantz, R.L. (1958). Pattern vision in young infants. Psychol Rec, (8), 43-47.

Fantz, R. L. (1961). The origin of form perception. Scientific American, 204 (5), 66-73.

Fantz, R. L. (1963). Pattern Vision in Newborn Infants. Science, New Series, 140 (3564), 296-297.

Favilla, M., Cruz, A.F.I., Martins, P., Arruda, S.M.C.de P, & Gagliardo, H.G.R.G. (2014). Avaliação da visão funcional de uma criança prematura com cegueira congênita. Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação Prof. Dr. Gabriel O. S. Porto, Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, Campinas, SP: Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos. 22 (2), 429-434.

Gagliardo, H. G. R. G. (1997). Investigação do comportamento visuo-motor do lactente normal no primeiro trimestre de vida. Dissertação de Mestrado em Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas- Unicamp, SP.

Gagliardo, H.G.R.G., & Nobre, M.I.R.S. (2001). Intervenção precoce na criança com baixa visão. Rev Neurociências, 9 (1), 16-19.

Gagliardo, H.G.R.G. (2003). Contribuições da Terapia Ocupacional para detecções de alterações visuais na fonoaudiologia. Rev. Saúde, 5 (9), 89-93.

Gagliardo, H.G.R.G., Gonçalves, V.M.G., & Lima, M.C.M.P. (2004). Método para avaliação da conduta visual de lactentes. Arq Neuropsiquiatr, 62 (2), 300-306.

García-Trevijano, C., & y Gómez, J. (1994). Evaluación funcional del resto visual en niños. Un método para evaluar el funcionamiento visual en atención temprana: El VAP-CAP. En: Congreso estatal sobre prestación de servicios para personas ciegas y deficientes visuales. Área de educación, Madrid: ONCE, v.3, 507-525.

Gieser, J. P. (2004). When treatments fails: caring for patients with visual disability. Arch Ophthalmol, 122 (8), 1208-1209.

Guralnick, M.J. (1993). Second generation research on the effectiveness of early intervention. Early Education and Development, (4), 366-378.

J. Gómez Mateos, R. Magdaleno Jiménez, & I. Costo Luengo. (2010, septiembre/diciembre). El VAP-CAP: una herramienta útil para la valoración del funcionamiento visual en bebés y niños con polidiscapacidad. Integración. Revista sobre discapacidad visual, Edición digital, (58), 1887-3383.

Kandel, E.R., Schwartz, J.H., & Jessel, T.M. (1977). A experiência sensorial e a formação dos circuitos visuais. In E.R. Kandel (Org.), Fundamentos da neurociência e do comportamento (pp.376-378). Rio de Janeiro, RJ: Prentice-Hall.

Kara-José, N., Gasparetto, M.E.R.F., Temporini, E.R., & Carvalho, K.M.M. (2004). Dificuldade visual em escolares: conhecimentos e ações de professores do ensino fundamental que atuam com alunos que apresentam visão subnormal. Arq Bras Oftalmol, 67 (1), 1-10.

Katsumi, O., Chedid, S.G., Kronheim, J.K., Henry, R.K., Jones, C.M., & Hirose, T. (1998). Visual Ability Score: a new method to analyze ability in visually impaired children. Acta Ophthalmol Scand, 76 (1), 50-55.

Lindstedt, E. (2000). Abordagem clínica de crianças com baixa visão. In: Veitzman S. Visão subnormal. Rio de Janeiro, RJ: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, 48-64.

Lopes, M.C.B., Salomão, S.B., Berezovsky, A., & Tartarella, M.B. (2009). Avaliação da qualidade de vida relacionada à visão em crianças com catarata congênita bilateral. Arq Bras Oftalmol, 72 (4), 467-480.

Mayer, D.L., Beiser, A.S., Warner, A.F., Pratt, E.M., Raye, K.N., & Lang, J.M. (1995). Monocular acuity norms for the Teller Acuity Cards between ages one month and four years. Investigative Ophthalmology & Visual Science, 36 (3), 671-685.

Perez Ramos, A.M.Q., & Perez Ramos, J. Q. (1992). Estimulação precoce: serviços, programas e currículos. Brasília, DF: Ed. Ministério de Ação Social, CORDE.

Pilling, R.F., Outhwaite, L., & Bruce, A. (2016). Assessing visual function in children with complex disabilities: the bradford visual function box. British Journal of Ophthalmology, 100 (8), 1118-21.

Rossi, L.D.F. (2010). Avaliação da Visão Funcional (AVIF) para crianças de dois a seis anos com baixa visão: exame de confiabilidade e de validade. Dissertação de Mestrado em Ciências da saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Rossi, L.D.F., Vasconcelos, G.C., Saliba, G. R., Magalhães, L.C., Soares, A.M.A., Cordeiro, S.S., et al. (2011). Avaliação da visão functional para crianças com baixa visão de dois a seis anos de idade-estudo comparativo. Arq Bras Oftalmol, 74 (4), 262-266.

Salomão, S.R., & Ventura, D.F. (1995). Large-sample population age norms for visual acuities obtained with Vistech-Teller Acuity Cards. Investigative Ophthalmology & Visual Science, 3 (36), 657-670.

Tunay Z.O., Çaliskan D., Oztuna, D., & Idil, A. (2016). Validation and reliability of the Cardiff Visual Ability Questionnaire for Children using Rasch analysis in a Turkish population. Br J Ophthalmol, 100, 520–524.

Zimmermann, A., Silva, S.V., Zimmermann, S.M.V., Lira, R.P.C., & Carvalho, K.M.M. (2015). Teller test with functional vision evalution in children with low vision. Rev Bras Oftalmol, 74 (6), 362-365.

Publicado
2020-07-07
Como Citar
Bestilleiro Lopes, M. C., Marcelo Fernandes da Costa, Marcela Aparecida dos Santos, & Celia Regina Nakanami. (2020). DESENVOLVIMENTO DO PROTOCOLO DA AVALIAÇÃO DA VISÃO FUNCIONAL INFANTIL (AVFI) PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 91-110. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A7
Seção
Artigo original