O PAPEL DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO COMBATE À DISCRIMINAÇÃO RACIAL NA ESCOLA COM A PARCERIA DO PSICÓLOGO

  • Nádia Raquel Dutra de Morais Mourão Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT
  • Elias Barboza de Melo Universidade do Vale do Araguaia - UNIVAR
  • Anibal Monteiro Magalhães-Neto Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT
Palavras-chave: Interdisciplinaridade, Preconceito, Aluno, Bullying

Resumo

O tema principal deste artigo é o papel da Educação Física como um dos possíveis instrumentos a serem utilizados no enfrentamento à discriminação racial no ambiente escolar. Para isto realizamos uma pesquisa bibliográfica e por meio de tais leituras e pesquisas encontramos caminhos para reforçar nosso tema, bem como identificamos aspectos que propiciam uma reflexão sobre o processo discriminatório, suas possíveis consequências psicológicas e algumas estratégias para minimizá-lo. A título de ilustração, apresentamos um exemplo ocorrido no município em que atuamos, descrevendo a trajetória de um estudante negro do ensino fundamental que se tornou atleta profissional. Nosso objetivo foi demonstrar que a prática do esporte, por meio da Educação Física e de um auxilio psicológico, se apresentam como possíveis caminhos a serem utilizados pela escola e pela sociedade para se discutir a discriminação no ambiente escolar, podendo ser ainda uma forma de valorização do aluno discriminado. Os resultados da pesquisa apontam que a Educação Física e a parceria do psicólogo podem ser instrumentos valioso no combate à discriminação racial, quando direcionada para ações que geram reflexões e tomada de atitudes antirracistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Britto, W. F. D. (2007). Jovens negros, futebol, educação e relações raciais: o programa esportivo digoreste-cuiabá-mt.

Castro, M. G., & Abramovay, M. (2006). Relações raciais na escola: reprodução de desigualdades em nome da igualdade. UNESCO, Representação no Brasil.

Chaves, J. (1992). A compreensão da pessoa: psicologia da personalidade. Editora Agora.

CRP - Conselho Regional de Psicologia. Psicologia e Preconceito Racial / Conselho. São Paulo, 207, p.7.

Filho, Maurício Bara. et, al. (2008) O papel da Psicologia Esporte. Retrieved from https://www.researchgate.net/publication/209610646_O_papel_da_Psicologia_do_Esporte_para_Atletas_e_Treinadores. Acesso em: fev 17, 2020.

Freire, J. B. (2008). Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo: Scipione.

Garcia, R. C. (2007). Identidade fragmentada: um estudo sobre a história do negro na educação brasileira 1993-2005. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Henriques, R., & Cavalleiro, E. (2005). Educação e Políticas Públicas Afirmativas: elementos da agenda do Ministério da Educação. Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010) Censo demográfico. From http://www.censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 31 dez 2011.

Knapp, P., & Isolan, L. (2005). Abordagens psicoterápicas no transtorno bipolar. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), 32, 98-104.

Kunz, E. (2001). Educação física: ensino & mudança. Ijuí: Editora Unijuí, 1991. Transformação didático-pedagógica do esporte.

Lopes, H. T., Siqueira, J. J., & Nascimento, M. B. (1987). Negro e cultura no Brasil: pequena enciclopédia da cultura brasileira. Unibrade/UNESCO.

Neira, M. G. (2008). A cultura corporal popular como conteúdo do currículo multicultural da Educação Física. Pensar a prática, 11(1), 81-89.

Neto, Aramis A. Lopes. (2005) Bullying — comportamento agressivo entre estudantes. From:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S002175572005000700006. Acesso em: Fevereiro 20, 2020.

Neumann, A. P., & Zordan, E. P. (2011). A Implantação do Acolhimento na Abordagem Sistêmica em uma Clínica-Escola: possibilidades e desafios. Revista de Psicologia da IMED, 3(1), 496-505.

Rodrigues, A. C. L. (2010). A Educação Física escolar e LDB: assumindo a responsabilidade na aplicação das Leis 10.639/03 e 11.645/08. Reflexão e Ação, 18(1), 125-150.

Romão, Jeruse (2005). História da Educação do Negro e outras histórias. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, Brasília, 2005.

Seyferth, G. (2002). Racismo e o ideário da formação do povo no pensamento brasileiro. Cadernos Penesb, 4, 13-32.

Silva Júnior, H. (2002). Discriminação racial nas escolas: entre a lei e as práticas sociais. In Discriminação racial nas escolas: entre a lei e as práticas sociais.

Silva, Maria Aparecida da. (2001). Formação de educadores/ras para o combate ao racismo: mais uma tarefa essencial. In CAVALLEIRO, Eliane (Org.) Racismo e antirracismo na educação: repensando nossas escolas. São Paulo: Summus. pp. 65-82.

Sudak, Donna, et, al. (2008) Terapia cognitivo-comportamental da depressão. From:http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S151644462008000600004. Acesso em: maio 20, 2019.

Thomas, J. R., & Nelson, J. K. (1996). Research methods in physical activity. Vieira, L. F., Vissoci, J. R. N., Oliveira, L. P. D., & Vieira, J. L. L. (2010). Psicologia do esporte: uma área emergente da psicologia. Psicologia em estudo, 15(2), 391-399.

Vieira, L. F., Vissoci, J. R. N., Oliveira, L. P. D., & Vieira, J. L. L. (2010). Psicologia do esporte: uma área emergente da psicologia. Psicologia em estudo, 15(2), 391-399.

Publicado
2020-07-07
Como Citar
Mourão, N. R. D. de M., Barboza de Melo, E., & Magalhães-Neto, A. M. (2020). O PAPEL DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO COMBATE À DISCRIMINAÇÃO RACIAL NA ESCOLA COM A PARCERIA DO PSICÓLOGO. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 119-135. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A9
Seção
Artigo original