ADOLESCÊNCIA, VIOLÊNCIA E PROJETO DE VIDA: um estudo das representações sociais com adolescentes

  • Ionara Dantas Estevam Universidade Potiguar - UNP
  • Nilton S. Formiga Universidade Potiguar - UNP
  • Maria da Penha de Lima Coutinho Universidade Federal da Paraíba - UFPB
Palavras-chave: Adolescência, Adolescência em Conflito com a Lei, Violência, Futuro

Resumo

A violência urbana praticada por adolescentes tem atingido índices elevados nos últimos dez anos; condição que exige uma análise profunda de suas múltiplas causas, deflagrando um problema psíquico, relacional, político, social, econômico, que precisa ser verificado empiricamente, para que possa formular proposições científicas de prevenção e/ou intervenção. O objetivo geral do presente estudo trata-se da identificação das representações sociais acerca da adolescência, violência e projeto de vida (futuro) dos adolescentes institucionalizados, em conflito com a lei e aqueles não institucionalizados, sem conflito com a lei. Tratou-se de um estudo de campo, inserido, em uma abordagem multimétodo, que utilizou uma metodologia qualitativa e quantitativa. O lócus de investigação situou-se numa instituição ressocializadora de privação de liberdade (104 adolescentes), e escolas da rede pública (104 adolescentes) de bairros da periferia da cidade de João Pessoa-PB, totalizando 208 participantes. Foi utilizado como instrumento a Técnica de Associação Livre de Palavras (TALP), cujos dados foram tratados pelo software Tri-Deux-Mots (versão 2.2). Os resultados objetivaram representações sociais da adolescência (estímulo 1) em diversão, jogos e namoros similares para os dois grupos de adolescentes; a violência (estímulo 2), os adolescentes representaram, diferentemente, com os adolescentes não delinquentes, ancorando em representações sociais, econômicas e  políticas, e os adolescentes delinquentes representando com expressões objetivas da violência, como matar, roubar, bater; o futuro (estímulo 3) objetivaram representações de mudanças de vida para ambos os adolescentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abramovay, M.,& Rua, M.G. (2002). Violência nas escolas. Brasília, DF.UNESCO.

Arpini, D.M. (2009). Psicologia, Família e Instituição. Santa Maria- RS: Ed. UFSM.

Assis, S. (1999). Traçando caminhos em uma cidade violenta. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Bauman, Z. (2004). Amor líquido - Sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Zahar.

Biaggio, A. M. B. (2000).Brazil. Verbete na APA, Washington, D.C: American Psychological Association.

Campos, P.H.F.,& Guimarães, S.P. (2003). Representações de violência na escola: elementos de gestão simbólica da violência contra adolescentes. III Jornada Internacional e I Conferência Brasileira sobre Representações Sociais. Rio de Janeiro: UERJ.

Campos, P.H.F.,& Guimarães, S.P. (2007). Norma social violenta: um estudo das representações sociais da violência em adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20 (2), 188-196. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722007000200003.

Campos, P. H. F., Torres, A. R. R., & Guimarães, S. P. (2004). Sistemas de representação e mediação simbólica da violência na escola. Educação e Cultura Contemporânea, 1, 109-132. Carreteiro, T.C. (2002b). Tráfico de drogas, sociedade e juventude (pp.191-198).In: Plastini C.O. (org). Transgressões. Rio de Janeiro: Contracapa.

Cibois, P. (1998). Soft Tri-Deux-Mots. Versão 2.2. Ufr, Sciences Sociales, Paris.

Colle, F. (1996). Toxicomanies, systemes et familles: oú les drogues rencontrent les émotions.Paris: Érès.

Costa, A.C.G., & Lima, I.M.S.O. (2000). Estatuto e LDB: direito à educação. In: Kozen, A.A. (org). Pela Justiça na Educação. Brasília: MEC, FUNDESCOLA.

Coutinho, M.P.L. (2001). Uso de Técnicas Projetivas na apreensão de representações sociais da sintomatologia da depressão infantil. Tese do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Coutinho, M.P.L., Estevam, I.D., & Araújo, L.F. (2009). Os desafios da prática socioeducativa de privação de liberdade em adolescentes em conflito com a lei: ressocialização ou exclusão social? Revista Psico-PUCRS, 40, 64-72.

Di Giacomo, J.P. (1984). Alliance Et Rejets Intergroupes Au Sein D’un Mouvement De Revendication (pp.118-138). In: Doise, W. & Palmonari, A. (Eds). L’etude des Representactions Socials. Paris: Delchaux & Niestle.

Diógenes, G. (1998). Cartografias da violência: gangues, galeras e movimento hiphop. São Paulo: Annablume.

Dowdney, L. (2003). Crianças do tráfico - Um estudo de caso de crianças em violência armada e organizada no rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Letras.

Elias, N.,& Scotson, J. (2000). Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Formiga, N. S., Melo, G., Pires, R. C. M., & Aguiar, A. V. V. S. (2013). Escala das actividades de hábitos de lazer: comparação de modelos estruturais em função do sexo, idade e tipo de escola. Revista de Psicologia da UCV, 15 (2), 208-219.

Guareschi, P.,& Jovchelovitch, S. (Org). (2002). Textos em Representações Sociais. 7 ed, Petrópolis, RJ: Vozes.

Liebesny, B., & Ozella, S. (2001). Projeto de vida na promoção de saúde. In: Contini, M.L.J., Koller, S.H. & Barros, M.N.S. (orgs). Adolescência e Psicologia: concepções práticas e reflexões críticas.(pp.62-67). Brasília: Conselho Federal de Psicologia.

Lima, S. M., & Minayo-Gomez, C. (2003). Modos de subjetivação na condição aprendiz: embates atuais. História, Ciência e Saúde, 10, 931-953.

Mahoney, J., &. Stattin, M. (2000). Leisure activities and adolescent antisocial behavior: The role of structure and social context. Journal of Adolescence, 23 (2):113-27.

Minayo, M. C. S. (1994). Violência social sob a perspectiva da saúde pública. Caderno de Saúde Pública,10 (Suppl 1), 7-18 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1994000500002&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1994000500002.

Minuchins, S. (1982). Famílias: funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Moscovici, S. (2003). Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. Petrópolis, RJ: Vozes.

Munné, F., & Cordina, N. (2002). Ocio y tiempo libre: Consideraciones desde uma perspectiva psicosocial. Licere-Brasil, 5, 59-72.

Njaine, K., & Minayo, M. C. S. (2002). Análise do discurso da imprensa sobre rebeliões de jovens infratores em regime de privação de liberdade. Ciência & Saúde coletiva, 7 (2), 285-297. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232002000200009&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000200009.

Nóbrega, S. M., & Coutinho, M. P. L. (2003). O Teste de Associação Livre de Palavras (pp.67-77). In: Coutinho., M.P.L. Lima. A.S., Oliveira, F.B. Oliveira. & Fortunato, M.L. Org.), Representações Sociais: abordagem interdisciplinar. João Pessoa-PB: Ed. Universitária UFPB.

Oliveira, A., & Amâncio, L. (2005). A análise fatorial de correspondência no estudo das representações sociais – As representações sociais da morte e do suicídio na adolescência (pp. 323- 362). In: Moreira, A.S.P., Camargo, B.V., Jesuíno, J.C., & Nóbrega, S.M. (Orgs.). Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa: UFPB.

Oliveira, C. S. (2001). Sobrevivendo no inferno. Porto alegre: Sulina.

Pettit, G. (2004). Violent children in developmental perspective: risk and protective factors and the mechanisms troughs which they (may) operate. Current Directions in Psychological Science, 13(5), 194-197. http://dx.doi.org/10.1111/j.0963-7214.2004.00306.x

Rocha, M. (2002). Educação e Saúde: Coletivação das ações e gestão participativa. In: I. Maciel. Psicologia e Educação: Novos caminhos para a formação (pp. 122-136). Rio de Janeiro - RJ: Ciência Moderna.

Sales, M. A. (2004). Visibilidade perversa: adolescente infrator como metáfora da violência. Tese do Programa de Pós-Graduação em Sociologia, FFLCH/USP.

Sarriera, J. T., Tatim, D. C., Coelho, R. P. S., & Busker, J. (2007). Uso do tempo livre por adolescentes de classe popular. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), 361-367. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722007000300003

Sarriera, J. T. Zandonai, Z. K. G., Hermel, J. S., Mousquer, P. N., & Coelho, R. P. S. (2007). A relação entre pesquisadores e escolas públicas: um diálogo a partir do tempo livre. Psicologia & Sociedade, 19(1), 85-89. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822007000100012

Serrão, M., & Baleeiro, M.C. (1999). Aprendendo a ser e a conviver. São Paulo; FTD.

Staton, M. D., & Todd, T. C. (1998). Terapia Familiar del abuso y adiccion a las drogas. Barcelona: Gedisa.

Subrahmanyam, K., & Lin, G. (2007). Adolescents on the net: internet use and well-being. Adolescence,42, 659-677.

Wagner, W. (1998). Sócio Gênese e Características da Representação Social. In: Moreira, A. P., & Oliveira, D.C. (orgs). Estudos interdisciplinares de Representação Social. Goiânia.

Zamboni, C. (2007). Juventude: uma questão de fronteira para a Psicologia Social. In: Guareschi, P. Psicologia do Cotidiano: representações sociais em ação(pp. 275-292). Petropólis, RJ: Vozes

Publicado
2020-09-08
Como Citar
Estevam, I. D., Formiga, N. S., & Coutinho, M. da P. de L. (2020). ADOLESCÊNCIA, VIOLÊNCIA E PROJETO DE VIDA: um estudo das representações sociais com adolescentes. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 1-17. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A1
Seção
Artigo original