A TERAPIA FLORAL FRENTE À ANSIEDADE EM TRATAMENTO ODONTOLÓGICO

  • Willian Carlos Porfiro Alves Universidade Federal da Paraíba - UFPB
  • Maria do Socorro Sousa Universidade Federal da Paraíba - UFPB
  • Danielly Albuquerque Costa Universidade Federal da Paraíba - UFPB
Palavras-chave: Transtorno de Ansiedade, Essências Florais, Odontologia

Resumo

Dentre as especialidades da área da saúde, a Odontologia é uma das mais temidas pelos pacientes, haja vista a atemporalidade da imagem não positiva do cirurgião-dentista e os procedimentos invasivos. Nesse sentido, a ansiedade e o medo são emoções naturais ao ser humano e comuns na prática odontológica, contudo, esses sentimentos em demasia podem gerar complicações na clínica dentária. Os métodos não farmacológicos, em destaque para as Práticas Integrativas e Complementares, podem ser eficazes para o manejo de pacientes com ansiedade dental. A Terapia Floral, enquanto prática integrativa, tem como foco os distúrbios emocionais, tornando-se uma opção de recurso na prática odontológica. O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão integrativa da literatura, com o intuito de explorar o aparecimento da ansiedade dental nos pacientes, bem como a utilização da Terapia Floral no combate desse distúrbio. Assim, foi realizado um levantamento da literatura e, posteriormente, uma análise temática dos textos incluídos na revisão. Dessa forma, emergiram seis temas norteadores intrínsecos aos objetivos desta pesquisa: 1) O uso de técnicas não farmacológicas para o manejo de pacientes com ansiedade dental; 2) Perfil dos pacientes com ansiedade odontológica; 3) Razões para a ansiedade odontológica; 4) Interdisciplinaridade em odontofobia; 5) Terapia Floral no controle da ansiedade e do medo; 6) Terapia Floral na Odontologia. Logo, verifica-se que os achados apresentam a Terapia Floral como eficaz nos casos de ansiedade, contudo, ainda faltam estudos que demonstrem os efeitos dessa terapêutica na Odontologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arroio, T. V. (2017). Controlo da ansiedade nos pacientes em tratamento dentário (Doctoral dissertation). Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/6480/1/PPG_34685.pdf

Armfield, J. M., & Heaton, L. J. (2013). Management of fear and anxiety in the dental clinic: a review. Australian Dental Journal, 58(4), 390-407. Disponível em: https://doi.org/10.1111/adj.12118

American Psychiatric Association. (2014). DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed Editora.

Baatsch, B., Zimmer, S., Recchia, D. R., & Büssing, A. (2017). Complementary and alternative therapies in dentistry and characteristics of dentists who recommend them. Complementary Therapies in Medicine, 35, 64-69. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ctim.2017.08.008

Bach, E (2006). Os Remédios Florais do Dr. Bach. São Paulo: Pensamento.

Batista, T. R. M., Vasconcelos, L. M. R., & Vasconcelos, M. G. e Vasconcelos, R. G. (2018). Medo e ansiedade no tratamento odontológico: Um panorama atual sobre aversão na odontologia. Disponível em: https://secure.unisagrado.edu.br/static/biblioteca/salusvita/salusvita_v37_n2_2018/salusvita_v37_n2_2018_art_13.pdf

Botelho, S. H., & Soratto, M. T (2012). A terapia floral no controle do estresse do professor enfermeiro. Saúde em Revista, 12(31), 31-42. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v12n31p31-42

Brasil. Conselho Federal de Odontologia (2008). Resolução n° 82, de 25 de setembro de 2008. Reconhece e regulamenta o uso pelo cirurgião-dentista de práticas integrativas e complementares à saúde bucal. Disponível em: http://www.croma.org.br/antigo/normas/F/federal_2008_109.pdf

Brasil. Ministério da Saúde (2018). Portaria n° 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - PNPIC. Diário Oficial da União. Brasília: Autor. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt0702_22_03_2018.html

Brasil. Ministério da Saúde (2006). Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Prática Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. Brasília: Autor. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html

Busato, P., Garbín, R. R., Santos, C. N., Paranhos, L. R., & Rigo, L. (2017). Influence of maternal anxiety on child anxiety during dental care: cross-sectional study. Sao Paulo Medical Journal, 135(2), 116-122. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1516-3180.2016.027728102016

Carissimo, T. D. N., & de Oliveira, L. C. (2012). Estudo da eficácia da terapia floral em alunos submetidos a estresse. Cadernos da Escola de Saúde, 2(8), 1-10.

Carlsson, V., Hakeberg, M., & Boman, U. W. (2015). Associations between dental anxiety, sense of coherence, oral health-related quality of life and health behaviour–a national Swedish cross-sectional survey. BMC Oral Health, 15(1), 100. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1186/s12903-015-0088-5

Cianetti, S., Paglia, L., Gatto, R., Montedori, A., & Lupatelli, E. (2017). Evidence of pharmacological and non-pharmacological interventions for the management of dental fear in paediatric dentistry: a systematic review protocol. BMJ Open, 7(8), e016043. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2017-016043

Condratovici, CP, Ilie, M., Mihai, M., Condratovici, AP, Chihai, J., & Baciu, G. (2018). Ansiedade associada à visita ao dentista. Jornal romeno da reabilitação oral, 10 (2), 86-90.

Cruz, J. D. S., Cota, L. O. D. M., Paixão, H. H., & Pordeus, I. A. (1997). A imagem do cirurgião-dentista: um estudo de representação social. Revista de Odontologia da Universidade de São Paulo, 11(4), 307-313. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-06631997000400013&script=sci_arttext

Dantas, D. C., Marinho, V. L., & da Silva, J. B. F. (2019). Prevalência de ansiedade frente à cirurgia oral: Um estudo com usuários da clínica escola de odontologia da Universidade de Gurupi. Amazônia: Science & Health, 7(4), 69-77. Disponível em: http://www.ojs.unirg.edu.br/index.php/2/article/view/3072

De Meneses, I. H. C., Mesquita, B. S., Pessoa, T. R. R. F., & Farias, I. A. P. (2014). Prevalência de ansiedade odontológica e sua relação com fatores socioeconômicos entre gestantes de João Pessoa, Brasil. Revista Cubana de Estomatologia, 51(2), 8-13. Disponível em: http://scielo.sld.cu/pdf/est/v51n2/est03214.pdf

Dixit, U. B., & Jasani, R. R. (2020). Comparison of the effectiveness of Bach flower therapy and music therapy on dental anxiety in pediatric patients: A randomized controlled study. Journal of Indian Society of Pedodontics and Preventive Dentistry, 38(1), 71-78. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32174632/

Eleutério, A. S. L., de Oliveira, D. S. B., & Júnior, E. S. P. (2017). Homeopatia no controle do medo e ansiedade ao tratamento odontológico infantil: revisão. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo, 23(3), 238-244. Disponível em: http://publicacoes.unicid.edu.br/index.php/revistadaodontologia/article/view/383/278

Facioli, F., Soares, A. L., & Nicolau, R. A. (2010). Terapia floral na Odontologia no controle de medo e ansiedade–revisão de literatura. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação-Universidade do Vale do Paraíba. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2010/anais/arquivos/RE_0766_0632_01.pdf

Fereday, J., & Muir-Cochrane, E. (2006). Demonstrating rigor using thematic analysis: A hybrid approach of inductive and deductive coding and theme development. International Journal of Qualitative Methods, 5(1), 80-92. Disponível em: https://doi.org/10.1177/160940690600500107

Ferreira, M. A. F. (2012). Odontologia preventiva na primeira infância: uma alternativa para se evitar o medo e a ansiedade relacionados ao tratamento odontológico. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUOS9EHF3V/1/tcc___vers_o_final___maria_alice_1_.pdf

Ferreira-Gaona DDS, M. I., Díaz-Reissner MSc, C. V., & Pérez-Bejarano DDS, N. M. (2018). Nivel de ansiedad de los pacientes antes de ingresar a la consulta odontológica. Revista Ciencias de la Salud, 16(3), 463-472. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/revsalud/a.7266

Flores, A. J. A., & Flores, M. Á. (2016). Abordaje de la ansiedad del paciente adulto en la consulta odontológica: propuesta interdisciplinaria. Odontología Vital, (24), 21-28. Disponível em: https://www.scielo.sa.cr/scielo.php?pid=S1659-07752016000100021&script=sci_arttext

Gerbert, B., Bernzweig, J., Bleecker, T., Bader, J., & Miyasaki, C. (1992). How dentists see themselves, their profession, the public. The Journal of the American Dental Association, 123(12), 72-78. Disponível em: https://doi.org/10.14219/jada.archive.1992.0324

Gonçalves, R. N., Gonçalves, J. R. D. S. N., Buffon, M. D. C. M., Negrelle, R. R. B., & de Albuquerque, G. S. C. (2018). Práticas Integrativas e Complementares: inserção no contexto do ensino Odontológico. Revista da Abeno, 18(2), 114-123. Disponível em: https://revabeno.emnuvens.com.br/revabeno/article/view/495/412

Goodchild, J. H., Feck, A. S., & Silverman, M. D. (2003). Anxiolysis in general dental practice. Dentistry Today, 22(3), 106-111. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Jason_Goodchild/publication/10796116_Anxiolysis_in_general_dental_practice/links/0f3175399b457ad420000000/Anxiolysis-in-general-dental-practice.pdf

Guerini, V. (1909). A history of dentistry from the most ancient times until the end of the eighteenth century. Lea & Febiger.

Haider, H. R. (2015, August). Aplicación de la Terapia Floral como tratamiento en la cirugía bucal. In Congreso Internacional de Estomatología 2015. Disponível em: http://estomatologia2015.sld.cu/index.php/estomatologia/nov2015/paper/view/763/451

Halberstein, R., DeSantis, L., Sirkin, A., Padron-Fajardo, V., & Ojeda-Vaz, M. (2007). Healing with Bach® flower essences: testing a complementary therapy. Complementary Health Practice Review, 12(1), 3-14. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1533210107300705

Hmud, R., & Walsh, L. J. (2009). Dental anxiety: causes, complications and management approaches. Journal of Minimum Intervention in Dentistry, 2(1), 67-78. Disponível em: http://www.moderndentistrymedia.com/sept_oct2007/hmud.pdf

Kroniņa, L., Rasčevska, M., & Care, R. (2017). Psychosocial factors correlated with children's dental anxiety. Stomatologija, 19(3), 84-90. Disponível em: https://sbdmj.lsmuni.lt/173/173-03.pdf

Lara, S. R. G., da Silva Magaton, A. P. F., Cesar, M. B. N., Gabrielloni, M. C., & Barbieri, M. (2020). Vivência de mulheres em trabalho de parto com o uso de essências florais. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 161-167. Disponível em: http://ciberindex.com/index.php/ps/article/view/P161167

Marques, K. B. G., Gradvohl, M. P. B., & Maia, M. C. G. (2010). Medo e ansiedade prévios à consulta odontológica em crianças do município de Acaraú-CE. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 23(4), 358-367. Disponível em: file:///C:/Users/ac_da/Downloads/2038-6688-1-PB.pdf

Martins, R. J., de Melo Belila, N., Garbin, C. A. S., & Garbin, A. J. Í. (2017). Medo e ansiedade dos estudantes de diferentes classes sociais ao tratamento odontológico. Archives of Health Investigation, 6(1), 43-47. Disponível em: https://doi.org/10.21270/archi.v6i1.1785

Melonardino, A. P., Rosa, D. P., & Gimenes, M. (2016). Ansiedade: detecção e conduta em odontologia. Revista Uningá, 48(1), 76-83. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20160522_144024.pdf

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, 22(37), 7-32. Disponível:http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks.com/w/file/fetch/60815562/Analise%20de%20conte%C3%BAdo.pdf

Murrer, R. D., & Francisco, S. S. (2016). Diagnóstico e manejo da ansiedade odontológica pelos cirurgiões-dentistas. Interação em Psicologia, 19(1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v19i1.35561

Naiff, N (2006). Florais do Mundo. Rio de Janeiro: Nova Era.

Neto, J. D. A. F., Simões, T. M. S., Lacerda-Santos, J. T., Lira, A. M. M., & de Vasconcelos Catão, M. H. C. (2020). Habilitação em terapia floral para cirurgiões-dentistas: uma análise por estados e regiões brasileiras. Archives of Health Investigation, 8(10), 576-579. Disponível em: https://doi.org/10.21270/archi.v8i10.3811

Oliveira, P. J. P. D. (2009). Influência do espaço do consultório dentário na ansiedade dentária–uma reflexão… (Bachelor's thesis, [sn]). Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/1242/2/mono_pedrooliveira.pdf

Pereira, A. W. N. (2018). A Contribuição da terapia floral em quadros álgicos: revisão integrativa da literatura. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/12529/1/AWNP09112018.pdf

Pop-Jordanova, N., Sarakinova, O., Markovska-Simoska, S. & Loleska, S. (2013). Características de ansiedade e personalidade em crianças submetidas a intervenções odontológicas. Contribuições. MASA (Sec. Med. Sci), 34 (3), 93-103.

Pride, J. (1991). Dealing with dentistry’s image dilemma. The Journal of the American Dental Association, 122(9), 91-92. Disponível em: https://doi.org/10.14219/jada.archive.1991.0270

Ribeiro, J. A., de Araújo, M. H. P., da Silva Vieira, E., Maia, A. E. D., da Costa, D. A., & Sousa, M.S. (2020). Uso da Terapia Floral na Ansiedade e Estresse/Use of Floral Therapy in Anxiety and Stress. Brazilian Journal of Health Review, 3(3), 4404-4412. Disponível em: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-040

Rodríguez, K. L. P., Alcolea García, A. D. L. M., Alcolea García, A. D. L. C., & Alcolea Rodríguez, J. R. (2019). Asociación entre odontofobia y salud dental. Multimed, 23(2), 220-230. Disponível em: https://www.medigraphic.com/pdfs/multimed/mul-2019/mul192b.pdf

Salles, L. F., Silva, M. J. P. D. (2012). Efeito das essências florais em indivíduos ansiosos. Acta Paulista de Enfermagem, 25(2), 238-242. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000200013

Silva, A. D. T., Andersen, T., Kotaka, S. L. D., & de Oliveira, L. C. (2014). Aplicação da terapia floral em indivíduos com estresse. Cadernos da Escola de Saúde, 1(11).

Taquette, S. R. (2006). Doenças psicossomáticas na adolescência. Adolescencia e Saúde, 3(1), 22-26. Disponível em: http://adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=149

Teles, L., Schneider, L. F. J., Cataldo, D., Cardoso, M., & Tannure, P. N. (2016). Baixo nível de ansiedade dos pacientes atendidos no curso de odontologia de uma Instituição de Ensino Superior. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo, 28(1), 24-29. Disponível em: http://publicacoes.unicid.edu.br/index.php/revistadaodontologia/article/view/228/126

Torres, H. M. L., Ofarrill, L. P., Gutiérrez, L. M., & Alvarez, J. R. (2019). Tratamiento combinado de peloides y terapia floral en el acné juvenil. Medimay, 26(2), 145-156. Disponível em: http://revcmhabana.sld.cu/index.php/rcmh/article/view/1407/1644

Vega, N. C., Cedeño Rodríguez, E., & Vázquez Sánchez, M. (2012). Efectividad de la terapia floral de Bach en pacientes con alcoholismo crónico. Medisan, 16(4), 519-525. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1029-30192012000400005

Vilas, M. M., Batista, A. D., Alonso, C., Mesa, M. G., Carretero, J. H., & Morales, L. E. R. (2014). Comportamiento del cortisol sérico en pacientes diabéticos tratados con terapia floral. Revista Latinoamrciana de Patología Clínica y Medicina de Laboratorio, 61(1), 47-51. Disponível em: https://www.medigraphic.com/pdfs/patol/pt-2014/pt141g.pdf

Wahid, U., Amin, M., Choudhry, Z., & Ahmed, M. A. (2015). Dental anxiety level of patients presenting to operative dentistry department. Pakistan Oral & Dental Journal, 35(4). Disponível em: https://search.proquest.com/docview/1782315872?pq-origsite=gscholar&fromopenview=true

Whittemore, R., & Knafl, K. (2005). The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing, 52(5), 546-553. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.1365-2648.2005.03621.x

Yakar, B., Kaygusuz, T. Ö., & Pirinçci, E. (2019). Evaluation of dental anxiety and fear in patients who admitted to the faculty of dentistry: which patients are more risky in terms of dental anxiety. Ethiopian Journal of Health Sciences, 29(6).

Yeung, A. W. K., Goto, T. K., & Leung, W. K. (2019). Brain responses to stimuli mimicking dental treatment among non‐phobic individuals: A meta‐analysis. Oral Diseases, 25(1), 34-43. Disponível em: https://doi.org/10.1111/odi.12819

Publicado
2020-09-30
Como Citar
Alves, W. C. P., Sousa, M. do S., & Costa, D. A. (2020). A TERAPIA FLORAL FRENTE À ANSIEDADE EM TRATAMENTO ODONTOLÓGICO. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 162-183. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A12
Seção
Artigo original