IMPACTO DA PREMATURIDADE NA CONSTELAÇÃO DA MATERNIDADE

  • Mariane dos Santos Faculdade IMED
  • Denice Bortolin Faculdade IMED
  • Sibeli Carla Garbin Zanin Faculdade IMED
  • Carine Tabaczinski Faculdade IMED
Palavras-chave: Prematuridade, Maternidade, Constelação da Maternidade

Resumo

O presente estudo investigou o impacto da prematuridade na constelação da maternidade. Participaram da pesquisa 3 mães primíparas- com idades entre 22 e 31 anos- que tiveram bebês prematuros. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de estudo de múltiplos casos, realizada por meio da análise de conteúdo, proposta por Bardin (2011). As entrevistas foram analisadas a partir dos eixos interpretativos da constelação da maternidade segundo Stern (1997): vida e crescimento; relacionar-se primário; matriz de apoio e reorganização da identidade. Identificou-se que, os quatro eixos considerados normais a todas as mulheres primíparas, são intensificadas em mães de prematuro. As participantes relataram o medo pela morte do bebê e a dificuldade no estabelecimento do vínculo afetivo com o filho/a e, identificou-se uma rede de apoio baseada no casal, com crescimento do papel do pai na maternidade e um maior investimento da mulher como mãe, devido o sentimento de culpa pelo parto prematuro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andreani, G., Custodio, Z. A. O., & Crepaldi, M. A. (2006). Tecendo as redes de apoio na prematuridade. Aletheia, 24, 115-126. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n24/n24a11.pdf.

Araújo, B. B. M. de., & Rodrigues, B. M. R. D. (2010). Vivências e perspectiva maternas na internação do filho prematuro em Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal. Revista Escola de Enfermagem da USP, 44(4), 865-871. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n4/02.pdf.

Baltazar, D. V. S., Gomes, R. F. S., & Cardoso, T. B. D. (2010). Atuação do psicólogo em unidade neonatal: Rotinas e protocolos para uma prática humanizada. Revista da SBPH, 13(1), 2-18. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v13n1/v13n1a02.pdf

Bardin, L. (2011). Analise de Conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Carlesso, J. P. P., & Souza, A. P. R. (2011). Dialogia mãe-filho em contextos de depressão materna: revisão de literatura. Revista CEFAC, 6(13), 1119-1126. doi: 10.1590/S1516-18462011005000085.

Gomes, C. A., & Hahn, G.V. (2011). Manipulação Do Recém-Nascido Internado Em Uti: Alerta À Enfermagem. Revista Destaque Acadêmicos, 3(3), 113-121. Recuperado de file:///C:/Users/Usuario/Downloads/119-124-1-PB.pdf.

Lajos, G. J. (2014). Estudo multicêntrico de investigação em prematuridade no brasil: implementação, correlação intraclasse e fatores associados à prematuridade espontânea (Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas). Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/313017.

Levandowski, D., Barth, B., Munhós, A., Rodde, W., & Wendland, J. (2012). Apoio familiar e gestação na adolescência: Um estudo qualitativo com adolescentes do Vale dos Sinos/RS. Interamerican Journal of Psychology, 2(46),297-306. Recuperado de https://www.academia.edu/5242153/Apoio_familiar_e_gesta%C3%A7%C3%A3o_na_adolesc%C3%AAncia_Um_estudo_qualitativo_com_adolescentes_do_Vale_dos_Sinos_RS?auto=download.

Lopes, R. de. C. S., Prochnow, L.P., & Piccinini, C. A. (2010). A relação da mãe com suas figuras de apoio femininas e os sentimentos em relação à maternidade. Psicologia em Estudo, 2(15), 295-304. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pe/v15n2/a08v15n2.

Maciel, R. de. A., & Rosemburg, C. P. (2006). A relação mãe-bebê e a estruturação da personalidade. Saúde e Sociedade, 2(15), 96-112. doi: 10.1590/S0104-12902006000200010.

Martins, L. W. F., Frizzo, G. B., & Diehl, A. M. P. (2014). A constelação da maternidade na gestação adolescente: um estudo de casos. Psicologia, 3(25), 294-306. doi: 10.1590/0103-656420130029. doi: 10.1590/0103-656420130029.

Miranda, A. M. de., Cunha, D. I. B., & Gomes, S. M. F. (2010). A influência da tecnologia na sobrevivência do recém-nascido prematuro extremo de muito baixo peso: revisão integrativa. Reme, 14(3), 435-442. Recuperado de file:///C:/Users/Usuario/Downloads/v14n3a19.pdf.

Moreira, J. de. O., Romagnoli, R. C., Dias, D. A. S., & Moreira, C. B. (2009). Programa mãe-canguru e a relação mãe-bebê: pesquisa qualitativa na rede pública de Betim. Psicologia em Estudo, 3(14), 475-483. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pe/v14n3/v14n3a08.pdf.

Moura, M. L. S. de., Ribas, A. F. P., Seabra, K. da. C., Pessoa, L. F., Jr., R. de. C. R., & Nogueira, S. E. (2004). Interações iniciais mãe-bebê Psicologia Reflexão e Crítica, 7(3), 295-302. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/prc/v17n3/a02v17n3.pdf.

Organização Mundial da Saúde. (2016). Nascimentos prematuros. Recuperado de http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs363/es/.

Piccinini, A. C., Ferrari, A. G., Levandowski, D. C., Lopes, R. S., & Nardi, T. C. de. (2003). O bebê imaginário e as expectativas quanto ao futuro do filho em gestantes adolescentes e adultas. Interações, 16(8), 81-108. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-29072003000200005.

Pinto, M. D. (2015). Mães adolescentes que vivem com o hiv: uma investigação sobre a “constelação da maternidade”. Psicologia Clínica, 29(3), 381-401. ISSN: 0103-5665. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652017000300003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.

Ramos, H. A. de. C., & Cumann, R. K. W. (2009). Fatores de risco para prematuridade pesquisa documental. Revista Brasileira de Enfermagem, 1(2), 297-304. doi:10.1590/S1414-81452009000200009.

Rapport, A., & Piccinini, C.A. (2011). Maternidade e situações de estressamento no primeiro ano de vida do bebê. Psico-USF, 2(16), 215-225. doi: doi.org/10.1590/S1413-82712011000200010.

Sá, R. C., Costa, L. M. F. P., & Sá, F. E. (2012). Vivência materna com filhos prematuros em uma unidade de tratamento intensivo neonatal. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 25(2), 83-89. doi:10.5020/18061230.2012.s83

Silva, R. S., & Porto, M. C. (2016). A importância da interação mãe-bebê. Ensaios e Ciência: Ciência Biológicas, Agrarias e da Saúde, 2(20), 73-78. doi: 10.17921/1415-6938.2016v20n2p73-78.

Simnons, L. E., Rubens, C. E., Darmstadt, G. L., & Gravett, M. G. (2010). Preventing Preterm Birth and Neonatal Mortality: Exploring the Epidemiology, Causes, and Interventions. Seminares In Perinatologia, 6(34), 408-415. doi:10.1053/j.semperi.2010.09.005.

Souza, N. L. de., Araújo, A. C. P. F., Costa, I. do. C. C., Carvalho, B. L. de., & Silva, M. de. C. da. (2009). Representações de mães sobre hospitalização do filho prematuro. Revista Brasileira de Enfermagem de Brasília, 62(5), 729-733. Recuperado de

http://www.scielo.br/pdf/reben/v62n5/13.pdf.

Stern, D. N. (1997). A constelação da Maternidade. (M. A. V. Veronese, Trad.). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Veronez, M., Borghesan, N. A. B., Correa, D. A. M., & Higarashi, I. H. (2017). Vivência de mães de bebês prematuros do nascimento a alta: notas de diários de campo. Revista Gaúcha de Enfermagem, 2(38), 1-8. Doi: 10.1590/1983-1447.2017.02.60911.

Winnicott, D. W. (2006). Os bebês e suas mães. São Paulo, SP: Martins Fontes.

World Health Organization. (2012). Born too soon: the global action report on preterm birth 2012. Geneva: WO. Recuperado de https://www.who.int/pmnch/media/news/2012/201204_borntoosoon-report.pdf.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso – planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman.

Zamberlan, M.A.T. (2002). Interação mãe-criança: enfoques teóricos e implicações decorrentes de estudos empíricos. Estudos em Psicologia, 2(7), 399-406. doi:10.1590/S1413-294X2002000200021.

Zornig, S. M. A. (2010). Tornar-Se Pai, Tornar-Se Mãe: O Processo De Construção Da Parentalidade. Tempo Psicanalítico, 2(42), 453-470. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382010000200010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.

Publicado
2020-10-26
Como Citar
Santos, M. dos, Bortolin, D., Zanin, S. C. G., & Tabaczinski, C. (2020). IMPACTO DA PREMATURIDADE NA CONSTELAÇÃO DA MATERNIDADE. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 246-259. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A16
Seção
Artigo original