TRAJETÓRIAS EXISTENCIAIS E PROJETO DE SER DE PACIENTES COM CÂNCER

Autores

  • Fabíola Langaro Universidade do Sul de Santa Catarina - Unisul
  • Daniela Ribeiro Schneider Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A18

Palavras-chave:

Narrativas, Cuidados Paliativos, Existencialismo, Psicologia

Resumo

Narrativas em pesquisas de saúde oferecem o ponto de vista dos sujeitos sobre seus processos de adoecimento, contribuindo para a realização de uma clínica da “primeira pessoa”, indo ao encontro do preconizado nos cuidados paliativos, que enfatizam uma organização dos cuidados contemplando as pessoas em suas biografias. Este artigo apresenta análises de duas entrevistas narrativas realizadas com João e Maria, hospitalizados para tratamento paliativo de câncer. A pesquisa objetivou compreender a experiência do adoecimento e da perspectiva de morte com base no enfoque fenomenológico existencialista. Ao seguir o método biográfico proposto por Sartre, fez-se um movimento de mergulho nas trajetórias individuais e experiências destes participantes, buscando um entendimento do psíquico adquirido por dentro de suas histórias. Nas análises, evidenciaram-se duas histórias que apontam para a complexidade da vida, num movimento dialético entre as condições sociomateriais e as experiências subjetivas, que permitem refletir sobre os enredamentos e as tensões que passado, presente e futuro engendram no vivido. Considera-se, então, que a doença e a morte promovem (re)formulações nos projetos de ser dos sujeitos, mas que são esses projetos originários o pano de fundo das vivências de adoecimento e morte e das ressignificações da trajetória existencial realizadas frente à imposição da finitude.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Ribeiro Schneider, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Profª. Titular do Depto de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), orientadora no Programa de Pós-Graduação em Psicologia (mestrado e doutorado) e Mestrado profissionalizante em Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Tem graduação em Psicologia (UFSC, 1987), Mestrado em Educação (UFSC, 1993), Doutorado em Psicologia (PUC/SP, 2002), Pós-Doutorado em Ciência da Prevenção (Universidad de Valencia - Espaa, 2012 e University of Miami - USA, 2019). Atividades de Pesquisa e Extensão estão na ênfase de Tratamento e Prevenção Psicológica, voltando-se para estudos dos problemas relacionados ao uso de álcool e outras drogas, desenvolvimento e avaliação de estratégias, programas e sistemas de prevenção e promoção da saúde, Rede de Atenção Psicossocial. É especialista na obra do filósofo Jean-Paul Sartre, com vários estudos sobre psicologia e clínica existencialista. Coordenadora do Grupo de Pesquisa do CNPQ "Clínica da Atenção Psicossocial e Uso de Álcool e Outras Drogas". Coordenadora do PSICLIN/UFSC. É da Diretoria da Associação Brasileira de Pesquisa em Prevenção e Promoção de Saúde (BRAPEP) e membro do GT Drogas e Sociedade da ANPPEP. Bolsista produtividade em pesquisa 2 pelo CNPQ. É coordenadora do Ponto de Cultura da Associação Cultural Baiacu de Alguém, que desenvolve projetos socioculturais e de promoção de saúde em Florianópolis.

Referências

Ambrósio, Daniela Cristina Mucinhato, & Santos, Manoel Antônio dos. (2011). Vivências de familiares de mulheres com câncer de mama: uma compreensão fenomenológica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(4), 475-484. https://doi.org/10.1590/S0102-37722011000400011

Borges, A. D. V. S., da Silva, E. F., Toniollo, P. B., Mazer, S. M., do Valle, E. R. M., & dos Santos, M. A. (2006). Percepção da morte pelo paciente oncológico ao longo do desenvolvimento. Psicologia em Estudo, 11(2), 361-369.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). (2018). Resolução nº 41, de 31 de outubro de 2018. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos cuidados paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS).

Elias, N. (2001). A solidão dos moribundos. Rio de Janeiro: Zahar.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Freitas, J. de L. (2010). Experiência de adoecimento e morte: diálogos entre a pesquisa e a Gestalt-terapia. Curitiba: Juruá.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Hales, S., Chiu, A., Husain, A., Braun, I., Rydall, A., Gagliese, L., Zimmermann, C., Rodin, G. (2014). The quality of dying and death in cancer and its relationship to palliative care and place of death. J Pain Symptom Manage, 48(5), 839-851.

Hennezel, M. de. (2004). A morte íntima: aqueles que vão morrer nos ensinam a viver. Aparecida: Ideias e Letras.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). (2016a). Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2016: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde. Recuperado em 22 de maio de 2016.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). (2016b). Coordenação de Prevenção e Vigilância. Câncer. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde. Recuperado em 22 de maio de 2016.

Leal, E. M., & Serpa Junior, O. D. de. (2013). Acesso à experiência em primeira pessoa na pesquisa em Saúde Mental. Ciência & Saúde Coletiva, 18(10), 2939-2948. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013001000018

Lira, G. V., Catrib, A. M. F. & Nations, M. K. (2003). A narrativa na pesquisa social em saúde: perspectiva e método. RBPS, 16(1/2), 59-66. Recuperado de: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/333/2035

Menezes, R. A. (2004). Em busca da boa morte: antropologia dos cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Garamond, Fiocruz.

Minayo, M. C. de S. (2010). O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde (12a ed.). São Paulo: Hucitec-Abrasco.

Schneider, D. R. (2008). O método biográfico em Sartre: contribuições do existencialismo para a Psicologia. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 8(2).

Schneider, D. R. (2011). Sartre e a Psicologia Clínica. Florianópolis: Ed. da UFSC.

Schneider, D. R. (2015). Da saúde mental à atenção psicossocial: trajetórias da prevenção e da promoção de saúde. In S. G. Murta, C. Leandro-França, K. B. Santos, & L. Polejack (Orgs.), Prevenção e Promoção em Saúde Mental: Fundamentos, Planejamento e Estratégias de Intervenção. Sinopsys Editora e Sistemas Ltda. (pp. 33-52).

Schneider, D. R., Strelow, M., & Levy, V. (2017). Um olhar existencialista sobre o uso problemático de drogas. In F. Castro, D. R. Schneider, & G. Boris, Sartre e os desafios à psicologia contemporânea (v. 1). Rio de Janeiro: Ed. Via Veritas.

Sartre, J-P. (1978). Questão de método (Coleção Os Pensadores). São Paulo: Abril Cultural (pp.110-191). (Original publicado em 1957).

Sartre, J-P. (1997). O Ser e o Nada (14a ed.). Petrópolis: Vozes. (Texto original publicado em 1943).

Sartre, J-P. (2002). Crítica da razão dialética (G. J. de F. Teixeira trad.). Rio de Janeiro: Ed. DP&A. (Original publicado em 1960).

Sartre, J-P. (2013). O idiota da família (v.1). Porto Alegre: R&PM. (Original publicado em 1971).

Sartre, J-P. (2015). O que é a subjetividade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Original publicado em 2014).

Serpa Junior, O., Campos, R. O., Malajovich, N., Pitta, A. M., Diaz, A. G., Dahl, C., & Leal, E. (2014). Experiência, narrativa e conhecimento: a perspectiva do psiquiatra e a do usuário. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(4), 1053-1077. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000400005

Serpa Junior, O. D. de, Leal, E. M., Louzada, R. de C. R., & Silva Filho, J. F. da (2007). A inclusão da subjetividade no ensino da Psicopatologia. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 11(22), 207-222. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1414-32832007000200003

Souza, J. (2009). A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Spohr, B. (2016). A concepção restauradora da narrativa em Sartre. Psicologia USP, 27(1), 61-69. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/0103-656420150037

Vieira Junior, C. A., Ardans-Bonifacino, H. O., & Roso, A. (2016). A construção do sujeito na perspectiva de Jean-Paul Sartre. Revista Subjetividades, 16(1), 119-130. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.16.1.119-130

Visentin, A., Mantovani, M. de F., Kalinke, L. P., Boller, S., & Sarquis, L. M. M. (2018). A terapêutica paliativa em adultos com câncer: um estudo transversal. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(2), 252-258. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-056

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

Langaro, F., & Schneider, D. R. (2020). TRAJETÓRIAS EXISTENCIAIS E PROJETO DE SER DE PACIENTES COM CÂNCER. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 273–293. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A18

Edição

Seção

Artigo original