CENA DE UM ENCONTRO PSICODRAMÁTICO NA PROMOÇÃO DO EMPODERAMENTO FEMININO COM UM GRUPO DE MULHERES UNIVERSITÁRIAS

Autores

  • Gilmar Antoniassi Junior Faculdade Patos de Minas - FPM
  • Glória Lúcia Alves Figueiredo Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Regina Célia de Souza Beretta Universidade de Franca - UNIFRAN

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A21

Palavras-chave:

Mulheres, Psicodrama, Empoderamento Feminino

Resumo

Este artigo tem como proposta relatar a cena de um encontro psicodramático com mulheres universitárias na promoção do empoderamento feminino. Foram realizados dez encontros com 18 participantes em fase de conclusão do curso, onde a prática embasou-se no uso das técnicas do psicodrama. O relato objetiva narrar umas das cenas vivenciadas num grupo de psicodrama com mulheres universitárias do interior do estado de Minas Gerais, Brasil, visando a promoção do empoderamento feminino, demonstrando o quanto as sessões psicodramáticas podem dar autonomia às mulheres para se expressarem em sua dimensão social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brandão, D. A. L. et al. (2018). Convívio Entre Mães e Filhos e a iniciação ao uso de drogas. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 12(40), 512-526.

Burge, T. (2011). Self and self-understanding. The Dewey lectures (2007–2011), The Journal of Philosophy, CVIII/6–7. Reprinted in Cognition through understanding (pp. 140–228). Oxford: Oxford University Press.

Cassam, Q. (2014). Self-knowledge for humans. Oxford: Oxford University Press.

Erigüç G, Kose S. (2013). Avaliação da inteligência emocional e habilidades de comunicação dos candidatos a gerente de saúde: amodelagem de equações estruturais. International Journal of Busi-ness and Social Science, 4, 115–123.

Freire Filho, J. & Leal, T. (2015). “Mas Por Que, Afinal, As Mulheres Não Sorriem?”: Jornalismo E As Razões Da (In)Felicidade Feminina. Ciberlegenda, 33, 8-20.

Freud, S. (1916). Parelleles mythologiques à une representation obsessionnelle plastique. In S. Freud. Essais de Psychanalyse apliquée. (M. Bonaparte & E. Marty, Trads. Paris : Gallimard

Gottlieb, L., & Perazzo, S. (Orgs.) (2016). Psicodrama: Apontamentos e criação. São Paulo: FiloCzar.

Halpern J.(2003). What is clinical empathy? J Gen Intern Med. 18(8):670-674

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitca [IBGE]. (2018). Coordenação de trabalho e rendimento. Pesquisa Nacional por amostra de domicílios contínua: características gerais dos domicílios e dos moradores: 2017. Brasília, DF, 2018. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101566_informativo.pdf>.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitca [IBGE]. (2020). Conheça o Brasil - População

Moreno, J. L. (2011). Psicodrama. 13ed, São Paulo: Cultrix.

Paes, B. (2016). Acesso à informação e direito das mulheres. São Paulo: Artigo 19 Brasil. Quantidade de homens e mulheres, Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18320-quantidade-de-homens-e-mulheres.html

Simões, F. I. & Hashimoto, F. (2012). Mulher, mercado de trabalho e as configurações familiares do século XX. Vozes dos Vales, 1(2), 1-25.

Skinner, B. F. (1990). Can psychology be a science of mind? American Psychologist, 45(11).

Snowdon, P. (2012). How to think about phenomenal self-knowledge, in Coliva A. (ed), 243–262.

Wechsler, M. P. F. & Monteiro, R. F. (2016). Psicodrama público na contemporaneidade: cenários brasileiros e mundiais. São Paulo: Ágora.

World Health Organization. (2016). Declaração de Xanghai. Consenso dos Prefeitos de Cidades Saudáveis de Xangai. 9ª Conferência Global de Promoção da Saúde, Xangai. Disponível em: https://www.who.int/healthpromotion/conferences/9gchp/shanghai-declaration.pdf.

Yalom, I. 1995. Teoria e prática da psicoterapia de grupo . 4ª ed. Nova York: Basic Books.

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

Junior, G. A., Alves Figueiredo, G. L. ., & de Souza Beretta, R. C. (2020). CENA DE UM ENCONTRO PSICODRAMÁTICO NA PROMOÇÃO DO EMPODERAMENTO FEMININO COM UM GRUPO DE MULHERES UNIVERSITÁRIAS. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 328–337. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A21

Edição

Seção

Artigo original