O “DESCORTINAMENTO” DAS VULNERABILIDADES DA POPULAÇÃO LGBTQIA+ DIANTE A PANDEMIA DE CORONAVÍRUS

Autores

  • Fabiano Saft Centro Universitário Ruy Barbisa

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A23

Palavras-chave:

Psicologia, Saúde, LGBT, Pandemia, Direitos Humanos

Resumo

O presente artigo propõe uma revisão sistemática com base em pesquisas que abordam os impactos da pandemia de Coronavírus (COVID-19) na população LGBTQIA+, explicitando que trata-se de uma crise dentro de uma crise. O “descortinamento” de opressões e outras formas de violência fica claro ao passo que o número de problemas de saúde mental agravou-se potencialmente para a maioria deste segmento, que encontram-se obrigados a conviver com familiares que não legitimam as suas orientações sexuais e identidades de gênero. Trabalho, renda e solidão também são questões que encontram-se agravadas diante o cenário de isolamento social para grande parte da população LGBTQIA+. Os resultados encontrados mobilizam reflexões acerca do papel da Psicologia na luta por Direitos Humanos e acesso integral a serviços de saúde para essa população, que convive com a privação destes espaços. O diálogo intersetorial com outras áreas do conhecimento também mostra-se crucial a fim de elaborar ações estratégicas e afirmativas, em prol da população vítima de violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque, Grayce Alencar, Garcia, Cíntia de Lima, Alves, Maria Juscinaide Henrique, Queiroz, Cicera Monalisa Holanda Teles de, & Adami, Fernando. (2013). Homossexualidade e o direito à saúde: um desafio para as políticas públicas de saúde no Brasil. Saúde em Debate, 37(98), 516-524. https://doi.org/10.1590/S0103-11042013000300015

Araújo, Ludgleydson Fernandes de, & Carlos, Karolyna Pessoa Teixeira. (2018). Sexualidade na velhice: um estudo sobre o envelhecimento LGBT. Psicología, Conocimiento y Sociedad, 8(1), 188-205. https://dx.doi.org/10.26864/pcs.v8.n1.10

Associação Brasileira de Familiares e Amigos de Portadores de Transtornos Afetivos. (2020). Depressão e Transtorno Bipolar. Disponível: http://www.abrata.org.br/saude-mental/depressao-e-transtorno-bipolar/

Associação Nacional de Travestis e Transexuais. (2020). ASSASSINATOS CONTRA TRAVESTIS E TRANSEXUAIS EM 2020. Disponível: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/06/boletim-3-2020-assassinatos-antra.pdf

Barbosa, Regina Maria, & Facchini, Regina. (2009). Acesso a cuidados relativos à saúde sexual entre mulheres que fazem sexo com mulheres em São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 25(Suppl. 2), s291-s300. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009001400011

Castañeda, M. (2007). A experiência homossexual: explicações e conselhos para os homossexuais, suas famílias e seus terapeutas. São Paulo: Girafa.

Daniliauskas, M. (2016). Não se nasce militante, torna-se: processo de engajamento de jovens LGBT - panorama histórico na cidade de São Paulo e cenário atual em Paris. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/T.48.2016.tde-06102016-142516. Recuperado em 2020-07-06, de www.teses.usp.br

ÉPOCA. (2013). 37% dos brasileiros não aceitariam um filho homossexual, diz pesquisa. Disponível: https://epoca.globo.com/vida/noticia/2013/06/37-dos-brasileiros-nao-aceitariam-um-filho-homossexual-diz-pesquisa.html

ESPINHEIRA, Gey. (1993) A casa e a rua. In: Cadernos do CEAS, nº 145, maio/junho, 1993. Salvador: Ceas.

HARVEY, David. (2012). O direito à cidade. Revista Lutas Sociais, São Paulo: PUCSP, 2012. Disponível: http://www4.pucsp.br/neils/downloads/neils-revista-29-port/david-harvey.pdf.

Lima, C. A. N. (2009). Direitos fundamentais LGBT. Disponível: http://carlosalexlima.blogspot.com/2009/11/no-brasil-existem-30-mil-jovens.html

ONU. (2020). UNAIDS e MPact manifestam preocupação com relatos de abuso contra pessoas LGBTI em meio à pandemia. Disponível: https://nacoesunidas.org/unaids-e-mpact-manifestam-preocupacao-com-relatos-de-abuso-contra-pessoas-lgbti-em-meio-a-pandemia/

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua. (2020). Disponível: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/habitacao/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?edicao=28095&t=destaques

Ribeiro, Andressa de Freitas. (2016). Espaço e sociabilidades: entre o beco e o gueto. Sexualidad, Salud y Sociedad (Rio de Janeiro), (24), 130-156. https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2016.24.06.a

SCHULMAN, Sarah. (2009). Ties that Bind: Familial Homophobia and Its Consequences. New York: The New Press.

Silva, A. L. da, & Santos, S. M. de M. dos. (2016). “O sol não nasce para todos”: uma análise do direito à cidade para os segmentos LGBT.SER Social,17(37), 498-516. https://doi.org/10.26512/ser_social.v17i37.14259

UNIVERSA. (2020.) LGBTIs vivem acirramento de violência familiar em isolamento social. Disponível: https://www.uol.com.br/universa/noticias/agencia-brasil/2020/05/17/lgbtis-vivem-acirramento-de-violencia-familiar-em-isolamento-social.htm

#VOTELGBT. (2020). LGBT+ sofrem mais o impacto da pandemia. Disponível: https://www.votelgbt.org/pesquisas

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Saft, F. (2020). O “DESCORTINAMENTO” DAS VULNERABILIDADES DA POPULAÇÃO LGBTQIA+ DIANTE A PANDEMIA DE CORONAVÍRUS. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 346–355. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A23

Edição

Seção

Artigo original