ESTRESSE EM AGENTES PENITENCIÁRIOS DE UM PRESÍDIO DO INTERIOR DE MINAS GERAIS

Autores

  • Laís Sanches Maekawa Universidade do Estado de Minas Gerais, Passos, MG, Brasil.
  • Patrícia Naiara de Souza Alves Côrrea UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais - Passos - MG
  • Sheila Alves Araújo UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais - Passos - MG
  • Marco Túlio Menezes Carvalho UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais - Passos - MG
  • Reginaldo Josué da Silva Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Mateus Goulart Alves Faculdade Atenas Passos

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A25

Palavras-chave:

Estresse, Estresse ocupacional, Prisões

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar o nível de estresse em agentes penitenciários. Trata-se de um estudo de caráter descritivo e com abordagem quantitativa. A coleta de dados ocorreu por meio do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp. Participaram 52 Agentes Penitenciários de um presídio do interior de Minas Gerais, sendo 45 homens e 7 mulheres. Na análise dos dados, observou-se, que 46,2% dos participantes apresentaram nível de estresse e 53,8% não apresentaram. Dos participantes que apresentaram nível de estresse, 52,2% se encontram na fase de Resistência, 41,6% na fase de Exaustão e 4,2% na fase de Alerta. Significativo nível de estresse foi evidenciado, já em fase de Resistência e Exaustão. Estratégias para busca de melhorias das condições de trabalho e pela prevenção do estresse devem ser estabelecidas e destaca-se a importância de estudos sobre a elaboração de intervenções de promoção da saúde nessa categoria profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laís Sanches Maekawa, Universidade do Estado de Minas Gerais, Passos, MG, Brasil.

Graduanda em Medicina – Universidade do Estado de Minas Gerais | Unidade Passos

Patrícia Naiara de Souza Alves Côrrea, UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais - Passos - MG

Enfermeira – Egressa da Universidade do Estado de Minas Gerais | Unidade Passos

Sheila Alves Araújo, UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais - Passos - MG

Enfermeira – Egressa da Universidade do Estado de Minas Gerais | Unidade Passos

Marco Túlio Menezes Carvalho, UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais - Passos - MG

Biomédico. Docente na Universidade do Estado de Minas Gerais | Unidade Passos

Reginaldo Josué da Silva, Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro

Psicólogo. Mestrando da Escola de Ciências Humanas e Sociais – Departamento de Educação e Psicologia, Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal

Referências

Albrecht, P. A. T., & Krawulski, E. (2011). Con¬curseiros e a busca por um emprego estável: reflexões sobre os motivos de ingresso no ser¬viço público. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 14(2), 211-226. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v14i2p211-226

Alvarez, B. R., Soares, R. S., Mazon, J., Simon, D. & Cardoso, R. A. (2013). Risco de doenças cardiovasculares e níveis de estresse dos Agentes Penitenciários do presídio regional de Criciúma, SC. EFDeportes.com, Revista Digital, 18(185), Recuperado de: <https://www.efdeportes.com/efd185/risco-de-doencas-cardiovasculares-dos-penitenciarios.htm>.

Barros, I. C. S. (2013). Estresse ocupacional e qualidade de vida no contexto hospitalar: um estudo psicossociológico. Tese de doutorado, Universidade Federal da Paraíba, Paraíba, Brasil.

Bastos, F. B., Paixão, G. S. S., Baul, M. B. S. & Salles, W. A. (2013, abril). Atenção psicossocial do servidor penitenciário. Congresso Consad de Gestão Pública, Brasilia, DF, Brasil, 6. Recuperado de: http://consadnacional.org.br/wp-content/uploads/2013/05/168-ATENÇÃO-PSICOSSOCIAL-DO-SERVIDOR-PENITENCIÁRIO.pdf

Bezerra, C. M., Assis, S. G. & Constatino, P. (2016). Sofrimento psíquico e estresse no trabalho de Agentes Penitenciários: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 21(7), 2135-2146. https://doi.org/10.1590/1413-81232015217.00502016

Bonez, A., Moro, E. D. & Sehnem, S. B. (2013). Saúde mental de Agentes Penitenciários de um presídio catarinense. Psicologia Argumento, 31(74), 507-517. http://dx.doi.org/10.7213/psicol.argum.31.074.AO05

Braun, A. C. (2016). Síndrome de Burnout em Agentes Penitenciários: Uma revisão sistemática sob a perspectiva de gênero. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 16(2), 366-381. https://doi.org/10.12957/epp.2016.29165

Brito, L. J. S., Murofuse, N. T., Leal, L. A. & Camelo, S. H. H. (2017). Cotidiano e organização laboral de trabalhadores de saúde em presídio federal brasileiro. Revista Baiana de Enfermagem, 31(3), e21834. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v31i3.21834

Carvalho, S. M. & Gagliardi, E. C. V. (2014). O risco de adoecimento de Agentes Penitenciários. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 4(3), 3263-3288. Recuperado de: http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/1919

Costa, M. E. M., Maciel, R. H. & Gurgel, F. F. (2018). Transtornos Mentais Comuns e Síndrome de Burnout em Agentes Penitenciários. Ciencia & Trabajo, 20(61), 36-42. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-24492018000100036

Dezidério, D. C. & Zamian, M. A. (2013, setembro). Avaliação da presença ou não de estresse e sua sintomatologia. Encontro Científico e Simpósio de Educação Unisalesiano, Lins, SP, Brasil, 4. Recuperado de: https://docplayer.com.br/64408002-Avaliacao-da-presenca-ou-nao-de-estresse-e-sua-sintomatologia-assessment-of-the-presence-or-absence-of-stress-and-its-symptomatology.html

Diniz, M. L. (2018). Condições e organização do trabalho de Agentes Penitenciários e os riscos psicossociais inerentes à profissão (Trabalho de Conclusão de Curso). Instituto Federal da Paraíba - IFPB, Patos, PB, Brasil. Recuperado de: http://repositorio.ifpb.edu.br/jspui/bitstream/177683/371/1/04-Monografia-Manuela Laurentino.pdf

Ferreira, G. S., Barros, I. M. A. & Xavier, L. E. F. (2017). Os fatores genéticos da insônia - Uma revisão de literatura. Jornal Interdisciplinar de Biociências. 2(1), 23-26. https://doi.galoa.com.br/doi/10.17648/jibi-2448-0002-2-1-4945

Gomes, S. J. (2015). Liderança em contextos instáveis: stresse e stressores dos gerentes prisionais e Agentes Penitenciários das unidades prisionais do estado da Bahia (Tese de Doutorado). Universidade Autónoma de Lisboa, Lisboa, Portugal. Recuperado de: http://hdl.handle.net/11144/2561

Jaskowiak, C. R. & Fontana, R. T. (2015). O trabalho no cárcere: reflexões acerca da saúde do agente penitenciário. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(2), 235-243. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680208i

Lei de Execução Penal - Lei 7210/84 e Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Recuperado de: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109222/lei-de-execucao-penal-lei-7210-84

Lipp, M. E. N. & Guevara, A. J. H. (1994). Validação empírica do Inventário de Sintomas de Stress. Estudos de Psicologia, 11(3), 43-49. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/284507885_Validacao_empirica_do_inventario_de_sintomas_de_stress

Lipp, M. E. N. (2000). Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lipp, M. E. N., Costa, K. R. S. N. & Nunes, V. O. (2017). Estresse, qualidade de vida e estressores ocupacionais de policiais: Sintomas mais frequentes. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 17(1), 46-53. http://dx.doi.org/10.17652/rpot/2017.1.12490

Luiz, A. T. & Morais, C. V. M. (2015). O Estresse e Suas Consequências Dentro de Instituição Penitenciária. Psicologado. Recuperado de: https://psicologado.com.br/atuacao/psicologia-organizacional/o-estresse-e-suas-consequencias-dentro-de-instituicao-penitenciaria

Martins, R. J. (2018, dezembro). Estudo sobre o trabalho dos agentes de segurança penitenciária do estado de São Paulo, região de Ribeirão Preto. Anais do Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social, Vitória, ES, Brasil, 16. Recuperado de: http://www.publicacoes.ufes.br/ABEPSS/article/view/23250/17253

Moraes, P. R. B. A. (2013). Identidade e o papel de Agentes Penitenciários. Tempo Social, revista de sociologia da USP. 25(1), 131-147. https://doi.org/10.1590/S0103-20702013000100007

Oliveira, R. D. B. & Amaral, E. P. O. (2018). Impacto do estresse na qualidade de vida do Policial Militar. Biblioteca Digital de Segurança Pública. Recuperado de: https://acervodigital.ssp.go.gov.br/pmgo/bitstream/123456789/1074/1/1844_Ralf_Devanan_Basilio_De_Oliveira_Depósito_final_13447_1163801033.pdf

Pacheco, V. A. & Rosa, A. C. A. (2016). Estresse: fatores e o grau de influência decorrente do atendimento ao público. Universitas Gestão e TI, 6(2), 17-31, 2016. http://dx.doi.org/10.5102/un.gti.v6i2.3904

Pereira, J. G. & Mello, F. (2014). Causas e efeitos do estresse no trabalho. Revista Interação, 16(6), 146-164. https://doi.org/10.33836/interacao.v16i16.70

Pinto, P. S. & Oliveira, E. S. (2018). O estresse no agente penitenciário de um município do interior do estado de Rondônia. Revista Farol, 7(7), 120-133. Recuperado de: http://revistafarol.com.br/index.php/farol/article/view/148/125

Roseira, A. P. O estigma na vida pessoal do guarda prisional. (2017). Configurações: Revista de sociologia, 20, 93-108. https://doi.org/10.4000/configuracoes.4228

Silva, R. M., Goulart, C. T. & Guido, L. A. (2018). Evolução histórica do conceito de estresse. Revista Científica Sena Aires, 7(2), 148-156. Recuperado de: http://revistafacesa.senaaires.com.br/index.php/revisa/article/view/316

Spuldaro, J. C. & Nesi, T. C. A. (2013). A ocorrência de estresse em policiais militares do 20º Batalhão de Polícia Militar de Concórdia - Santa Catarina. Saúde e Meio Ambiente, 2(1). 16-32. https://doi.org/10.24302/sma.v2i1.309

Tschiedel, R. M. & Monteiro, J. K. (2013). Prazer e sofrimento no trabalho das agentes de segurança penitenciária. Estudos de Psicologia, 18(3), 527-535. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2013000300013.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Sanches Maekawa, L. ., Naiara de Souza Alves Côrrea, P. ., Alves Araújo, S. ., Menezes Carvalho, M. T. ., Josué da Silva, R. ., & Alves, M. G. . (2020). ESTRESSE EM AGENTES PENITENCIÁRIOS DE UM PRESÍDIO DO INTERIOR DE MINAS GERAIS. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 373–387. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A25

Edição

Seção

Artigo original