CARACTERIZAÇÃO DE UMA AMOSTRA DE JOVENS E ADULTOS EM RELAÇÃO À PRÁTICA DE AUTOMEDICAÇÃO

Autores

  • Luiz Nison Filler Universidade São Judas Tadeu - USJT
  • Eliana Barbosa de Abreu Universidade São Judas Tadeu - USJT
  • Cláudia Borim da Silva Universidade São Judas Tadeu - USJT
  • Daiane Fuga da Silva Universidade São Judas Tadeu - USJT
  • José Maria Montiel Universidade São Judas Tadeu

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A27

Palavras-chave:

Autocuidado, Uso de medicamentos, Abuso de substância, Inquéritos epidemiológicos, Saúde pública

Resumo

A automedicação realizada de forma indiscriminada pode gerar inúmeras consequências, sendo um problema de saúde pública. Deste modo, objetivou-se avaliar a prática de automedicação de jovens e adultos. Tratou-se de um estudo descritivo, de corte transversal, com amostragem por conveniência de 184 participantes com idade entre 18 e 35 anos, submetidos a um instrumento de questões sobre variáveis sociodemográficas e relacionadas às práticas de automedicação, num período recordatório de 15 dias. Apresentou-se alta incidência do gênero feminino (80,4%) e de jovens com idade entre 18 a 25 anos (66,3%). Houve uma predominância (89,7%) de participantes que utilizaram medicamentos nos últimos 15 dias, sendo que a maioria (81,5%) fez o uso de algum medicamento sem prescrição médica. Os principais medicamentos consumidos foram analgésicos/antitérmicos (29,3%) e antialérgicos/anti-histamínicos (14,2%). Os principais sintomas foram dor de cabeça (27,4%) e alergia (13,7%), a prática foi motivada por ter sido tratado anteriormente com o mesmo medicamento para a mesma doença (55,6%). A população diz conhecer o medicamento consumido (84,7%) e os riscos da automedicação (84,8%), avaliando o conhecimento dos riscos como alto (35,3%) e tendo a bula (47,0%) como o meio mais utilizado para busca de informações. Pressupõe que a automedicação pode estar mais voltada a uma questão de conhecimento e autoconfiança e não a uma escassez de acesso ao sistema de saúde. Para futuros estudos, recomenda-se uma investigação sobre essa prática ser caracterizada como responsável ou indiscriminada, também avaliando de maneira mais aprofundada os primeiros contatos e fontes de indicações que os indivíduos praticantes possuem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque, L. M. A. de, Franco, R. C. C., Silva, L. L. C. da, Dantas, A. F. F. B., Alencar, J. L. de, & Sá, M. F. C. P. (2015, janeiro-abril). Avaliando a automedicação em estudantes do curso de medicina da Universidade Federal Da Paraíba (UFPB). Medicina & Pesquisa, 1(1), 39-50. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/rmp/article/view/18278

Amaral, S. M. (2008). Fatores que influenciam na tomada de decisão dos consumidores na compra de medicamentos isentos de prescrição. (Trabalho de Conclusão de Curso, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre). Recuperado de https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/16571/000685385.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Aquino, D. S. de, Barros, J. A. C. de, & Silva, M. D. P. da (2010). A automedicação e os acadêmicos da área de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 15(5), 2533-2538. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000500027

Araújo, A. L. de (2014). Estudos brasileiros sobre automedicação: análise da literatura. (Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Ceilândia, Universidade de Brasília, Distrito Federal). Recuperado de https://bdm.unb.br/handle/10483/8734

Arrais, P. S. D., Coelho, H. L. L., Batista, M. do C. D. S., Carvalho, M. L., Righi, R. E., & Arnau, J. M. (1997, fevereiro). Perfil da automedicação no Brasil. Rev. Saúde Pública, 31(1), 71-77. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000100010

Arrais, P. S. D., Fernandes, M. E. P., Pizzol, T. da S. D., Ramos, L. R. R., Mengue, S. S., Luiza, V. L., … Bertoldi, A. D. (2016). Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Rev. Saúde Pública, 50(Supl. 2), 1-13. https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006117

Conselho Federal de Farmácia. (2020). Levantamento mostra como o medo da Covid-19 impactou venda de medicamentos. Recuperado de https://www.cff.org.br/noticia.php?id=5747

Datafolha. (2019, abril). Uso de medicamentos. Recuperado de https://www.cff.org.br/userfiles/file/Uso%20de%20Medicamentos%20-%20Relat%c3%b3rio%20_final.pdf

Delgado, A. F. dos S., & Vriesmann, L. C. (2018). O perfil da automedicação na sociedade brasileira. Revista Saúde e Desenvolvimento, 12(11), 57-75. Recuperado de https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/950

Domingues, P. H. F., Galvão, T. F., Andrade, K. R. C. de, Araújo, P. C., Silva, M. T., & Pereira, M. G. (2017, abril-junho). Prevalência e fatores associados à automedicação em adultos no Distrito Federal: estudo transversal de base populacional. Epidemiol. Serv. Saúde, 26(2), 319-330. https://doi.org/10.5123/s1679-49742017000200009

Galato, D., Madalena, J., & Pereira, G. B. (2012, dezembro). Automedicação em estudantes universitários: a influência da área de formação. Ciênc. Saúde Coletiva, 17(12), 3323-3330. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001200017

Gama, A. S. M., & Secoli, S. R. (2011, maio). Automedicação em estudantes de enfermagem do Estado do Amazonas – Brasil. Rev. Gaúcha Enferm., 38(1), 1-7. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.01.65111

Iuras, A., Marques, A. A. F., Garcia, L. F. R., Santiago, M. B., & Santana, L. K. L. (2016). Prevalência da automedicação entre estudantes da Universidade do Estado do Amazonas (Brasil). Rev. Port. Estomatol. Med. Dent. Cir. Maxilofac., 57(2), 104-111. http://dx.doi.org/10.1016/j.rpemd.2016.01.001

Leite, S. N., Vieira, M., & Veber, A. P. (2008, abril) Estudos de utilização de medicamentos: uma síntese de artigos publicados no Brasil e América Latina. Ciênc. Saúde Coletiva, 13(Supl), 793-802. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000700029

Loyola-Filho, A. I. de, Uchoa, E., Guerra, H. L., Firmo, J. O. A., & Lima-Costa, M. F. (2002, fevereiro). Prevalência e fatores associados à automedicação: resultados do projeto Bambuí. Rev. Saúde Pública, 36(1), 55-62. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000100009

Matos, J. F., Pena, D. A. C., Parreira, M. P., Santos, T. do C. dos, & Coura-Vital, W. (2018, janeiro-março). Prevalência, perfil e fatores associados à automedicação em adolescentes e servidores de uma escola pública profissionalizante. Cad. Saúde Colet., 26(1), 76-83. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201800010351

Mendes, C. M. de M. (2010). Perfil de automedicação em duas populações do município de Teresina. (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Farmacologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza). Recuperado de http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/2268/1/2010_dis_cmmmendes.pdf

Murara, P. G., Mendonça, M., & Bonetti, C. (2013) O clima e as doenças circulatórias e respiratórias em Florianópolis/SC. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 9(16), 102-119. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/21642

Naves, J. de O. S., Castro, L. L. C. de, Carvalho, C. M. S. de, & Merchán-Hamann, E. (2010, junho). Automedicação: uma abordagem qualitativa de suas motivações. Ciência & Saúde Coletiva, 15(Supl. 1), 1751-1762. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700087

Saueressig, I. B., Xavier, M. K. A., Oliveira, V. M. A., Pitangui, A. C. R., & Araújo, R. C. de. (2015, outubro-dezembro). Cefaleias primárias em adolescentes e sua associação com o uso excessivo de computador. Rev. Dor. São Paulo, 16(4), 244-248. https://doi.org/10.5935/1806-0013.20150049

Schuelter-Trevisol, F., Trevisol, D. J., Jung, G. S., & Jacobowski, B. (2011, novembro-dezembro). Automedicação em universitários. Rev. Bras. Clin. Med., 9(6), 414-417. Recuperado de http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2011/v9n6/a2556.pdf

Silva, G. R. R., Pitangui, A. C. R., Xavier, M. K. A., Correia-Júnior, M. A. V., & Araújo, R. C. de. (2016). Prevalência de dor musculoesquelética em adolescentes e associação com uso de computador e jogos eletrônicos. J. Pediatr. (Rio J), 92(2), 188-196. https://doi.org/10.1016/j.jped.2015.06.006

Silva, L. S. F. e, Costa, A. M. D. D., Terra, F. S., Zanetti, H. H. V., Costa, R. D., & Costa, M. D. (2011, janeiro-março). Automedicação em acadêmicos de cursos de graduação da área da saúde de uma universidade privada do Sul do Estado de Minas Gerais. Odontol. Clín-Client., 10(1), 57-63. Recuperado de http://revodonto.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1677-38882011000100011&script=sci_arttext

Vilarino, J. F., Soares, I. C., Silveira, C. M., Rödel, A. P. P., Bortoli, R., & Lemos, R. R. (1998, fevereiro). Perfil da automedicação em município do Sul do Brasil. Rev. Saúde Pública, 32(1), 43-49. https://doi.org/10.1590/S0034-89101998000100006

World Health Organization. (1998, august). The role of the pharmacist in self-care and self-medication: report of the 4th WHO consultative group on the role of the pharmacist. Netherlands, The Hague: World Health Organization. Retrieved from https://apps.who.int/iris/handle/10665/65860

World Health Organization. (2000). Guidelines for the regulatory assessment of medicinal products for use in self-medication. Switzerland, Geneva: World Health Organization. Retrieved from https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/66154/WHO_EDM_QSM_00.1_eng.pdf?sequence=1&isAllowed=y

World Health Organization. (2012, october). The pursuit of responsible use of medicines: sharing and learning from country experiences. Switzerland, Geneva: World Health Organization. Retrieved from https://www.who.int/medicines/publications/responsible_use/en/

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Filler, L. N. ., Abreu, E. B. de ., Silva, C. B. da ., Silva, D. F. da ., & Montiel, J. M. . (2020). CARACTERIZAÇÃO DE UMA AMOSTRA DE JOVENS E ADULTOS EM RELAÇÃO À PRÁTICA DE AUTOMEDICAÇÃO. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 415–429. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A27

Edição

Seção

Artigo original