QUANTO MAIS SE SABE, MAIS SERGURANÇA TEM! A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA CONDUÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE QUIMIOTERAPIA

Autores

  • Layze Amanda Leal Almeida Faculdades de Ciências Médicas Santa Casa de São Paulo
  • Nilton Soares Formiga Universidade Potiguar - UNP
  • José Itamar A. Junior Universidade Potiguar/ Laureate International Universities
  • Patrício Marques de Sousa Universidade Federal de Campina Grande- UFCG

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A28

Palavras-chave:

Gestão do Conhecimento, Resíduos dos Serviços de Saúde, Quimioterapia, Meio Ambiente

Resumo

A quimioterapia é descrita com o uso de composições químicas sintéticas no combate aos agentes, sendo que, no combate ao câncer, sua atuação intervém diretamente na cinemática do tumor. Os resíduos provindos da quimioterapia são classificados como Resíduos dos Serviços de Saúde, sendo assim, se faz necessário controle e planejamento do gerenciamento destes tendo em vista sua origem, e sua periculosidade, por apresentar características de toxicidade, patogenicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e mutagenicidade, Resíduos Sólidos são aqueles que se encontram nos estados sólido e semi-sólido resultantes de atividades de diversas origens, incluindo-se também determinados líquidos cujas particularidades inviabilizam o lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água. O objetivo desta revisão bibliográfica é refletir a respeito da influência da gestão do conhecimento e oportunidade aprendizagem organizacional em relação ao manuseio dos resíduos dos serviços de saíde de quimioterapia pelos funcionários envolvidos no seu setor de trabalho. A pesquisa foi realizada a partir da busca de artigos nas bases de dados digitais Medline, Lilacs, Scielo e periódicos CAPES, utilizando palavras-chaves sobre o tema. A gestão de conhecimento ainda não possui uma estrutura universal ou uma metodologia bem estabelecida. O processo de gestão de conhecimento é caracterizado como uma forma de promover a capacidade do indivíduo ou da coletividade de organizar, criar, incorporar, partilhar e integrar os conceitos de forma consistentes. A Gestão do Conhecimento associada à Oportunidade de Aprendizagem pode ser uma grande ferramenta para a gestão dos Resíduos de Serviços de Saúde de quimioterapia, assim como para um maior aprendizado, aceitação e busca pelo conhecimento por parte dos funcionários que lidam diretamente com os resíduos supracitados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alvares L, Baptista S. G, & Araújo Júnior R. H. (2010). Gestão do conhecimento: categorização conceitual. Em Questão 16 (2), 235-252. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/15124.

ABNT. (2004). Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10.0004: Resíduos Sólidos- classificação. Rio de Janeiro, RJ.

Bezerra J. W. P. (2018). Anomia, Gestão do Conhecimento e Percepção de Oportunidades de Aprendizagem Organizacional: Estudo com Trabalhadores Brasileiros. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro

Borgstede, C. V., & Lundqvist, L. J. (2006). Organizational Culture, Professional Role Conceptions and Local Swedish Decision-makers’ Views on Climate Policy Instruments. Journal of Environmental Policy & Planning, 8 (4), 279-292. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/241143638_Organizational_Culture_Professional_Role_Conceptions_and_Local_Swedish_Decision-makers'_Views_on_Climate_Policy_Instruments.

Brasil. (2010). Departamento de Regulação, Avaliação e Controle. Manual de Bases Técnicas da Oncologia – Sia/Sus - Sistema De Informações Ambulatoriais. 11ª ed. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Administração de Quimioterápicos. Brasília: Ministério da Saúde.

Cardoso, A. P. B. (2016). Capital psicológico e oportunidade de aprendizagem organizacional: um estudo de caso em uma instituição de ensino superior. [Monografia]. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Cardoso, L. M. G. P. P. (2003). A Gerir conhecimento e gerar competitividade: estudo empírico sobre a gestão do conhecimento e o seu impacto no desempenho organizacional. [Tese]. Coimbra, Portugal: Universidade de Coimbra.

Cruz, S. G., & Ferreira, M. M. F. (2017). Gestão do Conhecimento em Hospitais Públicos com Diferentes Modelos de Gestão: alguns fatores explicativos. Brazilian Journal of Management & Innovation, 4 (2),1-20. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/319086760_Gestao_do_conhecimento_em_hospitais_publicos_com_diferentes_modelos_de_gestao_alguns_fatores_explicativos.

Davenport, T., & Prusak, L. (1998). Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Edivinsson, L., & Malone, M. S. (1998). Capital intelectual. São Paulo: Makron Books.

Fandiño, A. M., Formiga, N. S., & Menezes, R. M. (2018). Organizational social capital, resilience and innovation validation of a theoretical model for specialized workers. Journal of Strategy and ManagementT, 12 (1), 137-152 Disponível em: https://doi.org/10.1108/JSMA-05-2018-0041.

Ferreira, M. M. F. (2005). Empenhamento organizacional de profissionais de saúde em hospitais com diferentes modelos de gestão. [Tese]. Braga, Portugal: Universidade do Minho.

Freitas, A. D. G, Lacerda, F. M., Santos, E. A., & Alvarenga, M. A. (215). Intenção de rotatividade: um enfoque a partir das políticas de recursos humanos e da percepção de oportunidades de aprendizagem nas organizações. Anais do XXXIX Encontro da ANPAD; 13-16 set 2015; Belo Horizonte (MG).

Hospital Universitário Júlio Muller. (2004). Programa de Gerenciamento de Resíduos Serviços de Saúde. Setor de Serviços Gerais e CME. Nº 9. 18p. Disponível em: http://www.ufmt.br/ufmt/site/userfiles/file/hujm/Comissoes%20e%20Comites/Programa%20de%20gerenciamento%20de%20res%C3%ADduos%20servi%C3%A7os%20de%20sa%C3%BAde.pdf.

Jain, A. K., & Moreno, A. (2015). Organizational learning, knowledge management practices and firm’s performance. The Learning Organization, 22 (1), 14-39. Disponível em: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/TLO-05-2013-0024/full/html.

Kim, H. D. (1993). The Link Between Individual and Organizational Learning. Sloan Management Review, 35 (1), 37-50. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/40960146_The_Link_Between_Individual_And_Organizational_Learning.

King, W. R. (2009). Knowledge Management and Organizational Learning Knowledge Management and Organizational Learning. Annals of Information Systems, 4 (1), 3-13. Disponível em: http://www.uky.edu/~gmswan3/575/KM_and_OL.pdf.

Kluge, J., Stein, W., & Licht, T. (2002). Gestão do conhecimento. Cascais: Principia.

Kothari, A., Hovanec, N., Hastie, R., & Sibbald, S. (2011). Lessons from the business sector for successful knowledge management in health care: a systematic review. BMC Health Services Research, 11 (1). Disponível em: http://www.biomedcentral.com/1472-696/11/173.

Loureiro J. L. (2003). Gestão do Conhecimento. Lisboa: Centro Atlântico.

Mendonça, L. (2018). Gestão do Conhecimento e Inovação. Editora Poisson: Belo Horizonte - MG: Poisson.

Mourão L. (2009). Oportunidades de qualificação profissional no Brasil: reflexões a partir de um panorama quantitativo. RAC, 13 (1),136-153. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rac/v13n1/a09v13n1.pdf.

Neves A. (2002). Gestão na Administração Pública. Cascais: Pergaminho.

Nonaka I. (1992). A dynamic theory of organizational knowledge creation. Organization Science, 5 (1), 14-37. Disponível em: http://www.svilendobrev.com/1/Nonaka_1994-Dynamic_theory_of_organiz_knowledge_creation.pdf

Nonaka I. (1991). The knowledge-creating company. Harvard Business Review, 69(6), 96-104. Disponível em:

Nonaka I., & Takeuchi H. (1995).The knowledge creating company: how Japanese companies create the dynamics of innovation. New York: Oxford University Press.

Rang, H. P., Ritter, J. M., Flower, R. J., & Henderson, G. (2007). Farmacologia. Rio de Janeiro: Elsevier.

Rasoulinezhad, E. (2011). Measuring the Role of Knowledge Management Processes in the Commercial Banks of Iran. The Electronic Journal of Knowledge Management, 9(4):353-364. Disponível em: http://www.ejkm.com/issue/download.html?idArticle=300.

Santos Júnior, A. B., Bispo, F. C. S., & Abbad, G. S. (2014). Transferência de treinamento: estudo de um curso de ambientação para novos colaboradores. Resende (RJ): SEGeT.

Santos, L. A., & Souza, M. A. (2014). O impacto da Anomia Organizacional sobre a motivação para aprender no contexto de uma Instituição Federal do Ensino Superior de um estado do sudeste brasileiro. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 34(87), 387-406. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2014000200007.

ScorsolinI-Comin F., Inocente, D. F., & Miura, I. K. (2011). Aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento: Pautas para a gestão de pessoas. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 2 (2), 227-239. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902011000200010.

Senge, P. M. (1991). The fifth discipline, the art and practice of the learning organization, Performance & Instruction, 30 (5), 37.

Silva Junior, A. F. (2007). O setor de serviços e sua importância na economia brasileira. In: Congresso Virtual Brasileiro de Administração. 7 a 15 de dezembro de 2007.

Souza, Y. S. (2004). Organizações de aprendizagem ou aprendizagem organizacional. RAEeletrônica, 3 (1),1-16. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/raeel/v3n1/v3n1a08.

Vaz, C., Inomata, D., Viegas, C., Selig, P., & Varvakis, G. (2015). Capital intelectual: classificação, formas de mensuração e questionamento sobre usos futuros. Navus - Revista de Gestão e Tecnologia, 5 (2), 73-92. doi:https://doi.org/10.22279/navus.2015.v5n2.p73-92.253

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Almeida, L. A. L., Formiga, N. S., Junior, J. I. A., & Sousa, P. M. de. (2020). QUANTO MAIS SE SABE, MAIS SERGURANÇA TEM! A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA CONDUÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE QUIMIOTERAPIA. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 430–442. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A28

Edição

Seção

Artigo original