FATORES DE MOTIVAÇÃO DE PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO DA CIDADE DE PETROLINA-PE: um estudo comparativo

  • Roseana Pacheco Reis Batista Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) https://orcid.org/0000-0002-2893-0168
  • Gabriel Lucas Morais Freire Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) https://orcid.org/0000-0003-0589-9003
  • Rammys Mendes da Silva Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)
  • Washington de Souza Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)
  • Brena Stheffany dos Santos Silva Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)
  • Elisabeth Ferreira Dias Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)
  • Daniel Vincentini de Oliveira Centro Universitário de Maringá
  • José Roberto Andrade do Nascimento Junior Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)
Palavras-chave: Motivação, Exercício, Teoria da Autodeterminação

Resumo

Este estudo analisou os fatores motivacionais de 203 praticantes de exercício físico na cidade de Petrolina-PE. Os instrumentos utilizados foram o Inventário de Motivação do Exercício-2 (EMI-2) e um questionário com perguntas sobre sexo, idade, estado civil, renda mensal, tipo de exercício, tempo de prática e frequência semanal de prática. A análise dos dados foi realizada pelos testes "U" de Mann-Whitney e Kruskal-Wallis (p <0,05). Os resultados mostraram que os homens apresentaram escores mais altos nos fatores: condição física, diversão, reabilitação em saúde, competição e reconhecimento social, enquanto as mulheres apresentaram escores mais altos apenas na reabilitação em saúde. Indivíduos casados e viúvos / divorciados apresentaram maiores valores para prevenção de doenças do que indivíduos solteiros. Os indivíduos casados apresentaram maiores escores nos fatores: controle do estresse, diversão e afiliação. As pessoas que recebem mais de 2 salários mínimos são mais motivadas pelo controle de peso e pela reabilitação em saúde, e os indivíduos que se exercitam com mais frequência durante a semana apresentam taxas mais altas de motivação para gerenciamento e estresse, diversão, afiliação e reabilitação, saúde e competição. Concluiu-se que as variáveis sociodemográficas são fatores envolvidos na motivação para o exercício físico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, J., & Lourenço, A. (2003). Tradução e adaptação do Questionário de Motivação para o Exercício (Exercise Motivation Inventory 2 – EMI2). Desporto, Investigação & Ciência, 2, 3-11.

Bauman, A. E., Reis, R. S., Sallis, J. F., Wells, J. C., Loos, R. J., & Martin, B. W. (2012). Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? The Lancet, 380(9838), 258–271. DOI: 10.1016/s0140-6736(12)60735-1

Dacey, M. (2008). Motivação intrínseca e extrínseca dos adultos mais velhos em relação à atividade física. American Journal of Health Behavior, 32 (6). DOI: 10.5993/ajhb.32.6.2

Edmunds, J., Ntoumanis, N., & Duda, J. L. (2006). A test of Self-Determination Theory in the exercise domain. Journal of Applied Social Psychology, 36(9), 2240-2265. DOI: 10.1111/j.0021-9029.2006.00102.x

GUEDES, Dartagnan Pinto; LEGNANI, Rosimeide Francisco Santos and LEGNANI, Elto. Propriedades psicométricas da versão brasileira do Exercise Motivations Inventory (EMI-2). Motriz: rev. educ. fis. [online]. 2012, vol.18, n.4, pp.667-677. ISSN 1980-6574. DOI: 10.1590/S1980-65742012000400005

Guedes, D. P., Legnani, R. F. S., & Legnani, E. (2013). Motivo de exercício em uma amostra de universitários brasileiros. Motriz: Revista de Educação Física, 19 (3), 590-596. DOI: 10.1590/S1980-65742013000300009

Liz, C. M., & Andrade, A. (2015). Análise qualitativa dos motivos de adesão e desistência da musculação em academias. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 38(3), 267-274. DOI: 10.1016/j.rbce.2015.11.0050101-3289

Markland, D., & Ingledew, D. K. (1997). The measurement of exercise motives: Factorial validity and invariance across gender of a revised Exercise Motivations Inventory. British Journal of Health Psychology, 2(4), 361–376. DOI: 10.1111/j.2044-8287.1997.tb00549.x

Martinez, C. T., Gillespie K., & Bale, S. (2015). Exercise Motivation: The Role of Gender, Age, and Body Mass Index. The International Journal of Health, Wellness, and Society, 4 (2): 55-66. DOI: 10.18848/2156-8960/CGP/v04i02/41109

Matias T. S., Rolim M. K. S. B., Kretzer F. L., Schmoelz C. P., & Andrade A. (2010). Satisfação corporal associada a prática de atividade física na adolescência. Motriz, 16(2), 370-378. DOI: 10.5016/1980-6574.2010v16n2p370

Mcewan, T., Tam-Seto, L., & Dogra, S. (2016). Perceptions of Sedentary Behavior Among Socially Engaged Older Adults. The Gerontologist, 1-10. DOI: 10.1093/geront/gnv689

Rigby, C. S., & Ryan, R. M. (2018). Self-Determination Theory in Human Resource Development: New Directions and Practical Considerations. Advances in Developing Human Resources, 20(2), 133–147. DOI: 10.1177/1523422318756954

Ryan, R. M., & Deci, E. L. (2000). Self-determination theory and the facilitation of intrinsic motivation, social development, and well-being. American Psychologist, 55(1), 68-78. DOI: 10.1037/0003-066X.55.1.68

Silva, M. N., Vieira, P. N., Coutinho, R. S., Minderico, C. S., Matos, M. G., Sardinha, L. B., & Teixeira, P. J. (2009). Usando a teoria da autodeterminação para promover a atividade física e controle de peso: um estudo controlado randomizado em mulheres. Journal of Behavioral Medicine, 33 (2), 110-122. DOI: 10.1007/s10865-009-9239-y

Standage, M. (2012). Motivation: Self-Determination Theory and Performance in Sport. Em Murphy, S. M. (Ed.). The Oxford Handbook of Sport and Performance Psychology, 234. DOI: 10.1093/oxfordhb/9780199731763.01

Standage, M., & Ryan, R. M. (2012). Self-Determination Theory and Exercise Motivation: Facilitating Self-Regulatory Processes to Support and Maintain Health and Well-Being. Em Roberts, G. C., & Treasure, D. C. (Eds.), Advances in Motivation in Sport and Exercise (pp. 233-270). Champaign, IL: Human Kinetics.

Tavares Junior, A. C., & Planche, T. C. (2016). Motivos de desistência da prática de exercícios físicos em academia: estudo de caso com mulheres em Pirassununga-SP. Saúde em Revista, 16(43), 63-70. DOI: 10.15600/2238-1244/sr.v16n43p63-70

Teixeira, P. J., Carraça, E. V., Markland, D., Silva, M. N., & Ryan, R. M. (2012). Exercise, physical activity, and self-determination theory: A systematic review. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, 9(1), 78. DOI: 10.1186/1479-5868-9-78

Thøgersen-Ntoumani, C., & Ntoumanis, N. (2006). The role of self-determined motivation in the understanding of exercise-related behaviours, cognitions and physical self-evaluations. Journal of Sports Sciences, 24(4), 393–404. DOI: 10.1080/02640410500131670

Wilson, P. M., Mack, D. E., & Grattan, K. P. (2008). Understanding motivation for exercise: A self-determination theory perspective. Canadian Psychology/Psychologie canadienne, 49(3), 250-256. DOI: 10.1037/a0012762

Zervou, F., Stavrou, N. A. M., Koehn, S., Zounhia, K., & Psychountaki, M. (2017). Motives for exercise participation: The role of individual and psychological characteristics. Cogent Psychology, 4(1). DOI: 10.1080/23311908.2017.1345141

Publicado
2020-09-15
Como Citar
Batista , R. P. R., Morais Freire, G. L., Silva, R. M. da, Souza, W. de, Silva, B. S. dos S., Dias, E. F., Oliveira, D. V. de, & Nascimento Junior, J. R. A. do. (2020). FATORES DE MOTIVAÇÃO DE PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO DA CIDADE DE PETROLINA-PE: um estudo comparativo. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 49-61. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A4
Seção
Artigo original