PSICOLOGIA FORENSE EM EVOLUÇÃO: UMA ANÁLISE DA (IN)CAPACIDADE NA INTERPRETAÇÃO DADA PELA LEI 13.146/2015

  • Constance Rezende Bonvicini FPM - FACULDADE DE PATOS DE MINAS
  • Júlio Alves Caixêta Júnior FPM - FACULDADE DE PATOS DE MINAS
  • Rosangela Silva Sousa FPM - FACULDADE DE PATOS DE MINAS
Palavras-chave: Psicologia Forense, Deficiência, Capacidade, Incapacidade Transitória

Resumo

O presente trabalho acadêmico apresenta um estudo sobre a questão da capacidade e incapacidade; referenciando desde a luta antimanicomial à atuação do psicólogo forense, Ordenamento jurídico, retratando a atualidade das leis, tratada no Livro I, Das Pessoas, Título I, Das Pessoas Naturais do Código Civil 2002, Lei 10.406, Capítulo I Da Personalidade e da Capacidade. Considera ainda a abordagem dada pela Lei 13.146 de 2015, Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Dessa forma, a pretensão do estudo está em suscitar a co-responsabilidade do psicólogo forense como auxiliar na delimitação dos casos, sobretudo para avaliação de incapacidade relativa, suscitando as causas transitórias ou permanentes, com foco nas causas transitórias. Estudo fundamentado no Artigo 4⁰ e seus incisos I, II, III, IV, todos do Código Civil vigente, com leitura atual dada pelo Estatuto em ordem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amarante, P. (2000) Loucos pela vida: Trajetória da Reforma psiquiátrica no Brasil. 2 edição. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Androvandi, C., Serafini, A. J., Trentini, C. M., & Coelho, E. (2007) Imputabilidade penal, capacidade cognitiva e instrumentos de medida psicológica. Revista Psicologia em Foco. Disponível em: <http://revistas.fw.uri.br/index.php/psicologiaemfoco/article/view/1127/1599>. Acesso em 25 fevereiro de 2020.

Basaglia, F. (1985). As Instituições da Violência. In: BASAGLIA, F. (org). A Instituição Negada. Rio de Janeiro: Edições Graal, pp. 99-134.

Brasil. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código Civil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília de 11 de janeiro de 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm>. Acesso em 25 fevereiro de 2020.

Brasil. Lei n. 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 de março de 2015. Disponível em:<http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=17/03/2015&jornal=1&pagina=1&totalArquivos=128>. Acesso em 25 fevereiro de 2020.

Brasil. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Estatuto da Pessoa com Deficiência. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 de julho de 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em 25 fevereiro de 2020.

Brasil. Lei n. 3.071, de 1º de janeiro de 1916. Código Civil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília de 01 de janeiro de 2016. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L3071.htm>. Acesso em 25 fevereiro de 2020.

Cohen & Swerldik (2006). Pruebas y evaluación psicológicas. Introducción a las pruebas y a la medición. (Sexta edición).

Devera, D. & Costa-Rosa, A. (2007). Marcos Históricos da Reforma Psiquiátrica Brasileira: Transformações na legislação, na ideologia e na práxis. Revista de Psicologia da UNESP. São Paulo. 6, n. 1, pp. 60-79.

Dimenstein, M. D. B. (1998). O psicólogo nas Unidades Básicas de Saúde: desafios para a formação e atuação profissionais. Estudos de Psicologia. Natal: v.3, n.1, pp. 53-81.

Escobar Perez & Cuervo-Martinez (2008) Validez de contenido y Juicio de Expertos: uma aproximación a su utilización. Universidad El Bosque, Colombia. Institucion Universitaria Iberoamericana, Colombia. Avances en Medición, 6, 27–36

Farias, C. C. (2017). Manual de Direito Civil – Volume Único / Cristiano Chaves de Farias, Felipe Braga Netto, Nelson Rosenvald – Salvador: JusPodivm. pp. 300

Fiorelli, J. O. & Mangini, R. C. R. (2020). Psicologia Jurídica. 10 ª ed. São Paulo: Atlas.

Lobosque, A. M. (1997). Princípios para uma Clínica Antimanicomial. Saúde Loucura; 13. São Paulo: Hucitec.

Monteiro, W. B. & Pinto, A. C. B. M. (2009). Curso de Direito Civil, v,1: parte geral – 42ª. ed. São Paulo: Saraiva.

Rosenvald, N. & Farias, C. C. (2014). Curso de Direito Civil, v, 6: Direito de Famílias - 6ª ed. Salvador: jusPODIVM.

Rosenvald, N. (2016). EPM conclui o curso “Temas atuais do Direito das Famílias e das Sucessões”, Revista Eletrônica da Escola Paulista da Magistratura, n° 225. Disponível em: <http://epm.tjsp.jus.br/Noticias/noticia/34766>. Acesso em 25 fevereiro de 2020.

Serafim, A.P, Barros, D. M. & Rigonatti, A. P. (2006). Temas em Psiquiatria Forense e Psicologia Jurídica II, 1 ª ed. São Paulo: Vetor.

Varela, O. H., Alvarez, H. R. & Sarmiento, A. J. (2000). Psicologia Forense: Consideraciones sobre Tematicas Centrales. Buenos Aires: Abeledo Berrot.

Publicado
2020-09-15
Como Citar
Bonvicini, C. R., Caixêta Júnior , J. A., & Sousa , R. S. (2020). PSICOLOGIA FORENSE EM EVOLUÇÃO: UMA ANÁLISE DA (IN)CAPACIDADE NA INTERPRETAÇÃO DADA PELA LEI 13.146/2015. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 62-79. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A5
Seção
Estudo Teórico