O BRINCAR COMO INTERVENÇÃO E PROMOÇÃO DE SAÚDE NO TRABALHO COM EDUCADORAS INFANTIS

  • Karla Cristina Silva Faculdade Patos de Minas - FPM
  • Gema Galgani da Fonseca Faculdade Patos de Minas - FPM
Palavras-chave: Professoras, Trabalho, Jogos, Saúde Psicoemocional

Resumo

A sociedade ainda possui uma visão limitada e mal compreendida sobre o trabalho do educador, o que contribui para que os mesmos se sintam desmotivados e desvalorizados. É notável o crescimento de adoecimentos relacionados ao trabalho no contexto da educação infantil devido as condições laborais existentes como: as creches superlotadas, as famílias que se ausentam da responsabilidade do cuidado dos filhos e não reconhecem o trabalho do educador e etc. Todos esses motivos atrelados a subjetividade de cada educador e seus recursos internos de encontrarem escoadores para o não adoecimento físico e emocional, corroboram para desencadear níveis de esgotamento cada vez maiores no ambiente de trabalho. As participantes foram oito educadoras do Centro Educacional Municipal Infantil (CMEI) Vovó Chiquinha, da Prefeitura Municipal de Patos de Minas. Sendo os encontros realizados quinzenalmente no período de uma hora. O projeto teve como objetivo oportunizar a abertura e espaço adequado para que as educadoras aprendessem a lidar e amenizar os fatores de estresse no ambiente de trabalho, de maneira prazerosa - lúdica e com possiblidades de dar novos sentidos as práticas profissionais. A metodologia utilizada foi o brincar como estratégia, intervenção e promoção de saúde no trabalho para as professoras da Educação Infantil. Com a realização do projeto possibilitou maior compreensão e respeito entre as educadoras e melhorias nas relações interpessoais e no ambiente de trabalho.

 

Palavras-chave: Professoras. Trabalho. Jogos. Saúde Psicoemocional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alencar, E. S.; Oliveira, M. S. (2017). História da educação infantil no brasil: as brincadeiras e os jogos. Perspec. Dial.: Rev. Educ. e Soc., Naviraí, v. 4, n. 7, p. 51-63.

Dejours, C. (1987). A Loucura do Trabalho: Estudo de Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Cortez.

Freire, R. P.Freire; Garcia M. B. (2011). O brincar como recurso terapêutico para o adulto maior institucionalizado: uma proposta de intervenção em terapia ocupacional. Estud. interdiscipl. envelhec., Porto Alegre, v. 16.

Freud, S. (2006). Escritores criativos e devaneio. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. (Original Publicado em 1908). Vol. IX. p.135-143.

Malvestiti, R.; Maas, L.; Gontijo, L. A. (2017). A sobrecarga mental de trabalho como um fator desencadeador do estresse ocupacional em educadores infantis. Espacios, v. 38, n.45.

Santos, S. M. P. dos; Cruz, D. R. M. (1997). O lúdico na formação do educador. In: ______. (Org.). O lúdico na formação do educador. Petrópolis: Vozes.

Kishimoto, T. M. (2017). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo-SP: Cortez Editora.

Publicado
2020-09-15
Como Citar
Silva, K. C., & da Fonseca, G. G. (2020). O BRINCAR COMO INTERVENÇÃO E PROMOÇÃO DE SAÚDE NO TRABALHO COM EDUCADORAS INFANTIS. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 118-134. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A8
Seção
Relato de Caso e/ou Experiência