http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/issue/feed Psicologia e Saúde em debate 2018-07-24T16:57:51-03:00 Gilmar Antoniassi Junior editor@dpgpsifpm.com.br Open Journal Systems <h2><strong>Revista Psicologia e Saúde em Debate</strong></h2> <h3><strong><br> ISSN (eletrônico) </strong><strong>2446-922X<br>DOI 10.22289/issn.2446-922X.PSICODEBATE4FPM</strong></h3> <p>A Revista Psicologia e Saúde em Debate é uma publicação de divulgação digital, que visa suprir uma necessidade institucional para as áreas da saúde e psicologia. O periódico tem todos artigos liberados para download em PDF (Portable Document Format) e foi idealizado pelos professores&nbsp;<a href="mailto:cursopsicologia.fpm@hotmail.com" target="_blank" rel="noopener">Gilmar Antoniassi Junior</a>&nbsp;e&nbsp;<a href="mailto:hugo.some@gmail.com" target="_blank" rel="noopener">Hugo Christiano S. Melo</a>. O escopo primário do periódico é divulgar artigos científicos de qualidade, favorecendo o diálogo científico entre pesquisadores de múltiplas instituições e alunos de graduação e pós-graduação.<br> <br> O volume anual é composto por duas publicações, de periodicidade semestral.<br> <br> O corpo editorial da Revista Psicologia e Saúde em Debate não se responsabiliza pelos dados e opiniões expressos nos artigos, sendo estes de inteira responsabilidade dos autores.</p> <h4>Editores-chefe: Prof. Dr. Hugo Christiano Soares Melo<br>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; Prof. MSc. Gilmar Antoniassi Junior</h4> <h4>Normatização geral: Renata Ferreira dos Santos<br>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp;Maria Nazaré Brandão Borges.</h4> <h4>Editoração eletrônica: Hugo C. S. Melo<br>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp;Ernane Júnior da Silva Reis</h4> <h4><br> Todos os artigos da Revista Psicologia e Saúde em Debate possuem DOI.</h4> <p><img src="http://www.giapjournals.org/uploads/2/6/6/2/26621256/7063199_orig.png?166" alt="" width="147" height="130"></p> http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A1 INCIDÊNCIA DE ANEMIA EM PACIENTES COM DOENÇA RENAL ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DO HOSPITAL SÃO LUCAS NO PERÍODO DE FEVEREIRO A JULHO DE 2014 2018-07-24T16:57:46-03:00 José Eurípedes Serafim De Oliveira Filho Serafimbiofarma@hotmail.com Bruno Tolentino Caixeta Brcaixeta@yahoo.com.br <p>A presença da anemia na doença renal crônica é determinada por diferentes fatores. O objetivo desta pesquisa foi entender e explicar a relação da IR no surgimento da anemia, por meio da compreensão de exames e do diagnostico. A metodologia utilizada foi retrospectiva, analítica, explicativa e longitudinal. Analisaram-se os valores dos parâmetros do eritrogama e de ureia pré e pós hemodiálise disponíveis no banco de dados do acervo eletrônico dos pacientes atendidos no Laboratório do Hospital São Lucas da cidade de Patos de Minas durante o período de 6 meses. Do total de 344 exames analisados, houve a ocorrência de anemia em 309 pacientes. Os resultados das médias geral para ambos os sexos foram: hemácias 3,50x106/mm3(±0,61), hemoglobina10,33g/dL(±1,76), hematócrito 31,21%(±5,26), VCM 90,58fL(±7,11), HCM 29,60pg(±2,14), ureia pré 114,09mgdl(±39,48) e ureia pós 34,80mg/dl(±14,07). Os valores encontrados para a ureia foram acima do valor de referência para ambas as etapas. Esta pesquisa teve um parecer consubstanciado aprovado pelo CEP Fundação Educacional de Patos de Minas-AEPM com número de parecer 1.467.943. As evidências propostas enfatizam o papel da Doença Renal Crônica (DRC) em pacientes dialíticos e sua associação com a anemia. O declínio da função renal e por consequência o surgimento da anemia normocítica normocrômica se mostrou presente em 90% dos pacientes devido ser uma das manifestações mais frequentes na DRC.</p> 2018-07-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A2 Utilização do Nintendo Wii: Reabilitação Virtual Em Pacientes Com Paralisia Cerebral 2018-07-24T16:57:50-03:00 Rhannah Lara Alves Costa rhannah.lara@hotmail.com Mariane Fernandes Ribeiro maryanefernandes@yahoo.com.br <p>Esta pesquisa teve como objetivo de analisar a eficácia da Reabilitação Virtual com foco na prática do Nintendo <em>Wii</em> como estratégia terapêutica no tratamento de indivíduos com Paralisia Cerebral (PC) com grau satisfatório de mobilidade funcional. Realizou-se, portanto, uma pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa descritiva, voltada para artigos científicos sobre a temática reabilitação virtual com o Nintendo <em>Wii</em> (NW). Foram encontrados 68 artigos científicos, sendo após uma criteriosa avaliação 61 artigos científicos foram excluídos por não se relacionarem o uso no NW na reabilitação de pessoas com PC. Foram selecionados 07 estudos de casos para uma análise comparativa. Verificou-se que a reabilitação virtual, sobretudo, com o NW, demonstra grandes benefícios como recurso terapêutico no tratamento de pacientes com PC, como melhora do equilíbrio, mobilidade funcional e marcha, além de ser uma atividade prazerosa, em que os pacientes apresentam maior satisfação e interesse em participar do tratamento, buscando cada vez mais uma interação entre o paciente e a técnica. Porém faz-se necessária a realização de estudos com maior rigor metodológico, deve-se avaliar especificamente os aspectos neurológicos e sua associação aos procedimentos de intervenção da reabilitação virtual, tais como: duração da intervenção, número de sessões, frequência e tipos de jogos para que haja padronização de protocolos de tratamento a fim de garantir uma maior confiabilidade nos resultados.</p> 2018-07-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A3 REDUÇÃO DE DANOS NO TRATAMENTO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS: uma prática possível para a família? 2018-07-24T16:57:50-03:00 Moniele Borges da Silva monieleb@yahoo.com.br Juliana Amorim Pacheco de Oliveira juamorimpacheco@hotmail.com <p>O presente trabalho apresenta uma revisão bibliográfica conceitual que tem por objetivo entender qual a percepção da família em relação à estratégia de Redução de Danos voltada para o tratamento dos usuários do CAPS-ad, pois é perceptível que atualmente vive-se uma situação crítica em relação ao uso abusivo do álcool e outras drogas. Diante desta realidade, percebeu-se a necessidade da implantação de um serviço de saúde substitutivo à internação, que respondesse à demanda destes usuários. Assim, com a necessidade de atendimentos diários, foram criados os Centros de Atenção Psicossociais Álcool e Drogas (CAPS-ad), um serviço que busca promover a reabilitação psicossocial, com o cuidado e atenção diária aos usuários e seus familiares, com um trabalho dentro da perspectiva de Redução de Danos (RD). Esta estratégia de tratamento é um conjunto de políticas e práticas cujo objetivo é&nbsp;reduzir&nbsp;os&nbsp;danos&nbsp;associados ao uso de drogas psicoativas em pessoas que não conseguem ou não querem parar de usá-las, ou seja, não busca a abstinência total e imediata no uso de qualquer substância psicoativa. O modelo de tratamento centrado no Hospital Psiquiátrico é substituído por uma rede de atenção à saúde, em respeito aos direitos dos usuários, o que ao contrário do seu isolamento, ele recebe assistência médica em liberdade, no próprio convívio familiar e comunitário.</p> 2018-07-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A4 O MÉTODO APAC: o resgate da humanização no processo de cumprimento de pena de condenados 2018-07-24T16:57:50-03:00 Brenda Estefane Pimenta brendaapac@hotmail.com Gema Galgani da Fonseca a@a.com.br <p>O sistema prisional brasileiro há muito tempo é vítima de críticas por sua ineficiência, pois tão somente o encarceramento não é suficiente para a diminuição das tendências criminais. &nbsp;Realizado na forma de revisão da literatura conceitual, este trabalho propõe a apresentação do Método alternativo Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC), como possibilidade de cumprimento de pena, que surgiu em 1972, na cidade de São José dos Campos/SP com a intenção de humanizar a pena de prisão, possibilitando ao condenado a ressignificação de valores e/ou a sua construção no processo de cumprimento de pena. O estudo mostrou que ressocialização não totaliza apenas pela vertente da punição, e sim, perpassando por intervenções múltiplas não encontradas no sistema prisional comum.</p> 2018-07-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A5 ESTRATÉGIAS OPERACIONAIS PARA PREVENIR E REDUZIR A MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTES DE TRÂNSITO MEDIANTE MOBILIZAÇÃO DA SOCIEDADE E DA PROMOÇÃO DA SAÚDE 2018-07-24T16:57:51-03:00 Claudia Pereira dos Reis a@a.com.br Junia Silva Aparecida juninhasilvasg@gmail.com Walmy Porto da Silva a@a.com.br Delza Ferreira Mendes a@a.com.br <p>A afinidade da <em>Promoção de Saúde</em> e o trânsito se verifica a partir da <em>Classificação Internacional de Doenças – 10<sup>a </sup>Revisão (CID-10),</em> que considera que os acidentes e as violências ou causas externas de morbimortalidade, são determinados também pelos acidentes de trânsito. Baseado nesta afirmativa o objetivo deste artigo é sugerir, fundamentado em estudos científicos relacionados a Promoção da Saúde, estratégias operacionais dirigidas a prevenir e ou reduzir a morbimortalidade por acidentes de trânsito. &nbsp;Os dados apurados na revisão sistemática apontam que a Promoção da Saúde junto a Psicologia Hospitalar podem oferecer significativas contribuiçõespara lidar com os problemas relacionados aos acidentes de trânsito. Diferentes estratégias podem ser adotadas como realizar campanhas educativas públicas por meio de eventos que envolva todas as faixas etárias, criar ações preventivas com parcerias intersetorias como área da educação e ação social desenvolvidas com foco na educação em saúde, designar ações preventivas desenvolvidas com foco na prevenção do uso de álcool, adotar uma perspectiva de promoção da saúde, considerando as diferentes perspectivas e formas de lidar com os determinantes dos acidentes de trânsito, integrar os sistemas de informação de saúde para que possam dialogar e melhorar a qualidade da informação como auxílio para políticas públicas de prevenção de lesões o trânsito. Mas, as estratégias dirigidas para prevenir e ou reduzir os acidentes de trânsito, requerem o envolvimento de toda a sociedade e diferentes setores públicos e privados,tanto para formular, quanto para conseguir coloca-las em prática.&nbsp;&nbsp;</p> 2018-07-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A6 LESÃO POR PRESSÃO: uma revisão de literatura 2018-07-24T16:57:51-03:00 Victor Constante Oliveira victor.biologia@hotmail.com Sarah Alves Rodrigues Constante sarah.enfermagem@hotmail.com <p>As lesões por pressão (LP) são decorrentes da isquemia formada pela compressão extrínseca e prolongada da pele, tecidos adjacentes e ossos, sendo considerado um problema relevante na área de atenção à saúde. O objetivo deste estudo foi elucidar as principais características das LP, bem como as formas de diagnóstico, fatores de risco, intervenções e tratamento. Utilizou-se uma pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa descritiva, fundamentada em produções científicas disponíveis em base de dados indexadas (PubMed, Lilacs e SciELO, na língua inglesa e portuguesa). Foram consultadas 35 referências publicadas entre 1987 e 2017.&nbsp; Observou-se que há vários dados presentes na literatura sobre LP, mas a maioria aborda temas específicos. Assim, essa revisão possibilitou uma maior compreensão das principais características das LP, bem como dos procedimentos a serem adotados durante o atendimento aos pacientes com essas feridas, visando sempre o melhor atendimento e o melhor tratamento possível.</p> 2018-07-18T17:23:08-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A7 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: a contribuição do psicólogo organizacional 2018-07-24T16:57:51-03:00 Kassia Alves Silva Alves Alves Silva kassiaalvesv86@gmail.com Bráulio Emílio Maciel Faria braulioemilio@gmail.com <p>O presente estudo tem como objetivo principal investigar as contribuições dos psicólogos organizacionais ao implemento de gestões de qualidade de vida no trabalho, considerando as atribuições do papel organizacional do psicólogo. Este estudo também visa oferecer embasamento para o entendimento do papel do psicólogo organizacional para pesquisadores da área, empreendedores e funcionários das empresas dos mais diversos segmentos, assim como sugerir alternativas para a ampliação do papel do psicólogo frente às empesas. A motivação e liderança são resultados de atitudes confiáveis da área de Recursos Humanos voltada para a satisfação de seus funcionários, tendo como base as recompensas oferecidas aos empregados, sejam monetárias ou não monetárias. Para tal, conceituação foram utilizadas as teorias advindas de pesquisadores da área estudada, apresentadas e adequadas aos objetivos de cada colaborador, passando pela importância que estes geram à empresa e à contribuição exercida pelo Psicólogo Organizacional. Com o estudo embasado em artigos relacionados à qualidade de vida do trabalhador e em livros desta área, conclui-se que tal tema é extremamente relevante no mercado atual, despertando o interesse de muitas empresas. Conclui-se também que, empresas que adotam estratégias de Qualidade de Vida quase sempre optam por um profissional da área, como o Psicólogo Organizacional, esperando que os mesmos contribuam para o resultado positivo da empresa.</p> 2018-07-18T17:28:39-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A8 Kehl, M. R. (2015). O tempo e o cão: a atualidade das depressões (2a ed.). São Paulo: Boitempo. 2018-07-24T16:57:50-03:00 Salete Mendes Costa saletecristinacp@hotmail.com Leonardo Carrijo Ferreira p.i.i.h@hotmail.com 2018-07-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A9 Viorst, J. (2005). Perdas Necessárias (5a ed.). (A. S. Rodrigues, Trad.) São Paulo: Melhoramentos 2018-07-24T16:57:50-03:00 Priscila Cristina da Silva p.psic6440@gmail.com Leonardo Carrijo Ferreira p.i.i.h@hotmail.com Karla Priscilla Lemgruber karlalemgruber@hotmail.com 2018-07-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A10 Dejours, C., Abdoucheli, E., & Jayet, C. (2014). Psicodinâmica do Trabalho (1a ed.). São Paulo: Atlas 2018-07-24T16:57:50-03:00 Crislane Costa Silva cris_lane@hotmail.com.br Constance Rezende Bonvicini contancebonvicini@yahoo.com.br 2018-07-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V4N2A11 Lacombe, F. J. M (2011). Recursos Humanos: princípios e tendências (2a ed.). São Paulo: Saraiva 2018-07-24T16:57:51-03:00 Jheniffer Teixeira Bemfica jhenfferbemfica@yahoo.com.br Cíntia Cristina de Moura cintiacm.moura@gmail.com Constance Rezende Bonvicini constancebonvicini@yahoo.com.br 2018-07-18T18:44:56-03:00 ##submission.copyrightStatement##