A INFLUENCIA DAS REDES SOCIAIS NO HIPERCONSUMO NA SOCIEDADE PÓS-MODERNA

Autores

  • Mariana Helloá de Oliveira Gomes Núcleo de Clínica Ampliada Fenomenológica e Existencial

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A34

Palavras-chave:

redes sociais, hiperconsumo, pós-modernidade

Resumo

Este trabalho tem como objetivo refletir o uso das redes sociais, em que as pessoas consomem produtos incessantemente e transformam a si mesmas em objeto de consumo. Inicialmente será percorrido o caminho de desenvolvimento das redes sociais e posteriormente exploradas as características da sociedade pós-moderna e princípios norteadores, bem como a demanda da psicoterapia dentro deste contexto imediatista. Em sequência será buscado o entendimento sobre os mecanismos de indução ao consumo. A pesquisa é de uma revisão bibliográfica de abordagem qualitativa, desenvolvida por meio de uma exploração da literatura julgada pertinente ao tema com período de publicação entre 1993 e 2019 de acesso livre e no idioma português embasado principalmente pelos pensamentos de Bauman e Lipovetsky, encontradas nas bases de dados on-line Google Acadêmico, Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) Periódicos Eletrônicos em Psicologia (PEPSIC) e Scientif Eletronic Libray Online (SCIELO), e apoio de acervo próprio. Pode-se averiguar que as redes sociais influenciam sobre maneira o consumo exacerbado, em razão de sua natureza persuasiva e estratégias de manipulação, entretanto, não foi possível um aprofundamento no tema devido à escassez de artigos acadêmicos abordados pela psicologia com abrangência do tema especifico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Helloá de Oliveira Gomes, Núcleo de Clínica Ampliada Fenomenológica e Existencial

Graduada em Psicologia pela Universidade Anhanguera (2020) e pós-graduanda em Psicologia Existencial Sartriana pelo Núcleo de Clínica Ampliada Fenomenológica e Existencial. Psicóloga do Centro de Referência Especializada em Assistência Social de São José dos Campos (CREAS-Sul).

Referências

Alegria, C. M. (2019). Implicações da Gestalt-terapia Frente às Relações de Hiperconsumo. Estudos e Pesquisas em Psicologia, vol. 19(spe), 964-977. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812019000400008&lng=pt&tlng=pt.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Jorge Zahar Ed.

Bauman, Z. (2008). Vidas para o consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Jorge Zahar.

Benakouche, T. (1997). Redes técnicas/redes sociais: pré-história da internet no brasil. Revista USP, vol. (35), 124-133. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i35p124-133

Calazans, J. & Lima, C. (2013). Sociabilidades virtuais: do nascimento da internet a popularização dos sites de redes sociais online. 9°enconro nacional de história da mídia. UFOP. https://docplayer.com.br/16006035-Sociabilidades-virtuais-do-nascimento-da-internet-a-popularizacao-dos-sites-de-redes-sociais-online-1.html. Acesso em 04.abr.2020

Colombo, C. P. S. T. N. R. (2012). Hiperconsumo: comunicação, condicionamento e compras das décadas de decisão à década de descontrole. [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]

Guiddens, A. (2002). Modernidade e identidade. Jorge Zahar.

Lanier, J. (2018). Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais. Intrinseca.

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal: Ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Trad. Maria Lucia Machado. Companhia das letras.

Moore, T. (1993). Cuide de sua alma. Siciliano.

Silva, C. R. M. & Tessarolo, F. M. (2016). Influenciadores Digitais e as Redes Sociais Enquanto Plataformas de Mídia. In: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação São Paulo. SP – 05 a 09/09/2016. http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-2104-1.pdf Acesso em 18 Set. 2020

Barbosa, C. C. N., Silva, M. C. & Brito, P. L. A. (2019). Publicidade ilícita e influenciadores digitais: novas tendências da responsabilidade civil. Revista IBERC, vol. 2, n (2). https://doi.org/10.37963/iberc.v2i2.55

Viana, R. F. (2017). Psicoterapia na era do “fast food”: dilemas e desafios do psicólogo clinico na pós-modernidade. Universidade Federal Fluminense. https://app.uff.br/riuff/handle/1/6923

Downloads

Publicado

31-10-2023

Como Citar

de Oliveira Gomes, M. H. (2023). A INFLUENCIA DAS REDES SOCIAIS NO HIPERCONSUMO NA SOCIEDADE PÓS-MODERNA. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 577–586. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A34

Edição

Seção

Estudo Teórico