INTERVENÇÕES NA PARENTALIDADE PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL INFANTIL MEDIADAS PELA BIBLIOTERAPIA

Autores

  • Sarah Donato de Moura Frota Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade de Fortaleza
  • Nilson Vieira Pinto Instituto Federal do Ceará
  • Thiago Medeiros da Costa Daniele Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade de Fortaleza https://orcid.org/0000-0003-1241-7068
  • Mariana Cavalcante Martins Universidade Federal do Ceará https://orcid.org/0000-0001-8234-8980
  • Karla Maria Carneiro Rolim Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade de Fortaleza https://orcid.org/0000-0002-7914-6939
  • Mirna Albuquerque Frota Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade de Fortaleza

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A14

Palavras-chave:

Saúde mental, Parentalidade, Biblioterapia, Educação infantil

Resumo

Este estudo teve por objetivo compreender os sentidos da parentalidade sob o olhar de pais no cuidado à saúde mental na primeira infância, propondo intervenções mediadas pela Biblioterapia. Trata-se de uma pesquisa de abordagem mista realizada por meio da entrevista semiestruturada e do grupo focal biblioterapêutico. Constatou-se que a capacidade de mudança na mentalidade e no comportamento dos pais tem implicações no desenvolvimento da criança, a partir da compreensão dos significados atribuídos por eles aos comportamentos dos filhos. Ainda, que a prática de metaparentagem, construto que significa o aprimoramento da competência parental, redução do estresse e adoção de práticas educativas positivas, é efetiva no exercício da parentalidade promotora de saúde mental. E, favorece relacionamentos contínuos entre pais e filhos e interações sociais duradouras, oportunizando o desenvolvimento psíquico, cognitivo, comportamental e emocional de seus filhos. Considera-se que os pais que tiverem acesso às intervenções na parentalidade que incentivem o autoconhecimento (pensamentos com consciência) e a aprendizagem (cognição social) podem gerar transformações significativas provocadas pela mudança de comportamento e cuidado de si, modificando o ambiente e contexto social em que a criança estiver inserida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Al-Qadri, A. H., Saraa, N., Boudouaia, A., Nargiza, N. (2022). A study on meta-parenting: Yemeni parental cognition. Science Direct, 8(11), e11603. https://doi.org/10.1016/j.heliyon.2022.e11603

Altafim, E. R. P., Linhares, M. B. M. (2022). Programa de parentalidade: Da evidência científica para a implementação em escala. Revista Brasileira de Avaliação, 11(3), e111122. http://dx.doi.org/10.4322/rbaval202211011

Brito, R. F. G. (2021). Biblioterapia Parental: estratégia para desenvolvimento de parentalidades promotoras de saúde mental infantil. Tese de Doutorado, Universidade de Fortaleza, Fortaleza. Disponível em: https://www.unifor.br/web/guest/bdtd?course=1468&registration=1714125.

Caminha, M. G., Caminha, R. M. (2011). Intervenções e treinamento de pais na clínica infantil. Porto Alegre: Sinopsys, 368p.

Carvalho, O., Lobo, C. C., Menezes, J., Oliveira, B. (2019). O valor das práticas de educação parental: visão dos profissionais. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 27(104), 654-684. https://doi.org/10.1590/S0104-40362019002701653

Carvalho, V. D., Borges, L. O., Rego, D. P. (2010). Interacionismo simbólico: origens, pressupostos e contribuições aos estudos em Psicologia Social. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(1), 146-161. https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000100011

D’Affonseca, S. M., Williams, L. C. A. (2013). Metaparentagem: uma nova possibilidade de avaliar a parentagem. Psicologia em Estudo, 18(1), 83-92. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s1413-73722013000100009&lng=en&nrm=iso

Detoni, B., Arteche, A. X., Pizzinato, A. (2021). Escola de pais do Brasil: prevenção e promoção de práticas parentais positivas. Rev. SPAGESP, 22(2), 33-46. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rspagesp/v22n2/v22n2a04.pdf.

Faria, N. C., Rodrigues, M. C. (2020). Promoção e prevenção em saúde mental na infância: implicações educacionais. Psicologia da Educação, 51(2), 85-96. https://doi.org/10.23925/2175-3520.2020i51p85-96

Gerhardt, S. (2017). Por que o amor é importante: como o afeto molda o cérebro do bebê. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 301p.

Ghedin, E., Franco, M. A. S. (2008). Questões de método na construção da pesquisa em educação. São Paulo: Cortez.

Gomes, R., Deslandes, S. F., Moreira, M. C. N. (2020). As abordagens qualitativas na Revista Ciência & Saúde Coletiva (1996-2020). Ciência & Saúde Coletiva, 25(12), 4703-4714. https://doi.org/10.1590/1413-812320202512.18142020

Gomide, P. I. C. (2017). Inventário de Estilos Parentais-IEP: modelo teórico, manual de aplicação, apuração e interpretação. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 96p.

Guisso, L., Bolze, S. D. A., Vieira, M. L. (2019). Práticas parentais positivas e programas de treinamento parental: uma revisão sistemática da literatura. Revista Contextos Clínicos, 12(1), 226-255. doi: 10.4013/ctc.2019.121.10

Gusmão, A. O. M., Souza, E. G. J. (2020). A Biblioterapia como ferramenta de restabelecimento emocional. Investigación bibliotecológica, 34(85), 33-59. https://doi.org/10.22201/iibi.24488321xe.2020.85.58166

Haguette, T. M. F. (2007). Metodologias qualitativas na sociologia. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Hawk, C. K., Holden, G. W. (2006). Meta-Parenting: An Initial Investigation into a New Parental Social Cognition Construct. Parenting: Science and Pratice, 6(4), 321-34 https://doi.org/10.1207/s15327922par0604_3

Holden, G. W., Hawk, C. K. (2003). Meta-Parenting in the Journey of Child-Rearing: A Cognitive Mechanism for Change. In L. Kucqynski (Ed.), Handbook of Dynamics of Parent-Child Relations, pp. 189-210, Thousand Oaks, CA: Sage. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4135/9781452229645.n10.

Leite, A. C. de O. (2019). Fundamentos de Biblioterapia. São Paulo: Vayu Editora, 120p.

Lopes, C. H. A. F., Jorge, M. S. B. (2005). Interacionismo simbólico e a possibilidade para o cuidar interativo em enfermagem. Rev. Escola de Enfermagem da USP, 39(1), 103-108. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reeusp/a/BhVgfDP37BkcPst9sbgwmzt/?format=pdf&lang=pt.

Marinho, M. T., Martins, I. C. (2021). Práticas educativas com enfoque parental para a promoção do desenvolvimento infantil na primeira infância: uma revisão. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, 7(5), 83–97. https://doi.org/10.51891/rease.v7i5.1178

Marques, I. P., Minelli, M., Ferigato, S. H., Marcolino, T. Q. (2022). Saúde mental global: pistas a partir de uma experiência de cooperação entre Brasil e Itália. Ciência & Saúde Coletiva, 27, 1669-1678. https://doi.org/10.1590/1413-81232022274.08642021

Martorell, G., Papalia, D. E., Feldman, R. D. (2020). O mundo da criança: da infância à adolescência. 13ª ed. Porto Alegre: AMGH, 582p.

Medeiros, C. C., Franzoi, M. A. H., Silveira, A. O. (2020). Cuidado parental e promoção do desenvolvimento infantil no contexto da prematuridade. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 33. https://doi.org/10.5020/18061230.2020.11656

Oliveira, J. C. D., Penido, C. M. F., Franco, A. C. R., Santos, T. L. A. D., & Silva, B. A. W. (2022). Especificidades do grupo focal on-line: uma revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, 27, 1813-1826. https://doi.org/10.1590/1413-81232022275.11682021

Pinto da Silva, A. C. C., Corrêa de Melo Santiago, M., Aguiar, J., Müller Rubert, L., Argemi Cassel, P., Firpo Bittencourt, M., & Lieberknecht Wathier Abaid, J. (2020). Orientação Parental em Grupo com cuidadores de adolescentes: um relato de experiência. PSI UNISC, 4(2), 165-185. https://doi.org/10.17058/psiunisc.v4i2.14944

Rodrigues, M. F. da S. (2019). Efeitos de um programa preventivo de orientação parental com base em práticas positivas: coletânea de casos. Dissertação de Mestrado, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo. Disponível em: https://dspace.mackenzie.br/bitstream/handle/10899/22756/M%c3%a1rcia%20Ferreira%20da%20Silva%20Rodrigues.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Seabra, A. G., Laros, J. A., Macedo, E. C., & Abreu, N. (2014). Inteligência e funções executivas: avanços e desafios para a avaliação neuropsicológica. São Paulo: Memnon.

Seixas, C. (2018). Vivências em Biblioterapia: práticas do cuidado através da literatura. Niterói. Coleção Biblioterapia vol. 03. Niterói: Editora Cândido.

Silva, T. M. C. (2020). Biblioterapia no enfrentamento do bullying na infância. Dissertação de Mestrado, Universidade de Fortaleza, Fortaleza. Disponível em: https://uol.unifor.br/oul/conteudosite/?cdConteudo=10809631.

Sood, M., Chand, D. (2021). Meta-parenting: an indian perspective. International Journal of Advanced Research and Review, 6(2), 29-38. Disponível em: https://www.ijarr.in/Admin/pdf/meta-parenting-an-indian-perspective.pdf.

Teixeira, A. C. B., Dadalto, L. (2021). Autoridade Parental: dilemas e desafios contemporâneos. 2ª Ed. Indaiatuba: Editora Foco, 400p.

Trad, L. A. B. (2009). Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis: revista de saúde coletiva, 19(3), 777-796. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/physis/v19n3/a13v19n3.pdf

Vila, E. M. (2019). Efeitos de um programa parental em grupo para mães de crianças com problemas de comportamento: um estudo experimental. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/62490/R%20-%20T%20-%20EDMARCIA%20MANFREDIN%20VILA.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Downloads

Publicado

12-09-2023

Como Citar

de Moura Frota, S. D., Pinto, N. V., Daniele, T. M. da C., Martins, M. C., Rolim, K. M. C., & Frota, M. A. (2023). INTERVENÇÕES NA PARENTALIDADE PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL INFANTIL MEDIADAS PELA BIBLIOTERAPIA. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 249–270. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A14

Edição

Seção

Artigo original