ANÁLISE DA QUALIDADE DE SONO EM PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO E SUPERIOR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A11

Palavras-chave:

Transtornos do Sono-Vigília, Distúrbios do Sono por Sonolência Excessiva, Distúrbios do Início e da Manutenção do Sono

Resumo

A má qualidade do sono está intrinsecamente vinculada aos distúrbios do sono, os quais decorrem de mudanças em aspectos físicos, ocupacionais, cognitivos e sociais, culminando em um impacto prejudicial na qualidade de vida. Notavelmente, jornadas de trabalho prolongadas e intensas emergem como fatores que desencadeiam tais distúrbios, particularmente evidenciados no contexto dos professores. Esse cenário se reflete por meio da manifestação de uma gama de sintomas e manifestações no corpo, que são indicativos do impacto do estresse: exaustão física e mental, irritabilidade, ansiedade, tristeza, dificuldades de concentração, indecisão, baixa autoestima, reações explosivas, entre outros. Nesse contexto, o presente estudo se propôs a avaliar a qualidade do sono em professores, reconhecendo a significância do tema. Utilizando a Escala de Sonolência de Epworth, a qualidade do sono foi analisada em uma amostra de 52 professores de níveis básico e superior. Os resultados revelaram que 27% dos professores apresentam uma qualidade de sono insatisfatória, com 15% exibindo sintomas evidentes de distúrbios do sono. Importante notar que os achados desta pesquisa se alinham harmoniosamente com estudos prévios, reforçando a conexão entre o sono e a qualidade de vida dos professores, contribuindo para o surgimento de estresse, distúrbios do sono e prejuízos na capacidade de concentração e raciocínio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo, P. A. B., Sties, S. W., Wittkopf, P. G., Schmitt Netto, A., Gonzales, A. I., Lima, D. P., Guimarães, S. N., Aranha, E. E., Andrade, A., & Carvalho, Tales. (2015). Pittsburgh Sleep Quality Index For Use In Cardiopulmonary And Metabolic Rehabilitation. Rev bras med esporte. 21(6). 472-475. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922015000600472&script=sci_abstract

Ayala-Guerrrero, F., Aguilar, A. R. E., & Medina, G. M. (2010). Mecanismos reguladores do ciclo vigília-sono. (Trad) Barchuk, A. R. In: Reimão, R.; Valle, L.; Valle, E.; & Rossini, S. Sono & Saúde - Interface com a Psicologia e a Neurologia. Novo Conceito.

Barroso, M. L., Oliveira, G. F., Carvalho, A. C. F., Batista, H. M. T., & Menezes, G. B. S. (2015). Estresse e uso de álcool em enfermeiros que trabalham em urgência e emergência. Cadernos de Cultura e Ciência. 13(2). 60-75. http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/cadernos/article/view/845

Banhiran, W., Assanasen, P., Nopmaneejumruslers, C., & Metheetrairut, C. (2011). Epworth sleepiness scale in obstructive sleep disordered breathing: the reliability and validity of the Thai version. Sleep Breath. 15(3). 571-577. https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11325-010-0405-9

Bertolazi, A. N. (2008). Tradução, adaptação cultural e validação de dois instrumentos de avaliação do sono: Escala de sonolência de Epworth e Indice de Qualidade do Sono de Pittsburgh. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/14041

Borges, S. L., Santos, C., Saraiva, A., & Pocinho, M. T. (2018). Avaliação de fatores de risco psicossociais: estudo com docentes do ensino superior. RPICS. 4(1). 22-33. https://rpics.ismt.pt/index.php/ISMT/article/view/54

Buysse, D. J., Reynolds, C. F., Monk, T. H., Berman, S. R., & Kupfer, D. J. (1989). The Pittsburgh Sleep Quality Index: a new instrument for psychiatric practice and research. Psychiatry Res. 28(2). 193-213. https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0165178189900474

Corrêa K., & Ceolim, M. F. (2008). Qualidade do sono em pacientes idosos com patologias vasculares periféricas. Rev Esc Enferm USP. 42(1). 12-8. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342008000100002&script=sci_abstract&tlng=pt

Fontinhas, J. E., & Cardoso, J. M. M. (2016). O Estresse no Trabalho do Enfermeiro. Rev Uningá. 51(1). 78-86. http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1330

Frasson, M. Z., Monteiro, L. F., Corrêa, J. M., & Wrzesinski, A. (2014). Avaliação da qualidade do sono e fatores associados em estudantes de medicina. ACM arq catarin med. 43(4). 34-37.

Gaspar, S., Moreno, C., & Menna-Barreto, L. (1998). Os plantões médicos, o sono e a ritmicidade biológica. AMB rev Assoc Med Bras. 44(3). 239-245. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42301998000300013

Johns, M. W. (1991). A new method for measuring daytime sleepiness: the Epworth sleepiness scale. Sleep.14(6). 540-545. https://academic.oup.com/sleep/article/14/6/540/2742871

Lorena, A. C. A., & Araújo, C. L. O. (2012). Qualidade de vida e nutricional dos professores de uma faculdade privada do Vale do Paraíba. REENVAP. (2). 91-103. http://unifatea.com.br/seer3/index.php/REENVAP/article/download/83/72/

Lustosa, M. F., Sá, C. M. A. T., Cavalcanti, A. C., Medeiros, R. A. B., Nova, L. P. V., & Pedrosa, R. P. (2016). Perfis metabólico e nutricional como preditores da síndrome da apneia obstrutiva do sono. Rev Nutr. 29(5). 665-678. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-52732016000500665&script=sci_abstract&tlng=pt

Martinez, I. C. M. M. (2017). Cuidar de quem cuida: estudo sobre qualidade do sono de professoras do ensino fundamental. [Dissertação de Mestrado, Universidade de Campinas]. http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/328505

Matnei, T., Deschk, M. A. S., Sabatini, J. S., Souza, L. P., Santos, R. F., & Camargo, C. H. F. (2017). Correlação da Escala de Sonolência de Epworth com alterações na polissonografia na avaliação da sonolência excessiva diurna em pacientes com síndrome da apneia-hipopneia obstrutiva do sono. Medicina. 50(2). 102-8. http://revista.fmrp.usp.br/2017/vol50n2/AO3-Correlacao-da-Escala-de-Sonolencia-de-Epworth.pdf

Moreira, H. F. F. M., & Oliveira, J. A. C. (2017). Impactos da Memorização e Aprendizagem no Desenvolvimento Profissional e Ambiente de Trabalho. [Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Pindamonhangaba].

?

Palácios, R. A. (2014). Docente ou Doente: como fica a rotina dos profissionais da educação com o crescente adoecimento emocional? [Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Pampa]. https://dspace.unipampa.edu.br/bitstream/riu/1260/1/Palacios%2C%20Rosiane%20Alves.%20Docente%20ou%20doente%20como%20fica%20a%20rotina%20dos%20profissionais%20da%20educa%C3%A7%C3%A3o%20com%20o%20crescente%20adoecimento%20emocional.pdf

Turco, T. G., Reimão, R., Rossini, S., Antônio, M. A. R. G. M, & Barros Filho, A. A. (2011). Sleep Disorders and Quality of Life in Obese Children and Adolescents: Literature Review.

Rev Neurol. 74. 201-218. https://revistaneurobiologia.com.br/edicoes/ano-2010/volume-73-abr-jun/108-naiara-guiurizzato-gerlin

Santos, L. C., Castro, N. J., Ruback, O. R., Trigo, T. J. B., & Rocha, P. M. B. (2014). Transtornos do ciclo sono-vigília/circadiano - uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. 7(2). 38-43. https://www.mastereditora.com.br/periodico/20140702_165353.pdf

Silva, L. M. S., Periera, F. D., Novello, T. P., & Silveira, D. S. (2018). Relação entre a desvalorização profissional e o mal-estar docente. RELACult. 4. 1-10. http://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/752

Souza, N. A., & Leite, P. M. (2011) Condições de trabalho e suas repercussões na saúde dos professores da educação básica no Brasil. Cad CEDES. 32(117). 1105-1121. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302011000400012&script=sci_abstract&tlng=pt

Valle, L. E. L. R. (2011). Estresse e distúrbios do sono no desempenho de professores: saúde mental no trabalho. [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo]. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-22072011-104245/publico/valle_do.pdf

Downloads

Publicado

01-09-2023

Como Citar

Soares, N. M., Pereira, S. G., Júnior, G. A., & Soares Melo, H. C. (2023). ANÁLISE DA QUALIDADE DE SONO EM PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO E SUPERIOR. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 208–219. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A11

Edição

Seção

Artigo original