ESTIMULAÇÃO PRECOCE SENSORIAL COM CAVALOS DE BEBÊS COM SÍNDROME DE DOWN

Autores

  • Edilaine Mazolini Universidade Federal do Espírito Santo - UFES https://orcid.org/0009-0006-0003-1693
  • Cláudia Patrocinio Pedroza Canal Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A41

Palavras-chave:

Terapia assistida por Cavalos;, Síndrome de Down, Desenvolvimento infantil

Resumo

O desenvolvimento motor e cognitivo do bebê com Síndrome de Down (SD) é marcado por características clínicas que impactam seu desempenho. A estimulação precoce pode contribuir para minimizar prejuízos no desenvolvimento desse bebê. Entre as estratégias para intervenção está a Terapia Assistida com Equinos, que proporciona ganhos físicos, psíquicos, educacionais, por meio dos recursos do cavalo e de seu ambiente. Assim, o objetivo do estudo foi descrever aspectos do desenvolvimento motor e cognitivo de bebês com SD durante participação em programa de estimulação precoce sensorial com cavalos. Participaram quatro bebês (1 a 2 anos) que frequentaram por 20 sessões com frequência de 1 ou 2 vezes por semana. Utilizou-se como instrumentos: 1) Protocolo de estimulação precoce sensorial com cavalos e 2) Check list para avaliação dos comportamentos durante as sessões. Os resultados foram analisados em cinco categorias: relação com a equipe, reação frente às atividades propostas, relação com o animal, interesse em tocar o animal e sensibilidade no contato com o animal. Foi possível observar interação positiva com equipe, com demonstração de afeto. Quanto à interação com o animal, todos os bebês demonstraram interesse pelo contato, o que favoreceu a aprendizagem adquirida.  Ao longo das sessões notou-se um maior repertório motor e prontidão para execução dos movimentos necessários para cumprir as atividades. Concluindo, evidencia-se a importância que a estimulação precoce sensorial com cavalos pode ter de forma a favorecer diferentes domínios de desenvolvimento sensório-motor dos bebês com SD.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilaine Mazolini, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

-

Cláudia Patrocinio Pedroza Canal, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

-

Referências

Almeida, D. R., Battistello, V. C. M., Menegotto, L. M. O., & Martins, R. L. (2020). Alfabetização e síndrome de Down nas pesquisas brasileiras. Revista educação PUC – Campinas. 25, e204910. https://doi.org/10.24220/2318-0870v25e2020a4910

Bermurdez, B. E. B. V., Medeiros, S. L., Bermudez, M. B., Novadzki, I. M., & Magdalena, N. I. R. (2015). Down syndrome: Prevalence and distribution of congenital heart disease in Brazil. São Paulo Medical Journal, 133(6), 521–524. https://doi.org/10.1590/1516-3180.2015.00710108

Bonomo, L. M. M., & Rossetti, C. B. (2010). Aspectos percepto-motores e cognitivos do desenvolvimento de crianças com síndrome de Down. Journal of Human Growth and Development, 20(3), 723-734. https://doi.org/10.7322/jhgd.19980

Borella, M. de P., & Sacchelli, T. (2009). Os efeitos da prática de atividades motoras sobre a neuroplasticidade. Revista Neurociências, 17(2), 161–169. https://doi.org/10.34024/rnc.2009.v17.8577

Borges, M. B. S., Werneck, M. J. S., Silva, M. L, Gandolfi, L., & Pratesi, R. (2011). Therapeutic effects of a horse riding simulator in children with cerebral palsy. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 69(5), 799-804. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2011000600014

Copetti, F., Mota, C. B., Graup, S., Menezes, K. M., & Venturini, E. B. (2007). Comportamento angular do andar de crianças com síndrome de Down após intervenção com equoterapia. Brazilian Journal of Physical Therapy, 11(6), 503-507. https://doi.org/10.1590/S1413-35552007000600013

Dalrymple, R. A., Somerville, L. H., Hamza, S., & Matta, N. (2022). Fifteen-minute consultation: The review of a child with trisomy 21 (Down’s syndrome). Archives of Disease in Childhood - Education and Practice. 107, 88-94. http://dx.doi.org/10.1136/archdischild-2020-319814

Defilipo, E. C., Amaral, P. C., Souza, N. T., Ribeiro, C. T. M., Chagas, P. S. C., & Ronzani, F. A. (2015). Prevalência de instabilidade atlantoaxial e sua associação com sinais clínicos em crianças com síndrome de down. Journal of Human Growth and Development, 25(2), 151-155. https://doi.org/10.7322/jhgd.102996

Domingos, E.B. J., Mello, E.C., Lage, J. B., Ribeiro, M.F., Ferreira, A. A., Teixeira, V. de P. A., & Espindula, A. P. (2023). Analysis of strength and electromyographic activity of lower limbs of individuals with down syndrome assisted in physiotherapy and hippotherapy. Journal of Bodywork and Movement Therapies. 36, 83-88. https://doi.org/10.1016/j.jbmt.2023.05.009

Duarte, M. T. N., Nobre, M. de O., Rodriguez, R. de C. M. C., Szortyka, A. L. S. C., Krug, F., Görgen, E. S., Kramer, A. R. B., Santos, V. de G., Hertzberg, J. C., Severo, T. S. de, Bresolin, S. D., Silva, R. M. L. da, Schuster, J. G., Perez, C. do C., Heemann, I. M., & Santos, F. B. P. (2017). O cão como aspecto motivador de crianças com transtorno do espectro autismo. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, (01), 280-283. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.01.2794

Fernandes, T. dos Reis, Souza, L. L. de, & Ribeiro, M. F. (2018). Os efeitos da equoterapia no equilíbrio de praticantes com síndrome de down. Psicologia e Saúde em Debate, 4(1), 119–129. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N1A7

Gallahue, D. L., & Ozmun, J.C. (2005). Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. Phorte.

Gusman, S., & Torre, C.A. (1999). Fisioterapia na Síndrome de Down. Mennon.

Kaya, Y., Saka, S. & Tuncer, D. (2023). Effect of hippotherapy on balance, functional mobility, and functional independence in children with Down syndrome: randomized controlled trial. European Journal of Pediatrics. 182, 3147–3155. https://doi-org.ez43.periodicos.capes.gov.br/10.1007/s00431-023-04959-5

Lopes, J., Prieto A. V., Santos, J. A. T., Smaili, S.M., & Filho, P.B.G. (2019). Efetividade da equoterapia na marcha de crianças com paralisia cerebral: revisão sistemática de ensaios clínicos. Revista Brasileira Neurologia, 55(1), 25-34. https://doi.org/10.46979/rbn.v55i1.24893

Marchizeli, J. C. P., Galetti, F. C. (2008). Estímulos sensório-motores proporcionados ao praticante de equoterapia pelo cavalo ao passo durante a montaria. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde. XII(2), 63-79. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=26012841006

Monteiro, C. B. M, Silva, T. D., Abreu, L. C., Fregni, F., Araujo, L.V., Ferreira, F. H. I. B., & Leone, C. (2017). Short-term motor learning through non-immersive virtual reality task in individuals with down syndrome. BMC Neurology, 17(1) 71. https://doi.org/10.1186/s12883-017-0852-z

North American Riding for the Handicapped Association (NARHA). (2003). Atlantoaxial Instability (AAI) - Precautions & Contraindication to the Therapeutic Riding. http://www.narha.org/members/p&c/SEC%20E.pdf

Raimundo, A. C. de L., Santos, A. R. de L., Pessoa, G. N. L., Silva, M. J. B., & Santana, A. C. V. (2019). A importância do trabalho multidisciplinar no contexto da estimulação precoce. GepNews. 3(1), 46-52. https://www.seer.ufal.br/index.php/gepnews/article/view/7801

Ramos, B. B., & Müller, A. B. (2019). Marcos motores e sociais de crianças com Síndrome de Down na estimulação precoce. Revista Interdisciplinar Ciências Médicas, 4(1), 37-41. https://revista.fcmmg.br/index.php/RICM/article/view/95/92

Santos, C. C. T., Rodrigues, J. R. S. M., & Ramos, J. L. S. (2021). A atuação da fisioterapia em crianças com síndrome Down. Revista JRG de Estudos Acadêmicos, 4(8), 75-85. https://doi.org/10.5281/zenodo.4603138

Santos, G. R., Cabral, L. C., Silva, L. R., & Dionisio, J. (2020). Estimulação fisioterapêutica em lactentes com Síndrome de Down para ganho do engatinhar. Fisioterapia em Movimento, 33(2), 1-9. https://doi.org/10.1590/1980-5918.033.AO54

Santos, N. C. A., & Menezes, A. A. (2010). Coordenação motora da criança com Síndrome de Down na Escola de Ensino Regular e Especial. In: Colóquio Internacional: educação e contemporaneidade. Anais. https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/10210/9/8.pdf

Srinivasan, S. M., Cavagnino, D. T., & Bhat, A. N. (2018). Effects of equine therapy on individuals with autism spectrum disorder: A systematic review. Review journal of autism and developmental disorders, 5 (2), 156-75. https://doi.org/10.1007s40489-018-0130-z

Ventura, M.M. (2007). O estudo de caso como modalidade de pesquisa. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro, 20 (5), 383-386. http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2007_05/a2007_v20_n05_art10.pdf

Walter, G.B. (2013). Equoterapia: Fundamento científicos. Atheneu.

White, A. N., Chevette, M., Hillerstrom, H., & Esbensen, A. (2022). Parental perspectives on research for Down Syndrome. Journal of applied research in intellectual disabilities, 35(1), 3-298. https://doi.org/10.1111/jar.12937

Downloads

Publicado

01-12-2023

Como Citar

Mazolini, E., & Patrocinio Pedroza Canal, C. (2023). ESTIMULAÇÃO PRECOCE SENSORIAL COM CAVALOS DE BEBÊS COM SÍNDROME DE DOWN. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 705–720. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A41

Edição

Seção

Artigo original