UTI Neonatal: o que dizem as mães

Autores

  • Raphaela Santos Neves Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)
  • Jennyfer Zimmermann
  • Camilla Volpato Broering Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A14

Palavras-chave:

Unidade de Terapia Intensiva Neonatal; maternidade; prematuridade.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar a percepção de mães de bebês pré-termo de muito baixo peso e de extremo baixo peso sobre o processo de internação de seus filhos em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Participaram da pesquisa dez mães de recém-nascidos prematuros internados em uma maternidade de referência na execução do Método Canguru, localizada na grande Florianópolis - SC. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram uma ficha de dados sociodemográficos para traçar o perfil das participantes; e um roteiro de entrevista semiestruturada para explorar alguns desdobramentos sobre a vivência da internação dos filhos em UTIN, dentre eles, o processo gestacional e a hospitalização. Os resultados sugerem que as mães vivenciam uma oscilação de sentimentos motivados pela insegurança e medo, dado as intercorrências clínicas e o quadro de saúde de seus filhos. Ainda, evidenciaram-se que o nascimento de um bebê prematuro ocasiona muitas modificações na vida familiar, principalmente desta mãe que assume o papel de acompanhante do filho na unidade hospitalar, expressando uma necessidade de apoio, visto que, por vezes deixa seus outros filhos sob cuidado de outras pessoas e suas demais atividades. Por fim, ressalta-se a importância da atenção pautada nos princípios da humanização, ou seja, o cuidado não somente aos bebês pré-termos, mas, também a essas mães e famílias que se encontram fragilizadas devido a situação vivida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, LS. (2007). Mãe, cuidadora e trabalhadora: como múltiplas identidades de mães que trabalham. Revista de Psicologia - UFF, 19 (2), 411/422. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, em https://www.scielo.br/pdf/rdpsi/v19n2/11.pdf

Anjos et al. (2012). Percepções maternas sobre o nascimento de um filho prematuro e cuidados após a alta. Revista Brasileira de Enfermagem, 65 (4), 571-577. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, de https://doi.org/10.1590/S0034-71672012000400004

Arnold et al. (2013). Primeiros momentos de pais com seus bebês muito prematuros: um estudo qualitativo. Obstetrícia e ginecologia, 3 (4), 01-07. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, em https://bmjopen.bmj.com/content/3/4/e002487

Arruda, DC & Macon, SS. (2006). A Família em expansão: experienciando intercorrências na gestação e no parto do bebê prematuro com muito baixo peso. Texto & Contexto Enfermagem, 16 (1), 120-128. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, em https://doi.org/10.1590/S0104-07072007000100015

Bardin, L. (1979). Análise de Conteúdo. (70 ed.). Lisboa.

Baseggio et al. (2017). Vivências de mães e bebês prematuros durante a internação neonatal. Temas em Psicologia, 25 (1), 153-167. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, em http://dx.doi.org/10.9788/TP2017.1-10

Brasil, CNS. (2012). Resolução nº466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas seres humanos. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, de https://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2013/06_jun_14_publicada_resolucao.html#:~:text=Cons%20Nacional%20de%20Sa%C3%BAde&text=A%20resolu%C3% A7% C3% A3o% 20n% C2% BA% 20466% 2F2012, Ordin% C3% A1ria% 2C% 20em% 20dezembro% 20de% 202012.

Brasil, MS. (2011). Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso – Método Canguru. (2 ed.). Brasília. Recuperado em 10 de outubro de 2018, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_recem_nascido_canguru.pdf

Brasil, MS. (2010). Gestão de alto risco: manual técnico. (5 ed.). Brasília. Recuperado em 10 de outubro de 2018, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/gestacao_alto_risco.pdf

Brasil, MS (2009). Iniciativa hospital amigo da criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado - Módulo 2 – Fortalecendo e sustentando a iniciativa hospital amigo da criança: um curso para gestores. (1 ed.). Brasília. Recuperado em 10 de outubro de 2018, de http://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2017/12/8.-FUNDO-DAS-NA%C3%87%C3%95ES-UNIDAS-PARA-A-INF%C3%82NCIA.-m%C3%B3dulo-2.pdf

Brasil, MS (2001). Programa nacional de humanização da assistência hospitalar. (1 ed.). Brasília. Recuperado em 10 de abril de 2017, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnhah01.pdf

Campos, GWS. (2005). Humanização na saúde: um projeto em defesa da vida? Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 17 (9), 398-406. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, em https://www.scielo.br/pdf/icse/v9n17/v9n17a16.pdf

Costa, DG, Chagas, GMS & Souza, NR. (2009). Educação em saúde mães em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Ciência ET Prática, 2 (3), 37-40. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://revista.uemg.br/index.php/praxys/article/view/2086/1080

Custódio, ZAO, Crepaldi, MA & Linhares, MBM. (2014). Redes sociais de apoio no contexto da prematuridade: perspectiva do modelo bioecológico do desenvolvimento humano. Estudos de Psicologia, 31 (2), 247-255. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103166X2014000200010&script=sci_abstract&tlng=pt

Frello, AT, Carraro, TE & Souza, NR. (2012). Enfermagem e a relação com as mães de neonatos em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista Brasileira de Enfermagem, 65 (3), 514-521. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://doi.org/10.1590/S0034-71672012000300018

Gerhardt TE, Silveira TS, et. al. (2009). Métodos de pesquisa. (1 ed.) Minas Gerais. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf

Gorgulho, FR & Pacheco, STA. (2008). Amamentação de prematuros em uma unidade neonatal: a vivência materna. Escola Anna Nery, 12 (1), 19-24. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, em https://doi.org/10.1590/S1414-81452008000100003

Gress, L. (2017). A construção de uma criação gráfica da rede de apoio social de mães durante a hospitalização de seus bebês em UTI. Dissertação de Mestrado Profissional em Saúde Materno Infantil, 1 (1), 01-81. Recuperado em 06 de novembro de 2018, em http://tede.universidadefranciscana.edu.br:8080/bitstream/UFN-BDTD/628/5/Dissertacao_LarissaGressDeLima.pdf

Hagen, IH, Iersen, VC & Svinseth, MF (2016). Differences and similarities between mothers and fathers of premature children: a qualitative study of parents’ coping experiences in a neonatal intensive care unit. BMC Pediatrics, 16(1), 01-09. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://bmcpediatr.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12887-016-0631-9

Hayakawa, LY, Marcon, SS & Higarashi, IH. (2009). Alterações familiares decorrentes da internação de um filho em unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista Gaúcha de Enfermagem, 30 (2), 175-182. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/7215/6673

Henrich, SM, Schaefer, MP & Donelli, TM. (2014). Vivências da maternidade e da relação mãe-bebê no primeiro ano de vida do bebê prematuro. Revista do Departamento de Ciências Humanas, 30 (1), 192-207. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/7376#:~:text=Este%20estudo%20objetivou%20investigar%20a,participantes%20tr% C3% AAs% 20duplas% 20m% C3% A3e% 2Dbeb% C3% AA

Lansky et al. (2014). Pesquisa nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cadernos de Saúde Pública, 30 (1), 192-207. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0192.pdf

Lopes, RCS et al. (2016). Desafios para a maternidade decorrentes da gestação e do nascimento do segundo filho. In Casa do psicólogo, CP (Ed), Maternidade e Paternidade: A parentalidade em diferentes contextos (pp. 295-318). São Paulo.

Manente, MV & Rodrigues, OMPR. (2016). Maternidade e trabalho: associação entre depressão pós-parto, apoio social e satisfação conjugal. Pensando famílias, 20 (1), 99-111. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2016000100008

Minayo, MCS. (2007). O desafio do conhecimento. (10 ed.). São Paulo.

Moreira, MEL (2003). Um nascimento diferente. Na Fiocruz (Ed), In.: Quando a vida começa diferente: o bebê e sua família na UTI neonatal (pp. 23-28). Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://books.scielo.org/id/rqhtt/pdf/moreira-9788575413579.pdf

Nunes et al. (2015). Método canguru: percepção materna acerca da vivência na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Brasileira Promoção de Saúde, 28 (3), 387-393. Recuperado em 12 de novembro de 2018, em https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/3558

Organização Mundial da Saúde, OMS (2009). Definições. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/WebHelp/definicoes.htm

O'Reilly, MM. (2002). The Experience of Maternal Transition to Second-time Parenthood. Universidade de Connecticut, (Doctoral Thesis). Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://search.proquest.com/docview/304795449

Perlin, DA, Oliveira, SM & Gomes, GC. (2011). A criança na unidade de terapia intensiva neonatal: impacto da primeira visita da mãe. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32 (3), 458-464. Recuperado em 15 de outubro de 2018, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472011000300004

Rapoport, A & Piccinini, CA. (2011). Maternidade e situações estressantes no primeiro ano de vida do bebê. Psico-USF, 16 (2), 215-225. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://doi.org/10.1590/S1413-82712011000200010

Ramos, HAC & Cuman, RKN. (2009). Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 2 (13), 297-304. Recuperado em 28 de setembro de 2018, em https://doi.org/10.1590/S1414-81452009000200009

Santos, DSS & Teixeira, EC. (2017). Vínculo mãe-bebê no contexto da unidade de terapia intensiva neonatal: revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Saúde Funcional, 1 (2), 19/08. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://www.seer-adventista.com.br/ojs/index.php/RBSF/article/view/891/736

Schmidt et al. (2012). A primeira visita ao filho internado na unidade de terapia intensiva neonatal: percepção dos pais. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 16 (1), 73-81. Recuperado em 18 de outubro de 2018, em https://doi.org/10.1590/S1414-81452012000100010

Souza, AMV & Pegoraro, RF. (2017). O psicólogo na UTI neonatal: revisão integrativa de literatura. Saúde & Transformação Social, 8 (1), 117-128. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/3688

Souza, KMO & Ferreira, SD. (2010). Assistência humanizada em UTI neonatal: os sentidos e as limitações identificadas pelos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 15 (2), 471-478. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000200024

Souza, KV, Tesin, RR & Alves, VH (2010). Mães de recém-nascidos Hospitalizados: em / entre círculos no processo de amamentação. Acta Paulista de Enfermagem, 23 (5), 608-613. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000500004

Souza et al. (2007). Percepção materna com o nascimento prematuro e vivência da gravidez com pré-eclâmpsia. Revista Saúde Pública, 41 (5), 704-710. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://doi.org/10.1590/S0034-89102007000500003

Valansi, L & Morsch, DS. (2004). O Psicólogo como facilitador da interação familiar no ambiente de cuidados intensivos neonatais. Psicologia, Ciência & Profissão, 24 (2), 112-119. Recuperado em 10 de abril de 2017, em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141498932004000200012&script=sci_abstract&tlng=pt

Vieira, LNL. (2010). A Atuação do psicólogo no contexto hospitalar. Rede Psi, 1 (1). Recuperado em 10 de outubro de 2018, em https://www.redepsi.com.br/2011/11/10/a-atua-o-do-psic-logo-no-contexto-hospitalar/

Villa et al. (2017). A percepção do acompanhante sobre o atendimento humanizado em unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista de pesquisa: cuidado é fundamental, 9 (1), 187-192. Recuperado em 10 de outubro de 2018, em http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i1.187-192

Downloads

Publicado

2021-04-13

Como Citar

Santos Neves, R., Zimmermann, J. ., & Volpato Broering, C. (2021). UTI Neonatal: o que dizem as mães. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 187–214. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A14

Edição

Seção

Artigo original