O SOFRIMENTO MENTAL E A DOCÊNCIA DE ENSINO SUPERIOR EM ENFERMAGEM

Autores

  • Bruna Aderita Cortez de Sena Universidade Potiguar - UNP
  • Ana Izabel Oliveira Lima Universidade Potiguar - UNP

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A17

Palavras-chave:

transtorno mental; docente; enfermeiro.

Resumo

As condições de vida e saúde dos trabalhadores foram impactadas diretamente pela reestruturação do mundo do trabalho. O aumento das exigências e a acumulação de trabalho tem levado os professores ao sofrimento, assim como os demais trabalhadores. Por isso, este artigo discorre sobre a psicodinâmica do trabalho e os estudos sobre o campo da educação que envolvam o sofrimento mental docente e sua relação com a enfermagem, relacionando-o às condições de trabalho e saúde dos professores. Objetiva-se apresentar uma análise ampliada dos achados de revisão no cenário da literatura nacional acerca do assunto, ancorada na teoria da psicodinâmica do trabalho e reflexões teóricas inseridas no diálogo. Trata-se de um estudo teórico de revisão sistemática com abordagem qualitativa, sobre o sofrimento mental em docentes de ensino superior em enfermagem para obtenção de conhecimentos produzidos na área. O sofrimento é abordado de diferentes formas na literatura e pode ter significado positivo ou negativo, tendo o trabalho como elemento estruturante dos efeitos negativos ou positivos sobre o funcionamento psíquico e a vida mental do trabalhador. Identificou-se, portanto, que a produção do trabalho docente em enfermagem pode adoecer essa classe profissional e requer estratégias defensivas elaboradas para a busca de soluções adequadas, visando a saúde mental desses trabalhadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque GSC, Lira LNA, Santos Junior I, Chiochetta RL, Perna PO, Souza e Silva MJ (2018). Exploração e sofrimento mental de professores: um estudo na rede estadual de ensino do Paraná. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 16 n. 3, p. 1.287-1.300. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00145

Amaral GA, Borges AL, Juiz APM (2017). Organização do trabalho, prazer e sofrimento de docentes públicos federais. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, vol. 20, n. 1, p.15-28 – DOI: 10.11606/issn.1981-0490.v20i1p15-28.

Bahia (2019). Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho no Brasil, 2006–2017. Centro Colaborador da Vigilância dos Agravos à Saúde do Trabalhador. Programa Integrado em Saúde Ambiental e do Trabalhador. Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia. Boletim epidemiológico, edição n°3, ano IX. Disponível em: http://www.oecd.org/els/emp/Flyer_MHW%20Council%20Recommendation.pdf.

Bahia (2014). Protocolo de atenção à saúde mental e trabalho. Secretaria da Saúde do Estado. Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde. Diretoria de Vigilância e Atenção à Saúde do Trabalhador. Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador. DIVAST. 60 p: il. (Caderno de Saúde do Trabalhador. Série Vigilância da Saúde do Trabalhador).

Bernardo MH (2014). Produtivismo e precariedade subjetiva na universidade pública: o desgaste mental dos docentes. Psicologia & Sociedade, 26(n. spe.), 129-139.

Bouyer GC (2010). Contribuição da Psicodinâmica do Trabalho para o debate: “o mundo contemporâneo do trabalho e a saúde mental do trabalhador”. Rev. bras. Saúde ocup., São Paulo, 35 (122): 249-259.

Câmara RH, Faria MFB (2009). Análise Comparativa entre Pesquisadores e Profissionais de Suporte à Pesquisa na Embrapa: o Enfoque da Psicodinâmica e da Ergonomia da Atividade. rPOT, Volume 9, número 1, Janeiro-junho, p. 29-50.

Corral-Mulato S, Bueno SMV, Franco DM (2010). Docência em Enfermagem: insatisfações e indicadores desfavoráveis. Acta Paul Enferm 2010;23(6):769-74.

Dejours C (2006). A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

Dejours C. (2004) Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, v. 14, n. 3, p. 027-034, Set./Dez.

Dejours C (1994). A Carga Psíquica do Trabalho. Em Betiol, M.L.S. (Coord.). Psicodinâmica do Trabalho: Contribuições da Escola Dejouriana à Análise da Relação Prazer, Sofrimento e Trabalho (pp.21-32). São Paulo: Atlas.

Dejours C (1992). A loucura no trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho (5ª ed). São Paulo: Cortez; Oboré.

Donato H, et al. Etapas na condução de uma revisão sistemática, Acta Med Port 2019 Mar;32(3):227-235.

Esteve, JM (1999). O mal-estar docente: a sala de aula e saúde dos professores. Bauru: Edusc.

Fernandes MA, Soares MAD, Silva JS (2018). Transtornos mentais associados ao

trabalho em profissionais de enfermagem: uma revisão integrativa brasileira. Rev Bras Med Trab. 2018;16(2):218-24. DOI: 10.5327/Z1679443520180228

Ferreira EM, Fernandes MFP, Prado C, Baptista PCP, Freitas GF, Bonini BB (2009). Prazer e sofrimento no processo de trabalho do enfermeiro docente. Rev Esc Enferm USP; 43 (Esp 2):1292-6.

Ferreira M, Ferreira C (2014). Carga mental e carga psíquica em profissionais de

Enfermagem. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental.

Ferreira MC, Mendes AM (2003). Trabalho e Riscos de Adoecimento: o caso dos Auditores-Fiscais da Previdência Social Brasileira. Brasília: Ler, Pensar e Agir.

Freire LSM (2014). As vivências de sofrimento de docentes do tocantins: pistas para ações de vigilância em saúde do trabalhador. Estud. pesqui. psicol. (Impr.); 13(1): 7-26, jan.-abr.

Jacinto A, Tolfo SR (2017). Fatores psicossociais de risco no trabalho e Transtorno Mental Comum: uma revisão sistemática de estudos que utilizaram os instrumentos JCQ, JSS e SRQ-20. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo, vol. 9, n. 2, p. 107-124, Jul.-Dez., 2017 - ISSN 2175-5027. DOI: https://doi.org/10.18256/2175-5027.2017.v9i2.1432

Mendes AM (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. 1. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mininel VA, Baptista PCP, Felli VEA (2011). Cargas psíquicas e processos de desgaste em trabalhadores de enfermagem de hospitais universitários brasileiros. Rev. Latino-Am. Enfermagem Artigo Original 19(2):[09 telas] mar-abr.

Montfort RMMV (2010). Ansiedade e depressão em profissionais de enfermagem e sua relação com o reconhecimento das expressões faciais. João Pessoa: [s. n.]

Pereira TSL, Aguiar AL, Costa SA (2015). Mal-Estar Docente: re?exões sobre os desconfortos presentes no desempenho da profissão. Revista Educação e Emancipação, São Luís, v. 8, n. 2, jul./dez.

Pinhatti EDG, Ribeiro RP, Soares MH, Martin JT, Lacerda MR (2018). Distúrbios psíquicos menores na enfermagem: prevalência e fatores associados. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(suppl 5):2305-12. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0028

Prado RL, Bastianini ME, Cavalleri MZ, Ribeiro SFR, Pizi ECG, Marsicano JA (2017). Avaliação da síndrome de Burnout em professores universitários. Revista da ABENO 17(3):21-29.

Secco IAO, Robazzi MLCC, Souza FEA, Shimizu (2009). Cargas psíquicas de trabalho e desgaste dos trabalhadores de Enfermagem de hospital de ensino do Paraná, Brasil.

Silva NR, Pinheiro DM (2017). Agruras no trabalho do professor. Cad. Bras. Ter. Ocup., São Carlos, v. 25, n. 4, p. 713-721. http://dx.doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO0928

Silvério MR, Patrício ZM, Brodbeck IM, Grosseman S (2010). O ensino na área da saúde e sua repercussão na qualidade de vida docente. Revista Brasileira de Educação Médica, 34 (1): 65 – 73.

Souza AN, Leite MP (2011). Condições de trabalho e suas repercussões na saúde dos professores da educação básica no Brasil. Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 117, p. 1105-1121. Disponível em <http://www.cedes.unicamp.br>

Souza IR, Santos MER, Almeida INS (2016). Mal-estar docente:

a saúde do professor nos dias atuais. Revista Humanidades e Inovação v.4, n. 2.

Tavares JP, Magnago TSBS, Beck CLC, Silva RM, Prestes FC, Lautert L (2014). Prevalência de distúrbios psíquicos menores em enfermeiros docentes. Esc Anna Nery 2014;18(3):407-414.

Tavares JP (2010). Distúrbios psíquicos menores em enfermeiros docentes. Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, RS.

Tostes MV, Albuquerque GSC, Silva MJS, Petterle RR (2018). Sofrimento mental de professores do ensino público. Saúde Debate | Rio de Janeiro, v. 42, n. 116, p. 87-99. DOI: 10.1590/0103-1104201811607

Urbanetto JS, Magalhães MCC, Maciel VO, Sant’Anna VM, Gustavo AS, Poli-de Figueiredo CE, Magnago TSBS (2013). Estresse no trabalho segundo o Modelo Demanda-Controle e distúrbios psíquicos menores em trabalhadores de enfermagem. Rev Esc Enferm USP 2013; 47(3):1186-93. DOI: 10.1590/S0080-623420130000500024

Vieira SRS (2014). Sofrimento psíquico e trabalho. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, 17(1), 114-124, mar.

Downloads

Publicado

2021-04-13

Como Citar

Sena, B. A. C. de ., & Lima, A. I. O. . (2021). O SOFRIMENTO MENTAL E A DOCÊNCIA DE ENSINO SUPERIOR EM ENFERMAGEM. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 241–255. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A17

Edição

Seção

Estudo Teórico