ISOLAMENTO HOSPITALAR PEDIÁTRICO: práticas e recursos na perspectiva da psicologia

Autores

  • Stefany Bruna de Pimenta Centro Universitário de Mineiros - Unifimes
  • Ana Idalina de Paiva Silva Universidade Federal de Goiás - UFG
  • Sandra de Fátima Barboza Ferreira Universidade Federal de Goiás - UFG

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A28

Palavras-chave:

Isolamento de Pacientes, Criança Hospitalizada, Pediatria

Resumo

O objetivo do trabalho é identificar práticas implementadas no isolamento hospitalar pediátrico com vistas a diminuir o sofrimento psíquico. Trata-se de um estudo qualitativo, exploratório e descritivo. Adotou-se a metodologia de triangulação de fontes: levantamento bibliográfico (BVS-BIREME, PubMed, Google acadêmico e PsycINFO); entrevistas abertas com profissionais experientes de serviços pediátricos hospitalares e busca web de técnicas para humanização no contexto do isolamento hospitalar. Os resultados indicaram escassez de literatura especializada, predominância de estudos qualitativos e tendência a valorizar recursos materiais em detrimento de recursos relacionais, bem como existência de práticas carentes de maior evidência científica. A adoção dessas práticas depende de fatores relacionados à letalidade do agente patógeno, à idade e ao interesse da criança, do nível de responsividade, do acesso a recursos materiais e a flexibilidade da equipe de saúde em ponderar sobre riscos/benefícios, ensejando práticas idiossincráticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abad, C., Fearday, A., & Safdar, N. (2010). Adverse effects of isolation in hospitalized patients: a systematic review. Journal of Hospital Infection, 76(2), 97-102.

Alvarez, E. N., Pike, M. C., & Godwin, H. (2019). Children’s and parents’ views on hospital contact isolation: A qualitative study to highlight children’s perspectives. Clinical Child Psychology and Psychiatry, 25(2), 401-418.

Araújo, G. (2020). Equipe do hospital adapta crachás com foto na roupa de proteção para não assustar pacientes de coronavírus no ABC paulista. Recuperado em 28/04/2020, de https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/04/21/equipe-de-hospital-adaptam-crachas-com-foto-na-roupa-de-protecao-para-nao-assustar-pacientes-de-coronavirus-no-abc-paulista.ghtml

Bowlby, J. (1997). Formação e rompimento dos laços afetivos (3a ed.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1979)

Bowlby, J. (2004). Apego e perda. Perda: tristeza e depressão (Valtensir Dutra, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1985)

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Pediatria: Prevenção e controle de infecção hospitalar. [Versão eletrônica]. Brasília: ANVISA.

Cardim, G. M., Santos, A. E. V., Nascimento, M. A. L., & Biescroeck, F. C. C. (2008). Crianças em isolamento hospitalar: relações e vivências com a equipe de enfermagem. Revista de Enfermagem UERJ, 16(1), 32-38

Carvalho, E. S. & Marques, S. R. (1999). Infecção Hospitalar em Pediatria. Jornal de Pediatria,75(1), 31-45.

Chiattone, H. B. C (2009). A criança e a hospitalização. In: Angerami-Camon, V. A., Chiattone, H. B. C., & Meleti, M. R. (Orgs.). A Psicologia no hospital (2a ed.). São Paulo: Cengage Learning, 23-99.

Committee on Infectious Diseases, American Academy of Pediatrics, David,W.,Kimberlin, M.D., Brady, M. T., Jackson, M. A., & Long, S. S.(2018). Red Book. Recuperado em 22/04/2020, de https://redbook.solutions.aap.org/book.aspx?bookid=2205.

Depianti, J. R. B., Melo, L.L., & Ribeiro, C. A. (2018). Brincando para continuar a ser criança e libertar-se do confinamento da hospitalização em precaução. Escola Anna Nery, 22(2), 1-9.

Ferreira, E. A. L., Menegussi, J. M., Bombrada, T. B., Torcia, V. C., Silva, I. D., & Piovesan, S. (2020). Qualidade de vida da criança hospitalizada na pandemia de COVID-19. Residência Pediátrica, 10(3), 1-13.

Lawrence, A. (2020). Coronavírus: estudante cria máscara transparente para ajudar na leitura labial de surdos. Tudo celular. Recuperado em 20/04/2020 de https://www.tudocelular.com/tech/noticias/n154984/coronavirus-estudante-cria-mascara-transparente.html.

Macoy, J. (2020).Association of child life professionals. Alphabet 2.0 | T is for Telepresence: Utilizing Technology to Increase Socialization and Interactive Engagement Among Pediatric Patients on Isolation Precautions. Recuperado em 27/04/2020, de https://www.childlife.org/membership/aclp-bulletin/winter-2020-table-of-contents/alphabet-2.0-t-is-for-telepresence-utilizing-technology

McNeil, J.C., Campbell, J.R., & Crews, J.D. (2019) Healthcare-Associated Infections in Children A Guide to Prevention and Management. San Antonio, Texas.Recuperado em 19/04/2020 de https:// doi.org/10.1007/978-3-319-98122-2

McClusky, J. L.& Davis, M. (2019). A Horse in the Hospital: The Importance of Collaboration between Infection Prevention and Child Life Specialists.American Journal of Infection Control, 47(6).

Melendo, L. M.,Vilca, I.,Albero, N.,Larrosa, M., De Arquer, A., &Campins, M. (2011). Precauciones de aislamientoen un hospital pediátrico de tercernivel. Anales de Pediatria, 75(1), 21-25.

Melo, B.D., Angelucci, C.B., Pereira, D.R., Serpeloni, F., Katz, I., Rodrigues, I., Rabelo, I. V. M.,Kabad, J.F., Souza,M. S., &Sibemberg, N. (2020). Recomendações para o cuidado de crianças em situação de isolamento hospitalar. Brasília: Fiocruz. Recuperado em 18/04/2020, dehttps://www.fiocruzbrasilia.fiocruz.br/cartilhas-reunem-informacoes-e-recomendacoes-em-saude-mental-na-pandemia-de-covid-19/?fbclid=IwAR0iSZ9fKpnBMk7PhC3GT1DSfUTztrDH0IzGwWYqcx1vYJ9gM_vz2Z4D7IA

Miranda, E. M. F. (2019). Reflexões sobre a participação do psicólogo hospitalar no controle das infecções relacionadas à assistência à saúde. In Angerami,V. A. (2019). A Psicologia da Saúde na Prática. Belo Horizonte: Artesã.

Mori, V. D. & Rey, F. G. (2012). A saúde como processo subjetivo: uma reflexão necessária. Psicologia: teoria e prática. 14(3),140-152.

Moro, E. L. S. (2019). O processo de aprendizagem e de interação em ambientes virtuais de aprendizagem com adolescentes com fibrose cística em isolamento hospitalar. Porto Alegre, PPGEDU/UFRGS.

Nichiata, L. Y. I., Gir, E., Takahashi, R. F., & Ciosal, S. I. (2004). Evolução dos isolamentos em doenças transmissíveis: os saberes na prática contemporânea. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 38(1), 61-70.

Nierotka, R.P., Monteiro, A. M., Silva, M. E.K. (2020). Triangulação na pesquisa em saúde: princípios, possibilidades e desafios. Anais do 6º congresso Internacional de Saúde.

Parcianello, A. T. &Felin, R. B. (2008). E agora doutor, onde vou brincar? Considerações sobre a hospitalização infantil. Barbarói, 28, 147-166.

Rowold, K. (2018). What Do Babies Need to Thrive? Changing Interpretations of “Hospitalism” in an International Context. Social History of Medicine, 32(4), 799-818.

Rabelo, A. H. S. & Souza, T. V. (2009). O conhecimento do familiar/acompanhante acerca da precaução de contato: contribuições para a enfermagem pediátrica. Escola Anna Nery,13(2), 271-278.

Ribeiro, M. (2014). Um jogo que ajuda crianças em isolamento hospitalar a brincar umas com as outras. Razões para acreditar. Recuperado em 21/04/2020, de http://razoesparaacreditar.com/criar/um-jogo-que-ajuda-criancas-em-isolamento-hospitalar-a-brincar-umas-com-as-outras/.

Santos, K. S., Ribeiro, M. C., Queiroga, D. E. U., Silva, I. A. P., & Ferreira, S.M.S. (2020). O uso de triangulação múltipla como estratégia de validação em um estudo qualitativo. Ciência & Saúde Coletiva, 25(2), 655-664.

Silva, J. I. P., Kudo, A.M., Galheigo, S. M., Jacob, L. R. Isolamento hospitalar pediátrico: o olhar da criança. (2019). RevisbraTO, 3(4), 508-525.

Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar(2020). Recomendações aos Psicólogos Hospitalares frente à Pandemia do Covid-19.Retirado de https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1314230778774450&id=159086884288851&__tn__=K-R

Spitz. R. A. (1945) Hospitalism, The Psychoanalytic Study of the Child, 1:1,53-74.

Spitz, R. (1991). O primeiro ano de vida: um estudo psicanalítico do desenvolvimento normal e anômalo das relações objetais - 6 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Stuebe, A. (2020). Should Infants Be Separated from Mothers with COVID-19? First, Do No Harm. Breasfeeding Medicine. Ahead of print.

Winnicott, D. W. (1975). O Brincar & a Realidade. Rio de Janeiro: Imago Editora.

World Health Organization (2016). Health care without avoidable infectionsThe critical role of infection prevention and control. Pocket Book of Hospital Care for Children: Guidelines for the Management of Common Childhood Illnesses. 2nd edition. Geneva: World Health Organization.

Yamamura, M., Dias, A. A. L., Milani, D., Santos, E. C., Dornelas, J., & Figueiredo, R. M. (2011) Produção nacional e acesso sobre enfermagem e doenças transmissíveis. Cient. Cien. Biol. Saúde,13(1), 299-306.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Pimenta, S. B. de, de Paiva Silva, A. I. ., & de Fátima Barboza Ferreira, S. . (2021). ISOLAMENTO HOSPITALAR PEDIÁTRICO: práticas e recursos na perspectiva da psicologia. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 408–429. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A28

Edição

Seção

Estudo Teórico