Cuidado de pacientes em final de vida: o que profissionais de enfermagem expressam sobre

Autores

  • Flávia Silvestrin CHC-UFPR
  • Tayna Nayara Nunes CHC-UFPR
  • Luiz Renato de Moraes Braga CHC-UFPR

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A24

Palavras-chave:

equipe de enfermagem, cuidados intensivos, cuidados paliativos na terminalidade da vida, psicologia

Resumo

A percepção que se tem sobre a morte e o morrer em nossa sociedade e a maneira como ela é vivenciada por profissionais de saúde pode trazer repercussões psíquicas importantes, especialmente para aqueles que têm maior proximidade com os pacientes: a equipe de enfermagem.  Com frequência a literatura sugere a criação de espaços de fala e/ou grupos de discussão, como estratégia de cuidado para estes profissionais. O presente estudo refere-se a uma pesquisa qualitativa, exploratória e empírica, cuja a proposta foi verificar, por meio de entrevista semi-estruturada, se profissionais da enfermagem de um Centro de Terapia Semi-Intensiva possuem demandas para trabalhar sobre temáticas relacionadas ao cuidado de pacientes em final de vida por meio de um grupo operativo e, de acordo com os resultados, propor sua realização. Participaram 21 profissionais. As entrevistas foram analisadas por meio da Análise de Conteúdo, a qual permitiu elencar cinco categorias: Frequência; Dificuldades; Estratégias de enfrentamento; Vínculos estabelecidos; Demandas por atualizações e espaços de fala. Os resultados evidenciam que os participantes consideram válido um espaço para falar sobre suas vivências no contexto do cuidado a pacientes em final de vida, contudo, quando este foi proposto, não teve adesão. Uma série de razões podem ser ponderadas sobre os impedimentos e as dificuldades na implementação de um grupo com profissionais de enfermagem atuantes em cuidados intensivos, como principais contingentes elencam-se questões relacionados à própria profissão, à resistências, a sobrecarga de trabalho, ao próprio contexto institucional e pandêmico, deixando claro a necessidade de novos estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amaral, S. R. C., & Oliveira, A. E. G. D. (2016). Grupo de reflexão com profissionais de uma Unidade de Terapia Intensiva Coronariana: um relato de experiência. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional 41. https://doi.org/10.1590/2317-6369000130715

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo: Edições 70 Ltda. Lisboa Portugal.

Bleger, J. (1984) Psico-higiene e Psicologia Institucional. cap. 2. Artes Médicas. Porto Alegre.

Borges, M. D. S., & Mendes, N. (2012). Representações de profissionais de saúde sobre a morte e o processo de morrer. Revista Brasileira de Enfermagem, 65(2), 324-331. https://doi.org/10.1590/S0034-71672012000200019.

Brasil. Ministério da Saúde. (2004). Humaniza SUS: grupo de trabalho de humanização: GTH [Internet]. Brasília. http://www.saude.sp.gov.br/resources/humanizacao/biblioteca/pnh/grupo_de_trabalho_de_humanizacao.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2009) Trabalho e redes de saúde [Internet]. Brasília. http://www.saude.sp.gov.br/resources/humanizacao/biblioteca/pnh/trabalho_redes_saude.pdf

Castanho, P. (2012). Uma introdução aos grupos operativos: teoria e técnica. Vínculo-Revista do NESME, 9(1), 47-60. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-24902012000100007&lng=pt&tlng=pt

Ferreira, J. M. G., Nascimento, J. L., & Sá, F. C. D. (2018). Profissionais de saúde: um ponto de vista sobre a morte e a distanásia. Revista Brasileira de Educação Médica, 42(3), 87-96. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n3rb20170134

Ferreira, A. M. Y., & da Silva Wanderley, K. (2012). Sobre a morte e o morrer: um espaço de reflexão. Revista Kairós: Gerontologia, 15 (Especial12), 295-307. https://doi.org/10.23925/2176-901X.2012v15iEspecial12p295-307

Freud, S. (1915). Considerações contemporâneas sobre a guerra e a morte. Obras incompletas de Sigmund Freud (2020). Belo Horizonte: Autêntica, 99-135.

Gonçalves, M. D. O. (2001). Morte e castração: um estudo psicanalítico sobre a doença terminal infantil. Psicologia: ciência e profissão, 21(1), 30-41. https://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932001000100004

Gutierrez, B. A. O., & Ciampone, M. H. T. (2007). O processo de morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem de UTIs. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 41(4), 660-667.https://doi.org/10.1590/S0080-62342007000400017

Kovács, M. J. (2005). Educação para a morte. Psicologia: ciência e profissão, 25(3), 484-497. https://doi.org/10.1590/S1414-98932005000300012

Kovács, M. J. (2010). Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar: cuidando do cuidador profissional. O mundo da saúde, 34(4), 420-429. http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/79/420.pdf

Magalhães, M. V., & de Assunção Melo, S. C. (2015). Morte e luto: o sofrimento do profissional da saúde. Psicologia e Saúde em debate, 1(1), 65-77. http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/7

Mattos, A. S. (2010). A gênese do conceito de resistência na psicanálise. TransFormações em Psicologia (Online), 3(1), 00-00. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-106X2010000100002

Miranda, É. J. P. D., & Stancato, K. (2008). Riscos à saúde de equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva: proposta de abordagem integral da saúde. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(1), 68-76.. https://doi.org/10.1590/S0103-507X2008000100011

Oliniski, S. R., & Lacerda, M. R. (2006). Cuidando del cuidador en el ambiente de trabajo: una propuesta de acción. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(1), 100-104. https://doi.org/10.1590/S0034-71672006000100019

Pichon-Riviere, (2005). O processo grupal. 7* edição. Martins Fontes. São Paulo.

Rasera, E. F., & Rocha, R. M. G. (2010). Sentidos sobre a prática grupal no contexto de saúde pública. Psicologia em Estudo, 15(1), 35-44. https://doi.org/10.1590/S1413-73722010000100005

Rocha, A. P. F., Souza, K. R. D., & Teixeira, L. R. (2015). A saúde e o trabalho de médicos de UTI neonatal: um estudo em hospital público no Rio de Janeiro. Physis: revista de saúde coletiva, 25, 843-862. https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000300009

Saloum, N. H., & Boemer, M. R. (1999). A morte no contexto hospitalar: as equipes de reanimação cardíaca. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 7(5), 109-120. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-11691999000500014

dos Santos, M. A. (2003). Perto da dor do outro, cortejando a própria insanidade: o profissional de saúde e a morte. Revista da SPAGESP, 4(4), 43-51. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702003000100007&lng=pt&tlng=pt.

Santos, M. A. D., & Hormanez, M. (2013). Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2757-2768. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702003000100007&lng=pt&tlng=pt

Santos, M. H., Mochel, E. G., & Rafael, E. V. (2010). Vivenciando a morte: experiência de profissionais de enfermagem no contexto da unidade de terapia intensiva neonatal. Revista de Pesquisa em Saúde, 11(3).http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/download/729/4026

Silva, A. H., & Fossá, M. I. T. (2015). Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 16(1). http://dx.doi.org/10.18391/qualitas.v16i1.2113

Downloads

Publicado

2021-06-14

Como Citar

Silvestrin, F., Nunes, T. N., & de Moraes Braga, L. R. (2021). Cuidado de pacientes em final de vida: o que profissionais de enfermagem expressam sobre. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 343–361. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A24

Edição

Seção

Artigo original