EQUIPES DE SAÚDE E A PSICOLOGIA HOSPITALAR NA PERSPECTIVA DA TEORIA DE GRUPOS DE SARTRE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A7

Palavras-chave:

Psicologia Hospitalar, Existencialismo, Jean-Paul Sartre, Equipes de saúde, Grupos

Resumo

A obra de Jean Paul Sartre, representante do existencialismo, tem ainda poucos estudos no Brasil correlacionados com a área de Psicologia Hospitalar. Nas práticas de saúde brasileira, a atuação por meio de equipes assistenciais multidisciplinares vem se mostrando um dos principais recursos para superação da fragmentação do conhecimento e para o alcance da integralização dos diferentes aspectos da saúde dos sujeitos. Este trabalho visa discutir a Teoria de Grupos em Sartre e sua relação com a atuação interdisciplinar da(o) psicóloga(o) em contexto hospitalar. São apresentados os conceitos de série, grupo em fusão, grupo institucionalizado e grupo organizado, destacando este último como recurso para uma atuação das equipes nas instituições de saúde que possibilite cuidados integrais aos pacientes e familiares. Destaca-se a importância de que os objetivos da instituição estejam claros para os membros das equipes, a fim de que os sujeitos possam articular seus projetos individuais aos institucionais, visualizando uma condição de reciprocidade entre o sujeito e o grupo. O papel da(o) psicóloga(o) é descrito como de mediador, capaz de conduzir os sujeitos a uma reflexão crítica a respeito do próprio grupo e a (re)construção constante do movimento coletivo neste âmbito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Hellena dos Santos, Consciência Serviços de Psicologia

Psicóloga clínica, graduada pela Universidade Federal do Paraná. Especialista em Psicologia Existencialista Sartreana pela Universidade do Sul de Santa Catarina, Especialista em Psicologia Hospitalar pelo Conselho Federal de Psicologia.

Zuleica Pretto, Universidade do Sul de Santa Catarina - Unisul

Psicóloga clínica, Psicóloga, Mestre e Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), docente de graduação em Psicologia da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL).

Referências

Angerami-Camon, Valdemar Augusto. (2004). Psicologia hospitalar: teoria e prática (2a ed.). São Paulo: Cengage Learning.

Barros, José Augusto C.. (2002). Pensando o processo saúde doença: a que responde o modelo biomédico?. Saúde e Sociedade, 11(1), 67-84. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902002000100008

Bettoni, Rogério Andrade, & Andrade, Maria José Netto (2002). A formação dos grupos sociais em Sartre. Revista Metavnoia, São João Del-Rei, (4), 67-75

Cardoso, Cíntia Garcia, & Hennington, Élida Azevedo. (2011). Trabalho em equipe e reuniões multiprofissionais de saúde: uma construção à espera pelos sujeitos da mudança. Trabalho, Educação e Saúde, 9(Suppl. 1), 85-112. https://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000400005

Carrapato, Pedro, Correia, Pedro, & Garcia, Bruno. (2017). Determinante da saúde no Brasil: a procura da equidade na saúde. Saúde e Sociedade, 26(3), 676-689. https://doi.org/10.1590/s0104-12902017170304

Castro, Fernando Gastal (2012). Fracasso do projeto de ser: burnout, existência e paradoxos do trabalho. Rio de Janeiro: Garamond.

Coelho, Maria Thereza Ávila Dantas, & Almeida Filho, Naomar de. (2002). Conceitos de saúde em discursos contemporâneos de referência científica. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 9(2), 315-333. https://doi.org/10.1590/S0104-59702002000200005

Conselho Federal de Psicologia (CFP) (2010). Resolução CFP 013/2007. Consolidação das resoluções relativas ao título profissional de especialista em psicologia. Brasil.

Gomes, Annatália Meneses de Amorim, Paiva, Eliana Sales, Valdés, Maria Teresa Moreno, Frota, Mirna Albuquerque, & Albuquerque, Conceição de Maria de. (2008). Fenomenologia, humanização e promoção da saúde: uma proposta de articulação. Saúde e Sociedade, 17(1), 143-152. https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000100013

Matos, Eliane, Pires, Denise Elvira Pires de, & Sousa, Gastão Wagner de. (2010). Relações de trabalho em equipes interdisciplinares: contribuições para novas formas de organização do trabalho em saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(5), 775-781. https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000500013

Mattos, Ruben Araujo de. (2004). A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cadernos de Saúde Pública, 20(5), 1411-1416. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500037

Peduzzi, Marina. (2001). Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Revista de Saúde Pública, 35(1), 103-109. https://doi.org/10.1590/S0034-89102001000100016

Perdigão, Paulo (1995). Existência & Liberdade. Porto Alegre: L&PM Editores.

Rubini, Carlos (2000). Dialética de grupos: contribuições de Satre à compreensão dos grupos. Rio de Janeiro: Jornal Existencial - Edição Especial.

Sartre, J-P. (2002). Crítica da razão dialética (G. J. de F. Teixeira trad.). Rio de Janeiro: Ed. DP&A. (Texto original publicado em 1960).

Schneider, D. R. (2011). Sartre e a psicologia clínica. Florianópolis: Ed. UFSC.

Schneider, D. R. (2008). O método biográfico em Sartre: contribuições do existencialismo para a Psicologia. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 8(2).

Tonetto, Aline Maria, & Gomes, William Barbosa. (2007). A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar. Estudos de Psicologia (Campinas), 24(1), 89-98. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2007000100010

Downloads

Publicado

2021-08-03

Como Citar

Langaro, F., dos Santos, A. H., & Pretto, Z. (2021). EQUIPES DE SAÚDE E A PSICOLOGIA HOSPITALAR NA PERSPECTIVA DA TEORIA DE GRUPOS DE SARTRE. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 97–112. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A7

Edição

Seção

Estudo Teórico