SAÚDE MENTAL E TRABALHO: a realidade dos trabalhadores do SUAS

SALUD MENTAL Y TRABAJO: la realidad de sus trabajadores

Autores

  • Tassiana Algarte Fernandes Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Regina Celia de Souza Beretta Universidade de Franca - UNIFRAN

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A12

Palavras-chave:

Saúde do Trabalhador, Serviço Social, Promoção da Saúde

Resumo

O Sistema Único de Assistência Social (SUAS), surge por meio da Política Nacional de Assistência Social (PNAS) e estabelece ações voltadas para a população atendida, mas também para os serviços e sua estrutura física, de profissionais e de gestão. E é neste contraste entre a PNAS e à realidade, que as condições de trabalho surgem como ponto negativo da prática diária dos trabalhadores do SUAS e o adoecimento físico e mental existente. O estudo aqui descrito, buscou compreender as relações de trabalho e como este afeta a vida do trabalhador do SUAS, no que concerne à saúde física e mental, o bem-estar e a qualidade de vida do profissional e de sua família, visto que o adoecimento e o estresse geram impacto direto no grupo familiar. A pesquisa foi integrada por profissionais do SUAS que atuam no Estado de São Paulo, e se desenvolveu em duas etapas, sendo a primeira por meio de um questionário on-line, com 24 perguntas (assertivas e dissertativas) e foi respondida por 189 trabalhadores. A segunda etapa contou com a realização de dois grupos focais, com a participação de 24 profissionais, que foram selecionados dentre os que haviam respondido primeira parte do estudo. Os resultados obtidos apontaram para a existência de diversos fatores que interferem na qualidade do trabalho, como a falta de estrutura, a equipe reduzida, as falhas da gestão, as questões políticas, as relações hierárquicas e a sobrecarga, que afetam diretamente a saúde destes profissionais, demandando uma atenção maior para com a saúde do trabalhador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Antunes, R., & Silva, J. B. da. (2015). Para onde foram os sindicatos? Do sindicalismo de confronto ao sindicalismo negocial. Caderno CRH, 28(75), 511-527. https://doi.org/10.1590/S0103-49792015000300005.

Baltar, P. E. de A., & Krein, J. D. (2013). A retomada do desenvolvimento e a regulação do mercado do trabalho no Brasil. Caderno CRH, 26(68), 273-292. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792013000200005.

Behring, E. R., & Boschetti, I. (2011). Política Social: fundamentos e história. São Paulo, Cortez Editora.

Bilotta, E., Vaid, U., & Evans, G. W. (2018). Environmental Stress. In: Steg, L., & Groot, J. I. M. de. Environmental Psychology: An Introduction. John Wiley & Sons, 27-36. https://doi.org/10.1002/9781119241072.ch4.

Brasil. (2004). Política Nacional de Assistência Social - PNAS/2004. Brasília, Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Brasil. (2012). Resolução Nº 466 de 12 de dezembro de 2012: participação de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Damas, K. C. A., Munari, D. B., & Siqueira, K. M. (2004). Cuidando do cuidador: reflexões sobre o aprendizado dessa habilidade. Revista Eletrônica De Enfermagem, 6(2). https://doi.org/10.5216/ree.v6i2.811.

Evans G. W. (2003). The built environment and mental health. Journal of urban health: bulletin of the New York Academy of Medicine, 80(4), 536-555. https://doi.org/10.1093/jurban/jtg063.

Gil, A. C. (2008). Método e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo, Atlas.

Guimarães, A. P. D., Oliveira, H., & Silva, J. M. da. (2020). Violência relacionada ao trabalho e apropriação da saúde do trabalhador: sofrimento anunciado no Sistema Único de Assistência Social. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 30(2), e300224. https://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312020300224.

Konder, L. (2008). O que é dialética. São Paulo, Brasiliense.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2011). Metodologia Científica. São Paulo, Atlas.

Lima, A., Machado, D., Carneiro, J., & Macedo, A. (2019). Estressores e sintomas do estresse ocupacional em profissionais bancários: um estudo em uma agência bancária pública. Revista de Carreiras e Pessoas, 9(2). https://doi.org/10.20503/recape.v9i2.38309.

Lloyd, C., King, R. & Chenoweth, L. (2002). Social work, stress and burnout: A review. Journal of Mental Health, 11(3), 255-265. https://dx.doi.org/10.1080/09638230020023642.

Minayo, M. C. de S., Hartz, Z. M. de A., & Buss, P. M. (2000). Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, 5(1), 7-18. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100002.

Minayo, M. C. de S. (2007). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, Vozes.

Oliveira, S. (1997). A qualidade da qualidade: uma perspectiva em saúde do trabalhador. Cadernos de Saúde Pública, 13(4), 625-634. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1997000400006.

Oms. (2019). Determinantes Sociais e Riscos para a Saúde, Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Saúde Mental. Organização Mundial da Sáude. Recuperado de https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5087:estresse-no-ambiente-de-trabalho-cobra-preco-alto-de-individuos-empregadores-esociedade&Itemid=839.

Ottawa, C. (1986). Carta de Ottawa: primeira conferência internacional sobre promoção da saúde. Ottawa (Canadá), Carta de Intenções.

Pereira, M. É. R., Tassigny, M. M., & Bizarria, F. P. de A. (2017). Terceirização e Precarização do Trabalho na Política Pública de Assistência Social. Administração Pública E Gestão Social, 1(3), 171-183. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5138.

Ravalier, J. M. (2019). Psycho-Social Working Conditions and Stress in UK Social Workers. The British Journal of Social Work, 49(2), 371-390. https://doi.org/10.1093/bjsw/bcy023.

Santos, A. F. de O., & Cardoso, C. L. (2010). Profissionais de saúde mental: manifestação de stress e burnout. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(1), 67-74. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2010000100008.

Sawaia, B. B. (2014). Transformação social: um objeto pertinente à psicologia social?. Psicologia & Sociedade, 26(spe2), 4-17. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000600002.

Silva, G. de N. e. (2019). (Re)conhecendo o estresse no trabalho: uma visão crítica. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 12(1), 51-61. https://dx.doi.org/10.36298/gerais2019120105.

Souza, M. I. de F., Nascimento, D. C. do, & Chacon, S. S. (2014). Uma reflexão sobre as políticas públicas na saúde do trabalhador. Revista Tecnologia & Sociedade, 10(19), 62-76. http://dx.doi.org/10.3895/rts.v10n19.2656.

Teixeira, M. C. (2012). A invisibilidade das doenças e acidentes do trabalho na sociedade atual. Revista De Direito Sanitário, 13(1), 102-131. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v13i1p102-131.

Torres et al. (2011). O adoecimento no trabalho: repercussões na vida do trabalhador e de sua família. S A N A R E - Revista de Políticas Públicas, 10(1), 42-48. Recuperado em https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/142 .

Ueno et al. (2017). Estresse ocupacional: estressores referidos pela equipe de enfermagem. Revista de Enfermagem UFPE on-line, 11(4), 1632-1638. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i4a15232p1632-1638-2017.

Downloads

Publicado

2021-10-04

Como Citar

Fernandes, T. A. ., & Beretta, R. C. de S. . (2021). SAÚDE MENTAL E TRABALHO: a realidade dos trabalhadores do SUAS: SALUD MENTAL Y TRABAJO: la realidad de sus trabajadores. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 181–194. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A12

Edição

Seção

Artigo original