A IMPORTÂNCIA DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA REABILITAÇÃO DO PACIENTE COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA

Autores

  • Jéssica Helena Souza de França UNAMA e CBI of Miami
  • Yasmin Nascimento Passos Universidade da Amazônia - UNAMA

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A9

Palavras-chave:

Doenças cardiovasculares, Família, Psicólogo da saúde, Psicólogo na reabilitação

Resumo

As doenças cardíacas representam um rompimento da vida do paciente em sua rotina diária, acarretando problemas emocionais, que por vezes podem dificultar o tratamento. O desencadeamento da doença arterial coronariana em um membro familiar pode ser fonte de estresse para todos os membros da família. Portanto, por ser uma doença que traz ao indivíduo não apenas sofrimento físico, mas também psicológico, se faz necessária a reabilitação, tendo em vista o benefício que esta trará na vida desses pacientes. O presente trabalho tem como objetivo realizar uma revisão narrativa da literatura sobre a importância dos aspectos psicológicos na reabilitação do paciente com doença arterial coronariana.  O método escolhido foi uma pesquisa bibliográfica dos últimos 25 anos em livros e periódicos online específicos no tema. A partir do material selecionado, foram elaboradas três categorias. A primeira categoria sobre a doença arterial coronariana aborda a definição de doença arterial coronariana, suas manifestações clínicas, fatores de risco, diagnóstico, formas de tratamento e reabilitação. Na segunda categoria serão descritos os aspectos psicológicos presentes na reabilitação, e na terceira e ultima categoria será descrito o papel do psicólogo na reabilitação. Como resultado, observou-se que os aspectos psicológicos são de suma relevância no processo de reabilitação do paciente com doença arterial coronariana, pois exercem influência no desenvolvimento da doença, interferindo no prognóstico e na adesão do paciente ao processo de tratamento e reabilitação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abreu-Rodrigues, M., & Seidl, E. M. F. (2008). A importância do apoio social em pacientes coronarianos. Paidéia, 18(40), 279-288. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2008000200006#:~:text=Observa%2Dse%20que%20a%20associa%C3%A7%C3%A3o,%2Dtraum%C3%A1tico%20e%20ansiedade%20(Pedersen%2C

Angerami, W. A. (2004). Tendências em psicologia hospitalar. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Araujo, T. C. C. F. (2007). Psicologia da reabilitação: Pesquisa aplicada à intervenção hospitalar. Revista da SBPH, 10(2), 63-72. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-0858200700020000

Bonomo, A. M. S., & Araujo, T. C. C. (2009). Psicologia aplicada à cardiologia: um estudo sobre emoções relatadas em exame de holter. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(1), 65-74. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-37722009000100008&script=sci_abstract&tlng=pt

Cantarelli, A. P. S. (2009). Novas abordagens da atuação do psicólogo no contexto hospitalar. Revista SBPH, 12(2), 137-147. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582009000200011

Cantus, D. S., & Ruiz, M. D. C. S. (2011). A cardiopatia isquêmica na mulher. Revista Latino Americana de Enfermagem, 19(6), 1-8. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692011000600025&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Côrte, R. L. (1998). Importância do aspecto psicológico na reabilitação do paciente cardiopata. Revista SOCERJ, 11(1), 31-37. Recuperado de: http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/1998/1998_02.pdf

Dantas, R. A. S., Stuchi, R. A. G., & Rossi, L. A. (2002). A alta hospitalar para familiares de pacientes com doença arterial coronariana. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 36(4), 345-350. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342002000400008

Dias, M. O. (2011). Um olhar sobre a família na perspectiva sistêmica o processo de comunicação no sistema familiar. Revista Gestão e Desenvolvimento, v.19, 139-156. Recuperado de: https://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/9176

Eickhoff, P. C., Schneider, N., & Aozani, J. P. (2014). O trabalho do psicólogo com pacientes em reabilitação. XV jornada de extensão da Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Ijuí: Unijuí. Recuperado de: https://www.publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/view/3371/2779

Escudeiro, G., & Melo, W. A. (2010). Prevalência dos fatores de risco em pacientes submetidos à angioplastia coronariana. V amostra interna de trabalhos de iniciação científica do centro universitário de Maringá. Paraná: CESUMAR. Recuperado de: http://www.cesumar.br/prppge/pesquisa/mostras/quin_mostra/gisele_escudeiro_3.pdf

Faro, A. C. M. (2006). Enfermagem em reabilitação: ampliando os horizontes, legitimando o saber. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 40(1), 128-133. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342006000100019&script=sci_abstract&tlng=pt

Fossi, L. B., & Guareschi, N. M. F. (2004). A psicologia hospitalar e as equipes multidisciplinares. Revista da SBPH, 7(1), 29-43. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582004000100004

Galter, C., Rodrigues, G. C., & Galvão, E. C. F. (2010). A percepção do paciente cardiopata para vida ativa após recuperação de cirurgia cardíaca. Journal of the Health Sciences Institute, 28(3), 255-258. Recuperado de: http://repositorio.unip.br/wp-content/uploads/2020/12/V28_n3_2010_p255-258.pdf

Gama, G. G. G., Mussi, F. C., Pires, C. G. S., & Guimarães, A. C. (2012). Crenças e comportamentos de pessoas com doença arterial coronária. Ciência & Saúde Coletiva, 17(12), 3371-3383. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012001200022

Gus, A., Fischmann, I., & Medina, C. (2002). Prevalência dos fatores de risco da doença arterial coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 78(5), 478-483. Recuperado de: http://publicacoes.cardiol.br/abc/2002/7805/78050005.pdf

Jurkiewicz, R., & Romano, B. W. (2009). Doença arterial coronariana e vivência de perdas. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 93(4), 352-359. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0066-782X2009001000007&script=sci_abstract&tlng=pt

Lamas, A. R. (2010). Fatores de risco modificáveis para a doença arterial coronariana prevalentes nos trabalhadores de enfermagem. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ. Recuperado de: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/bitstream/handle/unirio/12180/Disserta%c3%a7%c3%a3o-%20Alinny%20Rodrigues%20Lamas.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Leite, V. B. E., & Faro, A. C. M. (2005). O cuidar do enfermeiro especialista em reabilitação físico-motora. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 39(1), 92-96. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342005000100012

Maia, C. O., Goldmeier, S., Moraes, M. A., Boaz, M. R., & Azzolin, K. (2007). Fatores de risco modificáveis para doença arterial coronariana nos trabalhadores de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), 138-142. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002007000200005#:~:text=Entre%20os%20modific%C3%A1veis%20est%C3%A3o%20a,a%20HAS%20e%20a%20obesidade.

Mansur, A. P., Mattar, A. P. L., Tsubo, C. E., Simão, D. T., Yoshi, F. R., & Daci, K. (2001). Prescrição e aderência das estatinas em pacientes com doença arterial coronariana e hipercolesterolemia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 76(2), 111-114. Recuperado de: http://publicacoes.cardiol.br/abc/2001/7602/7602002.pdf

Oliveira, B. S., Castro, Y. T. B. O., Silva, L. D. C., Azevedo, P. R., & Silva, A. C. O. (2015). Cotidiano de mulheres com doença arterial coronariana: uma perspectiva de gênero. Revista Baiana de Enfermagem, 30(1), 305-315. Recuperado de: https://aratuipe.ufba.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/14591/pdf_29

Oliveira, R. A. (2000). Elementos psicoterapêuticos na reabilitação dos sujeitos com incapacidades físicas adquiridas. Análise Psicológica, 4(18), 437-453. Recuperado de: http://publicacoes.ispa.pt/index.php/ap/article/view/391/pdf

Pêgo-Fernandes, P. M., Gaiotto, F. A., & Guimarães-Fernandes, F. (2008). Estado atual da cirurgia de revascularização do miocárdio. Revista de Medicina, 87(2), 92-98.

Romano, B.W. (1998). A Prática da Psicologia nos Hospitais. (2a ed.). São Paulo: Pioneira.

Simonetti, A. (2011). Manual de Psicologia Hospitalar: o mapa da doença. (6a ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo

Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (SOCERJ). Doença coronariana. (2013). Recuperado de: https://socerj.org.br/area-publico/?p=291#:~:text=A%20doen%C3%A7a%20coronariana%20%C3%A9%20o,impedir%20a%20passagem%20do%20sangue.

Schneider, D. G., Manschein, A. M. M., Ausen, M. A. B., Martins, J. J., & Albuquerque, G. L. (2008). Acolhimento ao paciente e família na unidade coronariana. Texto & Contexto Enfermagem, 17(1), 81-89. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072008000100009&script=sci_abstract&tlng=pt

Vargas, T. V., Maia, E. M., & Dantas, R. A. S. (2006). Sentimentos de pacientes no pré-operatório de cirurgia cardíaca. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(3), 1-6. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692006000300012&script=sci_abstract&tlng=pt

Downloads

Publicado

2021-08-09

Como Citar

Souza de França, J. H., & Passos, Y. N. . (2021). A IMPORTÂNCIA DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA REABILITAÇÃO DO PACIENTE COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 131–150. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A9

Edição

Seção

Estudo Teórico