DESAFIOS E POTENCIALIDADES NO DEBATE DE GÊNERO E SEXUALIDADE: uma revisão integrativa

Autores

  • Antonio Guilherme Martins Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Maria Eduarda Silva Siqueira da Luz Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Francisco Jander de Sousa Nogueira Ufdpar https://orcid.org/0000-0003-4390-1709

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A10

Palavras-chave:

Políticas Públicas, Escola, Educação em Saúde

Resumo

As questões de gênero e sexualidade perpassam as relações das gerações, tornando-se dimensões organizadoras das relações sociais, o que corrobora para a existência de desigualdades, transformada pelas mais variadas culturas e sociedades. Nesse sentido, o artigo teve por objetivo expor sobre os desafios e potencialidades acerca das questões de gênero e sexualidade nos últimos 10 anos, no que diz respeito a saúde e educação no contexto atual. Realizou-se um levantamento da literatura, buscando documentos indexados em sites eletrônicos: SCIELO (Scientific Electronic Library Online), BVS (Biblioteca Nacional de Saúde), LILACS (Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde) com os descritores: Gênero e Sexualidade; Gênero e Saúde. Buscou-se documentos que abordassem essas questões utilizando os seguintes critérios de inclusão: livros, teses, artigos e outros tipos de publicações que trabalhassem o tema, publicados entre os anos de 2009 e 2019, listados nas bases de dados referenciados, no idioma Português. Foram encontrados 135 artigos dos quais 11 atenderam aos critérios de inclusão e constituíram a amostra. Os resultados ressaltaram que ainda existem inúmeros entraves relacionados aos direitos e garantias das relações de gênero na saúde e educação. As evidências encontradas nesta revisão indicam a necessidade do debate de gênero dentro das instituições de ensino, o que passa a ser um papel crucial para o enfrentamento das desigualdades, corroborando para a construção de potencialidades significativas na inserção desse discurso na sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amaro, I. (2017). Para discutir (ainda mais) gênero e sexualidade na escola: políticas e práticas de resistências. Periferia, 9 (2), 5-15. doi: 10.12957.2017.31277.

Auad, D. Ramos, M.R.N & Salvador, R. (2017). Educação, emancipação e feminismos possíveis: um olhar histórico sobre a igualdade de gênero na escola. Revista educação e emancipação, 10 (4), 186-208. doi: 10.18764/2358-4319.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Brasília. Recuperado em 04 abril 2020, de https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf.

Ministério da saúde. (2007). Plano integrado de enfrentamento da feminização da epidemia de aids e outras dst. Coordenação nacional de DST e AIDS. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2008). Política nacional de atenção integral à saúde do homem. Secretaria de atenção à saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2009). Política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Cardoso, M.R., & Ferro, L.F. (2012). Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Psicologia Ciência e Profissão, 32 (3), 552-563. doi: 10.1590/S1414-98932012000300003.

Carrara, S., Russo, J.A., & Faro, L. (2009). A política de atenção à saúde do homem no Brasil: os paradoxos da medicalização do corpo masculino. Physis, 19 (3), 659-678. doi: 10.1590/S0103-73312009000300006.

Catharino, T.R. (2006). Gênero e sexualidade no espaço escolar – uma proposta de educação e saúde. Revista Ártemis - Estudos de Gênero, Feminismos e Sexualidades, (5). Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/2162.

Ferraz, M.O.K., Addor, N., & Neto, J.O.N. (2019). Políticas públicas de gênero na educação: uma análise para o desenvolvimento. Revista Eletrônica Do Curso De Direito Da Ufsm, 14 (3). doi: https://doi.org/10.5902/1981369431721

Gomes, R., Murta, D., Facchini, R., & Meneghel, S.N. (2006). Gênero, direitos sexuais e suas implicações na saúde. Ciênc. saúde coletiva, 23 (6), 1997-2006. DOI: 10.1590/1413-81232018236.04872018.

Gomes, R., & Nascimento, E.F. (2006). A produção do conhecimento da saúde pública sobre a relação homem-saúde: uma revisão bibliográfica. Cad. Saúde Pública, 22(5), 901-911. doi: 0.1590/S0102-311X2006000500003.

Lionço, T. (2009). Atenção integral à saúde e diversidade sexual no Processo Transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios. Physis: revista de saúde coletiva, 19(1), 43-63, 2009. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-73312009000100004.

Lucchese, T.R., Aguiar, D.S., Wargas, T. Lima., L.D. Magalhães, R., & Monerat, G.L. (2004). Políticas públicas em Saúde Pública. 1ª ed. São Paulo/SP. Editora Espaço da Gestão.

Maia, A.C.B., Navarro, C., & Maia, A.F. (2011). Relações entre gênero e escola no discurso de professoras do ensino fundamental. Psicologia da Educação, (32), 25-46. Recuperado em 04 de abril de 2020, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-69752011000100003&lng=pt&tlng=pt.

Preuss, L.T, Martins, D.A.B. (2019). Reflexões acerca da Política Nacional de Saúde Integral LGBT nas regiões de fronteiras. Interações (Campo Grande), 20(3), 933-946. Recuperado em 04 de abril de 2020, de <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-70122019000300933&lng=en&nrm=iso>.

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 20(2), 71-99.

Silva, C.G., & Borba, P.L. (2018). Encontros com a diferença na formação de profissionais de saúde: juventudes, sexualidades e gêneros na escola. Saúde e sociedade. 27(4), 1134-1146. doi: 10.1590/S0104-12902018170274.

Silva, D. (2019). Caminhos possíveis para produção de práticas pedagógicas no enfrentamento das violências de gênero e sexualidade. Periferia, 11(2), 424-441. doi: 10.12957.2019.36363.

Downloads

Publicado

2021-09-13

Como Citar

Martins, A. G. ., Luz, M. E. S. S. da ., & Nogueira, F. J. de S. (2021). DESAFIOS E POTENCIALIDADES NO DEBATE DE GÊNERO E SEXUALIDADE: uma revisão integrativa. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 151–168. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A10

Edição

Seção

Estudo Teórico