IMPACTOS DO CONTEXTO PANDÊMICO NA SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE

Autores

  • Amanda Cristina dos Santos Nogueira FPM - FACULDADE DE PATOS DE MINAS
  • Constance Rezende Bonvicini Faculdade Patos de Minas - FPM

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A16

Palavras-chave:

Pandemia, Qualidade de Vida, Ambiente de Trabalho, Enfermagem

Resumo

A pandemia da COVID-19 reflete de maneira intensa e complexa em processos sociais, econômicos e culturais de forma global, também por sua natureza sanitária no ambiente de trabalho, fenômeno que impacta e pode repercutir na saúde do trabalhador. O objetivo geral do presente artigo foi analisar a influência que o cenário pandêmico possui sobre a saúde mental dos profissionais que atuam na área da saúde, levando em consideração seu trabalho, a qualidade de vida e satisfação com a organização. A metodologia selecionada para a pesquisa foi de cunho descritivo, qualitativo, classificada como uma pesquisa bibliográfica, em que se aplicou como descritores: satisfação e qualidade de vida no contexto laboral, selecionando-se fontes acadêmicas de informações que respondiam aos objetivos propostos e que se apresentavam contextualizados pela pandemia. Os resultados apontam para o fato de que equipes de organizações da área de saúde podem ser mais afetadas em meio ao cenário, como a classe dos enfermeiros. Retrata-se que tais profissionais, são duplamente afetados pela pandemia, tanto em seu ambiente de trabalho, enquanto ocupam a linha de frente no combate ao vírus, quanto na vida pessoal, quando enfrentam os efeitos do isolamento social, a ausência das escolas como parceiras, insegurança financeira e questões relacionadas. Dessa forma, conclui-se que a satisfação e qualidade de vida no ambiente de trabalho foi afetada significativamente pela pandemia, contribuindo para o desenvolvimento de sofrimentos psíquicos nas diversas esferas, incluindo o estresse laboral, sobretudo em ambientes de atuação de profissionais da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amorim, S. C., & Souza, H. V. (2018). Síndrome de burnout em profissionais da enfermagem que atuam na unidade de terapia intensiva. Revista Pró-UniverSUS, 9(2), 02-05.

Baker, M. C., Argolo, J. C., & Borges, L. O. (2006). Os valores organizacionais e a síndrome de burnout: dois momentos em uma maternidade pública. Psicologia: reflexão e crítica, 19(1), 34-43. doi:https://doi.org/10.1590/S0102-79722006000100006

Balassiano, M., Tavares, E., & Pimenta, R. D. (2011). Estresse ocupacional na administração pública brasileira: quais os fatores impactantes? Revista de Administração Pública, 45(3), 751-774.

Barros, M. M. (1999). Revendo a história da enfermagem em São Paulo (1890-1920) (Vol. 13). São Paulo: Cadernos Pagu.

Bendassolli, P. F. (2007). Felicidade e trabalho. GV Executivo, 6(4), 57-61.

Bezerra, A. C., Silva, C. E., Soares, F. R., & Silva, J. A. (2020). Fatores associados ao comportamento da população durante o isolamento social na pandemia de COVID-19. Ciência & Saúde Coletiva, 25(9), 2411-2421. doi:https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.123

Bezerra, C. D., Assis, S. G., & Constantino, P. (2016). Sofrimento psíquico e estresse no trabalho de agentes penitenciários: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 21(2), 2135-2146. doi:https://doi.org/10.1590/1413-81232015217.00502016

Carmo, F. C., Costa, E. F., Gomes, J. C., Miranda, I. M., Oliveira, B. L., Paula, J. V., & Silva, M. F. (2021). Programas de desenvolvimento de pessoas enquanto ferramenta de promoção de saúde: reflexões em tempos de pandemia. Única Cadernos Acadêmicos, 1(1), 1-11.

Corbi, R. B., & Menezes-Filho, N. A. (2006). Os determinantes empíricos da felicidade no Brasil. Brazilian Journal of Political Economy, 26(4), 518-536. doi:https://doi.org/10.1590/S0101-31572006000400003

Costa, D. A. (2020). Os desafios do profissional de enfermagem mediante a Covid-19. Revista Gestão & Tecnologia, 1(30), 19-21.

Dantas, T. P., Aguiar, C. A., Rodrigues, V. R., Silva, R. R., Silva, M. I., Sampaio, L. R., & Pinheiro, W. R. (2020). Diagnósticos de enfermagem para pacientes com COVID-19. Journal Health NPEPS, 5(1), 396-416.

Dolan, P., Peasgood, & White, M. (2008). Do we really know what makes us happy? a review of the economic literature on the factors associated with subjective well-being. Journal of economic psychology, 29(1), 94-122. doi:https://doi.org/10.1016/j.joep.2007.09.001

Estrela, F. M., Soares, C. F., Cruz, M. A., Silva, A. F., Santos, J. R., Moreira, T. M., & Silva, M. G. (2020). Pandemia da covid 19: refletindo as vulnerabilidades a luz do gênero, raça e classe. Ciência & Saúde Coletiva, 25(9), 3431-3436. doi:https://doi.org/10.1590/1413-81232020259.14052020

Feldman, L. B., Gatto, M. A., & Cunha, I. C. (2005). História da evolução da qualidade hospitalar: dos padrões a acreditação. Acta Paulista de Enfermagem, 18(2), 213-219. doi:https://doi.org/10.1590/S0103-21002005000200015

Feliciano, G. G., & Ebert, P. R. (2020). Coronavírus e meio ambiente de trabalho: de pandemias, pantomimas e panaceias. Rev. Trib. Reg. Trab. 3ª Reg, 63(63).193-233.

Fernandes, L. S., Nitsche, M. J., & Godoy, I. D. (2018). Associação entre síndrome de burnout, uso prejudicial de álcool e tabagismo na enfermagem nas UTIs de um hospital universitario. Ciência & Saúde Coletiva, 23(2), 203-214. doi:https://doi.org/10.1590/1413-81232018231.05612015

Ferreira, M. C., Leite, J. V., & Mendes, A. M. (2009). Mudando a gestão da qualidade de vida no trabalho. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 9(2), 109-123.

Barbosa Filho, F. H. (2017). A crise econômica de 2014/2017. Estudos avançados, 31(89), 51-60. doi:https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890006

Fisher, C. D. (2012). Happiness at work. International journal of management reviews, 12(4), 384-412.

Freire F, J. (2010). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: FGV.

Gallian, D. M. (2000). A (re) humanização da medicina. Psiquiatria na prática médica, 33(2), 5-8.

Gavin, J. H., & Mason, R. O. (2004). The virtuous organization: the value of happiness in the workplace. Organizational dynamics, 33(4), 379-392.

Gratton, L., & Scott, A. (2016). The 100-year life: living and working in an age of longevity. Bloomsbury Publishing, 71(2), 103–106.

Gullo, M. C. (2020). A economia na pandemia covid-19: algumas considerações. Rosa Dos Ventos-Turismo e Hospitalidade, 12(3), 12-24. doi:https://doi.org/10.18226/21789061.v12i3a05

Hosie, P. J., & Sevastos, P. (2009). Does the “happy?productive worker” thesis apply to managers? International Journal of Workplace Health Management, 2, 131-160. doi:https://doi.org/10.1108/17538350910970219

Kahneman, D., & Deaton, A. (2010). High income improves evaluation of life but not emotional well-being. Proceedings of the national academy of sciences, 107(38), 16489-16493. doi:https://doi.org/10.1073/pnas.1011492107

Layard, R. (2008). Felicidade: lições de uma nova ciência. Rio de Janeiro: Best Seller.

Macedo, M., & Cremonezi, G. O. (2013). Estudo da percepção dos funcionários sobre o plano de carreira como estratégia para reter talentos nas organizações. UNIVERSITAS, 1(11), 2-10.

Maio, T. L. (2016). A felicidade no trabalho: o impacto na gestão das organizações. Dissertação de Mestrado em Gestão, Business e Economics School: Instituto de Superior de Gestão, Lisboa.

Marques, G. L., Carvalho, F. L., Fortes, S., Miranda, F. H., & Alves, G. S. (2018). Síndrome de burnout entre médicos plantonistas de unidades de terapia intensiva. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 67(3), 186-193. doi: https://doi.org/10.1590/0047-2085000000202

Mascarenhas, M. D., & Barros, M. B. (2015). Evolução das internações hospitalares por causas externas no sistema público de saúde-Brasil, 2002 a 2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24(3), 19-29. doi:https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000100003

Maximiano, A. C. (2012). Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital (Vol. 8). São Paulo: Atlas.

Medeiros, C. S. (2009). O conceito de felicidade na mídia e o estímulo ao consumo permanente: a felicidade não tem preço? Sessões do Imaginário, 14(21), 35-42.

Nascimento, E. É., Santos, V. S., Silva, T. C., & Duque, M. A. (2020). Desenvolvimento da síndrome de Burnout nos enfermeiros de UTI de um hospital. Brazilian Journal of Health Review, 3(4), 7325-7352.

Nichele, J., Stefano, S. R., & Raifur, L. (2015). Análise da remuneração estratégica para atrair e reter colaboradores: a visão dos pós-graduandos. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe), 5(12), 212-231. doi:https://doi.org/10.20503/recape.v5i2.24911

Odelius, C. C., & Santos, A. R. (2008). Percepção de justiça organizacional de sistemas de remuneração em organizações públicas. Revista Alcance, 15(2), 226-242. doi:https://doi.org/10.14210/alcance.v15n2.p226-242

Paulani, L. M. (2011). A autonomização das formas verdadeiramente sociais na teoria de Marx: comentários sobre o dinheiro no capitalismo contemporâneo. Revista EconomiA, 12(1), 49-70.

Pereira, M. D., Torres, E. C., Pereira, M. D., Antunes, P. F., & Costa, C. F. (2020). sofrimento emocional dos enfermeiros no contexto hospitalar frente à pandemia de COVID-19. Research, Society and Development, 9(8), 12-35.

Pinto, J. M. (2014). Dinheiro traz felicidade? uma relação entre insumos e qualidade na educação. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 22(19), 1-17. doi:http://dx.doi.org/10.14507/epaa.v22n19.2014

Pires, L. N., Carvalho, L., & Xavier, L. D. (2020). COVID-19 e desigualdade: a distribuição dos fatores de risco no Brasil. Experiment Findings, 02-10.

Puente-Palacios, K. E., Pacheco, E. A., & Severino, A. F. (2013). Clima organizacional e estresse em equipes de trabalho. Rev. Psicol., Organ. Trab., 13(1), 37-48.

Pupo, M. B. (2005). Empregabilidade acima dos 40 anos. São Paulo: Expressão e Arte Editora.

Ramírez, C, Á. F., García, M. A., & Domínguez, A. L. (2013). O ambiente de trabalho como elemento de compromisso organizacional. National Journal of Administration, 4(1), 59-70.

Ribeiro, J. F., Figueiredo, A. J., Silva, M. K., Bandeira, F. L., Silva, P. S., & Pinho, M. A. (2021). Profissionais de enfermagem na UTI e seu protagonismo na pandemia: legados da Covid-19. Revista Enfermagem Contemporânea, 10(1), 14-19. doi:http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v10i2.3423

Ribeiro, L. C., Santana, J. R., Andrade, J. R., Moura, F. R., Esperidião, F., Jorge, M. A., & Cerqueira, R. B. (2020). Estimação de impactos econômicos da pandemia COVID-19 em Sergipe. Boletim Informativo Mensal – LEADER/UFS, 12(2), 05-08. doi:10.13140/RG.2.2.26067.20003

Rosenbluth, H. F., & Peters, D. M. (1992). The customer comes second: and other secrets of exceptional service. Virgínia: Morrow.

Sanglard, G. (2007). Hospitais: espaços de cura e lugares de memória da saúde. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 15(2), 257-289. doi:https://doi.org/10.1590/S0101-47142007000200020

Santos, K. O., Fernandes, R. D., Almeida, M. M., Miranda, S. S., Mise, Y. F., & Lima, M. A. (2020). Trabalho, saúde e vulnerabilidade na pandemia de COVID-19. Cadernos de Saúde Pública, 36(12), 1-14. doi:https://doi.org/10.1590/0102-311X00178320

Sender, G., & Fleck, D. (2017). As organizações e a felicidade no trabalho: uma perspectiva integrada. Revista de Administração Contemporânea, 21(6), 764-787.

Susniene, D., & Jurkauskas, A. (2009). The concepts of quality of life and happiness–correlation and differences. Engineering Economics, 36(4), 56-66.

Teixeira, R. A., & Pinto, E. C. (2012). A economia política dos governos FHC, Lula e Dilma: dominância financeira, bloco no poder e desenvolvimento econômico. Economia e sociedade, 21(esp), 909-941. doi:https://doi.org/10.1590/S0104-06182012000400009

Valente, J. (23 de Novembro de 2020). Médicos denunciam falta de insumos e equipamentos. Fonte: Agência Brasil: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-05/covid-19-medicos-denunciam-falta-de-insumos-e-equipamentos

Downloads

Publicado

2021-11-09

Como Citar

Nogueira , A. C. dos S. ., & Bonvicini, C. R. . (2021). IMPACTOS DO CONTEXTO PANDÊMICO NA SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 253–272. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A16

Edição

Seção

Estudo Teórico