DO INDESEJÁVEL AO IMPONDERÁVEL: A EXPERIÊNCIA DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE A MORTE

Autores

  • Cristiano de Jesus Andrade Faculdade Pitágoras de Poços de Caldas
  • Carlos Sousa Filho Faculdade Pitágoras de Poços de Caldas
  • Michelle Fonseca Lago Faculdade Pitágoras de Poços de Caldas
  • Bruno Chapadeiro Ribeiro Faculdade Pitágoras de Poços de Caldas

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A15

Palavras-chave:

Enfermagem oncológica, Cuidados de Enfermagem, Saúde do Trabalhador

Resumo

Esta pesquisa objetivou analisar as percepções de enfermeiros quanto a morte dos pacientes em tratamento oncológico. Tal estudo valeu-se do método qualitativo, do tipo estudo de caso, tendo como sujeitos 10 enfermeiros oncológicos, com os quais foi utilizada a entrevista semiestruturada como técnica. Buscando analisar os resultados à luz da psicodinâmica do trabalho, a partir da qual pode-se compreender que os profissionais, identificam a morte como um processo natural, frequentemente vivenciado em sua profissão. No entanto apontaram vivenciarem tristeza e frustração mediante ao desligamento do paciente. Concluindo que embora os profissionais demonstrem lidar com a finitude de modo "natural", também experimentam sentimentos desconfortáveis, porém não adoeceram, visto que as defesas utilizadas garantem a integridade do ego em contato com a realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, I. R., Veloso, T. M. C., Pinheiro, A. K. B., & Ximenes, L. B. (2006). O envolvimento do enfermeiro no processo de morrer de bebês internados em Unidade Neonatal. Acta Paulista de Enfermagem, 19(2), 131-7. https://doi.org/10.1590/S0103-21002006000200002

Andrade, C. J., Baccelli, M. S., & Benincasa, M. (2017). O vínculo mãe-bebê no período de puerpério: uma análise winnicottiana. Vínculo, 14(1), 1-13. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttextpid=S1806-24902017000100004lng= ptnrm=isso

Andrade, C. J. Galhardi, S. R. R. B., & Avoglia, H. R. C. (2020). Reações defensivas de pacientes em tratamento oncológico: análise das principais formas de enfrentamento. Brazilian Journal of Health Review, 3, 5881-5899. https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-149

Benites, A. C, Neme, C. M. B., & Santos, M. A. (2017). Significados da espiritualidade para pacientes com câncer em cuidados paliativos. Estudos de Psicologia (Campinas) , 34, 269-279.

Bezerra, J. S., Freitas, K. S., Góis, J. A., Lima, A. B., Fontoura, E. G., & Oliveira, M. A. N (2019). Validação de cartilha para promoção do conforto de familiares com parentes hospitalizados. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 20, e41399.

Bleger, J. (2007). Temas de psicologia: entrevista e grupos (3a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Bosco, A. G. (2008). Perda e luto na equipe de enfermagem do centro cirúrgico de urgência e emergência (Tese de Doutorado). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USF, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica, Ribeirão Preto.

Braitt Lima, A. & Santa Rosa, D. O. (2018). Guia para o processo de ajuda interpessoal de enfermagem ao familiar do paciente crítico. CIENCIA Y ENFERMERÍA (EN LÍNEA), 23, 159-169. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532017000200159

Bretas, J. R. S., Oliveira, J. R., & Yamaguti, L. (2006). Reflexões de estudantes de enfermagem sobre morte e o morrer. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 40(4). Recuperado em 10 out. 2017, de <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0080-62342006000400005&lng=en&nrm=iso>.

Brito, S., & Carvalho, V. B. (2017). O cuidar no processo de morrer na percepção da mulher das mulheres com câncer: uma atitude Fenomenológica. Düsseldorf, Alemanha: Novas Edições Acadêmicas.

Campos, É. B. V. (2013). Considerações sobre a morte e o luto na psicanálise. Revista de Psicologia da UNESP, 12(1), 13-24.

Carvalho, M. M. J. (Coord.). (2003). Introdução à psicooncologia. Campinas: Livro Pleno.

Danda Sampaio, A., & Heckler de Siqueira, H. C. (2016). Influência da Espiritualidade no Tratamento do Usuário Oncológico: Olhar da Enfermagem. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, 20(3), 151-158. Recuperado em 20 set. 2021, de <https://seer.pgsskroton.com/index.php/ensaioeciencia/article/view/4433 >.

Dejours, C. (2012). Trabalho vivo: trabalho e emancipação (Vol. 2). Brasília: Paralelo 15.

Ferracioli, N. G. M., Vendruscolo, J., & Santos, M. A. D. (2017). Quando a psicanálise entrou no centro cirúrgico: um relato de experiência. Vínculo (São Paulo), 14, 1-12.

Ferreira, V. S., & Raminelli, O. (2012). O olhar do paciente oncológico em relação a sua terminalidade: ponto de vista psicológico. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 15(1), 101-113. Recuperado em 02 out. 2017, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttextpid=S1516-08582012000100007lng=ptnrm=iso>.

Gomes, G.C., Xavier, D. M., Mota, M. S., Salvador, M.S., Silveira, R.S., & Barlem, E. L. D. (2014). Dando notícias difíceis à família da criança em situação grave ou em processo de terminalidade. Revista Enfermagem UERJ, 22, 347-352. Recuperado em 02 out. 2017, de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/13723

Gonçalves, M. O. (2001). Morte e castração: um estudo psicanalítico sobre a doença terminal infantil. Psicologia Ciência e Profissão, 21(1), 30-41. https://doi.org/10.1590/S1414-98932001000100004

Kübler-Ross, E. (2008). Sobre a morte e o morrer: o que os doentes terminais tem para ensinar aos médicos, enfermeiras, religiosos e aos próprios parentes. (P. Menezes, Trad.) (9a ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Leshan, L. (1992). O câncer como ponto de mutação. São Paulo: Summus.

Braitt Lima, A. & Rosa, D. O. S. (2008). O sentido da vida do familiar do paciente crítico. REE - Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42(3) 574-553. https://doi.org/10.1590/S0080-62342008000300019

Braitt Lima, A. & SANTA ROSA, D. de O. (2017). Significados da responsabilização pelo cuidar/cuidado por estudantes de enfermagem um estudo fenomenológico. ETICA DE LOS CUIDADOS , 9. Recuperado em 20 jun. 2018, de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7500028

Maciel, A. M. S. B., Alexandre, A. C. S., Ferreira, D. M. B, & Silva, F. C. (2018). A condição da espiritualidade na assistência de enfermagem oncológica / The condition of spirituality in oncological nursing care. Revista de Enfermagem da UFPE online, 12(11): 3024-3029. Recuperado em 20 set. 2021, de <https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/234609/30497>.

Mota, M. S., Gomes, G. C., Coelho, M. F., Lunardi, W. D. F., & Sousa, L. D. (2011). Reações e sentimentos de profissionais da enfermagem frente à morte dos pacientes sob seus cuidados. Revista Gaúcha de Enfermagem (Online), 32(1). http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000100017

Neme, C. M. B. (1999). Enfrentamento do câncer: ganhos terapêuticos com psicoterapia num serviço de psico-oncologia em hospital geral (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Rocha, D. D., Nascimento, Ê. C., Raimundo, L. P., Damasceno, A. M. B., & Bondim, H. F. F. B. (2017). Sentimentos vivenciados pelos profissionais de Enfermagem diante de morte em unidade de terapia intensiva neonatal. Mental, 11(21), 546-560. Recuperado em 27 de junho de 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272017000200015&lng=pt&tlng=pt.

Sanches, P. G. (2007). Convivendo com a morte e o morrer: o ser-enfermeiro em unidade de terapia intensiva (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Santana, J. C. D., Andrade, C. J., & Carvalho, M. V. B. (2018). A morte na perspectiva de enfermeiros oncológicos: análise das repercussões na saúde mental destes profissionais. In: Cristiano de Jesus Andrade. (Org.). Saúde mental e trabalho: temas emergentes na contemporaneidade. 1ed.Curitiba: CRV, 1, 137-150.

Turato, E. R. (2003). Tratamento da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde humanas. Rio de Janeiro: Vozes.

Vizzotto, M. M. (2003). O método clínico e as intervenções na comunidade. In: V. B. Oliveira, & K. Yamamoto (Orgs.), Psicologia da saúde: Temas, reflexão e prática (pp. 137-152). São Bernardo do Campo: Metodista.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Como Citar

Andrade, C. de J., Sousa Filho, C., Lago, M. F., & Ribeiro, B. C. (2021). DO INDESEJÁVEL AO IMPONDERÁVEL: A EXPERIÊNCIA DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE A MORTE. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 236–252. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A15

Edição

Seção

Artigo original