DISTANCIAMENTO SOCIAL E REPERCUSSÕES OCUPACIONAIS DA PANDEMIA PARA CUIDADORAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A19

Palavras-chave:

Terapia Ocupacional, COVID-19, Desenvolvimento Infantil

Resumo

O presente estudo objetivou identificar o impacto do distanciamento social provocado pela pandemia da COVID-19 em relação ao perfil ocupacional de cuidadoras de crianças e adolescentes acompanhados por uma equipe multiprofissional. 34 cuidadoras participaram por meio de questionário composto por 31 questões. Os dados quantitativos foram analisados descritivamente e foi realizado análise de conteúdo para as perguntas de grade aberta. Os resultados desse estudo apontam para a intensificação do papel de cuidadora, ausência da participação em atividades de lazer e a importância do envolvimento em atividades significativas que apoiam e sustentam a saúde. As participantes indicaram estratégias que foram efetivas para o enfrentamento dos impactos provocados pela pandemia, como atividades de lazer e prevenção ao coronavírus. Além disso, observa-se que tais estratégias foram desenvolvidas, em sua maioria, pelas próprias participantes, em redes sociais ou internet.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Batella Martins Batella Martins, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Terapeuta ocupacional formada pela Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil. Residente no programa de Residência Multiprofissional - Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente (UFES).

Bruna Lídia Taño, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Professora Adjunta Departamento de Terapia Ocupacional – Universidade Federal do Espírito Santo. Mestra em Terapia Ocupacional (Ufscar) e Doutora em Educação Especial (Ufscar).

Marina Vilaça Cavallari Machado, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Terapeuta ocupacional formada pela Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, Vitória, ES, Brasil. Residente no programa de Residência Multiprofissional- Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente (UFES).

Referências

American Occupational Therapy Association. (2020). Occupational therapy practice framework: domain and process(4º ed.). American Journal of OccupationalTherapy, 74(2), 1-87. https://doi.org/10.5014/ajot.2020.74S2001

Araújo, M. G. O., Dutra, M. O. M., Freitas, C. C. S. L., Guedes, T. G., Souza, F. S., Baptista, R. S. (2019). Cuidando de quem cuida: qualidade de vida e sobrecarga de mulheres cuidadoras. Revista Brasileira de Enfermagem, 72(3), 728-736. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0334

Ballarin, M. L. G. S., Benedito, A. C., Krön, C. A., Christovam, D. (2016). Perfil sociodemográfico e sobrecarga de cuidadores informais de pacientes assistidos em ambulatório de terapia ocupacional. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 24(2), 315-321. https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0607

Barros, A. L. O., Barros, A. O., Barros, G. L. M., Santos, M. T. B. R. (2017). Sobrecarga dos cuidadores de crianças e adolescentes com Síndrome de Down. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 3625-3634. https://doi.org/10.1590/1413-812320172211.31102016

Barros, D. D., Lopes, R. E., Galheigo, S. M. (2002). Projeto Metuia- Terapia Ocupacional no campo social. O Mundo da Saúde, 26(3), p. 365-369. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-366553

Brito, J. C. (2000). Enfoque de gênero e relação saúde/trabalho no contexto de reestruturação produtiva e precarização do trabalho. Cadernos de Saúde Pública, 16(1), 195-204. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000100020

Cavenaghi, S. (2018). Mulheres chefes de família no Brasil: avanços e desafios (1º ed). Rio de Janeiro: ENS-CPE. Recuperado de https://www.ens.edu.br/arquivos/mulheres-chefes-de-familia-no-brasil-estudo-sobre-seguro-edicao-32_1.pdf

Costa, E. F., Oliveira, L. S. M., Corrêa, V. A. C., Costa, O. A. A. C. (2017). Ciência ocupacional e terapia ocupacional: algumas reflexões. Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional, 1(5), 650-663. Recuperado de https://revistas.ufrj.br/index.php/ribto/article/view/9687/pdf

Dias, F. M., Berger, S. M. D., Lovisi, G. M. Mulheres guerreiras e mães especiais? Reflexões sobre gênero, cuidado e maternidades no contexto de pós-epidemia de zika no Brasil. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 30(4), e300408, 2020. https://doi.org/10.1590/S0103-73312020300408

Fiocruz, Saúde Mental e Atenção Psicossocial na Pandemia COVID-19. Crianças na Pandemia COVID-19. (2020). Recuperado de https://www.fiocruzbrasilia.fiocruz.br/wp-content/uploads/2020/05/crianc%cc%a7as_pandemia.pdf

Imperatori, T. K., Bezerra, F. P. 2020. Notas introdutórias sobre o direito à vida das pessoas com deficiência no contexto de COVID-19. Revista Observatório, 6(3), 1-15. https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2020v6n3a8pt

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. 2010. Estatísticas de Gênero.

Lei nº 13.146 de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Loyola, M. A. (2020). Covid-19: uma agenda de pesquisa em torno das questões de gênero. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 30(3), e300312. Epub September 04, 2020. https://doi.org/10.1590/s0103-73312020300312

Kristensen, H. K., Petersen, K. S. (2016). Occupational science: An important contributor to occupational therapists’ clinical reasoning. Scandinavian Journal of Occupational Therapy, 23(3)240-243. https://doi.org/10.3109/11038128.2015.1083054

Kudo, A. M., Barros, P. B. M., Joaquim, R. H. V. T. (2017). Terapia Ocupacional em Enfermaria Pediátrica. In Carlo, M. M. R. P., Kudo, A. M. Terapia Ocupacional em contextos hospitalares e cuidados paliativos. (p. 127-145). Editora Payá

Macedo, E. C., Silva, L. R., Paiva, M. S., Ramos, M. N. P. (2015). Sobrecarga e qualidade de vida de mães de crianças e adolescentes com doença crônica: revisão integrativa. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(4), 769-777. https://doi.org/10.1590/0104-1169.0196.2613

Macedo, E. E. (2020). Desigualdade e pandemia nas vidas dos brasileirinhas e brasileirinhos. Zero-a-seis, 22(especial), 1404-1419. https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/77746

Maior, I. M. M. L. (2017). Movimento político das pessoas com deficiência: reflexões sobre a conquista de direitos. Inclusão Social, 10(2), 28-36. Recuperado de http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/4029

Maciel, E. L. N., Melo, D. C. F., Delcarro, J. C. S., Robaina, I. M. M., Jabor, P. M., Junior, E. G., Zandonade, E. (2020). Pessoas Com Deficiência e COVID-19 no estado do Espírito Santo: Entre a invisibilidade e a falta de Políticas Públicas. SciELO Preprints. https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.1540

Moreira, L. E., Alves, J. S., Oliveira, R. G., Natividade, C. (2020). Mulheres em tempos de pandemia: um ensaio teórico-político sobre a casa e a guerra. Psicologia & Sociedade, 32, e020014. Epub September 04, 2020. https://doi.org/10.1590/1807-0310/2020v32240246

Oliveira, A. (2020). A espacialidade aberta e relacional do lar: a arte de conciliar maternidade, trabalho doméstico e remoto na pandemia da COVID-19. Revista Tamoios, 16(1). doi: https://doi.org/10.12957/tamoios.2020.50448

Organização Panamericana de Saúde. (?2020)?. Transmissão do SARS-CoV-2: implicações para as precauções de prevenção de infecção. Resumo científico, Recuperado de https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52472/OPASWBRACOVID-1920089_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Poellnitz, J. C. V. (2018). Atividade, cotidiano e ocupação na terapia ocupacional no Brasil: usos e conceitos em disputa. Dissertação de mestrado Programa de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional da Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, Brasil.

Raony, Í., Figueiredo, C. S., Pandolfo, P., Araujo, E. G., Bomfim, P. O. S., Savino, W. (2020). Psycho-neuroendocrine-immune interactions in COVID-19: potential impacts on mental health. Frontiers in Immunology, 11, 1170. https://doi.org/10.3389/fimmu.2020.01170

Rocha, D. M. S., Silva, J. S., Abreu, I. M., Mendes, P. M., Leite, H. D. C. S., Ferreira, M. C. S. (2021). Efeitos psicossociais do distanciamento social durante as infecções por coronavírus: revisão integrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 34, eAPE01141. Epub March 15, 2021.https://doi.org/10.37689/acta-ape/2021ar01141

Salles, M. M., Matsukura, T. S. (2013). Estudo de revisão sistemática sobre o uso do conceito de cotidiano no campo da terapia ocupacional no Brasil. Cadernos de Terapia Ocupacional, 21(2), p. 265-273. http://dx.doi.org/10.4322/cto.2013.028

Salles, M. M., Matsukura, T. S. (2016). O uso dos conceitos de ocupação e atividade na Terapia Ocupacional: uma revisão sistemática da literatura. Cadernos de Terapia Ocupacional, 24(4), 801-810. http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAR0525

Santos, J. L. G., Lanzoni, G. M. M., Costa, M. F. B. N. A., Debetio, J. O., Sousa, L. P., Santos, L. S., Marcelino, T. B., Mello, A. L. S. F. (2020). Como os hospitais universitários estão enfrentando a pandemia de COVID-19 no Brasil?. Acta Paulista de Enfermagem, 33. https://doi.org/10.37689/acta-ape/2020ao01755

Silva, D. A. M., Stoppa, E. A., Isayama, H. F., Marcellino, M. C., Melo, V. A. A. (2011). Importância da recreação e do lazer. In I R. P. Rodrigues C. R. Bonalume (Orgs.), Cadernos interativos – elementos para o desenvolvimento de políticas, programas e projetos intersetoriais, enfatizando a relação lazer, escola e processo educativo (4; 52). Gráfica e Editora Ideal. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/128023/CADERNO%20INTERATIVO%204.pdf?sequence=1

Sassaki, R. K. (2009). Inclusão: Acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação). 10-16. Recuperado de https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/211/o/SASSAKI_-_Acessibilidade.pdf?1473203319

Tavares, J. D. (2020). O trabalho da mulher e a sobrecarga emocional. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, Brasil. Recuperado de: https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/handle/123456789/6554

Trovão, C. J. B. M. (2020). A Pandemia da Covid-19 e a Desigualdade de Renda no Brasil: Um Olhar Macrorregional para a Proteção Social e os Auxílios Emergenciais. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Recuperado de https://ccsa.ufrn.br/portal/wp-content/uploads/2020/05/TROV%C3%83O-2020-PANDEMIA-E-DESIGUALDADE.pdf

Verza, F., Sattler, M. K., Strey, M. N. (2015). Mãe, mulher, chefe de família: perspectivas de gênero na terapia familiar. Pensando famílias, 19(1), 46-60. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1679-494X2015000100005&script=sci_abstract&tlng=pt

Wegner, W., Pedro, E. N. R. (2010). Os múltiplos papéis sociais de mulheres cuidadoras-leigas de crianças hospitalizadas. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(2), 335-342. https://doi.org/10.1590/S1983-14472010000200019

Zimmermann, T. R., Vicente, J. A. P., Machado, A. A. (2021). Análise de gênero a partir da economia do cuidado em tempos de pandemia: estudo de caso de mulheres-cuidadoras de crianças em CEMEI. Brazilian Journal of Development, 7(3), p. 26092-26112. https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-353

Downloads

Publicado

2021-10-28

Como Citar

Batella Martins, M. B. M., Lídia Taño, B., & Vilaça Cavallari Machado, M. (2021). DISTANCIAMENTO SOCIAL E REPERCUSSÕES OCUPACIONAIS DA PANDEMIA PARA CUIDADORAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 295–313. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A19

Edição

Seção

Artigo original